Novas Aquisições

MARX, Karl. Crítica da filosofia do direito de Hegel: 1843. São Paulo: Boitempo, 2005.

Sinopse: O livro traz uma cronobiografia do autor e a introdução ao livro feita pelo próprio Marx na qual tece uma crítica à religião e à monarquia constitucional alemã. Publicado originalmente em 1843 a 'Crítica da filosofia do direito de Hegel' é um divisor de águas na obra marxiana, marca a transição da chamada fase juvenil para a fase adulta e a consolidação dos pressupostos que irão orientar a produção do seu pensamento até sua maturidade. Ao investigar Hegel, Marx associaria definitivamente a compreensão das relações jurídicas na sociedade com as suas condições materiais; o pensar em função do ser e a alienação do povo; o Estado real em relação ao Estado moderno que o segrega e o burocratiza na qualidade de sociedade civil.


FERRAZ, Francisco. Brasil: a cultura política de uma democracia mal resolvida. Porto Alegre: Ad2000, 2014.

Sinopse: Cultura democrática pode ser definida como a que privilegia a autonomia dos indivíduos para se organizar, sem interferência ou dependência do Estado, senão como aquele que garante a paz social e o cumprimento das leis. O cientista político Francisco Ferraz dedicou a essa importante questão seu mais recente livro, e lá se lê que o País ainda não se democratizou de fato, pois nenhum dos avanços circunstanciais que o Brasil teve conseguiu mudar “essa fixação brasileira pelo Estado patrimonialista, centralizador e intervencionista que nos acompanha desde o descobrimento”.


SILVA, Maria de Lourdes da. Drogas: da medicina à repressão policial: a cidade do Rio de Janeiro entre 1921 e 1945. Rio de Janeiro: Outras letras, 2015.

Sinopse: A reflexão proposta pela autora, Maria de Lourdes da Silva, desvenda como a ciência médica de inspiração eugenista aliou-se ao campo jurídico num projeto político que visava ao controle da população, mais do que propriamente ao do uso das drogas. Ao mesmo tempo, analisa em detalhe como razões de Estado justificaram uma polícia de controle social dos segmentos sociais mais pobres, não brancos e moradores dos espaços disputados de uma cidade como o Rio de Janeiro, na época, capital federal, cujas políticas eram modelo a ser seguido pela nação.


BENTO, Artur Monteiro. Antropologia de Cabo Verde: diálogos, práticas, saberes e desafios contemporâneos. Rio de Janeiro: Artprint, 2015.

Sinopse: O antropólogo cabo-verdiano Artur Bento analisa neste livro a identidade social e a formação da nação em Cabo Verde, com base em ampla pesquisa bibliográfica e extensa pesquisa empírica que mapeou a memória coletiva do povo cabo-verdiano.







WILLADINO, Raquel (Org.). Prevenção à violência e redução de homicídios de adolescentes e jovens no Brasil. Rio de Janeiro: Observatório de Favelas, 2011.

Sinopse: Esta publicação se inscreve no eixo relacionado às metodologias de intervenção do Programa de Redução da Violência Letal (PRVL). Entre julho de 2009 e junho de 2010, foi feito um levantamento de políticas locais voltadas para a prevenção da violência e a redução de homicídios em curso nas regiões de abrangência do Programa. Nesse processo, buscou-se mapear programas e projetos preventivos, desenvolvidos por secretarias estaduais e municipais, visando identificar avanços e desafios nesse campo.





SARMENTO, Cristina Montalvão (Org.). Entre África e a Europa: nação, estado e democracia em Cabo Verde. Coimbra: Almedina, 2013.

Sinopse: Trata-se de uma obra de referência que fornecerá uma leitura global dos fenômenos e dos processos políticos em Cabo Verde, desde os primórdios da independência nacional, passando pelo período da institucionalização do regime autoritário, até o advento da democracia multipartidária, com particular enfoque para questões atinentes às instituições políticas comparadas, ao recrutamento das elites, ao sistema eleitoral e à institucionalização do sistema partidário, à sociedade civil, ao sistema de governo e à dinâmica do poder legislativo, aos padrões de cultura cívica e política, à participação política das mulheres, à comunicação e marketing políticos, não descurando um olhar autocrítico sobre os manejos identitários e as estratégias retórico-discursivas forjados, pela elite política e intelectual, para a imaginação da nação e as dinâmicas da inserção estratégica do arquipélago em múltiplos, e quiçá contrastantes, espaços de cooperação e integração regionais.


PAVIANI, Jayme (Org.). Globalização e humanismo latino. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000.

Sinopse: Essa obra contém conferências, comunicações, depoimentos de professores universitários de diversas partes do mundo sobre as relações entre globalização e humanismo latino.








PERDIGÃO, Paulo. Existência & liberdade: uma introdução a filosofia de Sartre. Porto Alegre: L&PM, 1995.

Sinopse: O livro concentra-se na filosofia sartriana, e recorre à obra literária do filósofo apenas de modo acessório. Resultado de anos de demorado estudo, este ensaio já nasceu definitivo dentro da bibliografia filosófica brasileira. A pesquisa é abrangente; apresenta toda a obra filosófica de Sartre, inclusive textos desgarrados, de menor importância ou esquecidos pela maioria dos intérpretes; considera também todas as publicações póstumas do filósofo até agora editadas. Isso já basta para que o ensaio de Paulo Perdigão se torne referência obrigatória para todos os que se interessem pelo mestre do existencialismo.




FRANCO, Maria Aparecida Ciavatta. Mediações históricas de trabalho e educação: gênese e disputas na formação dos trabalhadores (Rio de Janeiro, 1930-60). Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

Sinopse: Mediações históricas de trabalho e educação é a expressão de uma síntese teórico-metodológica de longa trajetória de pesquisa na área, em busca do método da crítica à economia política a partir da historicidade dos acontecimentos e dos sujeitos e das estruturas sociais da gênese e das disputas na formação dos trabalhadores. O sentido histórico-ontológico dado ao termo "mediações" envolveu o aprofundamento de outros conceitos, como a fotografia como fonte de pesquisa, o documento, a história oral, a memória e a identidade, a formação do cidadão produtivo, a educação politécnica e a formação integrada entre o ensino médio técnico e a educação profissional. O livro contém uma breve introdução sobre o presente como ponto de partida e a problematização da relação entre trabalho e educação. Do ponto de vista metodológico, trata-se de encontrar procedimentos capazes de captar a heterogeneidade do real em seus recortes de espaço-tempo e em constante movimento. Nesse sentido, o presente é concebido como o momento de um processo histórico não concluído, aberto, suscetível de ser potencializado em sua própria objetividade, à qual pertencem as práticas sociais com capacidade de imprimir direção aos processos sociais. Seguem-se duas partes. A primeira aborda os conceitos fundamentais para a reconstrução histórica dessa relação: a história como processo e a história como método, tempo e periodização, as fontes de pesquisa, a fotografia como fonte histórica. Na segunda parte, além de tratar dos conceitos de mediação e particularidade, empreende-se a reconstrução histórica de mediações das políticas educacionais dos anos 1930-60: o capitalismo e a criação da "civilização do trabalho" no Brasil, a "escola do trabalho", a ideologia de valorização do trabalho, a produtividade do trabalhador e a técnica como um novo humanismo.

FALLETTO, Enzo. Dimensiones sociales, políticas y culturales del desarollo. Bogotá; Buenos Aires: Siglo Del Hombre. Ed.: CLACSO, 2009.

Sinopse: Esta antología contiene una selección de los trabajos de Faletto escritos durante los últimos treinta años de su vida. Hemos preferido obviar una agrupación por período y optar por una temática en torno à lo que podríamos llamar "sus cinco grandes ejes de preocupación". Por un lado, los ámbitos de la sociedad y el comportamiento social: el desarrollo, la política, la cultura y la estructura social. Por otro, uno que atraviesa todos los anteriores: el papel de la sociología y los intelectuales y su responsabilidad social en nuestros países. Se incluye además la entrevista que le fue realizada unos meses antes de su muerte ("Necesitamos una nueva ética de comportamiento"), donde queda patente su  preocupación por la sociología y por el papel de los sociólogos.


CASTILLO, Juan José. En la jungla de lo social: reflexiones y oficio de sociólogo. Buenos Aires: Mino y Davila, 2003.

Sinopse: En este libro se reúnen las piezas distintas de la reflexión, investigación y crítica que, partiendo del estudio del trabajo propone extender su reflexión a la sociedad como um todo. Sus propuestas van a contracorriente de la 'corriente principal' en sociología. Escrito a lo largo de los últimos cuatro años, este libro propone pensar esa sociedad partiendo de lo concreto, del trabajo de campo, directo y sobre el terreno, como la mejor base para armar teorías sociológicas capaces de explicar la cada vez más compleja trama y funcionamento de las sociedades actuales.





CARDOSO, Fernando Henrique. Pensadores que inventaram o Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

Sinopse: Alguns artigos, revistos e alterados pelo autor formam um dos núcleos deste livro, devotado aos intelectuais brasileiros que forjaram a visão de FHC sobre o país, sua identidade e suas grandes questões. Outros textos são inéditos na forma em que publicados agora. Entre estes estão ensaios sobre Joaquim Nabuco, Gilberto Freyre e Raymundo Faoro. O último foi escrito especialmente para o volume; os outros dois serviram de base para conferências, respectivamente, na Academia Brasileira de Letras em março de 2010 e na Feira Literária de Paraty (Flip) em agosto do mesmo ano. Os demais capítulos compõem-se de introduções para a edição de livros de alguns autores, discursos ou homenagens prestadas que foram posteriormente enfeixados em livros. Nos dezoito textos, FHC dialoga com seus mestres sobre os temas recorrentes que unificam o volume - o embate entre Estado e sociedade civil, o legado da colonização, as vicissitudes da democracia, os entraves ao desenvolvimento econômico, a promoção da justiça social.


CORBIN, Alain (Dir.). História do corpo. Petrópolis: Vozes, 2012. 3 v.

Sinopse: A obra História do corpo mobilizou dezenas de historiadores para afirmar a centralidade do corpo como objeto de estudo da história humana. São três volumes que revelam o quanto as práticas, os objetos, as técnicas, os olhares e as representações se recompõem em temas como a alimentação, as relações familiares, a higiene, a prostituição, os esportes, a beleza e a estética, o pudor, a saúde e a medicina, o imaginário e as crenças, as ciências, os papéis do gênero, a sensibilidade e as artes, a cultura e a religião, enfim, como evoluíram historicamente as noções e as formas de se relacionar com o corpo em todas as áreas do conhecimento, na cultura e na sociedade desde a Renascença até o século vinte.


CHENG, Anne. História do pensamento chinês. Petrópolis: Vozes, 2008.

Sinopse: Este livro apresenta uma síntese acerca da evolução do pensamento chinês. Percorre desde a dinastia Shang do segundo milênio antes da nossa era, até o movimento de 4 de maio de 1919 - que marca de vez a ruptura com o passado e a renovação deste pensamento. A autora nos oferece uma descrição sobre as principais etapas e as mais fortes influências que constituíram a história chinesa em seus mais de quatro mil anos.







FUKUYAMA, Francis. O fim da história e o último homem. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

Sinopse: Em 1989, Francis Fukuyama publicou um artigo em que afirmava que o surgimento dos movimentos reformistas na então União Soviética e na Europa Oriental, além da propagação da cultura do consumo em escala mundial, marcava a vitória do Ocidente, do mundo capitalista. Os resultados daquilo que Fukuyama tão habilmente percebera nos movimentos emergentes começaram a se mostrar corretos. Algo como a realidade dando munição para uma teoria de natureza explosiva. A partir daquele artigo, publicado em uma revista especializada e de circulação restrita, acendeu-se o estopim de uma acirrada discussão, que se propagou em todos os meios após a publicação do livro. Afinal, entrou em debate o rumo da História ou, mais sísmico, o fim, no sentido hegeliano, do que se entende por História. Em seu estudo, Fukuyama toma como referência não só a noção de Hegel, mas também a de Marx.


COHEN, Jean L. Sociedad civil y teoría política. Mexico, D.F.: Fondo de Cultura Economica, 2000.

Sinopse: El comportamiento comunitario organizado pugna por llegar a tener un lugar primario en la expansión de la democracia y la justicia en el nuevo orden internacional. Ésta es la conclusión a la que arriban los autores a través de un informe detallado de la discusión acerca de la sociedad civil tal como se ha planteado en Europa en los últimos años. Esta obra, que representa un gran aporte a la sociología contemporánea, es indispensable para obtener un panorama histórico y una visión actualizada de la problemática tratada.






ZAIDAN, Assaad. Raízes libanesas no Pará. Belem: [s.n.], 2001.

Sinopse: A história da imigração e dos imigrantes libaneses no Estado do Pará. Os acontecimentos históricos ocorridos no Oriente Médio que atingiram o Líbano e causaram a imigração em massa e outras abordagens correlatas. Esta obra revela no estilo jornalístico a fidelidade e a participação dos imigrantes libaneses e seus descendentes no desenvolvimento e progresso do Estado do Pará.








TÉLLEZ RUBIO, Juan José. Moros en la costa. Madrid: Editorial Debate, 2001.

Sinopse: Esta es la crónica de un genocidio inconfeso y lento, cuya responsabilidad incumbe a un terrible sistema económico y una sórdida trama de relaciones internacionales, que divide el mapa mundial en dos territorios aparentemente irreconciliables, el de los poderosos y el de los nuevos esclavos, carne de cañón, carne de consumo , carne de suburbio y de miseria descanarda. La próspera Europa, esa fortaleza imposible que necesita de inmigración para mantener sus negocios y los esquemas de sus supuestos Estados del Bienestar, viene recibiendo a los trabajadores extranjeros con hostilidad y recelo, como supieron de buena tinta los propios emigrantes españoles que conocieron la realidad comunitaria de los años 60 y 70. Pero, ¿quiénes son? ¿de dónde vienen? ¿que cultura traen? ¿por qué los medios de comunicación tan sólo suelen hablar de ellos en las páginas de suceso? Esas fueron otras preguntas a las que el periodista intentó responderse mientras seguían apareciendo moros en la costa.


FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. Memória do SPI: textos, imagens e documentos sobre o Serviço de Proteção aos Índios: 1910-1967. Rio de Janeiro: Museu do Índio-Funai, 2011.

Sinopse: A obra é dividida em três partes: A Iconografia indigenista, SPI – 57 anos de política indigenista e Fontes para memória. Reunindo material do Fundo SPI, pertencente ao Museu do Índio, além de textos de diversos pesquisadores, o livro é uma retrospectiva visual e documental da trajetória do indigenismo brasileiro. Uma importante fonte de pesquisa que contribui para a divulgação das culturas e histórias indígenas, em um mercado editorial restrito a edições sobre essa questão.






KOFMAN, Sarah. Rua Ordener, Rua Labat. Rio de Janeiro: Caetes, 2000.

Sinopse: Relato autobiográfico emocionante da filósofa Sara Kofman, relativo à fase de sua vida que coincide com o final da II Guerra, a ocupação de Paris, a prisão e morte do pai em um campo de concentração. A especialista em Nietzsche e temas psicanalísticos narra sua infância pobre dividida entre duas famílias, suas angústias como menina de origem judaica e os sofrimentos da pré-adolescência, num ambiente de necessidades e perseguições.







AGUIAR, Ronaldo Conde. Vitória na derrota: a morte de Getúlio Vargas: quem levou Getúlio ao suicídio? Brasília: Verbena, 2014.

Sinopse: O livro 'Vitória na derrota, a morte de Getúlio Vargas' traz a crise política de 1954, deflagrada com a morte do major Rubem Vaz e que culminaria no suicídio de Vargas. Quais as verdadeiras causas do atentado? Que forças operavam naquele período fatal? Afinal: quem levou Getúlio Vargas ao suicídio?








TERRÉN, Eduardo (Ed.). Razas en conflicto: perspectivas sociológicas. Barcelona: Anthropos, 2002.

Sinopse: El objeto del presente estudio es ofrecer al lector de lengua castellana una muestra de textos que ilustren suficientemente la variedad de perspectivas que la sociología de las relaciones étnicas ha desarrollado. Lo cual aspira a contribuir a un mejor conocim iento de la historia de la cuestión racial, un hecho decisivo tanto para entender la evolución de la ciencia social como para elaborar su futuro. Figuran, entre otros, textos de Alexis de Tocqueville, George Simmel, Max Weber, Gunnar Myrdal, Alfred Schutz, Max Horkheimer, Theodor Adorno, Herbert Blumer, Nathan Glazer, John Rex, Michel Wieviorka.





LEMELLE, Sidney J. (Ed.) Imagining home: class, culture and nationalism in the African diaspora. London: Verso, 1994.

Sinopse: This collection of original essays brilliantly interrogates the often ambivalent place of Africa in the imaginations, cultures and politics of its “New World” descendants. Combining literary analysis, history, biography, cultural studies, critical theory and politics, Imagining Home offers a fresh and creative approach to the history of Pan-Africanism and diasporic movements. A critical part of the book’s overall project is an examination of the legal, educational and political institutions and structures of domination over Africa and the African diaspora. Class and gender are placed at center stage alongside race in the exploration of how the discourses and practices of Pan-Africanism have been shaped.



HERTZ, Noreena. El poder en la sombra. Buenos Aires: Planeta, 2002.

Sinopse: En “El poder en la sombra”, la ensayista británica Noreena Hertz propone reflexionar en torno a los sombríos paisajes contemporáneos, denunciando la actividad de las grandes corporaciones y multinacionales y la usurpación de la soberanía de los estados que estas ejercen. La autora sugiere, sin eufemismos, que el nuevo orden mundial pone en serio riesgo la supervivencia de las democracias como sistemas representativos de la voluntad, los deseos y las aspiraciones de las mayorías, aún en las naciones más desarrolladas y menos dependientes del orbe.





ANTÓN SÁNCHEZ. El proceso organizativo afroecuatoriano, 1979-2009. Quito: FLACSO Ecuador, 2011.

Sinopse: Esta investigación estudia el proceso organizativo de los afroecuatorianos a partir de los años ochenta del siglo XX hasta el presente. El objetivo es analizar las características particulares de este proceso con el fin de comprender sus condiciones para considerarlo un movimiento social a la luz de las argumentaciones sociológicas. La pregunta orientadora del estudio es: ¿cuáles son los elementos que podrían caracterizar al proceso organizativo afroecuatoriano como un movimiento social en el país? Este interrogante se plantea teniendo en cuenta que desde finales de los años setenta del siglo XX actores sociales afroecuatorianos (líderes, intelectuales, activistas, organizaciones), quizá como sus similares en otros países, han venido ocupando un lugar destacado en el espacio público y en la acción colectiva de distintos movimientos sociales en Ecuador.


TOTA, Martinho. Entre as diferenças: gênero, geração e sexualidades em contexto interétnico. Rio de Janeiro: Ed. Multifoco, 2013.

Sinopse: Este livro é uma versão modificada da tese de doutorado que trata de processos e fluxos identitários complexos envolvendo etnicidade, gênero, geração e sexualidades no município da Baía da Traição, Litoral Norte da Paraíba, onde se concentra uma importante parcela dos índios Potiguara.









MONNERAT, Giselle Lavinas (Org.). A intersetorialidade na agenda das políticas sociais. Campinas: Papel Social, 2014.

Sinopse: Não se constrói uma reflexão sobre temas urgentes e instigantes sem um esforço coletivo. Esta é a principal tarefa deste livro: apresentar reflexões que advindas de experiências acadêmicas, profissionais e campos disciplinares distintos forneça um panorama dos desafios teóricos e políticos que a temática da intersetorialidade encerra no trato das políticas sociais. O leque que se abre com essas produções talvez não forneça de imediato a amplitude que o termo vem adquirindo no âmbito das disputas por feições mais públicas, universais e democráticas das políticas sociais. Mas aponta algumas direções importantes, ancoradas no movimento contraditório da própria realidade. Trata-se de uma publicação cujo ponto de partida entrelaça as trajetórias de intelectuais empenhados na produção de uma reflexão crítica, plural e aberta ao diálogo. E que tem como horizonte contribuir para a problematização acerca das condições institucionais de ampliação e consolidação dos direitos sociais e humanos pela via das políticas sociais.


OLIVEIRA, Augusto César de. Utopias simuladas: estudos sobre cotidiano e cinema. São Paulo: Annablume, 2012.

Sinopse: Esse livro é formado por um conjunto de estudos que se propõem construir uma teoria crítica de uma sociedade na qual não se pode distinguir facilmente entre aquilo que chamamos de “realidade vivida” e aquilo que, construído industrialmente para se passar como realidade, assume seu lugar principalmente no que diz respeito à realidade enquanto “noção geral” que guia os indivíduos em ações e julgamentos cotidianos. A produção industrial de imagens que tem lugar em fenômenos sociais popularmente conhecidos como publicidade, televisão e cinema são objetos privilegiados dessa reflexão mas não exclusivos. Essa problematização não é nova, e tem, entre seus marcos distintivos relativamente recentes, a perspectiva da “sociedade do simulacro”.


LIMA, Irene Maurício do Nascimento de. Atenção aos idosos de municípios envelhecidos do Mato Grosso. Cuiabá: EdUFMT, 2014.

Sinopse: O conteúdo deste livro constitui-se nos resultados de uma pesquisa realizada em municípios envelhecidos do Mato Grosso para conhecer a existência e implementação da política de saúde do idoso, assim como experiências exitosas nestes municípios que possam contribuir para o planejamento de políticas públicas voltadas ao idoso destes e de outros municípios.








CECEÑA, Ana Esther (Coord.). La guerra infinita: hegemonía y terror mundial. Buenos Aires: CLACSO, 2002.

Sinopse: Historizar el sistema capitalista de organización y dominación social es el primer paso para trascender sus fundamentos, epistemológicos y prácticos. Es la primera exigencia de un pensamiento crítico, descolonizado e insumiso (como no puede dejar de ser el pensamiento creativo). Y en este contexto se torna indispensable comprender las modalidades de dominación político-militar capitalistas y las estrategias de control y uso de los territorios (como territorios físicos pero, sobre todo, como territorios culturales), que hoy día vuelven a ser explícitamente dominantes en el proceso de construcción de la hegemonía mundial.




LIMA, Roberto Kant de (org.). Conflitos, direitos e moralidades em perspectiva comparada, v.2. Rio de Janeiro: Garamond, 2010.

Sinopse: Este livro, dividido em dois volumes, constitui o segundo de uma coleção que reúne a produção de uma rede de pesquisadores que vem se dedicando há vários anos ao estudo dos processos de administração institucional de conflitos em perspectiva comparada. Os textos aqui reunidos demonstram a relevância social e sociológica da pesquisa empírica e da discussão teórica de temas que com frequência povoam as páginas de jornais e as conversas cotidianas, como o fazer policial, sua legitimidade, o funcionamento das diversas instâncias do poder judiciário, as técnicas de negociação e administração de conflitos menores, os limites do legal e do ilegal, do moral e do imoral, entre outros. Integrada por antropólogos, advogados, sociólogos, historiadores e cientistas políticos, essa rede de pesquisadores participou de projetos de diversas naturezas que, entre outros produtos, realizou pesquisas empíricas sobre a natureza diferenciada dos conflitos administrados pelos sistemas de Segurança Pública e de Justiça Criminal em diversos estados brasileiros e em países como Portugal, Canadá e Argentina. Tais pesquisas redundaram em seminários acadêmicos destinados a debater seus resultados, possibilitando uma perspectiva comparada que ampliasse o horizonte de compreensão do funcionamento dos sistemas pesquisados, bem como das percepções sobre os mesmos por parte dos atores neles envolvidos. Os artigos publicados nestas duas coletâneas são o resultado da discussão conjunta mantida durantes esses seminários. Assim, além de incorporar o viés contrastivo, a originalidade destes trabalhos reside também na variedade de perspectivas a partir das quais são abordados os problemas analisados.


BENJAMIN, Walter. O capitalismo como religião. São Paulo: Boitempo, 2013.

Sinopse: O título é homônimo a um dos fragmentos mais intrigantes de Benjamin, escrito em 1921 e somente publicado várias décadas após sua morte, em 1985. Composto por apenas três ou quatro páginas, incluindo notas e referências bibliográficas, a relevância deste texto – um entre 17 artigos do pensador alemão selecionados – permanece extremamente atual, com o objetivo de mostrar que o capitalismo é uma religião cultual, sem piedade ou trégua, que leva a humanidade para a “casa do desespero”. Em uma tentativa de interpretação desse documento denso, paradoxal, às vezes hermético, diretamente baseado na Ética protestante e o espírito do capitalismo, Löwy explora na apresentação, entre outros temas, a relação de Benjamin com a tese de Max Weber, bem como a tradição do anticapitalismo romântico. A seleção de textos feita por Löwy para a coletânea obedece a um critério pouco evidente em uma primeira abordagem. Há ensaios que retomam o interesse do autor pelo romantismo e pelo drama barroco e outros que problematizam a religiosidade em “nosso tempo”.


BAEZA CABEZAS, María Patricia. Maternidad indígena en Colta: un espacio de encuentros y tensiones. Quito: Ediciones Abya-Yala, Universidad Politécnica Salesiana: FLACSO Ecuador, 2011.

Sinopse: El presente estudio se ubica en la intersección de la sexualidad, etnicidad y Estado. En este escenario se abordan las tensiones que surgen en torno a la maternidad y, por ende sexualidad de las mujeres indígenas de nacionalidad Puruhá de comunidades rurales de la Provincia de Chimborazo. La mirada y problematización de esta investigación surge a partir de las observaciones estadísticas realizadas en relación a la variable demográfica de fecundidad en este segmento de la población de Ecuador. La pregunta central de investigación se traduce en cómo la sexualidad y el cuerpo de las mujeres indígenas se construyen como espacios de negociación de prácticas y discursos de la maternidad elaborados por diversos actores, con especial atención a la comunidad y el Estado.


NOVAK, Fabián. As relações entre Peru e Brasil, 1826-2012. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, 2013.

Sinopse: A publicação As relações entre Peru e Brasil (1826-2012) é o resultado de uma pesquisa da autoria de Fabián Novak e Sandra Namihas sobre a evolução das relações diplomáticas entre Peru e Brasil, sendo de vital importância por propiciar uma melhor compreensão sobre a relação entre ambos os países, além de apresentar fatores que podem contribuir para o fortalecimento e a consolidação de tal relação no futuro.







ABRUCIO, Fernando Luiz. Os barões da federação: os governadores e a redemocratização brasileira. São Paulo: HUCITEC, 1998.

Sinopse: Fernando Luiz Abrúcio ao analisar as eleições estaduais do ano de 1982 observa um fenômeno importante: o poder dos governadores de Estado obtido no processo de redemocratização. Diante de tal fenômeno, busca compreender de que forma se dá esse poder e quais as razões que proporcionaram o seu aumento na esfera Estadual. Os governadores de Estado são atores importantes na história da política republicana brasileira, e Abrúcio afirma que estes atuaram como verdadeiros “barões da federação” tanto na transição do regime autoritário à democracia, como na formação do atual sistema político, e é exatamente o âmbito político dessa relação que o autor pretende explorar, já que a literatura pouco produziu sobre, e muitos trabalhos sobre o tema é abordado nos estudos jurídicos e econômicos.


FREYRE, Gilberto. Antecipações. Recife: EDUPE, 2001.

Sinopse: Reunem-se, aqui, sob esse título, trabalhos nos quais o autor teria se antecipado a outros e a si próprio, na sugestão de idéias ou de métodos, quer de análise, quer de interpretação e de aspectos do comportamento humano.










KLINGL, Bernard J. L. de G. A evolução do processo de tomada de decisão na União Europeia e sua repercussão para o Brasil. Brasília: FUNAG, 2014.

Sinopse: Tudo o que você sempre quis saber sobre a integração europeia e não tinha a quem perguntar. Agora já tem, ou pelo menos onde ler: nesta tese de CAE que, a pretexto de falar sobre o processo decisório comunitário, cobre, na verdade, todo o itinerário da integração, desde a mais remota antiguidade, até o tratado de Lisboa, passando pela Idade Média, e pela pré-história dos arranjos comunitários (o tratado da CECA, de 1951), até os tratados que precederam Lisboa: Maastricht, Amsterdã e Nice. Tudo isso para constatar quão difícil é conciliar os interesses difusos de seus quase trinta membros (e outros batendo às portas) nesse mosaico de povos, culturas e de políticas econômicas contraditórias, a despeito dos esforços supranacionais de coordenação. O último capítulo trata do Brasil.


CUNNINHAME GRAHAM, R. B. Um místico brasileiro: vida e milagres de Antônio Conselheiro. São Paulo: Sá: Ed. UNESP, 2002.

Sinopse: Este livro conta a vida de Antônio Mendes Maciel, o Conselheiro, um dos personagens mais fascinantes e trágicos da História recente do nosso país. Mescla de santo, iluminado e profeta, o Conselheiro foi um 'possuído' que arrastou consigo para a morte milhares de deserdados. Sua história seduziu o viajante e escritor inglês Robert B. Cunninghame Grahan, que publicou este relato em 1920, na Inglaterra.







SERRA, Rose Mary Sousa. Crise de materialidade no serviço social: repercussões no mercado profissional. São Paulo: Cortez, 2000.

Sinopse: Nesta obra, a autora busca focalizar a crise da materialidade do Serviço Social vinculada ao setor público estatal, inscrita no interior da crise capitalista brasileira, a partir de meados da década de 80. Crise que se apresenta com uma dupla dimensão: de um lado, a redução da base material do exercício profissional, de outro, uma possível hipertrofia da função sociopolítica da profissão.








PEREDO, Elizabeth. Recoveras de los Andes: una aproximación a la identidad de la chola del mercado. La Paz: Fundación Solón, 2001.

Sinopse: Investigación que busca profundizar la comprensión de la identidad de un grupo representativo de mujeres de nuestro país: las cholas. La mujer chola expresa en gran medida un largo proceso de resistencia cultural que ha encontrado en las ciudades diferentes escenarios.









GANDÁSEGUI, Marco A. (Org.). Crisis de hegemonía de Estados Unidos. México, DF: Siglo veintiuno, 2007.

Sinopse: Las ponencias reunidas en este libro ofrecerán al lector una primera visión panorámica sobre algunos de los rasgos más importantes de la realidad estadounidense... Se trata apenas de un comienzo, con toda la expectativa de que los resultados de esta primera etapa sirvan de aliciente para la incorporación de nuevos miembros al grupo de trabajo y para la creación de otros equipos que, en los diferentes centros y unidades académicas de la región, emprendan con entusiasmo idéntica tarea. El grupo de trabajo sobre Estados Unidos de Clacso privilegió el concepto de hegemonía para tratar de penetrar el grueso tejido que recubre la sociedad estadounidense y descubrir algunas de las causas de su aparente crisis. Una crisis que se puede medir desde el pinto de vista económico (tasa de ganancia y participación global) y también desde la perspectiva política (control militar global). El concepto de hegemonía también se refiere a la capacidad para crear símbolos que atraviesan formaciones... El grupo de CLACSO asumió que la crisis de hegemonía de Estados Unidos es global, pero que se deben analizar también sus efectos al interior de la formación social estadounidense. Los trabajos que se publican en este volumen abordan la crisis de hegemonía global de ese país, así como la aparente pérdida de su legitimidad interna.


GOLDHAGEN, Daniel Jonah. Os carrascos voluntários de Hitler: o povo alemão e o Holocausto. São Paulo: Cia. das Letras, 1997.

Sinopse: Neste polêmico volume, o cientista político Daniel Goldhagen procura demonstrar que o Holocausto não foi um espetáculo de horror ao qual os alemães teriam sido obrigados a assistir, mas, na verdade, produto de ideais amplamente compartilhados pela maioria do povo alemão durante a primeira metade do século. Mais ainda: para ele, uma vez iniciado o genocídio, dezenas de milhares de carrascos mobilizados pelo regime nazista aderiram ao programa de extermínio.






DURKHEIM, Émile. Filosofia moral. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

Sinopse: Nestes ensaios escritos sobre a “Teoria Sociológica da Moral”, a obra conta com a indispensável contribuição da Profa. Barbara Freitag Rouanet que produziu uma introdução abordando os pressupostos metodológicos e teóricos da sociologia durkheimiana; as críticas ao grande sociólogo francês, por pontos conscientemente descartados por Durkheim e como a teoria e o conhecimento empírico da moralidade avançaram em estudos mais recentes, permitindo a compreensão mais clara da complexidade da questão moral.






SILVA, Nelson Fernando Inocencio da. Consciência negra em cartaz. Brasília: Ed. Unb, 2001.

Sinopse: O movimento negro contemporâneo no Brasil pode ser compreendido por alguns aspectos marcantes, a exemplo dos esforços exercidos por ele para estabelecer uma leitura contra-hegemônica sobre o passado africano e colonial, pode ser explicitado pelo conceito de raça como categoria autônoma de significativa relevância nos processos de exclusão social e pode buscar incessantemente referenciais imagéticos dignos ao valorizar a auto-estima dos afrodescendentes. No decorrer dessa militância, a representação visual assume grande força, extrapola a condição de coadjuvante do verbo e assume certa independência dele mesmo no que se refere à veiculação das idéias provenientes do ativismo. Portanto, é possível constatar que a politização da consciência do povo negro no Brasil se caracteriza pela articulação de linguagens. O presente texto enfatiza aquela que se ocupa da produção da imagem, na medida em que sobre a imagem incide uma série de questões conotativas, que não raro nos induz à dúvida. Interpretar os códigos visuais resultantes das relações raciais e suas respectivas significações tornou-se exercício necessário, tanto quanto o labor no sentido de subverter vários desses códigos para o enfrentamento da violência simbólica que o racismo gera. Consciência negra em cartaz lida com tais questões, aludindo a um rol de cartazes impressos ao longo da década de 1980 e cuja importância se reflete na recente atitude corporal manifesta em nosso cotidiano por parcelas visíveis da população afrodescendente. São fundamentais as avaliações sobre as estratégias do movimento negro no processo de construção de uma identidade não subalternizada. Todavia, não há como olhar esta trajetória preterindo os recursos imagéticos que ela suscita. É preciso que se pense profundamente sobre o poder da imagem e as conseqüências de seu uso neste contexto específico.


SERRA, Rose Mary Sousa (Org.). Espaços ocupacionais e serviço social: ensaios críticos. Jundiaí: Paço editorial, 2012.

Sinopse: A obra oferece aos leitores uma criteriosa e atualizada análise das mudanças nas relações entre o Estado e a sociedade, assim como das metamorfoses operadas nas políticas sociais. Estas aqui se materializam na expansão do chamado terceiro setor e do voluntariado, nos programas de responsabilidade social das empresas, nas fundações e institutos empresariais, nos programas de emprego, trabalho e renda, nas políticas de qualificação e de microcrédito, nas relações entre trabalho e educação e nos processos de assessorias, diversificando os espaços ocupacionais do Serviço Social.





LINHARES, Maria Yedda Leite. A luta contra a metrópole (Ásia e África: 1945-1975). São Paulo: Brasiliense, 1981.

Sinopse: Com o final da II Guerra houve a liquidação de impérios coloniais construídos ao longo do século XIX. Surgiam, assim, após o período de dominação européia, os novos países da Ásia e da África. Assistimos, realmente, ao nascimento de um novo mundo? Até que ponto o fim do colonialismo representa a libertação dessas nações? Para um melhor entendimento da colonização e suas conseqüências, é preciso investigar a distância entre as intenções sócio-político-econômicas e a história propriamente dita.






LIMA, Roberto Kant de (Org.). Burocracias, direitos e conflitos: pesquisas comparadas em antropologia do direito. Rio de Janeiro: Garamond, 2011.

Sinopse: Esta coletânea reúne uma seleção de trabalhos apresentados por ocasião da VIII Reunião de Antropologia do Mercosul realizada em 2009, na cidade de Buenos Aires. Os artigos têm um ponto em comum - são reflexões resultantes de pesquisas empíricas na área da antropologia do direito. Estes trabalhos tratam tanto das tradições, ideologias, linguagens e práticas das burocracias públicas quanto dos vocabulários e formas como as pessoas, em contato com essas burocracias e com certas normas jurídicas, lidam com elas (réus, testemunhas, vítimas, presos, imigrantes, usuários de drogas, pacientes, professores, estudantes).




ORTIZ, Santiago. ¿Comuneros kichwas o ciudadanos ecuatorianos?: la ciudadanía étnica y los derechos políticos de los indígenas de Otavalo y Cotacachi, 1990-2009. Quito: FLACSO, 2012.

Sinopse: En las últimas décadas se modificó la configuración de la ciudadanía en Ecuador, el voto a los analfabetos permitió que los indígenas se integren al cuerpo electoral, la movilización indígena se realizó por derechos colectivos, mientras en el marco de gobiernos neoliberales, se limitó derechos sociales y se reconocieron derechos culturales. En este contexto la presente investigación aborda como problema el conflictivo proceso de constitución de la ciudadanía indígena, con un desigual ejercicio de los derechos sociales, de participación política y de autogobierno, centrando su atención en los cambios en las comunidades y los Municipios de Otavalo y Cotacachi, que cuentan con alcaldes indígenas en los últimos 14 años.


EHRENREICH, Barbara. Blood rites: origins and history of the passions of war. New York: Metropolitan Books, 1997.

Sinopse: In Blood Rites, Barbara Ehrenreich confronts the mystery of the human attraction to violence: What draws our species to war and even makes us see it as a kind of sacred undertaking? Blood Rites takes us on an original journey from the elaborate human sacrifices of the ancient world to the carnage and holocaust of twentieth-century "total war." Sifting through the fragile records of prehistory, Ehrenreich discovers the wellspring of war in an unexpected place--not in a "killer instinct" unique to the males of our species but in the blood rites early humans performed to reenact their terrifying experience of predation by stronger carnivores. Brilliant in conception, rich in scope, Blood Rites is a monumental work that will transform our understanding of the greatest single threat to human life.


AUGUSTO, Acácio. Política e polícia: cuidados, controles e penalizações de jovens. Rio de Janeiro: Lamparina, 2013.

Sinopse: Com Foucault como principal interlocutor, o autor questiona a cidadania que se assemelha às condutas policiais; como isso se implantou em nós, em nossas relações; como nos acostumamos com a prisão a céu aberto e pedimos mais controle. Analisando o projeto Pró-Menino, da Fundação Telefônica, ele discorre sobre as práticas de controle a céu aberto de jovens considerados infratores pela perspectiva das insurgências, jovens “educados” pela prática do castigo e pelo exercício centralizado da autoridade, e mostra a passagem das ruas sem governo para o governo das ruas, exercido pelos próprios jovens que são alvos das políticas contemporâneas de assistência e penalização.



LOSEE, John. Introdução histórica à filosofia da ciência. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1979.

Sinopse: O autor percorre a filosofia da ciência com um poder de síntese admirável que nunca envolve qualquer sacrifício na clareza da exposição. Se o leitor desejar saber o que pensaram Aristóteles, Kant ou Popper sobre o conhecimento científico, poderá informar-se com brevidade e rigor sem recear a ausência de conhecimentos técnicos. Mas, para além de abranger os autores mais conhecidos, o livro de Losee tem o mérito de não menosprezar os episódios menos estudados da filosofia da ciência. Nesses episódios podemos encontrar grandes surpresas. Podemos verificar, por exemplo, que a filosofia da ciência medieval está longe de ser uma simples nota de rodapé a Aristóteles. O método da falsificação de Grosseteste, assim como a controvérsia sobre as verdades necessárias, contam-se entre as contribuições mais interessantes do pensamento medieval. A filosofia inglesa do século XIX, em que se destacam autores como Herschel ou Whewell, também é digna de mais atenção do que a habitual. Mesmo quando considera os filósofos mais conhecidos, como Descartes ou Kant, Losee consegue surpreender o leitor ao destacar aspectos do pensamento desses autores que geralmente são secundarizados.

WOODWARD, Bob. Plano de ataque. São Paulo: Globo, 2004.

Sinopse: Em abril de 2002, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse a um repórter que o interpelava sobre o Iraque - 'Não tenho em minha mesa nenhum plano de ataque'. Não era bem verdade. Seis meses antes, passados apenas 72 dias dos ataques de 11 de setembro de 2001, Bush havia pedido ao secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, que analisasse, em segredo, os planos para uma guerra contra o Iraque. A revelação de que a invasão de março de 2003 começou a ser arquitetada pouco depois do início da guerra contra o Afeganistão é só uma das inúmeras feitas pelo jornalista Bob Woodward em 'Plano de ataque'. Trata-se de uma reportagem de 456 páginas sobre o que sustentou a decisão dos EUA de atacar o Iraque. Woodward, autor, junto com Carl Bernstein, do best-seller 'Todos os homens do presidente' (1974), sobre o escândalo de Watergate, entrevistou 75 dos principais personagens da história, incluindo Bush, para descrever em detalhes os 17 meses de planejamento da guerra.


LANG, Jack. Nelson Mandela: uma lição de vida. São Bernardo do Campo: Mundo Editorial, 2007.

Sinopse: Em cinco capítulos, Jack Lang, ex-ministro da cultura da França, retrata a vida de um mito - Nelson Mandela. Um guerreiro na luta pelos direitos dos negros, Mandela passou 27 anos preso em Robben Island, saindo em liberdade em 1990.Tornou-se o primeiro presidente negro da África do Sul e conseguiu reconciliar negros e brancos. Em 1993 recebeu o Prêmio Nobel da Paz. Este livro, contudo, revela também as contradições do próprio Mandela, na forma de um drama em cinco atos - no primeiro ele é o irmão africano de Antígona - consciente de um dia ter de infringir a lei do Estado em nome de um dever superior; no segundo é Espártaco, o escravo que lidera uma rebelião contra os poderosos; no terceiro é Prometeu, acorrentado pelo racismo; no quarto ato é Próspero de 'A tempestade', de Shakespeare,o benfeitor da humanidade, e finalmente no quinto é o Rei Nelson, o sábio soberano.


BASUALDO, Eduardo M. (Comp.). Neoliberalismo y sectores dominantes: tendencias globales y experiencias nacionales. Buenos Aires: CLACSO, 2006.

Sinopse: Las transformaciones sociales que se registraron en las sociedades latinoamericanas en el último cuarto de siglo han sido concomitantes con cambios igualmente profundos en los sectores dominantes. La ruptura o debilitamiento, según los países, del modelo sustitutivo supuso, junto con la modificación de la composición y destino de la producción y de los excedentes, cambios de hegemonía dentro del bloque de clases dominante y del peso dentro del mismo del capital de origen externo, así como la reestructuración de cada una de las fracciones que lo integran y de sus ligazones con el capital financiero y productivo transnacional. En este contexto, el análisis sistemático de las características de los sectores dominantes y de los rasgos que ellas imponen a nuestras sociedades constituye un elemento esencial no sólo para indagar las condiciones determinantes de los distintos senderos de acumulación que se despliegan en la región, sus rasgos comunes y sus límites, sino también para responder, desde la óptica de los sectores populares, al desafío teórico y político de construcción de estrategias alternativas, susceptibles de satisfacer sus necesidades.


FALCÃO, João, 1919-2011. O Brasil e a segunda Guerra Mundial: testemunho e depoimento de um soldado convocado. Brasília: Ed. Unb, 1999.

Sinopse: Nesta obra o leitor acompanhará as marchas e as contramarchas, durante mais de dois anos, para a preparação da Força Expedicionária Brasileira e sua ida para a frente de guerra européia.








LEHER, Roberto (Org.). Pensamento crítico e movimentos sociais: diálogos para uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 2005.

Sinopse: O presente livro pretende ser uma obra aberta ao tempo capaz de dialogar com os protagonistas das lutas que forjam a sociedade do futuro, socializando reflexões realizadas por destacados intelectuais-militantes da esquerda que têm-se dedicado a tornar pensável as lutas e os conflitos que transformam sobretudo a América Latina. Embora tenha como propósito incitar o debate sobre o método e a teoria, tarefas cruciais para as lutas socialistas, critica a pretensão arrogante de que cabe à vanguarda ilustrada elaborar manuais que orientem as lutas do presente, como um oráculo que adivinhará os rumos da história. O objetivo principal desta obra é realizar um trabalho de formação que sirva como ponto de partida para a construção de prática políticas e novas referências teóricas capazes de nortear a ação dos sujeitos que protagonizam as lutas em favor do socialismo, da cidadania e da liberdade.


SOTOLONGO CODINA, Pedro Luís. La revolución contemporánea del saber y la complejidad social: hacia unas ciencias sociales de nuevo tipo. Buenos Aires: CLACSO, 2006.

Sinopse: Este libro presenta una versión reformulada de las clases y una selección de los trabajos finales del curso de formación a distancia La revolución contemporánea del saber y la complejidad social: hacia unas ciencias sociales de nuevo tipo, que se desarrolló en el marco del concurso de la Cátedra Florestan Fernandes de CLACSO, gracias al patrocinio de la Agencia Sueca de Desarrollo Internacional, Asdi.







DIAS, Rosa Maria. Leituras de Zaratustra. Rio de Janeiro: Maud X: FAPERJ, 2011.

Sinopse: Leituras de Zaratustra contém 32 artigos a respeito do livro "Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém", publicado por Friedrich Wilhelm Nietzsche entre os anos de 1883 e 1885. Os artigos foram escritos por especialistas e pesquisadores da filosofia nietzschiana que, através de seus estudos, procuram esclarecer, problematizar e discutir algumas das principais noções filosóficas presentes nesta enigmática e fascinante obra que ocupa lugar central no pensamento de Nietzsche e que tanta influencia exerce nos mais diversos âmbitos da cultura contemporânea.





CASTORIADIS, Cornelius. As encruzilhadas do labirinto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

Sinopse: Os ensaios aqui reunidos tratam de temas aparentemente distantes: a psicanálise, a linguagem, a epistemologia das ciências, a técnica, a economia política. No entanto, uma mesma preocupação os une profundamente. Trata-se de destruir uma persistente pretensão à cientificidade, último mito das velhas opressões que permanece. Encruzilhadas do labirinto: não estamos totalmente perdidos e não encontramos nenhum minotauro que não deva sua força a nossos fantasmas.






SILVA, Jorge da. Violência e racismo no Rio de Janeiro. Niterói: EDUFF, 1998.

Sinopse: Fruto de suas inquietações como cidadão negro e profissional de polícia, o autor publicou dezenas de artigos em revistas e livros coletivos sobre a questão da violência. Neste livro, prossegue na busca do que se poderia chamar de solução para a criminalidade no estado.









BRIGAGÃO, Clóvis. Globalização a olho nu: o mundo conectado. São Paulo: Moderna, 2011.

Sinopse: Um fenômeno rico, complexo e mutante deve ser pesquisado a partir de variadas perspectivas, com a mente aberta e o espírito desarmado, de preferência a olho nu. Assim, os autores, com vasta experiência no campo das relações internacionais, assumiramo desafio de escrever sobre a globalização.O leitor é convidado a verificar as profundas transformações políticas, econômicas, comunicacionais, culturais, ambientais etc. que a globalização está operando no planeta. Questões essenciais de nossa época - como os fluxos de comércio e de finanças, os direitos humanos, a democracia, as migrações e o combate ao crime organizado - são analisadas na perspectiva global. Globalização exige governança, novo conceito de gestão dos recursos e das atividades globais. Para (sobre)viver na globalização é fundamental que se saiba como e por que o mundo está cada vez mais conectado.


MENEZES, Solival. Mamma Angola: sociedade e economia de um país nascente. São Paulo: EdUSP: FAFESP, 2000.

Sinopse: Submetida a um cruel colonialismo, por mais de 500 anos, Angola teve sua população escravizada e trazida para o Brasil até o fim do século XIX, influenciando profundamente nossos hábitos e costumes e toda nossa estrutura cultural. Este livro é um importante vetor de informações para que tomemos conhecimentos e nos aproximemos um pouco desse país, tão ligado e, ao mesmo tempo, ainda tão distante de nós.







COUTO, Ronaldo Costa. Brasília Kubitschek de Oliveira. Rio de Janeiro: Record, 2001.

Sinopse: Em 'Brasília Kubitschek de Oliveira', o autor mostra os motivos que levaram Juscelino a escolher um lugar tão distante para ser a capital do país.










HERZOG, Lawrence A. Global suburbs: urban sprawl from the Rio Grande to Rio de Janeiro. New York: Routledge, 2015.

Sinopse: O livro oferece uma nova perspectiva crítica sobre o fenômeno emergente do subúrbio global no hemisfério ocidental. Expansão suburbana americana criou um habitat humano gigante que se estende desde Las Vegas a San Diego, e do México ao Brasil, apresentado aqui em um estilo claro e abrangente com descrições em profundidade e imagens. Desafiando os problemas ecológicos que resultam de estes desenvolvimentos suburbanos falhos, Herzog tem como alvo uma mudança global muitas vezes esquecido e potencialmente desastroso no desenvolvimento urbano. Este livro vai dar profundidade a cursos sobre subúrbios, desenvolvimento, estudos urbanos e do meio ambiente.



FELDMAN-BIANCO, Bela (Comp.). La construcción social del sujeto migrante en América Latina: prácticas, representaciones y categorías. Quito: FLACSO Ecuador, 2011.

Sinopse: El libro “La construcción social del sujeto migrante en América Latina: prácticas, representaciones y categorías” es resultado del trabajo sistemático, reflexivo e interdisciplinario del equipo de investigadores que conforman el Grupo de Trabajo Migración, cultura y políticas, de CLACSO. El tema central que orienta los argumentos y la discusión que presenta cada capítulo responde al interés por avanzar en una reflexión latinoamericana en torno a los procesos migratorios. Desde el cruce de distintas miradas provenientes de múltiples lugares fue posible el cuestionamiento a la idea de un sujeto migrante homogéneo y, por tanto, la emergencia de múltiples sujetos que se comprenden en la medida en que esas imágenes, discursos y categorías se anclan en procesos históricamente situados.


ERAZO ESPINOSA, Jaime F. (Coord.). Gobierno de las ciudades andinas. Quito: FLACSO, 2012.

Sinopse: Este libro es uno de los productos del proyecto Gobernabilidad y convivencia democrática desarrollado por la Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales, con la coordinación de la Secretaría General y la activa participación de diferentes unidades académicas de FLACSO, bajo el auspicio de la Agencia Española de Cooperación Internacional para el Desarrollo en América Latina (AECID).  En este contexto se desarrolló una línea de investigación para la región andina, “Gobiernos locales, desafíos democráticos y ciudades andinas”, realizada por la Sede Académica de FLACSO Ecuador. La presente publicación presenta los resultados de este trabajo desarrollado por un equipo de cinco investigadores, uno por cada país de la Región Andina. Sus trabajos analizan el estado de la situación de los gobiernos locales en torno a una serie de temas: análisis de las constituciones, procesos de descentralización, competencias municipales, financiamiento, asociativismo, principales actores y cooperación internacional. Sin duda, este libro contribuirá a un mejor conocimiento de las prácticas a nivel local y de las formas en que las experiencias exitosas pueden ser replicadas para producir una profunda y mejor convivencia democrática en nuestra región.


SVAMPA, Maristella. Cambio de época: movimientos sociales y poder político. Buenos Aires: Siglo Veintiuno: CLACSO, c2008.

Sinopse: Los comienzos del siglo XXI estuvieron signados, en muchos países de América Latina, por prácticas contestatarias de distinto tipo y por la emergencia de liderazgos que parecían impugnar en bloque el consenso neoliberal de la década anterior. Particularmente en la Argentina, la evidencia de que había vida después de la formidable crisis de 2001-2002 abrió un período que generó, y aún genera, expectativas muy dispares: para algunos, se afirma un proyecto que hace eje en un Estado redistributivo; para otros, no hay novedad política alguna sino “más de lo mismo”. En este libro, Maristella Svampa apunta a caracterizar el actual cambio de época como un espacio donde se entrecruzan tendencias contradictorias, marcadas por líneas de continuidad así como por líneas de ruptura respecto de los moldes de dominación instalados en los años noventa. En este nuevo campo de fuerzas la autora revisa, en la primera parte, desde los diferentes dilemas o desafíos que abordan los movimientos sociales en América Latina y las limitaciones de los nuevos gobiernos progresistas, hasta el rol de la sociología crítica y el compromiso intelectual. En la segunda parte, la tensión entre continuidades y rupturas se focaliza en el análisis de las diferentes experiencias desarrolladas en nuestro país (organizaciones piqueteras, asambleas barriales, ahorristas, movimientos contra la impunidad, nuevas asambleas socioambientales). Desde una perspectiva que retoma las urgencias del presente y del pasado reciente y que busca pensarlas en el contexto más amplio de la historia política, Maristella Svampa hace un aporte fundamental para entender las actuales modalidades del poder y de la protesta social (su carácter plebeyo en algunos casos, la primacía de la acción directa en casi todos), más allá de las oposiciones binarias y de los antagonismos.


RAMÍREZ PLASENCIA, Janett. Cidadania em ação. Rio de Janeiro: Novaamérica: DP&A, 2001.

Sinopse: Cidadania em ação, de Janett Ramírez Plasencia, tem por objetivo apresentar o Movimento da Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida como locus de uma educação na e para a cidadania. Os temas escolhidos são importantes para manter viva a corrente de uma “cidadania em ação” capaz de gerar novas ações cidadãs. O livro é destinado a pessoas comprometidas com a formação de agentes populares multiplicadores e a construção de atores coletivos que busquem promover uma cidadania que não se reduza ao “direito a ter direitos” e seja também concebida como uma estratégia política de afirmação da democracia. Uma cidadania voltada para a sociedade civil como lugar privilegiado de criação de relações democráticas e que procure fortalecer o poder que cada cidadão e cidadã tem através da sua participação ativa na transformação social. Este livro é uma contribuição para manter viva a memória pessoal e coletiva das lutas pela transformação na sociedade brasileira e reverter o processo, sutil e nada inocente, que favorece o esquecimento e compromete a construção histórica da identidade de um povo.


MARTÍNEZ FRANZONI, Juliana. ¿Arañando bienestar?: trabajo remunerado, protección social y familias en América Central. Buenos Aires: CLACSO, 2008.

Sinopse: Este libro está organizado en cinco capítulos. El primero presenta los antecedentes conceptuales y las decisiones teóricas tomadas para llevar a cabo esta investigación. ¿Cómo se ha entendido el bienestar en América Latina? ¿Cuáles han sido los principales enfoques y tradiciones? ¿Cómo se relacionan enfoques y tradiciones con la definición del bienestar como capacidad socialmente definida para el manejo de riesgos? ¿Cuál es la relación entre el bienestar y las prácticas que lo producen? ¿Qué lugar tienen la estratificación socioeconómica y la de género en dichas prácticas? ¿Qué son los regímenes de bienestar y qué sabemos de ellos en América Latina? ¿Son los regímenes meras estructuras? ¿Cuál es el papel de los actores colectivos en su configuración? En síntesis, el capítulo fundamenta y deja planteadas las principales herramientas conceptuales empleadas en esta investigación.


KRAYCHETE, Elsa Sousa (Org.). Desenvolvimento e cooperação internacional: relações de poder e política dos Estados. Salvador: EDUFBA, 2014.

Sinopse: A obra aborda de forma ampla o mapeamento da Cooperação Sul-Sul (CSS) brasileira demonstrando como se distribuem os projetos, os setores demandados e os níveis de governança e renda dos países. Dividido em duas partes, Desenvolvimento e Cooperação Internacional, examina experiências nas temáticas tratadas de México, Argentina, Brasil, Estados Unidos e Turquia. O objetivo das análises contidas no livro é contribuir tanto no sentido de enfatizar a participação brasileira na América do Sul e a ascensão na África, quanto explorar os dados, buscando relevância da renda e dos níveis do governo.




GUEVARA, Ernesto. Passages de la guerre révolutionnaire: le Congo. Paris: Métailié, 2000.

Sinopse: "Ceci est l'histoire d'un échec": c'est ainsi que commence le journal du che sur son expédition au congo en 1965, la première intervention internationaliste cubaine. A la tête d'un groupe de révolutionnaires cubains, le che arrive au congo après l'assassinat de patrice lumumba pour aider kabila - l'actuel chef du gouvernement congolais - et d'autres dirigeants du mouvement de libération à combattre le régime mis en place par les puissances coloniales dont mobutu deviendra bientôt l'homme fort. Mais la situation du congo est telle qu'elle met en échec tous les plans stratégiques : l'armée révolutionnaire est indisciplinée et sans convictions idéologiques, les autorités politiques et militaires n'ont pas de rapports avec la population, les divisions tribales interdisent toute unification nationale. Les échecs et les désertions mettent fin à l'expédition et, en juin 1966, une lettre de fidel castro convainc le che de revenir à cuba préparer une expédition en amérique latine. ce sera la bolivie. Le che fait ici une analyse lucide et sévère de son expérience mais il nous donne aussi des observations fines pour comprendre la réalité africaine, l'hypocrisie de la politique du bloc occidental face à l'ambiguïté de l'union soviétique. Il a l'intuition que le conflit fondamental pour la dignité des peuples est celui qui oppose le nord et le sud.


DEL PRIORE, Mary. Mulheres no Brasil Colonial. São Paulo: Contexto, 2003.

Sinopse: Mulheres no Brasil Colonial reconstitui passos, vivências e trajetórias: a história das mulheres e de sua diferença sexual e as múltiplas formas que utilizaram para lutar por si e pelos seus, a sua vida social e as representações que se fizeram delas. Apesar, de estar presentes desde o início do processo de colonização, de participar da luta contra as árduas condições de vida entre os séculos XVI e XVIII, e da grande variedade de lugares que ocuparam em diferentes grupos sociais, raciais e religiosos, pouco ainda se conhece das nossas antepassadas índias, brancas, negras e mulatas. Mary Del Priore resgata o verdadeiro lugar da mulher: na história, ultrapassando os limites que lhe são impostos, tanto no espaço privado quanto na arena pública, em que se desenvolve a luta pela sobrevivência.


BEIGEL, Fernanda (Org.). Crítica y teoría en el pensamiento social latinoamericano. Buenos Aires: CLACSO, 2006.

Sinopse: Este libro de la Colección Becas de Investigación reúne los trabajos ganadores del concurso de ensayos Los legados teóricos de las ciencias sociales en América Latina y el Caribe. Este concurso fue pensado como una vía para incentivar la recuperación de algunas de las principales contribuciones del pensamiento social latinoamericano y caribeño: aquellas que a partir de la década del ochenta pasaron al olvido o gozaron de poco prestigio en el marco de un escenario cultural e intelectual que adoptó las principales premisas de las corrientes hegemónicas en el mundo desarrollado, se nutrió de sus lenguajes, conceptos y enfoques metodológicos, e hizo suya una agenda de prioridades temáticas extraña e inapropiada para el tratamiento de los problemas y necesidades de nuestras sociedades.


GENTILI, Anna Maria. El león y el cazador: historia del África Subsahariana. Buenos Aires: CLACSO, 2012.

Sinopse: "También el león debe tener quien cuente su historia. No sólo el cazador". Chinua Achebe, famoso escritor nigeriano, nos recuerda con esta sugestiva metáfora que la historia del África subsahariana, tan variada en sus paisajes naturales y humanos, ha sido interpretada casi siempre a partir de las peripecias de la penetración, la conquista y las exigencias colonizadoras de las potencias europeas. Desde las declaraciones de independencia, a partir de los años Cincuenta del siglo XX, los sistemas políticos y de organización del Estado presentes en África han sido analizados según los mismos modelos de modernización y desarrollo que regían en los países occidentales. Pero esos modelos son ajenos a la experiencia histórica de transformaciones y convulsiones que integra la compleja realidad del África; de un continente relegado por la dominación colonial a una "tradicional" condición de diferente, concebida como apego a la inmovilidad, obstáculo infranqueable a cualquier proceso de desarrollo. De esta falla teórica se alimenta la persistente negación de la historicidad del África, que aún hoy hallamos en la información que se nos ofrece a cada nueva crisis que altera Estados, regiones, sociedades o poblaciones del continente.


RAMALHO, José Ricardo (Org.). Desenvolvimento, trabalho e cidadania: baixada e sul fluminense. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012.

Sinopse: A partir de reflexões, geradas tanto em projetos individuais quanto em debates coletivos, e de extensa pesquisa interinstitucional e interdisciplinar, Desenvolvimento, trabalho e cidadania – Baixada e Sul fluminense busca analisar os impactos de diversos processos nacionais de transformação socioeconômica em duas regiões fundamentais do Rio de Janeiro.








MARTINS, Elson. Amapá: um norte para o Brasil: diálogo com o governador João Alberto Capiberibe. São Paulo: Cortez, 2000.

Sinopse: A partir dos estudos básicos feitos no IPEA (Instituto de Pesquisas científicas e Tecnológicas do Amapá), e já se pode ter uma visão detalhada do zoneamento ecológico-econômico do Estado, na categoria de um diagnóstico que se projeta para propostas e projetos indutores.









POCHMANN, Marcio (Org.). Atlas da exclusão social no Brasil. São Paulo: Cortez, 2003.

Sinopse: A exclusão de parcelas da população do progresso das forças produtivas é contemporânea das sociedades capitalistas mesmo nas economias mais avançadas. Apesar de encontrar-se entre os principais produtores mundiais, com elevada exportação de alimentos e extensa área agricultável sem atividade, o Brasil mantém um terço de sua população na pobreza absoluta e esfomeada, quase 20% de sua força de trabalho sem ocupação, baixos níveis de escolaridade e grau de violência aberta próximo ao de uma guerra civil. Tudo isso agora pode ser plenamente visualizado - de forma inédita - no 'Atlas de Exclusão Social'. Este atlas mostra que quase metade dos municípios do país encontra-se e situação de exclusão social. Por outro lado, apenas 200 municípios - 3,6% do total - apresentam padrão de vida adequado.


LINDENBERG, Marc. Going global: transforming relief and development NGOs. Bloomfield: Kumarian Press, 2001.

Sinopse: Lindenberg and Bryant convincingly argue that the leading NGOs in international relief and development are at the cusp of pivotal opportunities. World changes and the forces of globalization are re-shaping the landscape NGOs inhabit: if they seize these challenges creatively they stand to become yet more influential and more valuable to the world’s poor; if they miss the chance they risk becoming outdated. Going Global provides a timely route-map to this frontier. It is an essential tool for leaders and staff of NGOs in these times of rapid change, and a great resource for all who are interested in NGOs, be they academics, donors or supporters.




SEGALL, Maurício. Controvérsias e dissonâncias. São Paulo: Edusp: Boitempo, 2001.

Sinopse: Neste livro, Maurício Segall fala de museologia, política cultural e partidária, teatro, cinema e racismo. Protagonista de inúmeros episódios - como membro do PCB e depois do PT, diretor do Museu Lasar Segall e do Teatro São Pedro -, o autor revisita o passado recente e traça um mosaico original das últimas três décadas do século XX.








KOGURUMA, Paulo. Conflitos do imaginário: a reelaboração das práticas e crenças afro-brasileiras na "metrópole do café", 1890-1920. São Paulo: Annablume: FAPESP, 2001.

Sinopse: Este livro interpreta as manifestações das práticas e das crenças afro-brasileiras em São Paulo, no período seguinte à extinção do regime do trabalho escravo no Brasil, quando as elites dominantes republicanas procuravam construir em solo brasileiro uma nação moderna e civilizada, seguindo padrões europeus.









MENDONÇA, Joseli Maria Nunes. Cenas da abolição: escravos e senhores no Parlamento e na Justiça. São Paulo: Fundação Perseu Ábramo, 2001.

Sinopse: Cenas da abolição retoma uma das questões centrais da história do Brasil, a abolição da escravatura, abordando o tema a partir dos debates parlamentares e das ações judiciais movidas por escravos contra seus senhores retoma uma das questões centrais da formação nacional, a abolição da escravatura, abordando o tema a partir dos debates parlamentares e das ações na Justiça.








HOBSBAWM, E. J. Echoes of the Marseillaise: two centuries look back on the French Revolution. London: Verso, 1990.

Sinopse: We can learn a great deal from studying the French Revolution itself, but we can also learn from studying the ways in which scholars have interpreted the French Revolution, and from the ways their views have changed. For over a century following the Revolution, commentators and scholars spoke of it in glowing terms. But in the past three decades, revisionist historians have become skeptical. Eric Hobsbawm reiterates the centrality of the Revolution for history on a global basis. He argues that those who wrote about the Revolution in the nineteenth century were convinced it had changed their lives dramatically, improving the economy and the lot of peasants. They saw the Revolution as a prototype of of the bourgeois revolution, enabling the middle class to gain power from the ruling class of aristocrats. Many believed proletarian revolutions would inevitably follow. In the years between 1917 and the 1960s, Marxists continued to use the French Revolution as a point of reference, paying increasing attention to the social and economic factors in the Revolution, not only to the political factors. In the 1970s and 1980s, many historians began to argue that the Revolution achieved modest results at disproportionate costs. Hobsbawm argues that this massive historiographical reaction against the centrality of the Revolution reflects the personal politics of those contemporary historians for whom Marxism and communism are now out of favor. They are, he maintains, wrong. The Revolution transformed the world permanently and introduced forces that continue to transform it.


MENDES, Cândido (Org.). Representação e complexidade. Rio de Janeiro: Garamond, c2003.

Sinopse: Este livro tem como tema principal a questão da complexidade social. O mundo extremamente complexo, e bem mais incerto, que a ciência contemporânea nos lega é, também, bem mais aberto às possibilidades - mas o reverso da medalha é que o progresso não é mais a certeza da salvação, e sim uma simples possibilidade que tanto pode existir, como não. Assim, a nova ciência do complexo abre imensas possibilidades para a humanidade. Ela não só pode fornecer soluções aos desafios do desenvolvimento e da paz, como permitir, graças à física dos processos de não equilíbrio, re-introduzir a ´flecha do tempo´ na própria concepção da natureza e produzir novos conceitos, tais como de ´auto-organização´ e de estruturas dissipativas, muito utilizados, atualmente, tanto na cosmologia quanto nas ciências sociais e na ecologia, na química e na biologia. O livre reúne textos de pensadores como Edgar Morin, Ilya Prigogine, Zaki Laïdi, entre outros.


ZARUR, George de Cerqueira Leite (Org.). Região e nação na América Latina. Brasília:  Ed.Unb , 2000.

Sinopse: Produção coletiva dos participantes do Grupo de Trabalho sobre Identidades na América Latina, do Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais, este livro discute aspectos como etnicidade, violência, absorção de imigrantes e identidades nacionais no Brasil, no México, na Colômbia e na Venezuela. Seus dez artigos investigam a fundo a questão regional e seu contexto no atual processo de globalização.







LATOUR, Bruno. Reflexão sobre o culto moderno dos deuses fe(i)tiches. Bauru: EDUSC, 2002.

Sinopse: Autor original e polêmico, Bruno Latour propõe nesta obra uma aproximação entre o discurso sobre os fatos e o discurso sobre os fetiches. Para ele, os modernos também fabricam seus fetiches e ídolos, mas procuram distingui-los dos fatos reais. Apresentando diversos exemplos que corroboram suas afirmações, Latour dedica neste livro uma atenção especial às diferenças entre as visões de mundo dos portugueses e dos negros africanos que vieram ao Brasil.







CAMINHA, Edmílson. Brasil e Cuba: modos de ver, maneiras de sentir: uma leitura comparada de obras sobre Cuba publicadas no Brasil. Brasília: Thesaurus, 2006.

Sinopse: Ensaio que proporciona ao leitor uma visão panorâmica e substanciosa da realidade política, social e econômica do país que, como nenhum outro, desperta o interesse e a atenção dos nossos escritores. Juntem-se, ao ineditismo do trabalho, o rigor, a diligência e a isenção que o recomendam. É, pois, livro da maior importância para estudantes, professores, pesquisadores, jornalistas e todos quantos se interessem por conhecer, mais e melhor, o dia-a-dia e a luta do povo cubano. A par de valiosos subsídios sobre a educação, a saúde, o esporte, a cultura e a imprensa em Cuba, saboreiam-se momentos que divertem pelo pitoresco do que se narra, como o roubo da pistola de Fidel na embaixada do Brasil em Havana e a estrambótica versão de que o mais famoso dos cubanos é, na verdade, brasileiro, pois que nascido em uma pequena cidade no interior do Pará.


SOLIS, Dirce Eleonora Nigro (Org.). Derrida e arquitetura. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

Sinopse: Se a filosofia sempre se debruçou sobre uma espécie de arquitetônica do pensamento, inspirada em elementos e figuras arquiteturais, a arquitetura, por outro lado, caracteriza-se por buscar fundamentos filosóficos como suporte para suas investigaçõesespaçotemporais. Fruto de inúmeras conversas entre a filosofia – em sua perspectiva ético-política – e arquitetos brasileiros, esta obra parte de ideias e escritos de Derrida para propor múltiplas formas de aproximações entre estes dois saberes.






FRATTINI, Eric. A Santa Aliança: cinco séculos de espionagem no Vaticano. São Paulo: Boitempo, 2009.

Sinopse: 'A Santa Aliança - Cinco séculos de espionagem no Vaticano' repassa as atividades clandestinas do serviço de espionagem do Vaticano que está conectado à atuação política da Igreja Católica e, consequentemente, do papado. O autor aborda temas espinhosos, mostrando que os papas, além de exercerem grande influência no Renascimento, protagonizaram passagens definidoras da história nos últimos séculos, como a Reforma e a Contra-Reforma, a Revolução Francesa e a era industrial, além da ascensão e queda do comunismo. Mostra, ainda, episódios de espionagem, conspiração e até roubos e assassinatos cometidos, por ordens do pontífice, em nome da fé católica.



DU BOIS, William D. As almas da gente negra. Rio de Janeiro: Lacerda Ed., 1999.

Sinopse: As Almas da Gente Negra é um ensaio literário datado da juventude do líder negro em que são comentados os longos e hostis anos da Reconstrução do Sul. Momento em que os negros viram-se livres, mas inteiramente excluídos da sociedade que, à primeira vista, parecia ter entrado em novos tempos. A obra está dividida em 14 capítulos- 13 ensaios e um conto. Ao longo dos ensaios, Du Bois discute e sobretudo apresenta diversas questões e problemas fundamentais para o povo negro; entre eles, a função que teria uma universidade negra e o papel feminino na sociedade, antecipando uma das discussões cruciais das décadas posteriores.




GONÇALVES, Jonuel (Org.). África no mundo contemporâneo: estruturas e relações. Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

Sinopse: O conhecimento do continente africano é hoje um forte imperativo internacional, inclusive para os próprios africanos, em grande maioria – até nos meios universitários – desconhecedores de seu próprio continente. Os textos deste livro abordam problemas africanos à luz das disciplinas de Sociologia, Política, Economia, História e Linguística, com aportes de Antropologia, Geografia e Comunicação. Procurou-se assim incrementar e disseminar conhecimentos do continente em si, mas também, com seus exemplos, situações e experiências, fortalecer essas disciplinas. A África não é apenas a longínqua origem da Humanidade; ela é hoje teatro de grandes operações econômicas, políticas, culturais e militares, portadoras de futuro.


THOMPSON, E. P. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Campinas: Ed. da Unicamp, 2012.

Sinopse: Coletânea de artigos do historiador inglês, acrescidos de um texto de Eric Hobsbawm sobre o autor, uma biografia intelectual e um ensaio sobre sua crítica à tradição marxista dominante. A análise que Thompson apresenta do Partido Trabalhista inglês esclarece bastante as limitações da Terceira Via de Tony Blair. O material adicional incluído pelos organizadores ajuda a entender a vida e a obra de um dos grandes historiadores do século XX. Em 1956 foi, com John Saville, o primeiro líder da oposição pública ao stalinismo no Partido Comunista — do qual era, havia muito, dedicado integrante. Nos anos 80, Thompson era, de acordo com o Arts and Humanities Citation Index, o historiador do século XX mais recorrentemente citado em todo o mundo e um dos 250 autores mais freqüentemente citados de todos os tempos. Suas reflexões sobre o uso de comparações na história e sua crítica a uma historiografia baseada na noção de classes sociais que traíram pretensas missões históricas oferecem sugestões para repensarmos a história brasileira.


HILL, Christopher. O século das revoluções 1603-1714. São Paulo: Ed. UNESP, 2012.

Sinopse: A obra aborda os eventos marcantes dessa época, relacionando-os ao desenrolar da história econômica, social e constitucional, ao desenvolvimento de ideias, o processo que enfim transformou a potência de segunda classe de 1603 na nação mais poderosa do mundo.









IAMAMOTO, Marilda Villela (Org.). Pensamento de Octavio Ianni: um balanço de sua contribuição à interpretação do Brasil. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009.

Sinopse: A coletânea "Pensamento de Octavio Ianni" reúne textos acadêmicos sobre a obra de Ianni, autor de contribuição essencial para o pensamento social crítico do Brasil e da América Latina. Pesquisadores do Centro de Estudos Octavio Ianni (Programa de Pós-graduação em Serviço Social da UERJ) fazem uma releitura analítica do seu pensamento, que se debruçou sobre temas como o capitalismo, o Estado, a globalização, as sociedades sul-americanas e o aproveitamento das ideias de Marx no Brasil.






BRAVO, Maria Inês Souza (Org.). Saúde, serviço social, movimentos sociais e conselhos: desafios atuais. São Paulo: Cortez, 2012.

Sinopse: Seguindo à risca a premissa de Marx, os autores deste livro buscam decifrar a realidade, envidando esforços para compreender qual o potencial político dos movimentos sociais, dos sindicatos, dos partidos políticos e dos conselhos de política e de direitos na atual realidade brasileira. Essas análises permitem que se apontem balizas que identifiquem de que forma a política de saúde vem sendo defendida por esses sujeitos coletivos.







SALES, Mione Apolinário (Org.). Política social, família e juventude: uma questão de direitos. São Paulo: Cortez; Rio de Janeiro: UERJ, 2004.

Sinopse: O que pode ser mais relevante e estratégico do que as políticas públicas dirigidas à infância e à adolescência? Onde está o presente-futuro da sociedade brasileira? Como este livro recorda, além de fases da vida, a infância e a adolescência são constituídas por pessoas, com seus sofrimentos, esperanças, carências objetivas e subjetivas. São realidades históricas e ainda, de imediato, urgências sociais. Porém como definir e defender políticas dirigidas ao 'outro', numa sociedade tão desigual e excludente? Sem ouvi-lo, sem trazê-lo para a esfera pública, sem interrogar e comprometer as instituições sociais como o Estado e a família, é impossível. Com diferentes abordagens os autores demonstram ser indispensável que o respeito devido à infância e à adolescência reflita-se em metas de desempenho do Estado e em práticas profissionais comprometidas com a justiça social e a garantia de direitos básicos de cidadania.


FREIRE, Lúcia Maria de Barros (Org.). Serviço Social, política social e trabalho: desafios e perspectivas para o século XXI. São Paulo: Cortez, 2006.

Sinopse: A coletânea tem como objeto as transformações societárias que afetam o conjunto da vida social e suas repercussões tanto no trabalho quanto na política social. Os autores expressam claramente o compromisso com valores como: defesa da justiça social, da democracia, dos direitos sociais, da construção de uma sociedade sem exploração de classe, gênero e etnia que conformam o projeto burguês.







ALMEIDA, Ney Luiz Teixeira de. Serviço social, trabalho e políticas públicas. São Paulo: Saraiva, 2012.

Sinopse: Este livro é, ele mesmo, um exemplo do que os autores apresentam, na última parte da obra, como sinal da maturidade do Serviço social no diálogo com a tradição marxista. Entre outros temas, a obra apresenta os dados recentes do mercado de trabalho dos assistentes sociais em tempos de reestruturação produtiva e neoliberalismo, e faz reflexões (densas e divergentes) acerca do Serviço social como trabalho ou como complexo ideológico, procurando indicar, nas palavras dos próprios autores, caminhos que abram novas possibilidades de situar não apenas a forma concreta que assume a ação profissional, mas seu lugar nas disputas societárias. Ao finalizar a leitura, percebemos que a preocupação em atender as demandas dos alunos não é uma retórica. Certamente, este é um livro que se preocupa com tais leitores, sem fazer rebaixamentos teóricos, mas reconhecendo o esforço vivenciado por todos os sujeitos que enfrentam dilemas e desafios de compreender o Serviço social brasileiro na atualidade.


FREIRE, Silene de Moraes (Org.). Direitos humanos e questão social na América Latina. Rio de Janeiro: Gramma, 2009.

Sinopse: A obra em questão congrega uma série de artigos reunidos em torno dos principais temas que envolvem os direitos humanos, a questão social e a democracia, no cenário do capitalismo deste século XXI, particularmente no marco das transformações que vêm alterando de modo perverso a história de crianças e adolescentes na América Latina. Os estudos que compõem esta coletânea foram apresentados nas conferências, palestras e grupos de trabalhos realizados durante o II Seminário Internacional: Direitos Humanos, Violência e Pobreza: A Situação de Crianças e Adolescentes na América Latina Hoje, realizado nos dias 5, 6 e 7 de novembro de 2008, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).



ZABALA ARGÜELLES, María del Carmen (Comp.). Pobreza, exclusión social y discriminación étnico-racial en América Latina y el Caribe. Bogotá: Siglo del Hombre; Buenos Aires: CLACSO, 2008

Sinopse: El incremento de la pobreza y de la exclusión social en el mundo constituye un fenómeno persistente y expansivo. Las relaciones entre pobreza, exclusión social y discriminación étnico-racial son estrechas. Su estudio se justifica no sólo por la relevancia social, ética y humana del tema, sino también por la necesidad de avanzar, en el orden práctico, con propuestas orientadas al logro de mayores niveles de integración social y bienestar humano. Este libro ratifica, desde contextos y perspectivas diferentes, la existencia de formas diversas de discriminación y exclusión étnico-racial en América Latina y el Caribe y los niveles de pobreza entre las poblaciones indígenas y afrodescendientes.



LOUREIRO, Isabel Maria. Trotsky hoje. São Paulo: Ensaio, 1994.

Sinopse: “Trotsky hoje” é uma coletânea de ensaios, feitos por ocasião do “Simpósio Internacional ‘Trotsky: passado e presendo do Socialismo”, evento realizado pelo departamento de História da USP em 1990.










FELDMAN-BIANCO, Bela. Nações e diásporas: estudos comparativos entre Brasil e Portugal. Campinas: Ed. da Unicamp, 2010.

Sinopse: Há vários momentos significativos nas relações entre Brasil e Portugal depois da Independência em 1822. O fenômeno da imigração portuguesa ainda é insuficientemente estudado e encontramos, entre os capítulos aqui apresentados, contribuições significativas que diminuem essa lacuna. A possibilidade de estudar diferentes categorias de brasileiros, desde profissionais liberais altamente qualificados até membros de camadas populares, em diferentes tipos de interação e inserção na sociedade portuguesa constitui-se num dos desafios enfrentados por esta obra.





BECARD, Danielly Silva Ramos. Relações exteriores do Brasil contemporâneo. Petrópolis: Vozes, 2009.

Sinopse: A herança da diplomacia brasileira, diretamente associada a sua identidade nacional, caracteriza-se como sendo universalista e contrária a qualquer tipo de segregação, cooperativa e oposta à confrontação, pacifista e orientada para a coexistência das diferenças, e a favor da solução jurídica e pacífica de controvérsias.









ALSINA JÚNIOR, João Paulo Soares. Política externa e poder militar no Brasil: universos paralelos. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

Sinopse: O Brasil precisa de uma política de defesa? Para que fins? Qual deve ser a relação entre defesa e política externa e quais as dificuldades de articulação entre estas? Neste livro, o autor busca oferecer respostas para estas e outras perguntas, vistas como centrais ao debate político e acadêmico sobre um tema tão relevante, porém pouco explorado.








MOREIRA, Luiz Felipe Viel. As relações internacionais da América Latina. Petrópolis: Vozes, 2010.

Sinopse: As relações internacionais da América Latina constituem um campo a ser desenvolvido nos estudos acadêmicos brasileiro. Este livro visa preencher uma parte dessa lacuna, abordando a história contemporânea do continente. Uma história na qual o conhecimento das relações exteriores da região parte do estudo das variáveis políticas de cada país.








KENKEL, Kai Michael (Org.). O Brasil e as operações de paz em um mundo globalizado: entre a tradição e a inovação. Brasília, DF: IPEA, 2012.

Sinopse: Este livro busca contribuir para o debate sobre o papel das operações de  paz no avanço do trabalho do Brasil em alcançar seu devido lugar nas mesas de  poder no mundo. Seu objetivo é reunir pesquisas ao longo de dois eixos: 1) aspectos conceituais e empíricos das operações de paz, permitindo assim  orientar o pensamento sobre o papel do Brasil nestas missões e o delas no  projeto nacional brasileiro; e 2) perspectivas domésticas e experiências internacionais para apontar como se tirar plena vantagem da contribuição destas  operações à imagem do Brasil no mundo.




CESAR, Monica de Jesus. Empresa cidadã: uma estratégia de hegemonia. São Paulo: Cortez, 2008.

Sinopse: É uma leitura para profissionais das áreas de Ciências Sociais e Humanas envolvidos na prática social. Encontra-se aqui um tratamento teórico rigorosos ao tema, diante da difícil discriminação que envolve as continuidades e rupturas na tessitura da realidade contemporânea.









BEHRING, Elaine Rossetti. Política social: fundamentos e história. São Paulo: Cortez, 2007.

Sinopse: Reagindo à naturalização do ordenamento capitalista, suas desigualdades e lutas, este livro apreende a política social como expressão dos embates das lutas dos trabalhadores pelos direitos sociais universais de cidadania, que têm no Estado uma mediação fundamental. É uma rica contribuição para a revisão crítica da política social na história de nosso país no cenário da expansão capitalista mundial, inspirado nas mais fecundas sugestões da tradição marxista (Marilda V. Iamamoto). Neste livro se discute desde a relação da Política Social com o surgimento da questão social no século XIX, até os dias atuais, quando a feição universal dá lugar ao caráter focalizado, e a provisão pública cede espaço ao privado.



BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Ed. UNESP, 2004.

Sinopse: Livro que leva o título da conferência, seguida de debate, realizada no Instituto Nacional da Pesquisa Agronômica (INRA), pode ser classificado como uma sociologia da produção científica que se vale da teoria dos campos sociais, para discutir questões relevantes. O autor acredita que a luta pela 'verdade' científica no interior do campo é um jogo de lucros e perdas e que os 'campos científicos' são o espaço de confronto necessário entre duas formas de poder que correspondem a duas espécies de capital científico; o social (ligado à ocupação de posições importantes nas instituições científicas) e o específico (que repousa sobre o reconhecimento pelos pares, também o mais exposto à contestação). Sob sua ótica, essas contradições podem ser ultrapassadas com a sociologia da ciência.


BOURGUIGNON, Jussara Ayres. Pesquisa social: reflexões teóricas e metodológicas. Ponta Grossa: TODAPALAVRA, 2009.

Sinopse: Voltado para profissionais que atuam nas diversas áreas que compõem as Ciências Sociais, o livro traz textos que abordam a interdisciplinaridade, as diversas possibilidades de metodologia de pesquisa, a ampliação dos objetos de estudo das Ciências Sociais e o alcance das pesquisas na área social. A obra tem por finalidade alimentar os pesquisadores da área das Ciências Sociais e Humanas em relação às reflexões teóricas e metodológicas tão necessárias ao processo de aproximação e delineamento de seus objetos de investigação. Ela objetiva contribuir para a valorização da metodologia no contexto da produção de conhecimento, demonstrando as possibilidades e potencialidades dessa temática quando envolve um diálogo interdisciplinar e pluralista. Nesta perspectiva, convida o leitor e pesquisador ao debate e à troca de conhecimentos e de experiências que sejam capazes de gerar novas e fecundas produções sobre pesquisa social.


MACINTYRE, Alasdair C. Depois da virtude. Bauru: EDUSC, 2001.

Sinopse: Este livro constitui uma importante crítica da filosofia moral contemporânea. Fruto de longa reflexão e insatisfação com o conceito de ''filosofia moral'' como área de pesquisa independente e isolável, este livro discute de maneira inovadora a responsabilidade da Filosofia face ao mundo, sua relação com a História e a Antropologia, as virtudes e a Teologia. Nele também é desenvolvida a idéia de que o estudo dos conceitos de moralidade apenas pela reflexão é uma atividade acadêmica estéril.






ROCHA, Antonio Penalves. A recolonização do Brasil pelas cortes: história de uma invenção historiográfica. São Paulo: Ed. UNESP, 2009.


Sinopse: O texto aborda as questões relativas à recolonização apresentando uma história do vocábulo "recolonização" e de seus usos oficiais no Brasil para averiguar o significado que lhe foi inicialmente conferido; em seguida, examina a permanência na historiografia brasileira e estrangeira dos séculos XIX e XX da representação de que as Cortes tinham um plano de recolonização do Brasil, bem como da negação da existência de um plano recolonizador por parte de alguns historiadores nas últimas décadas. Após o exame sobre o que se escreveu a respeito do tema, apresentam-se os resultados de uma pesquisa histórica iniciada com um estudo sobre as linhas gerais da difusão da Economia Política no Brasil e em Portugal nos princípios do século XIX.


BETHELL, Leslie. A abolição do comércio brasileiro de escravos. Brasilia: Senado Federal, 2002.

Sinopse: Tal obra tem como subtítulo "A Grã-Bretanha, o Brasil e a Questão do Comércio de Escravo (1807-1869)", escrita por um especialista em história latino-americana e em relações anglo-brasileiras. Parte da indagação de como o comércio de escravos, um dos principais pilares da economia brasileira, veio a tornar-se ilegal, para em seguida investigar por que, embora declarado ilegal, provou-se impossível, durante vinte anos, suprimir tal comércio. Finalmente, demonstra como ele foi abolido. Obra importante para a compreensão não só do Brasil, mas de Portugal, da Grã-Bretanha e da África naquele período.




SALES, Márcio. Caosmofagia: a arte dos encontros. Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

Sinopse: Este livro contém um conjunto de ensaios que giram em torno de uma filosofia dos encontros. Fruto de uma pesquisa minuciosa, a obra analisa o processo de composição dos modos de subjetivação que se dá através dos encontros dos corpos e a participação do sujeito nesse processo a partir de um dispositivo conceitual que ele chama de caosmofagia. Trata-se de um conceito inspirado em autores que elaboraram um pensamento em torno da potência do caos ou pensaram a partir de uma perspectiva trágica. Heráclito, Manoel de Barros, Nietzsche, Spinoza, Foucault, Oswald de Andrade, Guattari, Raduan Nassar, Artaud, Deleuze, dentre outros, fazem parte desse cenário caosmofágico. Composição e decomposição a partir dos encontros. Mistura de corpos, sons, palavras, ideias, afetos, gritos e tremores, num processo de criação sem fim.


CABRAL, Alexandre Marques. Niilismo e hierofania: uma abordagem a partir do confronto entre Nietzsche, Heidegger e a tradição cristã, v.1: Nietzsche, cristianismo e o Deus não-cristão. Rio de Janeiro: Mauad X, 2014.

Sinopse: O primeiro volume da obra Niilismo e Hierofania - "Nietzsche, cristianismo e o Deus não-cristão" - pretende mostrar como é possível, por meio de um contraste com a tradição cristã, repensar a divindade sem lançar mão de conceitos e bases metafísicas que orientaram a compreensão ocidental da divindade. Para esta tradição, Deus é causa suprema do mundo, razão absoluta de todos os fenômenos temporais e ser superior a toda realidade finita. Apesar de Nietzsche ter declarado a morte de Deus, ele abriu espaço para pensar uma divindade que se inscreve na finitude de todos os seres e aparece em meio ao seu movimento criativo. A este Deus Nietzsche chamou de Dionísio.



RIZZINI, Irene. A institucionalização de crianças no Brasil: percurso histórico e desafios do presente. Rio de Janeiro: PUC; São Paulo: Loyola, 2004.

Sinopse: O livro focaliza a trajetória histórica desde o século XVIII de instituições do tipo internato de menores, visando a "educação" de crianças pobres, fossem elas abandonadas, órfãs, indígenas ou negras. A análise da documentação histórica sobre a assistência à infância dos séculos XIX e XX revela que crianças nascidas em situação de pobreza e/ou em famílias com dificuldades de criarem seus filhos tinham um destino quase certo quando buscavam apoio do Estado: o de serem encaminhadas para instituições como se fossem órfãs ou abandonadas.





BEHRING, Elaine Rossetti. Brasil em Contra-Reforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. São Paulo: Cortez, 2003.

Sinopse: O livro analisa a "reforma" do Estado no Brasil dos anos 90, desencadeada a partir da "adaptação" do país à dinâmica do capitalismo contemporâneo, mas com sustentação política e econômica interna.










LUIZ, Danuta E. Cantoia. Emancipação e serviço social: a potencialidade da prática profissional. Ponta Grossa: Ed. UEPG, 2011.

Sinopse: Evocando os fundamentos e valores críticos da emancipação social como processo que potencializa o protagonismo sociopolítico de segmentos da classe subalterna, estabelece relação com as práticas profissionais desenvolvidas no âmbito do Serviço Social. Destaca-se a originalidade do presente livro, pois é a partir desse horizonte que a autora construirá a categoria rupturas moleculares emancipatórias. Utiliza tal categoria para referir-se à efetivação de práticas que contribuam para potencializar o protagonismo consciente e ativo dos grupos e estratos com os quais trabalha, por intermédio da elevação cultural e política, dimensões entendidas como a base fundamental de um projeto contra-hegemônico e emancipatório da sociedade.



MENDONÇA, Carlos Eduardo Rebello de. Trotsky e a revolução permanente: história de um conceito chave. Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

Sinopse: Sendo o conceito de Revolução Permanente a espinha dorsal das contribuições teóricas de Trotsky ao marxismo, qualquer investigação sobre esse conceito deve partir de uma explicação do fato de esse conceito - como toda a obra de Trotsky na sua generalidade - ser, até hoje, tão pouco estudado enquanto tal, o que torna extremamente difícil estabelecer a importância de Trotsky na história intelectual do marxismo.







ENNES, Marcelo Alario. A construção de uma identidade inacabada: nipo-brasileiros no interior do Estado de São Paulo. São Paulo: Ed. da UNESP, 2001.

Sinopse: Busca compreender a presença japonesa em Pereira Barreto, município localizado na região Noroeste paulista, a partir de suas relações com os não-japoneses. O estudo mostra que o limite entre ser ou não nipo-brasileiro é extremamente mutável. O diálogo entre as duas culturas envolve um mundo de relações simbólicas e práticas em constante mutação, que tem a sua origem na implantação de uma colônia japonesa na região, em 1920.







BACELAR, Jeferson Afonso. A hierarquia das raças: negros e brancos em Salvador. Rio de Janeiro: Pallas, 2001.

Sinopse: O diferencial deste livro em elação aos demais encontrados sobre o papel do negro na construção da sociedade brasileira é que ele abre novas perspectivas analíticas ao fazer uma reflexão sobre a história documentada do negro, especificamente na cidade de Salvador, do período pós-abolição até os dias de hoje, quebrando o mito de que esta cidade é a capital da verdadeira democracia racial. Por intermédio de uma pesquisa etno-histórica, o autor demonstra que os últimos negros que aportaram no Brasil antes da abolição, para conseguirem sobrepujar a perversa malha social hierarquizada de Salvador, precisaram usar de astúcia e habilidade com a finalidade de elaborar um mecanismo de sobrevivência e assim combater a discriminação e as desigualdades raciais vigentes na cidade mais negra do país. O autor explicita como essa astúcia propiciou a defesa e a preservação de seus valores culturais e viabilizou as vitórias sobre a política racista que tentou alijá-lo de todo o processo; ele revela o quanto essas desigualdades acompanham e atrapalham o negro em sua trajetória histórica enquanto sujeito e vítima da construção da sociedade brasileira. Enfim, é um livro cujo objetivo é propiciar o debate e impulsionar o reposicionamento do negro como elemento importante na formação do país.


CONTINS, Marcia. Religiosidade e performance: diálogos contemporâneos. Rio de Janeiro: Mauad X, 2015.

Sinopse: Muitos têm chamado a atenção para a relevância da "religiosidade" no mundo atual. A coletânea Religiosidade e Performance: Diálogos Contemporâneos explora as relações entre religião e performance em diversos contextos etnográficos, tais como em rituais da Umbanda, católicos e de dança. Os estudos que compõem esta coletânea descrevem o conjunto de atividades culturais e políticas, assim como os patrimônios religiosos e étnicos que vêm sendo produzidos por diferentes grupos.






LEAL, Murilo. A reinvenção da classe trabalhadora (1953-1964). Campinas: Ed. UNICAMP, 2011.

Sinopse: A reinvenção da classe trabalhadora revê de maneira inovadora vários dos temas clássicos da história brasileira do trabalho. Os dilemas da industrialização periférica, a saga das migrações internas e seu impacto no processo de (re)formação da classe trabalhadora, o movimento sindical e as principais reivindicações trabalhistas são todas questões pacientemente apresentadas e articuladas às experiências cotidianas de operárias e operários. A atuação dos trabalhadores no cenário público em um dos momentos de maior efervescência política e mobilização social da história nacional é um dos destaques principais deste trabalho.




QUADRAT, Samantha Viz. Não foi tempo perdido: os anos 80 em debate. Rio de Janeiro: 7Letras, 2014.

Sinopse: Cruzeiro, cruzado e cruzado novo, a morte súbita de Tancredo, "Diretas Já", inflação galopante, acidente radioativo em Goiânia, boom do rock e do cinema nacional. Esses são apenas alguns dos fatos que marcaram os anos 1980 no Brasil – período que, devido às turbulências políticas e à estagnação econômica, ficou conhecido como "a década perdida". Contudo, podemos dizer que a década de 1980 não foi tempo perdido: foram dez anos cruciais para a história do país. Organizada por Samantha Viz Quadrat, esta coletânea de ensaios reflete sobre as mudanças sociais, políticas e culturais da época a partir da música, da fotografia e do cinema nacional, transitando pelos temas mais variados – como o estudo das cartas enviadas pelo povo à viúva de Tancredo Neves, que teria sido o primeiro presidente civil do país desde 1964. Reunindo visões de pesquisadores consagrados que viveram o período e de jovens pesquisadores de áreas diversas, a obra traça um panorama amplo e complexo do que o nosso país foi palco naqueles movimentados anos.


VALLE, Maria Ribeiro do. 1968: o diálogo é a violência: movimento estudantil e ditadura militar no Brasil. Campinas: Ed. da Unicamp, 2008.

Sinopse: Este livro sobre 1968 no Brasil tem com eixo de análise o movimento estudantil. Sua originalidade e sua conseqüente contribuição para os estudos sobre esse momento de inflexão na sociedade brasileira podem ser destacadas a partir de alguns traços que o distinguem. A construção detalhada e rigorosa de quatro momentos do ano de 1968 no Brasil é redigida com base em uma questão central, a violência, que se constitui na linha interpretativa do trabalho. Focalizando o jogo político entre o movimento estudantil e a ditadura militar, faz incidir aí um outro “ator”, a imprensa da época, até então inexplorado nesse registro de análise, nos estudos já existentes. Outro traço a ser destacado é o da estratégia narrativa utilizada para a construção do texto. A linha interpretativa centrada na questão da violência vai emergindo ao longo dos quatro momentos de um relato em que a posição temporal do narrador coincide com a do tempo histórico de 68. A estratégia do discurso faz com que os quatro momentos sejam narrados em uma posição de relativa ignorância do desfecho, embora este seja antecipado na Introdução da obra. A questão da violência, cuja percepção hoje é mais evidente, pode ser então contrastada com o relativo desconhecimento dos diversos sentidos de ação em confronto, cujas conseqüências tinham um certo grau de imprevisibilidade.


ARAÚJO, Fábio Alves. Das "técnicas" de fazer desaparecer corpos: desaparecimento, violência, sofrimento e política. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

Sinopse: Das “técnicas” de fazer desaparecer corpos é o resultado de um estudo socioantropológico que descreve e analisa as relações entre sofrimento, violência e política, a partir da experiência e da perspectiva dos familiares de vítimas de violência. Focaliza-se uma modalidade específica de casos e situações: o desaparecimento forçado de pessoas, e, portanto, a violação e a ausência dos corpos. Por meio das narrativas dos familiares dos desaparecidos, é possível acessar certas gramáticas morais e políticas em que categorias e temas como desaparecimento, desaparecido, vítima, familiar de vítima, morte violenta, favela, violência policial/estatal, milícia, “traficantes”, terror, luto, justiça, ação coletiva e espaço público emergem no processo de construção de uma teia de significados e sentidos.


CHENAUT, Victoria. Justicia y diversidad en América Latina: pueblos indígenas ante la globalización. Quito: FLACSO Ecuador; México, D.F.: CIESAS, 2011.

Sinopse: Los autores del presente volumen comparten el interés general de analizar y comprender la problemática actual de los pueblos indígenas en su búsqueda por defender sus derechos históricos y valorar sus identidades étnicas en el contexto de su relación con los Estados nacionales y los centros del poder internacional. En sus páginas se muestran los procesos nacionales de cambio legal y sus contradicciones frente a la tendencia globalizadora, lo mismo que la respuesta de los actores indígenas y no indígenas a las nuevas coyunturas. Se constata, así, que de poco sirve que los Estados latinoamericanos concedan derechos culturales, o incluso que reconozcan derechos de libre determinación para el ejercicio de la autonomía de los pueblos indígenas, cuando el mismo Estado, respondiendo a los intereses del capital transnacional, destruye las bases económicas y sociales para ejercerlos. Sin embargo, los capítulos que integran este libro también muestran que los pueblos indígenas están gestando nuevas propuestas teóricas y políticas en torno a los derechos, las identidades y las autonomías, las cuales se constituyen en referentes para analizar el campo jurídico y sus transformaciones en el contexto actual de la globalización del derecho y de las políticas multiculturales en el neoliberalismo.


CHOMSKY, Noam. A new generation draws the line: Kosovo, East Timor, and the standards of the West. London: Verso, 2001.

Sinopse: Kosovo, East Timor and the Standards of the West saw two major international crises which, looked at side-by-side by Noam Chomsky, starkly illuminate the strategies of the Western powers in the new century. In this volume Chomsky convincingly argues that humanitarianism was not the moving force behind NATO's intervention in Yugoslavia, and that there, as in East Timor, strategic concerns were dominant and the fate of civilian populations incidental.






GIARRACA, Norma (org.). El campo Argentino en la encrucijada: estrategias y resistencias sociales, ecos en la ciudad. Buenos Aires: Alianza Editorial, c2005.

Sinopse: Este libro cuyos trabajos fueron compilados por Norma Giarracca y Miguel Teubal, nos habla de contrastes y rupturas, de la paradoja que significa la coexistencia de un campo modernizado y pujante con otro excluido y pobre y que, además, persiste. La obra presenta trabajos de varios autores, vinculados con la Universidad de Buenos Aires a través del Instituto Gino Germani y el Centro de Estudios Avanzados, y nos muestra los resultados de la investigación interdisciplinaria e independiente realizada con fondos públicos.






LÉON PORTILLA, Miguel. Visión de los vencidos: relaciones indígenas de la Conquista. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 2000.

Sinopse: Hasta 1959, cuando apareció por primera vez este libro, ya tantas veces reeditado, el único testimonio difundido sobre la Conquista era la crónica victoriosa de los propios españoles. Miguel León-Portilla tuvo el incomparable acierto de organizar textos traducidos del náhuatl por Ángel María Garibay para darnos la Visión de los vencidos: la imagen que los indios de Tenochtitlan, Tlatelolco, Chalco y Tlaxcala se formaron acerca de la lucha contra los conquistadores y la ruina final del mundo azteca. Relatos de los presagios que anunciaron el desastre, descripción del avance de Cortés, crónica de la batalla heroica de los antiguos mexicanos en defensa de su cultura y de su misma vida, elegía de una civilización que se perdió para siempre, gran poema épico de los orígenes de la nacionalidad mexicana, Visión de los vencidos es ya un libro clásico y una obra de lectura indispensable para todos.


GOMES, Maria de Fátima Cabral Marques (Org.). Renovação urbana, mercantilização da cidade e desigualdades sociais. Rio de Janeiro: Mauad X, 2013.

Sinopse: Esta obra coletiva vem somar-se a muitos outros trabalhos que, nos últimos anos, se têm consagrado a desvendar o enigma das grandes cidades de início do século XXI. Sua contribuição é relevante. E ele nos alerta para a necessidade, urgência mesmo, de enfrentar o maior desafio de todos: encontrar os caminhos para transformar as resistências, cada resistência, toda a resistência em alternativas contra-hegemônicas. A cidade mais justa, voltada para os citadinos e não para os grandes negócios corporativos, nascerá das múltiplas formas de associação entre a prática da crítica e a crítica da prática.





FRANCO, Afonso Arinos de Melo. O índio brasileiro e a revolução francesa: as origens brasileiras da teoria da bondade natural. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1976.

Sinopse: O Índio brasileiro e a Revolução Francesa é erudita, original e brilhante análise do impacto da imagem do índio brasileiro no imaginário, na literatura e no pensamento europeus dos séculos XVI, XVII e XVIII. O autor concentra-se na visão do 'bom selvagem' transmitida por viajantes e a persegue, em viagem não menos fascinante que a deles, nas obras de grandes pensadores e literatos como Thomas Morus, Erasmo, Rabelais, Montaigne, Shakespeare, Locke, e, por último, Rosseau, que faz a ligação direta de nossos índios com a Revolução Francesa via teoria da bondade natural do ser humano. Índio fazendo europeu se repensar: excelente tema para meditar no quinto centenário do encontro das duas culturas.



VOGEL, Arno (Org.). Mulher e Mercosul = Mujer y Mercosur, v.II. Brasília: FLACSO, 1999.

Sinopse: El proceso de colaboración inter-agencial alrededor del mencionado proyecto, que involucró también al UNICEF (fondo de las Naciones Unidas para la Infancia) y el UNFPA (Fondodelas Naciones Unidas para la Población), atendía al mandato en este sentido de los órganos de gobierno de las dos instituciones,y permitió verificar en la práctica lamayor eficiencia y productividad resultantes de esta orientación, y la conveniencia de darle continuidad. En consecuencia, UNIFEM-Brasil y FLACSO-Brasil colaboraron intensamente en el esfuerzo de constitución, en Brasilia, de un mecanismo de coordinación del Agencias de Organismos Multilaterales en lo que se refiere a su acción en el área de Mujeres en Desarrollo. La iniciativa involucró más de veinte Agencias.


MELHEM, Celia Soibelmann. Politica de botinas amarelas: o MDB-PMDB paulista de 1965 a 1988. São Paulo: HUCITEC, 1998.

Sinopse: Tendo como tema central o MDB/PMDB paulista, da oposição ao governo, esta obra pretende desvendar aspectos relevantes da política eleitoral de massas no Brasil contemporâneo, enfocando uma organização partidária influente na conquista da democracia brasileira, ainda durante o regime autoritário militar.









VENTURA, Montserrat. En el cruce de caminos: identidad, cosmología y chamanismo tsachila. Quito: FLACSO; Abya-Yala: Universidad Politécnica Salesiana, 2012.

Sinopse: ¿Podemos resaltar la originalidad de un grupo indígena fruto de un proceso de etnogénesis colonial? ¿Podemos hablar de relativismo, de redes de intercambio, de dinamismo, para describir su lógica cultural? ¿Cuál es el rol de los chamanes en una sociedad indígena contemporánea? A las cuestiones que plantea la etnografía del pueblo indígena Tsachila del Ecuador, a medio camino entre los Andes y la costa del Pacífico, esta obra propone la descripción de una sociedad en el cruce de caminos. Al hilo de la historia y de las prácticas, Montserrat Ventura descubre las relaciones sociales y dibuja los contornos de la identidad Tsachila. Al analizar la constitución de la persona y sus componentes, la lengua y las formas de relación, la autora nos desvela el relativismo característico de la lógica cultural de este grupo, notoria en la comunicación que mantienen los chamanes con el mundo de los espíritus. Al trabajar sobre la concepción de la enfermedad y la muerte, y sobre la acción ritual, este libro manifiesta la fluidez de la cosmología de las sociedades chamánicas amerindias: con su dinamismo cultural, gestionado en parte por los mismos chamanes, los Tsachilas se erigen en un ejemplo particularmente interesante.


GONZÁLEZ PÉREZ, Miguel (Org.). La autonomía a debate: autogobierno indígena y estado plurinacional en América Latina. Quito: FLACSO Ecuador; GTZ, 2010.

Sinopse: Los trabajos expuestos en esta publicación, fueron presentados (la mayoría de ellos) en un encuentro denominado “Construyendo el Estado multiétnico desde sitios políticos múltiples”, Seminario sobre regímenes de autonomía en América Latina organizado en Quito, Ecuador, en Noviembre de 2008, bajo los auspicios de GTZ y FLACSO-Ecuador. En ese seminario se propuso analizar las diversas modalidades de ejercicio de las autonomías territoriales indígenas y multiétnicas y sus relaciones con los estados en América Latina, y adicionalmente conocer y debatir acerca de los alcances y desafíos de los procesos constituyentes de Ecuador y Bolivia sobre los temas de autonomía indígena, y la constitución del Estado plurinacional.


LEFEVRE, Fernando. Depoimentos e discursos: uma proposta de análise em pesquisa social. Brasília: Liber Livro, 2005.

Sinopse: Neste texto os autores retomam a temática relativa aos discursos dos sujeitos coletivos. A obra examina como se pode chegar a um produto que expressa o que efetivamente pensam grupos de indivíduos socialmente situados.










ZARUR, George de Cerqueira Leite. A utopia brasileira: povo e elite. Brasília: Abaré, 2003.

Sinopse: A preocupação maior deste livro, cujos capítulos foram escritos ao longo da lamentável década de 90, foi a de “construir nação”, de apresentá-la em sua identidade própria, como fizeram, no passado, Sylvio Romero, Euclydes da Cunha, Manuel Bomfim, Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e outros. De voltar a pensar a nação. O problema que se coloca é o de como usar as ciências sociais e, especialmente, a antropologia para, de forma crítica, elucidar aspectos obscuros da cultura e da sociedade brasileiras. Seu conhecimento poderá ajudar os brasileiros a resistir politicamente aos desafios históricos com que se defrontam. Ou pelo menos, para os se lembrem como era o Brasil de seus pais, para que o reconstruam de maneira melhor.


TEIXEIRA, Igor Salomão (Org.). Reflexões sobre o medievo IV: estudos sobre hagiografia medieval. São Leopoldo: Oikos, 2014.

Sinopse: Este livro trata especificamente de estudos sobre os relatos de santos do período medieval, as hagiografias. Os textos são de alunos de graduação e pós-graduação em diferentes níveis de formação e de diferentes instituições acadêmicas e tem origem no projeto “Os tempos da Santidade: Processos de Canonização e Relatos Hagiográficos dos Santos Mendicantes (séculos XIII e XIV).








SCHWENTZEL, Christian-Georges. Cleópatra. Porto Alegre: L&PM, 2009.

Sinopse: Cleópatra subiu ao trono com dezoito anos e se transformou numa das figuras mais célebres da Antigüidade, juntamente com Alexandre Magno e Júlio César. Sétima rainha com esse nome, teve que desposar seu irmão, Ptolomeu, então com dez anos de idade, para honrar a vontade do defunto rei, seu pai. Baseando-se nas recentes descobertas arqueológicas em Alexandria e na totalidade de documentos relativos à rainha do Egito (entre fontes literárias, papiros, moedas e esculturas da época), esta obra aborda Cleópatra para além do mito e traça um quadro completo do Egito antigo. Nada fica de fora, inclusive as várias versões sobre o polêmico suicídio da ambiciosa e sedutora soberana.



LE GOFF, Jacques. Heróis e maravilhas da Idade Média. Petrópolis: Vozes 2011.

Sinopse: Neste livro, Jacques Le Goff explora o imaginário medieval através de seus dois componentes supremos: de um lado, os herois, como Carlos Magno, El Cid, o rei Artur, Rolando, a papisa Joana, Robin Hood, sem esquecer a fada Melusina e o mago Merlin, bem como a raposa e o unicórnio e, de outro, as maravilhas, três edifícios que dominam a sociedade - a catedral, o castelo e o claustro.








SIMIONI, Ana Paula. Criações compartilhadas: artes, literatura e ciências sociais. Rio de Janeiro: Mauad X,  2014.

Sinopse: O tema da autoria da produção artística e intelectual concebida como atividade coletiva é o centro das discussões desta coletânea. Reunindo textos de pesquisadores brasileiros e estrangeiros, que abordam "o processo criativo em sua dimensão relacional e colaborativa", esta obra traz reflexões sobre diferentes exemplos de parcerias artísticas e intelectuais, moldadas no ambiente afetivo ou no meio profissional. Sem dúvida, uma publicação oportuna, que servirá de inspiração para novas pesquisas sobre a criação artística e intelectual.





WERNECK, Alexandre (Org.). Pensando bem: estudos de sociologia e antropologia da moral. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2014.

Sinopse: Este livro é o resultado de três anos de debates entre estudiosos interessados em entender o modo como diferentes dimensões da vida podem ser lidas sob a perspectiva da moral. Afinal, embora este tenha sido sempre um tema importante para a sociologia e a antropologia, raros têm sido os esforços brasileiros para a realização de pesquisas empíricas nessa área. Considerando essa lacuna, os autores dos 22 ensaios que fazem parte de Pensando bem se concentram na discussão prática da moral tomada do nosso cotidiano, privilegiando formas de ultrapassar a dicotomia entre abordagens preocupadas com o correto ou justo, de um lado, e aquelas preocupadas com o bom, de outro. O livro é dividido em quatro grandes áreas: debates; gramáticas, sentidos e dispositivos morais; violência, identidades e moralidades criminais; e direitos, política e vida pública. Para cada uma delas, os autores se engajam no esforço coletivo de contribuir para o desenvolvimento de abordagens ou para a construção de modelos que permitam pensar a moral como objeto das ciências sociais.


VIZENTINI, Paulo Fagundes. História da África e dos africanos. Petrópolis: Vozes, 2014.

Sinopse: Esta obra busca motivar a sociedade a conhecer a experiência do Continente Africano, que tanto contribuiu para o desenvolvimento da humanidade. Este conhecimento é indispensável para a superação de estereótipos e preconceitos ainda vigentes, em pleno século XXI. Também se faz necessário conhecer melhor a realidade africana e sua política internacional, especialmente a diplomacia interafricana e os contatos com os novos atores presentes naquele continente.






BOTELHO, André. Essencial sociologia. São Paulo: Penguin: Companhia das Letras, 2013.

Sinopse: A sociologia representa, como poucas áreas do conhecimento, a autoconsciência “científica” da modernidade. Tendo nascido para explicar as radicais transformações que vinham formando o mundo do século XIX, ela se tornou o referencial por excelência para a compreensão da sociedade e de suas mudanças desde então. O êxito da disciplina deve-se à capacidade de destacar, do inesgotável leque de elementos da realidade, dimensões e conceitos de significado crucial, tais como vida, processo e ação social. Coube aos clássicos da sociologia, reunidos nesta coletânea, formular uma gramática da vida em sociedade, que se presta tanto à especialidade acadêmica quanto ao conhecimento geral presente em diversas áreas profissionais, como direito, ciências biomédicas e educação, entre outras. A presente edição mitiga a ideia de uma tríade de pais fundadores em favor de uma maior pluralidade dos clássicos, com a inclusão de Georg Simmel ao lado de Karl Marx, Émile Durkheim e Max Weber. Também foram selecionados textos ainda pouco incorporados aos programas introdutórios da disciplina, além de outros já consagrados, alguns em novas traduções.


PARÉS, Luis Nicolau. A formação do candomblé: história e ritual da nação jeje na Bahia. Campinas: Ed. da Unicamp, 2007.

Sinopse: Reconstruindo a trajetória dos povos jejes, o autor discute aspectos importantes da formação de identidades étnicas dos africanos na diáspora, mostrando como os cultos aos voduns dos jejes forneceram as bases para a formação do candomblé baiano. A narrativa cruza elementos da história e da antropologia, caminhando da África para o Brasil e do passado para o presente, numa escrita densa e envolvente.







SADER, Emir. Crisis hegemónicas en tiempos imperiales: los dilemas del Brasil de Lula. La Habana: Centro de Investigación y Desarrollo de la Cultura Cubana Juan Marinello, 2004.

Sinopse: El libro recoge íntegramente los textos de dos conferencias dictadas por el destacado sociólogo, periodista y ensayista brasileño en el Centro de Investigación y Desarrollo de la Cultura Cubana Juan Marinello, en las cuales analiza la situación mundial actual, haciendo particular énfasis en el enfrentamiento entre los medios que emplea la dominación para tratar de hacerse permanente y las alternativas del campo popular. Igualmente aborda algunas reflexiones acerca de la gestión del gobierno de Luiz Inacio Lula da Silva durante los seis primeros meses de su mandato y sus perspectivas ante los retos y dificultades que debe enfrentar en el mediano y corto plazo.




POZO, José del. História da América Latina e do Caribe: dos processos de independência aos dias atuais. Petrópolis: Vozes, 2009.

Sinopse: Sem subestimar a importância dos fatores internacionais, o autor analisa diversos temas salientando as especificidades próprias da realidade latino-americana, considerando não só os grandes estados da região, mas também os menos conhecidos, como os da América Central. Trintas quadros estatísticos, cinco mapas históricos e uma cronologia detalhada ajudarão o leitor, destinado a todos aqueles que desejem encontrar informação de base sobre esta parte do mundo, desde o início da vida independente até hoje.






BASSANEZI, Maria Silvia C. Beozzo (Org.). Atlas da imigração internacional em São Paulo: 1850-1950. São Paulo: Unesp, 2008.

Sinopse: A publicação deste pioneiro Atlas da Imigração Internacional em São Paulo, 1850-1950, coloca nas mãos dos pesquisadores do tema uma ferramenta de trabalho de grande importância. Historiadores, antropólogos, sociólogos, geógrafos, demógrafos, economistas nele encontrarão um amplo mapeamento do cenário populacional paulista a partir da proibição do tráfico negreiro e do começo do fim da escravidão, em 1850. Particularmente, os dados sobre a imigração estrangeira e a distribuição espacial dos imigrantes definem um panorama muito expressivo de uma mudança demográfica, que foi também mudança social, cultural, econômica e política.



BARROS, José D'Assunção. A construção social da cor: diferença e desigualdade na formação da sociedade brasileira. Petrópolis: Vozes, 2014.

Sinopse: A presente obra busca discutir como, a partir dos fundamentos do Sistema Colonial e da escravidão africana no Brasil, foi socialmente construída a ideia de uma raça negra por oposição à ideia de uma raça branca. Além de abordar a Escravidão do período moderno, contrastando-a inicialmente com a Escravidão Antiga e discutindo os modos como os conceitos de Desigualdade e Diferença têm interagido, a partir da formação da sociedade brasileira, nos discursos, práticas e representações que em alguns casos ainda persistem no mundo contemporâneo.





FRANCO, Maria Ciavatta (Org.). Memória e temporalidades do trabalho e da educação. Rio de Janeiro: Lamparina; Faperj, 2007.

Sinopse: O tema deste livro é a história fotográfica e seu lugar na pesquisa em educação. A recuperação da memória de Paracambi - pequena cidade do interior do Rio de Janeiro com pouco mais de 41 mil habitantes - por intermédio de fotografias e da história contada por seus moradores é a primeira vertente do texto, pari passu com a transformação do espaço fabril do trabalho em espaço de educação. Seguem-se o mundo da escola, da ciência e da arte, o papel da memória, a discussão sobre a formação do cidadão produtivo emancipado e a alternativa da formação integrada entre a educação profissional e o conhecimento dos fundamentos científico-tecnológicos e histórico-sociais da relação entre capital e trabalho.



HUME, David. Investigação sobre o entendimento humano. São Paulo: Escala, 2006.

Sinopse: Na obra Investigação Sobre o Entendimento Humano, escrita em 1748, a primeira preocupação do escocês David Hume (1711-1776) é a investigação em torno das ideias. Como um empirista chega a esta conclusão: tudo o que contém nossa mente são percepções. O grau de intensidade com que estas percepções se manifestam em nossa mente estabelece uma distinção: as percepções poderão ser impressões e ideias.As impressões, percepções básicas, são captadas imediatamente e a elas pertencem as sensações, as emoções e as paixões. As ideias, por sua vez, são cópias ou representações desvaídas das impressões da mente, e guardam certa semelhança com as impressões, pois na realidade vêm a ser imagens mentais geradas pelas mesmas.


MCCLINTOCK, Anne. Couro imperial: raça, gênero e sexualidade no embate colonial. Campinas: Ed. da Unicamp, 2010.

Sinopse: Couro imperial é a crônica das ligações perigosas entre gênero, raça e classe que deram forma ao imperialismo britânico e à sua sangrenta desmontagem. Cobrindo o século entre a Grã-Bretanha vitoriana e a luta pelo poder na África do Sul, o livro trata da complexa relação entre raça e sexualidade, fetichismo e dinheiro, gênero e violência, domesticidade e mercado imperial, e analisa a influência do gênero sobre o nacionalismo nas zonas do poder imperial e anti-imperial. Utilizando teorias pós-coloniais, psicanalíticas e socialistas, Couro imperial  argumenta que as categorias de gênero, raça e classe não existem isoladamente, mas surgem em relação íntima entre si. Baseando-se em diversas formas culturais - romances, propaganda, diários, poesia, história oral e o espetáculo mercantil de massas, o livro examina o imperialismo não só como uma poética da ambivalência, mas também como uma política da violência. Rejeitando tradicionais oposições binárias entre eu-outro, homem-mulher, colonizador-colonizado, Anne McClintock invoca uma compreensão mais complexa e nuançada das categorias de poder e identidade sociais.


FONTANIER, Jean-Michel. Vocabulário latino da filosofia: de Cícero a Heidegger. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2007.

Sinopse: O latim, língua de um povo "amoroso e ávido de raças estrangeiras", segundo a célebre fórmula de Nietzsche, tornou-se no Ocidente, durante quase dois mil anos, a língua viva da filosofia, a de santo Agostinho, Descartes, Espinosa, Leibniz. Neste 'Vocabulário latino da filosofia', o propósito é triplo: estabelecer pontes com a terminologia grega, destacar os possíveis equívocos, mas, sobretudo, ilustrar os sentidos de cada palavra, de "Absolutus" a "Voluptas". Daí a abundância de citações ou, na sua falta, de referências, visto que se trata de fornecer ao leitor, freqüentemente reduzido a ler os textos filosóficos latinos em tradução, um instrumento de acesso aos originais.



CABRAL, Alexandre Marques. Niilismo e hierofania: uma abordagem a partir do confronto entre Nietzsche, Heidegger e a tradição cristã, v.2: Heidegger e a polimorfia de Deus. Rio de Janeiro: Mauad X, 2015.

Sinopse: O segundo volume de Niilismo e Hierofania, intitulado "Heidegger e a polimorfia de Deus", objetiva mostrar que Heidegger, levando adiante o acontecimento da morte de Deus anunciado por Nietzsche, apresenta o divino de modo simultaneamente uno e plural. Deus agora acontece em cada mundo histórico e aparece em cada ente que se manifesta ao ser humano. Isto rompe com o modo metafísico de compreensão de Deus, afeito à "matemática do divino", uma vez que o compreende ou como único (monoteísmo) ou como plural (politeísmo). Para além de monoteísmo e politeísmo situa-se a polissemia de Deus pensada por Heidegger.


GADELHA, Regina Maria A. F. (Org.). Mercosul a Unasul: avanços do processo de integração. São Paulo: EDUC, 2013.

Sinopse: Há futuro para o pequeno bloco do Mercosul? Resistirá ao projeto mais amplo da Unasul, que corresponde a interesses de distintas ambições dos países que compõem o grande e diverso continente americano? Sobreviverá às investidas dos países centrais e em que medida esse futuro corresponde aos anseios das populações envolvidas? Bilíngue, este livro reúne contribuições interdisciplinares nas áreas das ciências sociais e humanas, distribuídas em 28 capítulos. Seus autores não apresentam respostas, mas problematizam as dimensões geopolíticas, econômicas, sociológicas e institucionais da integração, buscando contribuir ao debate de instigantes dimensões acerca das possibilidades de uma que amplie o diálogo entre países e povos da América Latina.


NAÏR, Sami. Une politique de civilisation. Paris: Arléa, c1997.

Sinopse: Élaborer une véritable politique de la civilisation est une reconnaissance nécessaire qui rétablirait l’être humain comme moyen, fin, objet et sujet de la politique.











MARTINS, Marco Antonio (Org.). Identidade social e contato linguístico no português brasileiro. Rio de Janeiro: Faperj: Eduerj, 2015.

Sinopse: Apresenta ensaios desenvolvidos a partir das atividades do Grupo de Trabalho (GT) de Sociolinguística da Associação Nacional de Letras e Linguística (Anpoll), abordando tópicos inerentes à identidade social e ao estilo/atitude do falante. Examina também aspectos relacionados ao contato linguístico do português com outros idiomas, em capítulos que enfocam a relação com a língua alemã e a concorrência das línguas nas regiões fronteiriças do Brasil com a Venezuela e do Brasil com Guiana Francesa.






SILVA, Jorge da. Trabalhando com a diversidade no Planfor: raça/cor, gênero e pessoas portadoras de necessidades especiais. São Paulo: UNESP; Brasília: FLACSO, 2001.

Sinopse: Pretende sistematizar a produção conceitual, metodológica e operacional elaborada e/ou utilizada pela Sede Acadêmica Brasil da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso). Tem como objetivo registrar os processos de qualificação profissional realizados pela Flacso/Brasil nas unidades da federação e com técnicos e técnicas das referidas Secretarias, durante o ano de 1998. Além de memória técnica, é interessante ferramenta de trabalho para gestores, planejadores, executores e avaliadores na área de trabalho e renda.




BARRIG, Maruja. El mundo al revés: imágenes de la mujer indígena. Buenos Aires: CLACSO, 2001.

Sinopse: ¿Que tienen que decir sobre la mujer indigena en el Perú las feministas y los operadores de proyectos rurales de desarrollo? Este libro pretende hilvanar una curiosidad y una preocupacion. Por la primera, se indagan las causas de las omisiones de las feministas de la decada de 1970 respecto a las mujeres de zonas rurales andinas; por la segunda, las resistencias de los funcionarios de Organizaciones No Gubernamentales de Desarrollo para aceptar que las campesinas andinas estan discriminadas, en su familia y comunidad. En estos dos casos estamos frente a representaciones sociales diametralmente opuestas sobre un mismo sujeto, las indigenas, y tambien ante un mismo terror, la contaminación. Ese es el puente entre ambos discursos, el miedo a reconocernos en los indios o el pavor a la invasion del "Occidente".


GERVINUS, Georg Gottfried. Fundamentos de teoria da história. Petrópolis: Vozes, 2010.

Sinopse: Gervinus elaborou em 1837 esta que é uma das melhores contribuições sobre o problema da escrita da história: o Grundzüge der Historik. Levando-se em conta as dificuldades iniciais deste novo campo do conhecimento, que lentamente constituía ferramentas de análise, delimitando problemas, objeto e metodologia específicos, Gervinus teve a originalidade de voltar sua atenção para uma dimensão crucial e negligenciada por seus pares: a do estatuto das narrativas históricas.






PLATÃO. Fédon. São Paulo: EDIPRO, 2012.

Sinopse: Ambientado no cárcere de Atenas, o Fédon mostra Sócrates e seus discípulos no último dia da existência do mestre, que, condenado à morte, tomará a cicuta antes do pôr do sol. A leitura do Fédon, cujo tema é a morte na perspectiva da imortalidade da alma e de sua transmigração (metempsicose), comove-nos e prende-nos a cada palavra – pois diz respeito a todos nós que morreremos algum dia. Sócrates, de maneira imperturbável e serena, ministra sua derradeira lição, mais prática do que teórica, pois está na iminência de morrer! Mas essa lição é de como morrer sem temor, sem horror, sem amargor e, sobretudo, com esperança e dignidade.



ABREU, Alzira Alves de (Org.). Dicionário da política republicana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FGV: FAPERJ, 2014.

Sinopse: O Dicionário da política republicana do Rio de Janeiro visa colocar ao alcance da sociedade um painel informativo sobre a história política, econômica e cultural do estado e da cidade do Rio de Janeiro a partir da Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889, até os dias atuais. Nele se encontram as biografias de todas as personalidades que se destacaram no mundo político-administrativo local, como governadores (Rio de Janeiro e Guanabara), senadores (Rio de Janeiro e Guanabara), deputados federais e estaduais (Rio de Janeiro e Guanabara), prefeitos do Rio de Janeiro, Niterói e Campos, arcebispos do Rio de Janeiro, personalidades que se destacaram no campo cultural e científico. Integram ainda o universo do Dicionário textos sobre os partidos políticos, movimentos e eventos políticos e sociais, instituições econômicas e culturais, como os mais importantes museus e universidades, órgãos da imprensa escrita, emissoras de rádio e televisão, e outros temas relevantes do período analisado.


COMERFORD, John (Org.). Giros etnográficos em Minas Gerais: casa, comida, prosa, festa, política, briga e o diabo. Rio de Janeiro: 7Letras, 2015.

Sinopse: Inspirado no termo "giro" dado ao movimento constitutivo da Folia de Reis – que também pode ser jocosamente evocado, no norte de Minas, para se referir a uma sequência de visitas a casas vizinhas – o livro Giros etnográficos em Minas Gerais: casa, comida, prosa, festa, política, briga e o diabo reúne textos de pesquisadores que "giraram" por diferentes regiões mineiras. Como etnógrafos, os autores entraram em campo, introduzindo-se sutilmente e convidando o leitor para chegar nas casas e cozinhas "da roça", para andar pelos caminhos entre elas, para prosear e comer com o povo de cada lugar, bem como para participar de folias, festas, reuniões e campanhas eleitorais.




BESSE, Jean-Marc. O gosto do mundo: exercícios de paisagem. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

Sinopse: O livro, composto por cinco ensaios, propõe-se a discutir o conceito de paisagem, refletindo sobre o ponto de vista de diversos profissionais, como paisagistas, arquitetos, jardineiros, sociólogos, geógrafos, entre outros. Além disso, enfatiza as associações da paisagem com outros temas, como cartografia, ressaltando o interesse na área por alguns artistas da land art (arte conceitual) dos anos 1960, que usaram o mapa como ferramenta plástica e teórica dando à pintura e à escultura uma abrangência geográfica.






QUEIROZ, Suely Robles Reis de. Política e cultura no império brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 2010.

Sinopse: O 'grito do Ipiranga' marca o surgimento do império brasileiro - uma originalidade no Novo Mundo. A experiência monárquica durou 67 anos, durante os quais as importantes transformações ocorridas mudaram a face do Brasil Colonial. O plano político revela um aspecto pouco comum nesse processo - a presença de mulheres cuja atuação as qualificou como agentes históricos relevantes. Por que teriam tido tal atuação? Que razões as motivaram? Esse é um dos aspectos discutidos no presente livro.





KIRK, Russell. A política da prudência. São Paulo: É Realizações, 2014.

Sinopse: Ao longo de toda a carreira, Russel Kirk esteve no meio das controvérsias de sua época. Em A Política da Prudência, Kirk esforça-se por defender uma verdadeira “política prudencial” conservadora em oposição à “política ideológica” fomentada pelos que se tinham identificado como conservadores aliados, incluindo libertários e neoconservadores. Kirk expõe dez princípios, acontecimentos, livros e pensadores que definiram a mentalidade e a alma conservadoras. Também analisa as dificuldades apresentadas aos conservadores pelo aumento da centralização política e econômica, por políticas internacionais imprudentes, pela deterioração educacional e por outros sintomas de decadência cultural. Ao comemorar os vinte anos de lançamento de A Política da Prudência, a editora É Realizações traz, para o público de língua portuguesa, a presente edição crítica e anotada com a apresentação de Alex Catharino, introdução de Mark C. Henrie, e ensaios de Bruce Frohnen, Gerhart Niemeyer e Edward E. Ericson Jr.


CASTRO, Francisco. A noite das garrafadas. Brasília: Senado Federal, 2013.

Sinopse: O livro “A Noite das Garrafadas” trata da abdicação de D. Pedro I, considerado pelo autor o episódio mais importante do país no I Reinado. Sua obra dividida em sete capítulos é traçada entre os anos de 1822 a 1831. O jornalista traça um painel do Brasil realçando o fato de D. Pedro ter saído da condição de herói, por ter proclamado a Independência, para a condição de vilão em função dos inúmeros erros cometidos durante a sua conturbada gestão.







CERVO, Amado Luiz. História do Cone Sul. Brasília: Editora UnB; Rio de Janeiro: Revan, 1998.

Sinopse: Uma coletânea de ensaios sobre a História do Cone Sul - Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolivia e Chile -, suas relações regionais e sua inserção na economia internacional. Através de uma viagem no tempo, os autores descrevem o processo de formação política, social e econômica destes países, suas implicações no passado, presente e futuro, além de delinearem as semelhanças e desigualdades de seus povos.







CORAGGIO, José Luis. Política social y economía del trabajo: alternativas a la política neoliberal para la ciudad. Buenos Aires: Miño y Dávila, 1999.

Sinopse: Este trabajo analiza críticamente la política social neoliberal y los límites que ésta pone a la política urbana, recoge experiencias y propuestas de América Latina y Europa, y sugiere alternativas de acción colectiva, en la convicción de que es posible lograr acuerdos para transformar la sociedad en favor de las mayorías.









SANTOS, Wanderley Guilherme dos. O ex-Leviatã brasileiro: do voto disperso ao clientelismo concentrado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

Sinopse: Com rigor científico, o livro traça um retrato numérico do Brasil burocrático contemporâneo e revela sua importância no desenvolvimento econômico e social do país. Descreve como surgem e se desenvolvem a intervenção regulatória estatal e as organizações a ela associadas e como se relacionam as esferas pública e privada. O autor realiza uma comparação com outros Estados, na qual o brasileiro não apenas é menor em números relativos e absolutos do que grande parte deles, como também revela rara eficiência em suas atividades. O minucioso trabalho de pesquisa e de reflexão mostra que, ao longo da história mundial e brasileira, a presença do Estado não costuma ser apenas benéfica, mas decisiva para a riqueza das nações. 'O ex-leviatã brasileiro' percorre o caminho traçado pelo Brasil ante o desafio da integração nacional, a participação política e redistribuição da riqueza e demonstra que o efetivo exercício do governo está antes na escolha das prioridades nacionais do que em sua mera eliminação.


SOARES, Luiz Eduardo. Cabeça de porco. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005.

Sinopse: 'Cabeça de Porco' é o resultado de um trabalho em duas fontes: entrevistas e filmagens feitas por MVBill e seu empresário Celso Athayde nos últimos 15 anos em favelas de nove estados brasileiros sobre crianças e jovens que vivem no mundo do crime, suas razões e a dimensão humana de suas vidas. A esta pesquisa original, relatada com a emoção de quem assistiu de perto à situações perigosas, se associam os textos do antropólogo Luiz Eduardo Soares - um conjunto de registros etnográficos apurados ao longo dos últimos sete anos, sobre juventude, violência e polícia. O propósito do livro é traçar um painel realista sobre a violência instalada no Brasil. A intenção não é denunciar. É compartilhar com os leitores preocupações e reflexões, na perspectiva de manter viva a esperança.


BLUCHE, Frédéric. Revolução francesa. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2009.

Sinopse: A França estava em crise. Tanto no campo quanto na cidade, a insatisfação pairava no ar, e a sociedade clamava por reformas. Ao rei Luís XVI faltavam força e personalidade política para tomar as rédeas da situação. Enquanto o Antigo Regime agonizava, a voz do povo crescia e se fazia ouvir. Os escritos de Montesquieu, Locke, Voltaire e Rousseau mostravam que o espírito da modernidade tinha saído do campo das idéias para as ruas. Este é o cenário pré-Revolução Francesa, que é apresentado aqui com todos os seus desdobramentos e figuras históricas, revelando como o país inteiro – e posteriormente a Europa – se envolveu na série de revoluções que depuseram o rei, sepultaram o Antigo Regime e propagaram o espírito de modernidade e liberdade pelo mundo afora.


RONCAGLIOLO, Santiago. La cuarta espada: la historia de Abimael Guzmán y Sendero Luminoso. Lima: Debate, 2007

Sinopse: Casi 70.000 muertos produjo la guerra entre el movimiento terrorista Sendero Luminoso y el Estado peruano entre los anos ochenta y noventa. Responsable de mas de la mitad de las victimas, Sendero fue el grupo subversivo mas letal en la historia del continente americano. Abimael Guzman, el hombre que condujo toda esa violencia y se consideraba a si mismo como la -cuarta espada- del comunismo internacional tras Lenin, Stalin y Mao, no llevaba armas. No tenia apoyo de Gobiernos extranjeros. Ni siquiera estaba presente en el campo de batalla. Detras de un escritorio, armado con una rigurosa ideologia, puso en jaque a todo un pais durante doce anos. Su historia constituye un escalofriante ejemplo del poder destructor de las ideas. Como se convirtio Guzman en un objeto de culto capaz de inspirar entre los suyos misiones kamikazes? Quienes eran sus soldados? Como eran el amor y el odio entre ellos? La cuarta espada es la primera descripcion de las relaciones humanas en el interior de una cupula terrorista con informacion proporcionada por sus protagonistas. Pero mas alla del documento periodistico, este libro se lee como una novela en la tradicion de A sangre fria: una inmersion en la mente del asesino, un retrato del Mal.


GILLI, Patrick. Cidades e sociedades urbanas na Itália medieval: séculos XII-XIV. Campinas: Ed. UNICAMP; Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2011.

Sinopse: O livro de Patrick Gilli examina as cidades italianas durante o período comunal, aquele em adquirem, autonomia jurídica em relação ao senhoria, seja do alto clero, seja dos grandes senhores laicos.










MV BILL. Falcão: meninos do tráfico. São Paulo: Objetiva, 2006.

Sinopse: Este livro é um contundente relato pessoal de Celso Athayde e MV Bill dos bastidores da produção de um documentário explosivo sobre o universo dos meninos que trabalham no tráfico de drogas em diversas partes do país. Narrado em primeira pessoa, o livro revela as dramáticas experiências que Celso e Bill vivenciaram antes e durante a realização do documentário Falcão, projeto que iniciaram em 1998 e terminaram em 2006. Os autores também discutem temas polêmicos como racismo, segurança pública, repressão policial e a importância do Hip Hop para a juventude que vive nas favelas. Com uma câmera na mão e a coragem de enfrentar o inesperado, Bill e Celso recolheram imagens e depoimentos estarrecedores. Dos 17 meninos entrevistados, 16 morreram ao longo da produção do documentário. O objetivo dos autores foi mostrar o lado humano destes jovens. Suas razões, suas angústias, suas loucuras, seus sonhos, suas maldades e contradições. 'Não queremos, com este livro, apresentar soluções para a criminalidade infantil, induzir opiniões, ou fazer uma análise profunda baseada em teorias para explicar o motivo dessa tragédia. Pretendemos simplesmente narrar as dificuldades que fizeram parte do nosso dia-a-dia, durante as gravações do documentário Falcão. Fatos que ficaram marcados em nossa consciência, em nossa alma.' 'Falcão - Meninos do Tráfico' abre uma nova discussão sobre a questão da segurança pública. Um livro fundamental para quem pretende entender o problema da violência no Brasil.


GRAHAM, Sandra Lauderdale. Caetana diz não: histórias de mulheres da sociedade escravista brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

Sinopse: Caetana é uma jovem escrava doméstica de uma fazenda de café do vale do Paraíba, cujo proprietário decide que ela deve se casar com outro escravo. O casamento é realizado, mas Caetana se recusa a deitar-se com o marido. E a recusa é tão obstinada que seu dono resolve pedir a anulação do casamento não-consumado ao tribunal eclesiástico, dando início a um longo processo. Na segunda história, a senhora solteira Inácia Delfina, da ilustre família dos Souza Werneck, deixa em testamento parte de seus bens - inclusive escravos - para uma família de ex-escravos de sua propriedade. Porém, graças à astúcia do testamenteiro, eles acabam herdando não terras, mas sim dívidas.



NAZZARI, Muriel. O desaparecimento do dote: mulheres, famílias e mudança social em São Paulo, Brasil, 1600-1900. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

Sinopse: Na São Paulo do século XVII, casar-se significava bem mais do que trocar juras e alianças. Firmava-se, naquele ato, um acordo econômico em que a família da noiva concedia um dote para o sustento do novo casal. Dinheiro, terras, gado, escravos - praticamente tudo entrava nessa conta, em quantidades que quase sempre superavam o valor da herança a ser recebida pelos filhos homens. Quase trezentos anos depois, a instituição do dote havia simplesmente desaparecido. Neste ensaio inovador, a historiadora americana Muriel Nazzari, professora emérita da Indiana University, investiga as causas e conseqüências desse desaparecimento em São Paulo. Nazzari revela a importância do dote no período colonial, analisa sua gradual decadência entre os séculos XVII e XIX e mostra como essa mudança de costumes acompanhou transformações mais profundas na sociedade brasileira, como a passagem da ordem aristocrática à ordem burguesa, da "família extensa" à "família conjugal", do pacto matrimonial como empreendimento ao casamento como escolha amorosa.


REZENDE, Ilma (Org.). Serviço social e políticas sociais. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2009.

Sinopse: Este livro põe o leitor em contato com questões próprias do serviço social. A discussão dessas questões tem por base o caráter interventivo, específico da ação profissional do assistente social. O livro estabelece uma linha de continuidade entre as condições de emergência do serviço social no século XIX, com a determinação do objeto da profissão, e o espaço de atuação do assistente social na contemporaneidade, na área das políticas sociais. Recebem atenção especial as políticas de previdência, saúde, assistência, infância e adolescência, educação, trabalho e renda e terceira idade. A abordagem leva sempre em conta que, em todos estes casos, estamos diante de um terreno onde se trava uma luta pela operacionalização dos direitos de cidadania civil, política e social.


EWALD, Ariane Patrícia (Org.). Subjetividades e temporalidades: diálogos impertinentes e transdisciplinares. Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

Sinopse: A experiência do tempo se modificou radicalmente e, entre as diversas novas experiências temporais, vivenciamos pela primeira vez na história da humanidade a sensação de impossibilidade de perda total e absoluta de seus objetos, que nos criam a forte ilusão de terem se tornado “seres de passagem” que podem retornar e se fixar no tempo presente, como se nunca daqui tivessem se afastado. Através das novas e cada vez mais sofisticadas tecnologias, nada parece desaparecer totalmente, mas, talvez, ter se transformado em fantasmagorias que ressoam no tempo presente. Estas e outras questões são debatidas, nesta coletânea, por estudiosos de diversas áreas e várias nacionalidades, a partir de um colóquio internacional sobre o tempo, realizado no Rio de Janeiro.


ROCHA, Antonio Penalves. Abolicionistas brasileiros e ingleses: a coligação entre Joaquim Nabuco e a British and Foreign Anti-slavery Society (1880-1902). São Paulo: Ed. da UNESP; Santana do Parnaíba: Brazilian Business School, 2009.

Sinopse: O mérito deste livro é ter feito um estudo minucioso em fontes históricas poucas vezes ou nunca examinadas, como a correspondência entre Joaquim Nabuco e a British Anti- Slavery Society, além do jornal Rio News, fonte importantíssima e pouco usada pelos historiadores brasileiros, e mostra como Joaquim Nabuco e a Sociedade Antiescravista Britânica e Estrangeira promoveram-se mutuamente. O autor nota que Nabuco aparece com menor freqüência no Rio News após 1884, quando a campanha abolicionista ganhou as ruas e o líder abolicionista passou para o segundo plano no movimento emancipacionista. Nabuco é um personagem dos mais importantes na história do Brasil, foi o primeiro representante da elite imperial a pleitear a abolição; em 1880, presidiu a primeira sociedade abolicionista brasileira, e com uma altivez rara na classe política, para fazer frente ao boicote dos seus pares, abriu mão de uma cadeira na Câmara e impôs a si mesmo o exílio na Inglaterra, onde escreveu O abolicionista, livro emblemático do movimento. Sua carreira não se limitou à liderança abolicionista, pois foi escritor e autor do clássico Um estadista do Império e se tornou embaixador de sucesso na Inglaterra e nos Estados Unidos.


CORDEIRO, Janaina Martins. A ditadura em tempos de milagre: comemorações, orgulho e consentimento. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

Sinopse: Os anos da ditadura foram ásperos e sombrios. Mais sinistro, destacou-se na memória social o governo do general Médici, entre 1969 e 1974, os "anos de chumbo", em que o arbítrio parecia eternizar-se. Entretanto, este livro evidencia um processo social mais complexo. Naquele período houve também avanços econômicos, vitórias esportivas, comemorações entusiasmadas de orgulho patriótico. Anos de chumbo, sem dúvida, mas de ouro também. Ao superar versões simplificadas, o texto que você vai ler incentiva a reflexão crítica e faz obra de história.




SANGLARD, Gisele. Filantropos da nação: sociedade, saúde e assistência no Brasil e em Portugal. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

Sinopse: Esta coletânea apresenta estudos desenvolvidos por pesquisadores brasileiros e portugueses sobre os temas da filantropia, da saúde e da organização da assistência. Uma das questões centrais é o conceito de filantropia e sua aplicação nos diversos espaços e períodos históricos abordados, com ênfase na trajetória e atuação de médicos filantropos. Ao abranger contextos culturais diversos e larga periodização, a coletânea pretende oferecer bases para uma discussão atualizada acerca da filantropia e da assistência.






BEZERRA, Arthur Coelho. Cultura ilegal: as fronteiras morais da pirataria. Rio de Janeiro: Mauad X: FAPERJ, c2015.

Sinopse: A partir de um trabalho de pesquisa junto a jovens consumidores, comerciantes de mídias piratas e associações defensoras das leis de direitos autorais, o livro discute a circulação de bens culturais nas redes digitais e nos mercados clandestinos de rua, tendo em vista a condição de ilegalidade dos atos de compartilhamento, compra e venda de cópias não autorizadas.







MATTOS, Yllan de. A inquisição contestada: críticos e críticas ao Santo Ofício português (1605-1681). Rio de Janeiro: Mauad X: FAPERJ, 2014.

Sinopse: Baseado numa pesquisa efetuada em vários arquivos europeus, A Inquisição contestada é o primeiro estudo científico que pretende oferecer uma visão de conjunto das resistências e dos protestos contra a Inquisição portuguesa. O autor enfrenta a crença de que o Santo Ofício foi imbatível até o consulado de Pombal, iniciado em 1750, abordando as crises políticas que envolveram a Inquisição lusa no século XVII.







KENNEDY, Paul M. Engenheiros da vitória: os responsáveis pela reviravolta na Segunda Guerra Mundial. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

Sinopse: Ao contrário das histórias clássicas da Segunda Guerra, que privilegiam os líderes políticos e militares, em Engenheiros da vitória Kennedy procura iluminar o esforço daqueles que chama de “solucionadores de problemas”: cientistas, engenheiros, soldados, homens de negócios que foram responsáveis por tornar possível grandes estratégias. Entre as muitas histórias narradas, estão a invenção do Magnetron, um radar em miniatura, tão pequeno como um prato de sopa, que podia ser facilmente instalado em aviões e navios de combate menores; a construção do Hedgehog, um morteiro múltiplo de granadas de curta distância que diminuía o tempo do disparo contra o inimigo; ou a instalação de turbinas Rolls Royce nos aviões P-51 Mustang, criando jatos mais velozes que os da Luftwaffe. Com grande habilidade narrativa, Kennedy conduz o leitor para os bastidores dessas decisões e descobertas, e nos revela o verdadeiro “motor” do esforço de guerra.


FERREIRA, Arthur Arruda Leal (Org.). Uma bola no pé e uma ideia na cabeça: o que o futebol nos faz pensar. Rio de Janeiro: Editora UFRJ: Faperj, 2014.

Sinopse: Multidões se aglutinam em torno do futebol, essa paixão que faz corpos se agitarem em praias, parques, campos de terra, gramados, ruas, playgrounds, etc. A bola, as torcidas, os times, os árbitros, as relações de poder, as competições organizadas e as experiências da juventude, tudo serve como objeto de pensamento. O que dizer dos afetos que ligam as torcidas? Das estratégia dos times em campo e suas atuações? Das atividades dos árbitros? Das relações de poder que se estabelecem nas federações e nos campeonatos nacionais? Essas são algumas das questões que instigam os dezesseis autores reunidos nesta obra, que dialogam com as mais diversas áreas: antropologia, psicologia, filosofia e estudos de ciência e tecnologia e sociedade.


DALL'AGNOL, Darlei. Verdade e respeito: a filosofia de Ernst Tugendhat. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2007.

Sinopse: Este livro apresenta trabalhos de vários pensadores brasileiros que examinam criticamente a filosofia de Ernst Tugendhat, discutindo desde as questões das relações entre lógica e ontologia até problemas práticos de ética e política.









GINZBURG, Carlo. Medo, reverência, terror: quatro ensaios de iconografia política. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

Sinopse: “O visual nos oferece nossas imagens armazenadas, nossos pontos subliminares de referências, nosso inaudito ponto de contato.” A formulação do historiador britânico Raphael Samuel (1934-96) como que perpassa o método analítico de Carlo Ginzburg nesta reunião de ensaios sobre as faces da política na arte. Tendo como foco principal o papel do medo e paixões a ele relacionadas em obras visuais planejadas para comover politicamente o público a que se destinam - e assim persuadi-lo -, o historiador italiano dá continuidade a uma vertente de interpretação esboçada por Aby Warburg há mais de cem anos.



SODRÉ, Nelson Werneck. Panorama do Segundo Império. Rio de Janeiro: Graphia, 1998.

Sinopse: Segundo livro de Nelson Werneck Sodré, 'Panorama do Segundo Império', de 1939, já contém as características identificadoras de sua obra historiográfica. Baseado na precedência dos fatores econômicos, o autor observa a cena histórica sem prejuízo da ação singular, do gesto individual, da vida diária, seja ela protagonizada pelos escravos ou pelas elites.








TOSH, John. A busca da história: objetivos, métodos e as tendências no estudo da história moderna. Petrópolis: Vozes, 2011.

Sinopse: Na linguagem comum a palavra história carrega consigo dois significados. Ela se refere tanto ao que realmente aconteceu no passado como à representação do passado realizado pelo trabalho dos historiadores. Este livro é uma introdução à história de acordo com o que sugere o segundo significado. Qualquer pessoa minimamente interessada no assunto se pergunta como a investigação histórica é conduzida e que propósitos ela atende. Mais especificamente, o livro se destina aos estudantes que se graduam em história, a quem estas questões têm uma relevância particular.




SEBAG MONTEFIORE, Simon. Jerusalém: a biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

Sinopse: Até a descoberta da América e o desenvolvimento das modernas técnicas de cartografia, os mapas-múndi circulares desenhados pelos povos cristãos tinham como centro geométrico as coordenadas de Jerusalém. Esse fato dá uma medida da enorme importância política e espiritual por eles atribuída ao palco histórico do drama da paixão.








CARDOSO, Paulino de Jesus Francisco. A luta contra a apatia: estudo sobre a instituição do movimento negro antirracista na cidade de São Paulo (1915-1931). Itajaí: Casa Aberta, 2012.

Sinopse: Das páginas da fértil imprensa negra paulistana de 1915 a 1931, o autor acompanhou tendências e comportamentos de comunidades negras, trazendo um rastreamento de diversas formas de expressões negras na cidade de São Paulo da época. Ao mapear tensões e relações entre nove títulos de periódicos negros paulistanos com sociedades recreativas e esportivas, territórios livres, festas e romarias cívicas, este estudo projeta a presença negra na metropolização paulistana.






CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Editora 34: EDUSP, 2011.

Sinopse: A autora analisa os processos de transformação urbana envolvendo o crime, o medo da violência e o desrespeito aos direitos humanos na metrópole, estabelecendo relações com as noções de espaço público, democracia e igualdade.










CURTO, Diogo Ramada. Cultura imperial e projetos coloniais (séculos XV a XVIII). Campinas: UNICAMP, 2009.

Sinopse: Os estudos que compõem este livro procuram analisar como foi pensada e registrada por escrito a expansão dos portugueses entres os séculos XV e XVIII. Trata-se de um processo que implica a formação de uma cultura imperial, difícil de reduzir a um todo homogêneo, em que orientações glorificantes se misturaram com críticas às mais diversas situações e tipos de organização. A existência de projetos coloniais constituiu uma das dimensões mais recorrentes dessa mesma cultura, mesmo em situações em que a presença portuguesa se afigurava extremamente débil.





SPEKTOR, Matias. O que a China quer? Rio de Janeiro: FGV, 2010.

Sinopse: Em linguagem clara e acessível, este livro oferece interpretações sofisticadas sobre o impacto da China nas relações internacionais do século XXI. Os autores caracterizam as nuances do comportamento desse país no mundo e ressaltam a natureza ambígua de sua ascensão internacional. Trata-se de uma leitura obrigatória para todos aqueles interessados em entender a complexa transição de poder que o mundo vive nos dias de hoje.







LEVENSON, Claude B. Budismo. Porto Alegre: L&PM, 2009.

Sinopse: Ao mesmo tempo uma filosofia, uma religião, uma arte de viver, o budismo pode ser considerado também uma maneira de encarar o mundo. O primeiro que partiu em busca da verdade e do conhecimento foi Sidarta Gautama, há 25 séculos.  Filho de príncipe, dedicou a vida à procura da libertação do sofrimento, trilhando um caminho de sabedoria e reflexão. Ele, um Despertado, ou seja, um buda, se tornou uma lenda, e sua doutrina atravessou os séculos e rompeu as barreiras geográficas do Oriente. Virtudes como a não-violência, a compaixão, a sabedoria e o desprendimento material carregam uma mensagem de paz que une budistas de todo o planeta e mais do que nunca se faz necessária para aplacar as angústias e os focos de tensão da humanidade.



LOWENKRON, Laura. O monstro contemporâneo: a construção social da pedofilia em múltiplos planos. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2015.

Sinopse: Baseado em uma etnografia da CPI da Pedofilia no Senado Federal e das investigações da Polícia Federal no combate à pornografia infantil, o livro se aprofunda na construção histórica das categorias criminais que remetem, hoje, à violência sexual envolvendo menores. Sob um viés antropológico, procura debater as dinâmicas sociais, culturais e morais que moldam a configuração do problema da violência sexual contra crianças e adolescentes, a partir da categoria pedofilia.






SELIGMANN-SILVA, Márcio. História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas: Ed. UNICAMP, 2003.

Sinopse: A presente obra traz um conjunto de ensaios de especialistas em diferentes áreas, reunidos em torno da tarefa de estudar a questão do testemunho enquanto manifestação específica da linguagem. Na literatura testemunhal, esmagada pelo peso do real, transforma-se em uma "escritura do corpo e da memória". Se aceitamos a tese de que existe um "teor testemunhal" da literatura e das artes, de modo geral, então devemos admitir, diante da mais nova produção artística e literária, que esse teor se torna mais explícito nas obras produzidas a partir da Segunda Guerra Mundial. Nesse sentido, a literatura do século XX - era das catástrofes e genocídios - ilumina retrospectivamente toda a história da literatura, destacando esse elemento testemunhal das obras, que antes não podíamos detectar.


FOER, Franklin. Como o futebol explica o mundo: um olhar inesperado sobre a globalização. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

Sinopse: Para realizar esse amplo e perspicaz trabalho de reportagem, Franklin Foer viajou o mundo analisando o intercâmbio entre o futebol e a nova economia global. As histórias colecionadas ilustram desde o choque de civilizações à economia internacional e revelam como o futebol e seus fiéis seguidores podem expor as mazelas de uma sociedade.








AHMAD, Aijaz. Linhagens do presente: ensaios. São Paulo: Boitempo, 2002.

Sinopse: Nos ensaios que compõem este livro e na entrevista final, o autor - o indiano e marxista Aijaz Ahmad, um dos teóricos de língua inglesa mais importantes da atualidade - mostra que ainda é possível, mesmo em tempos de relativismo e apatia, ser um intelectual engajado, cujos comentários fulminantes representam uma intervenção militante e esclarecedora no terreno movediço do debate cultural contemporâneo.







GUIMARÃES, Samuel Pinheiro (Org.). Coréia: visões brasileiras. Brasília: Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais, Fundação Alexandre de Gusmão, 2002.

Sinopse: Seminário sobre a Coréia que aborda questões históricas e o que fomentou a atual situação política e social coreana.







AGUITON, Christophe. O mundo nos pertence. São Paulo: Viramundo, 2002.

Sinopse: De Seattle a Gênova, passando por Porto Alegre, aquilo que parecia ser a muralha instransponível da “nova ordem mundial” começa a sofrer o assédio de multidões de descontentes. Reuniões e encontros dos organismos financeiros internacionais tornam-se foco de protestos acalorados. Sem ter ainda um projeto alternativo que as embale, essas legiões rebeldes trazem à tona novos personagens como ONGs e movimentos sociais, ao lado dos tradicionais sindicatos e partidos políticos.






KEEGAN, John. Inteligência na guerra: conhecimento do inimigo, de Napoleão à Al-Qaeda. São Paulo: Cia das Letras, 2006.

Sinopse: Em Inteligência na guerra, o historiador militar John Keegan concentra sua atenção - e a do leitor - na arte e na ciência de trabalhar com a informação em circunstâncias conflitivas. Essa área, conhecida como "inteligência", abrange desde aspectos "românticos" - associados às atividades de espiões, agentes duplos e traidores - até dados técnicos como radiação eletromagnética, escuta de som, observação por satélite e detecção de vestígios nucleares. Num relato acessível e interessante, Keegan revela episódios das guerras dos últimos séculos para ilustrar as complexidades inerentes às batalhas da inteligência. Examina, por exemplo, a Primeira Guerra (que trouxe o rádio e a rádio-escuta para o campo de batalha), a Segunda Guerra (caracterizada por extraordinário progresso técnico no campo militar e no da inteligência) e ações bélicas mais recentes, como a Guerra das Malvinas e a atual guerra contra o terrorismo. O autor demonstra que a inteligência, essencial para vencer uma guerra, não é suficiente em si mesma: o domínio do uso da força e fatores como rapidez de decisão, firmeza de propósito e bravura continuam sendo decisivos.


LEME, Caroline Gomes. Ditadura em imagem e som: trinta anos de produções cinematográficas sobre o regime militar brasileiro. São Paulo: Unesp, 2013.

Sinopse: Este livro apresenta com extraordinária competência um levantamento exaustivo dos filmes realizados entre 1979 e 2009 que tiveram a ditadura militar como tema, problema, pano de fundo ou contexto histórico. Sua análise primorosa desvenda o sentido dos discursos sem perder de vista as particularidades estéticas, tomando a assertiva de Pierre Sorlin como baliza metodológica: não há receita, cada investigação deve elaborar seus próprios instrumentos de análise.







FALCON, Francisco José Calazans (Org.). A "Época Pombalina" no mundo luso-brasileiro. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

Sinopse: Como outras tantas "totalidades históricas", a Época Pombalina é uma "construção histórica", qualidade previamente ressalvada pelos organizadores. Assim, à luz anunciadora de um período, o livro contempla realidades de um vasto império da Época Moderna. Sua relevância consiste no fato de se tratar de uma obra organizada e publicada no Brasil, caracterizada por um enfoque múltiplo que vai da história econômica à nova história política, passando pela história cultural e outros campos da história, abrangendo uma variedade de temas, muitos dos quais já classicamente abordados nos estudos pombalinos.




BENTIVOGLIO, Júlio César (Org.) A constituição da história como ciência: de Ranke a Braudel. Petrópolis: Vozes, 2013.

Sinopse: 'A constituição da história como ciência' apresenta, num giro de mais de um século, uma seleção de dez autores que representam a invenção dos fundamentos modernos da história. A concepção teórica e o arranjo temático da obra, fundamental para a compreensão dos nossos questionamentos contemporâneos, insere-se nos esforços de ampliar o espaço acadêmico-institucional da área de teoria e história da historiografia. Tendo em vista a complexidade da discussão em torno dos posicionamentos e/ou ocultamentos da área, os textos enfrentam de formas variadas o desafio de apresentar as interpretações mais recentes a respeito dos historiadores.




PINHEIRO, Leticia. Política externa brasileira (1889-2002). Rio de Janeiro: J. Zahar, 2004.

Sinopse: Letícia Pinheiro retrata em Política externa brasileira, 1889-2002 fatores básicos para o entendimento da formação da política externa brasileira a partir da Proclamação da República. A autora inicia definindo o que é política externa, que, de acordo com o que expõe na obra, é conjunto de ações e decisões de determinado ator, geralmente, embora não exclusivamente, o Estado, em relação a outros atores externos. Tais ações e decisões são formuladas a partir de oportunidades e demandas de natureza doméstica e/ou internacional, sendo conjugação dos interesses e ideias para inserção de um Estado no sistema internacional. Logo após a explicação desse conceito, Pinheiro afirma que a ação externa brasileira representa tanto a busca por autonomia por meio da aproximação a pólos de poder mundial (inicialmente Inglaterra; logo após, Estados Unidos da América – EUA; e, atualmente, desponta a aproximação com a China), mas também a procura por diversificação de parcerias ou por maior participação nas instituições internacionais (exemplo disso é a constante exigência de uma vaga permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas - ONU).


AVELAR, Lucia (Org.). Sistema político brasileiro: uma introdução. Rio de Janeiro: Konrad Adenauer Stiftung; São Paulo: UNESP, 2015.

Sinopse: Qual é a natureza das relações entre os diferentes níveis de governo – federal, estadual e municipal – no âmbito de nosso regime federativo? Quais as atribuições do estado federal, dos estados federados e dos municípios? Quais as dificuldades da vida municipal brasileira em seus aspectos políticos e administrativos? Essas e outras questões são abordadas nesta terceira edição com o objetivo de reunir, em um só volume, estudos introdutórios sobre o universo denso e complexo de nossa política.






ALENCAR, José Almino. Uns e outros. Rio de Janeiro: NAU, 2014.

Sinopse: A maior parte dos 7 ensaios recentes aqui reunida desdobra-se dentro de um arco temporal concentrado na segunda metade do século XIX e início do XX – embora outros ensaios, mais pontuais, nos conduzam até o pós-guerra e o golpe militar de 1964 –, período em que se criaram as narrativas históricas fundadoras, com seus projetos de nação e suas interpretações sobre o Brasil que moldaram todo o imaginário coletivo e a produção intelectual subsequente. Livro de prosa fluida, escrito por um autor de clara erudição, Uns e Outros nos oferece uma imagem viva do processo de construção das ideias sobre a nação e o Estado no Brasil. Sua leitura tem o frescor das conversas que nos fazem sentir em casa e entre amigos ao revisitar esses pensadores e suas obras clássicas.



ENGEL, Magali (Org.). Os intelectuais e a imprensa. Rio de Janeiro: Mauad X, 2015.

Sinopse: Este livro reúne estudos sobre as relações entre os intelectuais brasileiros e a imprensa durante todo o processo de constituição e de consolidação do campo intelectual ao longo do século XIX. Os trabalhos apresentados abordam diferentes momentos desse processo, através de análises instigantes sobre a atuação dos intelectuais em periódicos importantes como O Guanabara, Gazeta de Notícias, A Estação, O Paiz, Jornal do Commercio, Dom Casmurro, entre outros. Representam, assim, uma contribuição rica e estimulante para a compreensão das relações entre os intelectuais e a imprensa brasileira dos séculos XIX e XX.




LARA, Silvia Hunold. Fragmentos setecentistas: escravidão, cultura e poder na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

Sinopse: "Um verdadeiro formigueiro de negros": era assim que muitos viajantes e autoridades que chegavam pela primeira vez ao Rio de Janeiro ou a Salvador na segunda metade do século XVIII manifestavam sua surpresa diante do grande contingente de escravos e libertos que encontravam pelas ruas. Fragmentos setecentistas analisa o incômodo de autoridades coloniais e metropolitanas diante daquela "multidão de pretos e mulatos". Registros cartográficos, dicionários, relatos de festas públicas e processos de injúria, além da legislação, da correspondência oficial e dos textos clássicos de cronistas e letrados do período são tomados aqui como frestas por onde se pode divisar formas de percepção e avaliação presentes em uma sociedade diversa da que vivemos hoje. Como os fragmentos utilizados por arqueólogos e filólogos, os documentos são aqui examinados de diferentes ângulos e servem de ponto de partida para uma nova interpretação dos significados políticos da escravidão.


BIRMAN, Patricia (Org.). Dispositivos urbanos e trama dos viventes: ordens e resistências. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

Sinopse: O objetivo deste livro não é oferecer soluções para os problemas supostamente “ainda” mal resolvidos nas cidades, como a “violência”, a “desordem”, a “pobreza”, a “falta do Estado”, sempre mencionados por seus governos e habitantes, mas sim problematizar a produção deles como “questões sociais” que mobilizam o medo, o racismo e favorecem as políticas de exclusão e de segregação de grande parte de seus habitantes. A obra traz uma referência clara ao pensamento de Foucault sobre sua ideia de dispositivo, essencialmente estratégica, como um conjunto produzido pelo cruzamento heterogêneo de relações de poder e de saber.




DEYON, Pierre. O mercantilismo. São Paulo: Perspectiva, 1973.

Sinopse: Existe sobre o mercantilismo uma certa confusão entre a história dos fatos e a das teorias econômicas. O volume de Pierre Deyon, da coleção Khronos, pretende resumir, mas também clarificar os debates. Antes de falar do mercantilismo esforçá-se por identificálo, descrevendo-o a partir dos antecedentes medievais às origens do liberalismo. Obra especializada quanto ao cuidado no levantamento de dados, possui caráter ensaístico de interesse amplo em que se acham implicadas perguntas sobre as possibilidades e limitações do estudo histórico.






LAPA, José Roberto do Amaral. Os excluídos: contribuição à história da pobreza no Brasil (1850-1930). Campinas: Ed. da UNICAMP; São Paulo: Ed. da USP, 2008.

Sinopse: Na produção acadêmica sobre a pobreza no Brasil, as abordagens no geral não conseguiram fugir de um viés que se define pelo sistema de produção, em cuja inserção os trabalhadores sinonimizam os pobres. Fora desse esquema, já se cai na marginalidade e, portanto, aí os pobres são identificados com o banditismo, o crime, a prostituição, a mendicância e outros fenômenos da patologia social, constituindo a classe perigosa. Neste estudo, procuramos seguir uma terceira via de abordagem: nem os trabalhadores (operariado) inseridos no sistema de produção ligado à grande lavoura de exportação e ao mercado de trabalho dela decorrente, portanto a força de trabalho organizada, nem os do lumpemproletariado, a marginalidade da qual, entretanto, não foram de todo excluídos, pois vagam também pelo universo que procuramos desvendar. Esse universo, no entanto, é povoado por legiões de desgraçados, excluídos diríamos hoje, que, se não estão inseridos na economia formal e muitas vezes até na informal, não caíram também no submundo.


RICUPERO, Bernardo. Sete lições sobre as interpretações do Brasil. São Paulo: Alameda, 2011.

Sinopse: Afinal de contas, o que é o Brasil? Por que ele é assim? Existe um pensamento social brasileiro? Esses e outros questionamentos não se limitam ao meio acadêmico. Pelo contrário, conhecer --mesmo que minimamente-- tais interpretações é cada vez mais exigido daqueles que lidam, de alguma forma, com a realidade brasileira. É dessa necessidade de se conhecer os meandros do pensamento social e político brasileiro que surge a ideia do cientista político Bernardo Ricupero de organizar, em "Sete Lições Sobre as Interpretações do Brasil" as ideias centrais dos principais "pensadores do Brasil", autores que a partir de diferentes perspectivas sociológicas, históricas e políticas, procuraram entender o país. Bernardo Ricupero explica a importância e relevância atual de cada um desses pensadores e de suas teorias: o conceito de "cordialidade" do brasileiro, de Sérgio Buarque de Holanda; a distinção do brasileiro em relação a outros povos, de Oliveira Vianna; a miscigenação racial e o Estado patriarcal de Gilberto Freyre; a discussão quanto ao nosso passado colonial, de Caio Prado Júnior; a análise de Raymundo Faoro quanto ao peso do Estado sobre a nação; e a tese de Florestan Fernandes de que a revolução burguesa no Brasil não se deu como um episódio histórico, mas sim, um fenômeno estrutural.


JOAQUIM, Maria Salete. O papel da liderança religiosa feminina na construção da identidade negra. Rio de Janeiro: Pallas; São Paulo: EDUC, 2001.

Sinopse: Mostra o candomblé na preservação da identidade negra, o papel das mães-de-santo como líderes religiosas mantenedoras das tradições, do culto e intelectuais dos movimentos negros.











FERNADES, Florestan. A função social da guerra na sociedade tupinambá. São Paulo: Globo, 2006.

Sinopse: A guerra tupinambá, que tanto intrigou o imaginário europeu por entrelaçar vingança e canibalismo, torna-se um fato social à medida que Florestan Fernandes passa do plano da interpretação para o da explicação. O livro aborda a guerra, a magia e a religião articuladas como via de acesso para se entender como nessa sociedade de guerreiros o “inimigo” era essencial para a sua produção e reprodução.







SAINT-PIERRE, Héctor Luis. Max Weber: entre a paixão e a razão. Campinas: Ed.da UNICAMP, 2004.

Sinopse: Tanto nos trabalhos metodológicos de Max Weber como em seus escritos políticos, nota-se a tensão entre a paixão e a razão. Este livro abre um caminho para futuras e profundas discussões sobre o assunto.










ROSANVALLON, Pierre. Por uma história do político. São Paulo: Alameda, 2010.

Sinopse: Pierre Rosanvallon partilha de uma concepção básica do político, quando define o mundo da política como segmento do mundo do político, operado pela mobilização dos mecanismos simbólicos de representação. Para ele, a democracia não experimentaria qualquer crise nos dias de hoje, ao contrário. A crise seria da teoria política tradicional, a qual não teria se dado conta do caráter permanentemente aberto daquela forma político-social e por isso teria perdido a capacidade de dar conta das transformações por ela sofridas nas últimas décadas. Por isso, para Rosanvallon, a necessidade de remodelá-la recorrendo, não a mais teorias abstratas, mas à história e ao comparatismo, meios únicos de apreendê-la em suas formas concretas. Ao recusar a oposição entre democracia direita e democracia representativa, em que o debate se polarizava na época, quando da publicação de suas primeiras obras Rosanvallon já revelava assim um traço constante de sua obra posterior a crença de que o político era um fenômeno que só poderia ser compreendido a partir das dificuldades e dos problemas substantivos da vida democrática.


MICELI, Paulo. O ponto onde estamos: viagens e viajantes na história da expansão e da conquista (Portugal, séculos XV e XVI). Campinas: Ed. da Unicamp, 2008.

Sinopse: A história das viagens dos descobrimentos é um daqueles temas em que convivem abundância e míngua; a primeira, representada por incontáveis trabalhos dedicados ao restabelecimento da composição precisa das armadas, ao traçado das rotas ou aos conhecimentos técnicos aplicados pelos navegadores; a escassez, como a multiplicidade de aspectos pouco ou nada explorados pelos investigadores, principalmente os referentes à viagem propriamente dita, ou à vida cotidiana a bordo dos navios.






GRIFFITHS, Martin. 50 grandes estrategistas das relações internacionais. São Paulo: Contexto, 2011.

Sinopse: De Lenin a Henry Kissinger, de Raymond Aron a Woodrow Wilson, os 50 grandes teóricos e estrategistas reunidos nesta obra atestam a multiplicidade de possíveis respostas para polêmicas questões. Ao revelar afinidades e controvérsias entre os autores, analisando criticamente a obra e a carreira de cada um deles, este livro evidencia que as Relações Internacionais constituem, de fato, a um só tempo, uma ciência e uma arte. E mostra que, numa era de confrontos globais e ameaças planetárias, de sua prática talvez dependa o destino de toda a humanidade.





NOVICK, Susana (Org.). Las migraciones en América Latina: políticas, culturas y estrategias. Buenos Aires: CLACSO: Catálogos, 2008.

Sinopse: El libro que aquí presentamos, primer aporte del Grupo de Trabajo de Clacso “Migración, cultura y políticas”, actualiza debates teóricos y aporta conocimientos no sólo sobre experiencias contemporáneas, sino también evoluciones históricas que aportan una mirada de largo plazo. Nuestro trabajo grupal pretende avanzar en los estudios sobre América Latina desde un enfoque multidisciplinar y transversal, promoviendo el intercambio entre cientistas de diferente formación para construir una agenda regional de reflexión e investigación.





BORNHEIM, Gerd A. (Org.). Os filósofos pré-socráticos. São Paulo: Cultrix, 1999.

Sinopse: Aos pré-socráticos, aqueles filósofos que antecederam Platão e Aristóteles, pode-se dar com justiça o nome de 'pais da filosofia ocidental'. Suas doutrinas, que chegaram até nós na forma de fragmentos vazados por vezes numa linguagem críptica, têm despertado interesse, suscitando, de Nietzsche a Heiddeger, variadas interpretações, e aberto perspectivas à compreensão da problemática da Filosofia. Neste volume, o Prof. Gerd A. Bornheim enfeixou, de sua autoria, um estudo introdutório ao pensamento dos pré-socráticos, além de notas liminares acerca da vida e das ideias de cada um deles, completando-os com a tradução que fez dos fragmentos de Tales, Anaximandro, Anaxímenes, Xenófanes, Heráclito, Pitágoras, Alcmeão, Parmênides, Zenão, Melisso, Empédocles, Filolau, Arquitas, Anaxágoras, Diógenes, Leucipo e Demócrito. Acrescentou-lhes também breves seleções doxográficas de cada autor.


RIBEIRO, Luiz César de Queiroz. As metrópoles e a questão social brasileira. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

Sinopse: A aglomeração de enormes populações em áreas metropolitanas, com percentuais de população pobre vivendo em condições precárias de emprego, habitação, saúde e educação, é um dos mais graves problemas da atualidade brasileira. Um país de 190 milhões de habitantes, com 8,5 milhões de km², 70 milhões de habitantes, ou 37% do total, concentram-se em áreas metropolitanas que ocupam, somadas, 167 mil km², ou seja, apenas 2% de todo o território. Essa concentração tende a aumentar em cinco milhões de habitantes a cada dez anos, com grande percentual de população pobre desempregada. Tal concentração resulta em problemas de gravidade crescente, de ordem econômica, social e política, que exigem dos poderes públicos e de toda a sociedade soluções criativas e corajosas. Ao lado das evidências do aumento demográfico e econômico relativos, nessa questão se concentra a problemática social, cujo lado mais evidente e dramático é a exacerbação da violência, com notórias vinculações com a desigualdade de riqueza. Nas áreas metropolitanas se alastra o que o sociólogo Frâncico de Oliveira batizou de “governo pela exceção”, com a ação do Estado reduzida a iniciativas de caráter assistencial e ao recurso da blitz eventual de batalhões policiais em território ocupado por forças “inimigas”. Este livro, organizado por Luiz Cesar Queiroz Ribeiro e Orlando Alves dos Santos Jurior, é uma brilhante e balizada contribuição para equacionar o problema e apontar-lhe soluções institucionais e políticas. Reúne estudos de pesquisadores brasileiros e estrangeiros dedicados a estudar a questão, sob a égide do Observatório das Metrópoles, uma rede integrada por 17 instituições e cerca de 100 pesquisadores que, em todo o país, se dedicam a estudar o tema candente das aglomerações urbanas.


DETIENNE, Marcel. Os mestres da verdade na Grécia arcaica. Rio de Janeiro: J. Zahar, c1988.

Sinopse: Neste livro apaixonante, Marcel Detienne fala dos três tipos de personagem qualificados por suas funções, no contexto social e cultural da Grécia arcaica, como detentores de um privilégio inseparável de seu papel institucional: os Mestres da Verdade. Esses três personagens são o aedo, o adivinho e o rei justiceiro; seu privilégio comum é proferir a "Verdade". Pelo menos é desse modo que traduzimos a palavra grega Alétheia cujos valores, no pensamento religioso antigo, ultrapassam o âmbito de nosso conceito de verdadeiro tanto quanto, por exemplo, o 'Rta' dos indo-iranianos: "verdade" que não é separável da ordem ritual, da prece, do direito, nem do poder cósmico que garante o retorno regular das auroras.



HUME, David. Historia natural de la religión. Madri: Tecnos, c1992.

Sinopse: Es esta Historia natural una disertación en la que David Hume recoge en apretada síntesis lo que a lo largo de los siglos han sido las principales manifestaciones del fenómeno religioso. Tras seguir la evolución a partir de las primeras muestras de creencia politeísta hasta el monoteísmo más sofisticado, quedan señalados en el libro los efectos generales que se derivan de la actitud religiosa, sin olvidar las de-formaciones a que históricamente ha dado lugar. Observada desde un ángulo reformista, la obra resulta ser un manifiesto en contra del fariseísmo universal, y una defensa de los valores morales frente a la superstición y el fanatismo doctrinario.
Hay en la Historia natural de la religión un logro que la modernidad hizo suyo y cuya negación sería ya imposible: en la jerarquización de los valores vinculados de un modo u otro al religionismo, Hume —en ocasiones con lenguaje acerado e implacable— se esforzó por combatir la irreflexiva credulidad y la interesada hipocresía desde superiores criterios de exigencia ética y de honestidad intelectual. Es en este punto en el que radica la mayor actualidad de este texto singular, concebido por su autor, a partes iguales, como aguda disquisición histórico-filosófica y como brillante ejercicio literario.


MAIA, João Marcelo Ehlert (Org.). Ateliê do pensamento social: ideias em perspectiva global. Rio de Janeiro : FGV, 2014.

Sinopse: Ateliê não é nome usualmente associado ao mundo intelectual. Porém, acreditamos que ele traduz com exatidão o que o Laboratório do Pensamento Social do Cpdoc vem buscando desde que iniciou seus encontros anuais com o objetivo de debater de forma prática e direta a metodologia de pesquisa para os estudos sobre ideias, textos e intelectuais. Neste livro, o leitor vai encontrar um conjunto de textos que foram apresentados por renomados especialistas durante a segunda edição do Ateliê do Pensamento Social do Cpdoc, na qual discutimos as abordagens transnacionais e comparativas. Na ocasião, reunimos um grupo de estudantes que puderam dedicar dois dias inteiros para refletir sobre suas próprias pesquisas.



FORTI, Valéria Lucília. Ética, crime e loucura: reflexões sobre a dimensão ética no trabalho profissional. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

Sinopse: Com base nos pensamentos marxiano e lukacsiano, a autora realiza um estudo fecundo da sociedade capitalista e da ética, que encaminha o leitor à reflexão acerca da matéria do trabalho profissional de assistentes sociais, psicólogos, terapeutas ocupacionais, médicos, enfermeiros, promotores, defensores públicos, juízes a custódia de portadores de transtorno mental, que cometeram delitos, reclusos nas recônditas enfermarias (celas) dos Hospitais de Custódia e Tratamento Psiquiátrico do Rio de Janeiro. O trabalho da autora nos fortalece e nos convence de que, como ela diz, a ética pode atuar no interior da contradição entre o que é genérico e particular visando ao que é compatível com o humano genérico.



COCCO, Giuseppe (Org.). As multidões e o Império: entre globalização da guerra e universalização dos direitos. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

Sinopse: A ideia deste livro nasceu em meio às manifestações contra a reunião do grupo dos oito países mais ricos do mundo (G-8) em Gênova, na Itália, nos dias 19, 20 e 21 de julho de 2001. A forte repressão policial, marcada por prisões, espancamentos e tortura, além da morte de um jovem, corroborou a lógica de guerra do governo Berlusconi, metonímia da dinâmica unilateral da política externa norte-americana (exemplificada pela recusa ao tratado de Kyoto, pelo abandono da Conferência de Durban sobre racismo e pela rejeição ao controle de armas biológicas). O objetivo inicial de compreender a “política das multidões”, a partir de suas origens, sua força e seus desafios, foi ampliado pelo atentado de 11 de setembro em Nova York. Impossível restringir-se a Gênova com a fumaça sinistra dos escombros do World Trade Center, centro financeiro do mundo “imperial”, obscurecendo o horizonte do “movimento dos movimentos”, também ele alimentado pelos mecanismos da globalização.


MOURA, Clóvis (Org.). Os quilombos na dinâmica social do Brasil. Maceió: EDUFAL, 2001.

Sinopse: A quilombagem como processo sociológico ainda é uma vertente dinâmica no Brasil. Os remanescentes dos quilombos são ainda hoje uma continuidade viva das lutas que os escravos rebeldes detonaram durante o transcurso da escravidão. Na obra reúnem-se sob a organização do professor Clóvis Moura, textos mais diversos no estudo da quilombagem numa abordagem que busca apreender essas experiências. Um convite a reinventar o projeto sócio-político-cultural, anti-racista e democrático para o Brasil.






PETRAS, James F. Armadilha neoliberal e alternativas para a América Latina. São Paulo: Xamã, 1999.

Sinopse: A presente obra de James Petras, é composta por instigantes e inovadores ensaios, em que analisa os efeitos devastadores, físicos e morais, que as políticas neoliberais produzem sobre nosso continente. Crítico contundente da política externa dos Estados Unidos desvenda o processo de globalização em curso, as políticas de privatização e a busca da superação da crise atual pelos trabalhadores.






SANTOS, José Vicente Tavares dos. Violências e conflitualidades. Porto Alegre: Tomo Ed., 2009.

Sinopse: Os fenômenos da violência adquirem novos contornos, passando a disseminar-se por toda a sociedade contemporânea: a multiplicidade das formas de violência – violência política, costumeira, violência de gênero, violência sexual, racista, ecológica, simbólica e violência na escola – configuram-se como um processo de dilaceramento da cidadania. As metamorfoses da sociedade contemporânea revelam a historicidade dos processos sociais e a complexidade de seu modo de existir, razão pela qual somos conduzidos a distinguir entre as questões sociais e as questões sociológicas, reconstruindo a significação sociológica das questões sociais que alimentaram a reflexão sociológica desde seu nascedouro. A compreensão da fenomenologia da violência pode ser realizada a partir do conceito de microfísica do poder, de Michel Foucault, ou seja, de uma rede de poderes que permeia as relações sociais, marcando as interações entre os grupos e as classes.


PETRUCCELLI, José Luis. A cor denominada: estudos sobre a classificação étnico-racial. Rio de Janeiro: DP&A, 2007.

Sinopse: Os trabalhos aqui reunidos enfocam vários aspectos dos processos de construção e utilização das categorias de classificação das pessoas segundo as características de cor ou raça. Os mesmos foram redigidos, numa primeira versão, a partir do ano 2000 e foram divulgados em diferentes meios impressos e eletrônicos. As reflexões apresentadas se inscrevem na problemática da identificação étnico-racial e da identidade, que remete, por sua vez, ao contexto mais amplo do conjunto de relações sociais e de suas representações, abordando, também, reflexões sobre suas conseqüências na definição de políticas de ação afirmativa. A escolha de estudo dos registros que resultam da codificação de identidades étnico-raciais, responde a que estas categorias proporcionam um objeto de análise particularmente significativo que diz respeito à formulação e construção de marcadores identitários.


PEDRAZZINI, Yves. A violência das cidades. Petrópolis: Vozes, 2006

Sinopse: Este é um livro para quem busca entender a cidade e o que ela representa para diversas sociedades, e que não faz distinção de nível social. Não poucas vezes, a chamada visão do pobre é de extrema importância e abre novos caminhos neste território. Esta obra promete aprofundar todos estes pontos, com destaque para a insegurança urbana e a globalização. Em suas páginas se encontram diversas abordagens de e aponta e uma sadia desobediência aos modelos impostos, para solucionar os grandes e muitas vezes desafiadores problemas do meio urbano.





DIRCEU, José. Abaixo a ditadura. Rio de Janeiro: Garamond, 1998.

Sinopse: Neste livro, José Dirceu e Vladimir Palmeira contam suas experiências durante a ditadura militar, para o conhecimento das gerações de hoje e do futuro. Dirceu e Vladimir observam seus passados com uma saudável ironia, cada um deles preservando seus próprios estilos. O livro é um testemunho, um alerta par que nosso país jamais repita este passado.








GUIMARÃES, Alice Soares. A reemergência de identidades étnicas na modernidade: movimentos sociais e Estado na Bolívia contemporânea. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

Sinopse: Observa os processos e dinâmicas, no contexto da sociedade boliviana, que levaram ao protagonismo os movimentos sociais indígenas. Examina um dos principais movimentos sociais da Bolívia contemporânea, o dos plantadores de coca do Trópico de Cochabamba, como um dos mais exitosos da América Latina atual. Ao enfocar a multiculturalidade e a plurinacionalidade como paradigmas de inclusão, contribui para o estudo das relações entre Estado e sociedade na modernidade.




SALES, Jean Rodrigues (Org.). Guerrilha e revolução: a luta armada contra a ditadura militar no Brasil. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

Sinopse: O livro reúne 12 textos e resulta de estudos, análises e investigações de jovens pesquisadores e cientistas sociais sobre a guerrilha e a luta de grupos de esquerda que pegaram em armas na tentativa de resistirem à ditadura militar brasileira. Sua ousadia é, no entanto, não o fazer pelo viés memorialístico, já tradicional, por meio do qual ex-guerrilheiros narram suas memórias e experiências. Aqui, o enfoque é historiográfico, lidando com seus tabus, confrontando questões políticas e teóricas relevantes e, sobretudo, oferecendo ao leitor um panorama das principais organizações armadas brasileiras dos anos 1960 e 1970. Esta é a grande riqueza do livro: apresentar um conjunto amplo de estudos de caso que contextualizam, problematizam e narram as histórias e trajetórias das guerrilhas do Araguaia e do Caparaó, dos Grupos de Onze e de organizações armadas que atuaram em diferentes partes do país, com destaque para ALN, COLINA, MR-8, VPR, PCBR e Ala Vermelha, dentre outras.


TEIXEIRA, Felipe Charbel. Timoneiros: retórica, prudência e história em Maquiavel e Guicciardini. Campinas: Ed. da Unicamp, 2010.

Sinopse: Maquiavel e Guicciardini são os dois pensadores políticos mais instigantes do Renascimento italiano. Embora a notoriedade do primeiro contraste com a pouca divulgação do pensamento do segundo no Brasil, os dois autores compartilharam e mesmo discutiram vários interesses: a política, a república, a história. Além do famoso Príncipe, o mais lido manual político da história do Ocidente, que é repleto de exemplos do passado, Maquiavel escreveu uma história da cidade de Florença e fez do conhecimento histórico o caminho comparativo das experiências de antigos e modernos, que constitui o seu livro sobre os romanos. Guicciardini também foi autor de uma história de Florença, mas a sua principal façanha historiográfica e intelectual foi a escrita daquela que é considerada a primeira história da Itália (a península, pois a unificação do Estado só se daria séculos depois). É a partir dessa clássica e riquíssima conexão entre a história e a política que Timoneiros, de Felipe Charbel, explora, com raras maestria, inteligência e erudição, um conjunto de temas renascentistas em cujo centro se encontra a figura da prudência, acompanhada de sua inseparável companheira, a retórica. O resultado é um panorama fecundo, provavelmente o mais arguto publicado por um autor brasileiro, das artes históricas do Renascimento e de seu papel central no enfrentamento das vicissitudes da Fortuna e da vida pública.


GOUREVITCH, Philip. Gostaríamos de informá-lo de que amanhã seremos mortos com nossas famílias: histórias de Ruanda. São Paulo: Companhia de Bolso, 2006.

Sinopse: Entre abril e julho de 1994 mais de um décimo da população de Ruanda foi exterminada, num genocídio só comparável ao Holocausto dos judeus sob o nazismo. Patrocinada pelo governo ruandês, a maioria hutu massacrou a minoria tutsi diante da indiferença da chamada "comunidade internacional". A tragédia, supostamente motivada pelo "ódio ancestral" entre as duas etnias, teve na verdade origens políticas e econômicas muito concretas. Durante três anos, o jornalista norte-americano Philip Gourevitch mergulhou na realidade ruandesa para tentar desvendar o amplo contexto cultural, político e étnico dos acontecimentos. Ouviu centenas de pessoas, reconstituindo o drama pessoal dos envolvidos na tragédia, fossem eles sobreviventes, assassinos ou cúmplices. Pesquisou as histórias recente e remota do país e, ao traçar o desenvolvimento das tensões étnicas em Ruanda, reuniu indícios suficientes para questionar a atuação dos colonizadores belgas e de outras potências ocidentais na região. Lúcido e pungente, o livro é ao mesmo tempo testemunho e reflexão sobre um dos episódios mais terríveis de nosso tempo, mostrando como, ainda hoje, a distância entre civilização e barbárie pode ser curta.


MEDEIROS, Leonilde Servolo de (Org.). A formação dos assentamentos rurais no Brasil: processos sociais e políticas públicas. Porto Alegre: UFRGS, 1999.

Sinopse: A formação dos assentamentos rurais no Brasil: processos sociais e políticas públicas certamente contribuirá para a compreensão mais abrangente e analítica dos assentamentos rurais, uma forma de ocupação produtiva da terra que, assim indicam os vários autores desta coletânea, parece destinada a compor permanentemente a face do mundo rural brasileiro.








GOLDENBERG, Mirian (Org.). Nu & vestido: dez antropólogos revelam a cultura do corpo carioca. Rio de Janeiro: Record, 2002.

Sinopse: Nu & vestido é uma contribuição original e indispensável não apenas para a antropologia, mas para todas as ciências sociais e humanas brasileiras. O livro, organizado pela antropóloga Mirian Goldenberg, traz diferentes enfoques sobre a valorização e transformação do corpo carioca, a democratização da cirurgia estética, o uso de anabolizantes, o comportamento de homens e mulheres nas praias e academias de ginástica, a publicidade e a moda. Mirian Goldenberg conseguiu a proeza de organizar em um só livro pesquisas diversas nos campos da antropologia, brasileira e estrangeira, que estudam um mesmo período histórico, o final do século XX e início do século XXI, um mesmo locus, a cidade do Rio de Janeiro, um mesmo segmento social, as camadas médias urbanas e um mesmo objeto de reflexão, o corpo carioca. ´No Rio de Janeiro o corpo nu também é moda´, revela Mirian na introdução do livro.


ESPINA PRIETO, Mayra Paula. Políticas de atención a la pobreza y la desigualdad: examinando el rol del estado en la experiencia cubana. Buenos Aires: CLACSO, 2008.

Sinopse: El tema de la pobreza, en su relación con los efectos de las reformas y de las políticas para su manejo, ha estado en el centro de la preocupación de las
ciencias sociales latinoamericanas desde la década del noventa. Con el propósito de recuperar una visión desnaturalizadota de las desigualdades sociales, este libro ofrece una panorámica de este campo de estudios, especialmente de su estado en nuestro subcontinente, y una relectura crítica de las maneras en que la pobreza ha sido construida como objeto de análisis y de política por el conocimiento social. Desde esa perspectiva, la obra examina la experiencia cubana, su lógica de manejo de la crisis y la reforma económica de la década del noventa, sus avances y debilidades en el enfrentamiento a la pobreza desde un modelo estadista y centralizado de organización de la economía y la sociedad. La política social de promoción de igualdad ocupa un lugar central, a partir de un examen de la contribución e insuficiencias de tal modelo en la superación de brechas de equidad.


LUZ, Marco Aurélio. Cultura negra em tempos pós-modernos. Salvador: EDUFBA, 2002.

Sinopse: Aborda o significado dos processos culturais dinâmicos das tradições africanas nas Américas. Enfoca os fenômenos da crise do Estado moderno e da emergência de tempos pós-modernos. Projeta a compreensão de fatos do cotidiano da cultura negra na atualidade, além de temas da cultura globalizada de todos os tempos, numa revisão histórico-cultural vanguardista.








CASTRO, Nadya Araujo (Org.). Trabalho e desigualdades raciais: negros e brancos no mercado de trabalho em Salvador. São Paulo: Annablume, 1998.

Sinopse: Este trabalho é especialmente relevante hoje, quando ativistas, pesquisadores e órgãos governamentais estão explorando maneiras de corrigir as desigualdades raciais no trabalho, através de programas de treinamento, uso de mentores, planos de diversidade e busca de respostas efetivas e rápidas a incidentes de discriminação. Assim como em outras partes do mundo, o Brasil ainda tem muito chão por andar. Estudos como os que estão presente neste livro iluminarão o caminho a seguir e ajudarão a encarar um dos maiores desafios do Brasil, país com uma população multirracial. Para a realização plena do enorme potencial da população brasileira, o Brasil precisa lidar de maneira aberta com a discriminação racial. Desse modo, não somente o objetivo de consolidar a democracia brasileira poderá ser avançado, como também a riqueza da nação poderá ser finalmente liberada.


MOURA, Marlene Castro Ossami de (Org.). A transversalidade do conhecimento científico: uma experiência de 40 anos em pesquisa. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2013.

Sinopse: A presente obra mostra a trajetória do Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (IGPA/PUC Goiás), no centro oeste brasileiro.











FOUCAULT, Michel. Eu, Pierre Riviere, que degolei minha mãe, minha irmã e meu irmão: um caso de parricídio do século XIX. Rio de Janeiro: Graal, 2003.

Sinopse: Em 1835, o jovem Pierre Rivière assassina cruelmente sua família numa pequena cidade da França. A análise das peças judiciárias, dos relatórios médicos e do surpreendente relato de próprio punho de Pierre Rivière resulta no brilhante trabalho apresentado por Foucault no Collège de France, mais de cem anos depois do acontecimento. Dando continuidade à reedição das grandes obras do mestre Michel Foucault, este livro trata da relação entre psiquiatria e justiça penal, deflagrando uma verdadeira batalha de discursos pela construção do poder na sociedade oitocentista.





RODRIGUES, Claudia (Org.). Sentidos da morte e do morrer na Ibero-América. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

Sinopse: Mais do que explicar a morte por meio do social, do político e do sagrado, os ensaios procuram por meio do fato fúnebre, iluminar de modo particular esses âmbitos fundamentais da experiência humana, na perspectiva da história, da antropologia e da sociologia. O luto, o suicídio, a dimensão jurídica da morte, a iconografia, a memória e os ritos relacionados são alguns dos tópicos abordados.







SILVÉRIO, Valter Roberto (Ed.). Síntese da coleção História Geral da África. Brasília: UNESCO; MEC; São Carlos: UFSCar, 2013. 2v.

Sinopse: Como forma de reconhecer a influência da história e da cultura africanas na sociedade brasileira, a UNESCO no Brasil, a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Integração do Ministério da Educação (MEC/SECADI) e a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) desenvolveram o Programa Brasil-África: Histórias Cruzadas, cujo principal objetivo é dar visibilidade e reconhecimento à intersecção das histórias africana e brasileira, transformando e valorizando positivamente as relações entre os diferentes grupos étnico-raciais que constituem o Brasil. A síntese, publicada em dois volumes, pretende fornecer subsídios para pesquisadores e estudantes, bem como para a prática pedagógica de professores responsáveis pela educação básica, com o objetivo de ampliar seus conhecimentos em relação à história e a cultura africana. O volume 1, dividido em quatro capítulos, aborda os períodos desde a pré-história até o século XVI. O volume 2 abrange desde o século XVI até o século XX.


ARRUDA, Maria Arminda do Nascimento. Florestan Fernandes, mestre da sociologia moderna. Brasília: Paralelo 15, 2003.

Sinopse: A posição científica de Florestan Fernandes fundamenta um modelo de produção sociológica que se institucionaliza na cadeira de Sociologia I da Faculdade de Filosofia a partir da década de 1950. Em seus desenvolvimentos, esse modelo orientará o diagnóstico e a análise do processo moderno na sociedade brasileira, edificando uma Sociologia do Brasil que se constrói como desdobramento da implantação das bases de uma Sociologia científica no Brasil.







BULCÃO, Marly. O racionalismo da ciência contemporânea: introdução ao pensamento de Gaston Bachelard. Aparecida: Idéias & Letras, 2009.

Sinopse: O Racionalismo da Ciência Contemporânea, uma das principais obras em língua portuguesa sobre Gaston Bachelard, é re-editada pela Editora Idéias & Letras. A presente edição cristalina o pensamento do filósofo e cientista francês no campo da epistemologia científica. Oferece ao leitor a possibilidade de compreender a extensão da filosofia bachelardiana, que vem sendo redescoberta por seu caráter atemporal de perscrutar, por meio da ciência, as inquietações filosóficas.






BELEN ALBORNOZ, María (Org.). En los márgenes: el trabajo infantil como práctica cultural. Quito: FLACSO, 2010.

Sinopse: Una de las principales causas del trabajo infantil tiene su origen en el factor económico. Las condiciones de pobreza llevan a que los padres de familia, junto a sus hijos, trabajen informalmente para conseguir algo de dinero. Otra de las causas para explicar el trabajo infantil radicaría en las fuertes costumbres culturales arraigadas en las familias de origen rural que migran a la ciudad. En el campo sería “habitual” que los niños y niñas desempeñen distintas labores como los quehaceres agrícolas, entre otras actividades. Entonces la combinación de estas dos circunstancias, pobreza y valores culturales, podrían también convertirse en ejes que motivan el trabajo infantil. En el caso de la presente investigación, nos centraremos en salir de la visión económica e intentaremos descifrar otras construcciones del trabajo infantil, hasta ahora poco estudiadas en el Ecuador.


GREGORI, Maria Filomena. Viração: experiências de meninos nas ruas. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

Sinopse: Entre 1991 e 1995, a antropóloga Maria Filomena Gregori percorreu as ruas de São Paulo atrás de depoimentos de meninos e meninas que vivem soltos pela metrópole, circulando e "se virando" como podem. Com base nesses depoimentos, ela realizou um primoroso estudo antropológico dos diferentes agrupamentos de meninos de rua na cidade de São Paulo. A pesquisa, também realizada com agentes institucionais, desvenda fragmentos comoventes da história de vida desses jovens que circulam entre suas casas, geralmente em bairros distantes da cidade, e as ruas do centro. Nem sempre abandonando a esfera familiar - marcada, na maioria das vezes, pela miséria -, eles gradualmente se enredam no universo da rua e da delinqüência, no qual conquistam, além de bens materiais e simbólicos, um lugar determinado na cidade e o trânsito por instituições governamentais, religiosas e privadas, que lhes indicam parâmetros e balizam suas condutas.


COMISIÓN para el Esclarecimiento Histórico (Guatemala). Guatemala: causas y orígenes del enfrentamiento armado interno. Guatemala: F & G, 2000.

Sinopse: Torres-Rivas is one of Central America’s leading sociologists and the author of numerous works that deal with the convoluted and difficult history of the isthmus. In this book, he looks at the 1994 report issued the international Commission of Truth and re-examines the unfathomable violence that gripped Guatemala for almost 40 years, an unacknowledged “civil war” that culminated in the mass genocide of the indigenous population. In his prologue, the author questions how these events came into being and how such a massive decimation of the indigenous population was possible without an outcry; the rest of the book is an attempt to familiarize readers with the roots of this violence.




EGUIGUREN J., María Mercedes. Sujeto migrante, crisis y tutela estatal: construcción de la migración y modos de intervención del estado ecuatoriano. Quito: Abya-Yala: FLACSO, 2011.

Sinopse: El presente trabajo de investigación pretende indagar en las prácticas y discursos que el Estado ecuatoriano ha generado en respuesta a los flujos migratorios iniciados a fines de la década de 1990. Se plantea que estas prácticas y discursos constituyen acciones en cuya construcción se involucran actores políticos que ocupan diversos lugares dentro de la estructura estatal o frente al Estado, y generan un campo de disputa del cual emerge una determinada construcción de la migración, sobre la cual el Estado actúa a través de un poder simbólico y operativo. Se pretende analizar dicha construcción de la categoría migración que surge desde el Estado.



FRENETTE, Marco. Preto e branco: a importância da cor da pele. São Paulo: Publisher Brasil, 2001.

Sinopse: Nada melhor para apresentar este trabalho original de Marco Frenette, colunista da revista Fórum, do que as palavras do prefácio do músico Lobão: "brutalmente esclarecedor, Preto e Branco revela as feridas abertas de um dos maiores tabus da sociedade brasileira: o racismo. Ao mostrar o papel que nos cabe nessa história vergonhosa, este livro fundamental possibilita repensar a questão racial com mais compreensão, autocrítica, nitidez e amor".







PETRAS, James F. Ensaios contra a ordem. São Paulo: Scritta: Página Aberta, 1995.

Sinopse: Em textos contundentes, Ensaios contra a ordem expõe as ideias de James Petras - um dos mais importantes intelectuais progressistas norte-americanos - sobre as mudanças políticas, sociais e econômicas ocorridas internacionalmente nos últimos anos. Polemizando com os ideólogos do neoliberalismo e da esquerda, Petras analisa a derrota do movimento revolucionário, o aumento da miséria e da concentração de renda provocados pelas políticas privatistas e o crescimento do autoritarismo nos regimes de democracia parlamentar. Ensaios contra a ordem mostra o outro lado das reformas modernizadoras, revelando seus verdadeiros interesses. Um livro fundamental para o debate sobre modernidade, Estado e sociedade.


ROSSI, Vicente. Cosas de negros. Buenos Aires: Taurus, 2001.

Sinopse: "Cosas de negros", "Los orígenes del tango y otros aportes al folklore rioplatense", "Rectificaciones históricas", impreso personalmente por el autor en 1926, es un insustituible tratado acerca de los orígenes y características de la cultura negra en el Río de la Plata. El negro, el "infortunado y contento hombre negro", su ingenio, su festividades, se religiosidad, la sorprendente teoría del candombe como precursor de la milonga, y la valoración del tango como una de las expresiones fundamentales de la sensibilidad popular e individual rioplatense, son algunos de los temas y atractivos de este libro singular que, confirmando las intuiciones borgeanas, mantiene hoy todo su encanto y vigencia.



ALONSO, Aurelio (Org.). América Latina y el Caribe: territorios religiosos y desafíos para el diálogo. Buenos Aires: CLACSO, 2008.

Sinopse: Los textos reunidos en el presente volumen que lleva por título América Latina y el Caribe: territorios religiosos y desafíos para el diálogo son el resultado de la primera etapa de funcionamiento del Grupo de Trabajo Religión y Sociedad de CLACSO, la cual culminó en el taller celebrado en Taxco, México, los días 26 y 27 de octubre de 2005, paralelamente al IV Encuentro de Religiosidad Popular Cuba-México. El conjunto de los trabajos sobre estudios sociorreligiosos que integran esta publicación intentan expresar una convergencia en la constatación del cambio en la demografía religiosa del continente, ocasionado por el predominio de una fuerte y heterogénea corriente de reavivamiento denominacionalista en la segunda mitad del siglo XX. Igualmente, priorizan el análisis del cruzamiento de estas tendencias con las que ominan el ordenamiento mundial vigente y los extremos de la concentración del poder. Los trabajos ahondan muy especialmente en el problema de las modificaciones de la territorialidad material y espiritual, en los procesos de búsqueda de sentido y en las interpretaciones y potencialidades del diálogo, por oposición al auge de los fundamentalismos religiosos y no religiosos.


PEREIRA, Edimilson de Almeida. Flor do não esquecimento: cultura popular e processos de transformação. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

Sinopse: Esse livro reúne ensaios escritos entre 1992 e 1999, ampliando as abordagens de temas específicos, como os processos de transformação da cultura popular, a estética do sagrado, as relações entre identidade e alteridade, a dialética do conceito de tradição, a iniciação às benzeções, a liderança religiosa de leigos, as mudanças na concepção de tempo e o sentido social dos discursos orais.








POMAR, Wladimir. Quase lá: Lula, o susto das elites. São Paulo: Brasil Urgente, 1990.

Sinopse: Trata-se de uma narrativa detalhada sobre as eleições presidenciais de 1989, das quais o autor participou como coordenador nacional da campanha Lula Presidente. O momento histórico já era peculiar – pela primeira vez depois da ditadura militar se realizavam eleições diretas para presidente do país e um dos candidatos ao cargo era o líder do Partido dos Trabalhadores, que, anos antes, já havia atemorizado patrões na região do ABC. Pomar conta a história da campanha de 1989 com os pés lá, ainda em 1990, no calor da hora. Os primeiros sinais da possibilidade real de Lula chegar à Presidência já apareceram no começo da campanha e significaram ameaça ao “secular domínio exercido sobre a vida do Brasil pelos donos do dinheiro, das terras, da produção e do saber”.


CARDOSO, Bruno. Todos os olhos: videovigilâncias, voyeurismos e (re)produção imagética. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ: Faperj, 2014.

Sinopse: O livro aborda o fenômeno cada vez mais comum da vigilância por câmeras no espaço público urbano. Com enfoque na prática da vigilância eletrônica policial no Centro de Comando e Controle da Polícia Militar do Rio de Janeiro e na sala de monitoramento do 19º Batalhão da Polícia Militar, em Copacabana, a obra é resultado de uma pesquisa de doutorado, defendida como tese em maio de 2010. O autor, contudo, não para por aí, e analisa também o fenômeno da produção e disseminação das imagens captadas pelas câmeras privadas, como celulares e smartphones, imediatamente publicizadas nas redes sociais e nos programas de compartilhamento de imagens.



DAOU, Ana Maria. A cidade, o teatro e o "paiz das seringueiras": práticas e representações da sociedade amazonense na passagem do século XIX-XX. Rio de Janeiro: Rio Books, 2014.

Sinopse: Escolher como foco a transformação urbana, de como um vilarejo interiorano veio a tornar-se a "Paris das Selvas", cujo símbolo maior foi a construção do magnífico Teatro Amazonas, propiciou à autora a profusão de fontes e a multiplicidade de vozes e de registros de memória.









OLIVEIRA, Anderson José Machado de (Org.). Dimensões do catolicismo no império português (séculos XVI-XIX). Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

Sinopse: Este livro propõe uma reflexão sobre as imbricações entre catolicismo, formação e estruturação do império colonial português. O avanço da historiografia neste campo tem permitido o acesso a um conjunto variado de trabalhos que procuraram pensar essas dimensões do catolicismo integrando cada vez mais as reflexões em torno das construções historicamente diversificadas das instituições, das vivências e das representações católicas. Isto significa dizer que tais dimensões não são vistas como isoladas mas necessariamente em constantes conflitos e diálogos.





DEL PIORE, Mary (Org.). História dos homens no Brasil. São Paulo: Unesp, 2013.

Sinopse: Neste volume, 13 autores apresentam e avaliam as inúmeras facetas que estiveram e estão por trás do conceito de homem no Brasil desde o período colonial. Os artigos demonstram que a masculinidade do brasileiro não resulta de características “naturais”, mas foi edificada e adquiriu perfis variados, conforme as diferentes épocas, áreas geográficas e classes sociais, além de religião e orientação sexual de cada um. Os artigos abordam o tema a partir de ângulos diversos, demonstrando que ser homem não garante vida fácil e lembrando que a história do gênero é marcada por tensões, dominação, violência, quase sempre relacionadas à pressão para corresponder ao estereótipo de “machão” valente. Os textos acerca da ideia de masculinidade dos escravos vindos da África, dos jovens senhores e dos trabalhadores do período colonial, sugerem que elementos daqueles tempos ainda moldam o comportamento masculino no país. O livro atravessa os séculos, avaliando assuntos como a busca pela modelagem e pelo adestramento do corpo e a figura do esportista como herói contemporâneo, a questão do celibato dos padres e o crescimento da prática de esportes de contato como o MMA no Brasil.


DEL PRIORE, Mary (org.). História do corpo no Brasil. São Paulo: Unesp, 2011.

Sinopse: O corpo humano ganha uma visão abrangente nesta obra organizada por Mary del Priore e Marcia Amantino. Estão reunidos aqui artigos escritos por estudiosos de distintas áreas do conhecimento, que discorrem sobre as diversas facetas, representações e simbologias do corpo. Partindo das descrições de Pero Vaz de Caminha sobre o corpo das índias e indo até a ditadura da beleza no século 21, o livro aborda uma considerável gama de reflexões sobre o assunto.






MUNSLOW, Alun (Org.). Desconstruindo a história. Petrópolis: Vozes, 2009.

Sinopse: Leituras desconstrutivas da história e das suas fontes têm mudado completamente a História enquanto disciplina. Em Desconstruindo a História, Alun Munslow examina a história a partir do que ele argumenta ser a era pós-moderna. Ele apresenta uma introdução para os debates sobre a história pós-modernista e suas conseqüências, e também examina as pesquisas mais recentes acerca da relação entre o passado, a história e as práticas históricas, ao mesmo tempo em que aprofunda suas próprias desafiadoras teorias.





LOPES, Carlos (Org.). Desafios contemporâneos da África: o legado de Amílcar Cabral. São Paulo: Ed. UNESP, 2012.

Sinopse: Esta obra é uma grande fonte de informações sobre o pensamento e a personalidade de Amílcar Cabral, que contribuiu de modo expressivo e definitivo para o processo que culminaria na independência das colônias portuguesas na África e representa uma chave para a compreensão daquele continente nos dias atuais.









FRANÇA, Jean Marcel Carvalho. A construção do Brasil na literatura de viagem dos séculos XVI, XVII e XVIII: antologia de textos, 1591-1808. Rio de Janeiro: J. Olympio; São Paulo: Unesp, 2012.

Sinopse: A construção do Brasil na literatura de viagem dos séculos XVI, XVII e XVIII, em coedição com a Unesp, consolida os resultados das investigações empreendidas por Jean Marcel, nas duas últimas décadas, sobre o tema. Com uma alternância entre diários de viagens e reflexões críticas, o autor nos apresenta a construção do Brasil, narrada pelo ponto de vista de estrangeiros de várias nacionalidades e diferentes classes sociais. Obra imprescindível para se compreender o processo de construção do Brasil e dos brasileiros pelo olhar europeu. O livro traz uma riquíssima coleção de textos, como diários, testemunhos e cartas de viajantes estrangeiros que passaram pelo país entre 1516 e 1808.



BARIANI, Edison. Guerreiro Ramos e a redenção sociológica: capitalismo e sociologia no Brasil. São Paulo: Ed. UNESP, 2011.

Sinopse: Guerreiro Ramos lutou ferrenhamente pelo reconhecimento da sociologia como um campo de possibilidades transformadoras. Viveu em um período de extrema efervescência cultural e política no Brasil, entre 1930 e 1964, pregando, sobretudo, a construção de um capitalismo autônomo no país. Uma figura polêmica e provocadora, que agora recebe a devida atenção neste livro de Edison Bariani Junior, resultado de sua tese de doutorado. Aqui o autor propõe uma extensa análise sobre a trajetória pessoal e intelectual do sociólogo, realizando paralelos entre sua vida e suas ideias. Com o objetivo de revelar o trabalho e as disputas de Guerreira Ramos para a formação social brasileira, Edison Bariani Junior entrega uma obra que coloca este estudioso no seu lugar de devido prestígio e paralelamente evidencia suas importantes contribuições para a área da sociologia.


VIDAL, Laurent (Org.). Franceses no Brasil: séculos XIX-XX. São Paulo: Ed. da UNESP, 2009.

Sinopse: A admiração pela França constituiu um traço marcante das elites brasileiras desde os primórdios da independência, momento em que se tornou urgente dotar o jovem país de uma identidade capaz de lhe assegurar feições próprias. Sob a batuta de um diminuto grupo, concebeu-se e projetou-se uma representação da nação que não pode ser dissociada dos valores e da auto-imagem de seus propugnadores. O livro, organizado no bojo das comemorações do Ano da França no Brasil, pretende reunir estudos que analisam a presença de imigrantes franceses em território brasileiro, temática que ocupa lugar bem menos proeminente que o reservado à influência da cultura francesa.



GONÇALVES, Jonuel (Org.). África no mundo contemporâneo: estruturas e relações. Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

Sinopse: Os textos deste livro abordam problemas africanos à luz das disciplinas de Sociologia, Política, Economia, História e Linguística, com aportes de Antropologia, Geografia e Comunicação. Procuramos assim incrementar e disseminar conhecimentos do continente em si, mas também, com seus exemplos, situações e experiências, fortalecer essas disciplinas. A África não é apenas a longínqua origem da Humanidade; ela é hoje teatro de grandes operações econômicas, políticas, culturais e militares, portadoras de futuro.






FLORI, Jean. Guerra Santa: formação da ideia de cruzada no ocidente cristão. Campinas: UNICAMP, 2013.

Sinopse: Em Guerra santa temos a oportunidade de acompanhar o percurso de Jean Flori em defesa de um conceito de cruzada. A pergunta da qual parte seu estudo é: como a comunidade cristã, em sua origem pacifista, desenvolveu um pensamento e uma prática em relação à violência bélica que lhe permitiram aderir de forma justificada e legítima a diversas empresas guerreiras a ponto de a Igreja vir a tornar-se a deflagradora direta de um conflito com a extensão e a repercussão das cruzadas? O propósito da obra consiste em demonstrar que essa mudança não foi repentina.





CARDOSO, Fernando Henrique. Capitalismo e escravidão no Brasil meridional: o negro na sociedade escravocrata do Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

Sinopse: O livro discute os processos de constituição e desagregação da sociedade escravocrata rio-grandense, vistos a partir da situação social que o negro nela assumia. Escrito originalmente em 1962 como tese de doutorado, o livro faz um abrangente estudo do sistema escravocrata do Sul do país, demonstrando que os limites da divisão social do trabalho na escravidão geraram um capitalismo incompleto, incapaz de competir num contexto de concorrência internacional, responsável direto pelo atraso econômico e social do Brasil. Capitalismo e Escravidão no Brasil Meridional: O Negro na Sociedade Escravocrata do Rio Grande do Sul renovou a discussão sobre o uso da mão-de-obra escrava em nosso país ao romper tanto com a visão romântica que defendia a existência de uma certa harmonia nas relações entre senhor e escravo como com a que enxergava na servidão uma forma de feudalismo. Para Fernando Henrique Cardoso, aprofundar naquela época o estudo da escravidão era uma forma de alargar a consciência democrática brasileira, de desmascarar o mito da democracia racial brasileira, surgido após a abolição da escravatura, que buscava esconder o preconceito racial e a desigualdade entre brancos e negros. Reunindo Marx, Weber e a escola funcionalista de sociologia em seus procedimentos de análise, este livro reflete o ecletismo do pensamento de seu autor, que nunca acreditou em teorias gerais ou em métodos totalizantes para explicar todos os aspectos da vida social.


SALES, Jean Rodrigues (Org.). Guerrilha e revolução: a luta armada contra a ditadura militar no Brasil. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

Sinopse: O ano de 2014 foi marcado pelos cinquenta anos do golpe militar brasileiro e suas rememorações, além da recente divulgação do relatório final da Comissão Nacional da Verdade, que investigou as graves violações de direitos humanos ocorridas durante a ditadura. Nesse contexto de muitas matérias e pesquisas sobre esse período da história do Brasil, Guerrilha e revolução desponta como uma obra de papel fundamental. O livro reúne 12 textos e resulta de estudos, análises e investigações de jovens pesquisadores e cientistas sociais sobre a guerrilha e a luta de grupos de esquerda que pegaram em armas na tentativa de resistirem à ditadura militar brasileira. Sua ousadia é, no entanto, não o fazer pelo viés memorialístico, já tradicional, por meio do qual ex-guerrilheiros narram suas memórias e experiências. Aqui, o enfoque é historiográfico, lidando com seus tabus, confrontando questões políticas e teóricas relevantes e, sobretudo, oferecendo ao leitor um panorama das principais organizações armadas brasileiras dos anos 1960 e 1970. Esta é a grande riqueza do livro: apresentar um conjunto amplo de estudos de caso que contextualizam, problematizam e narram as histórias e trajetórias das guerrilhas do Araguaia e do Caparaó, dos Grupos de Onze e de organizações armadas que atuaram em diferentes partes do país, com destaque para ALN, COLINA, MR-8, VPR, PCBR e Ala Vermelha, dentre outras. É, sem dúvidas, uma inovadora contribuição para o estudo da história política recente do Brasil.


GUAYASAMÍN CRESPO, Igor. Wimbí: del oro al agua helada: la identidad afroecuatoriana del norte de Esmeraldas bordeando la modernidad en el siglo XXI. Quito: Abya Yala, Universidad Politécnica Salesiana: FLACSO Ecuador, 2011.

Sinopse: Este estudio es una etnografía realizada en la comunidad afroecuatoriana Cinco de Junio, Wimbí, ubicada al norte de la provincia de Esmeraldas. Procurando identificar los rasgos identitarios que caracterizan a esta comunidad se indagó en los cambios culturales producidos a partir de la llegada de ciertos elementos de la modernidad entre los años 1997 y 2007. Este trabajo plantea que la incorporación paulatina de algunos elementos asociados a la modernidad provoca cambios culturales y genera nuevos rasgos identitarios en los pobladores de Wimbí, en especial, en las prácticas rituales, y en las formas de parentesco y de movilidad; mientras que los componentes de territorio, raza y religiosidad, siguen siendo fundamentales en la identidad de esta comunidad.


VENANCIO, Ana Teresa A. (Org.). O asilo e a cidade: histórias da Colônia Juliano Moreira. Rio de Janeiro: Garamond, 2015.

Sinopse: Este livro reúne resultados de pesquisas produzidas no âmbito das ciências sociais sobre as transformações do espaço físico e social da Colônia Juliano Moreira, instituição voltada para a assistência psiquiátrica, considerando-se sua participação na vida urbana e no imaginário social sobre a cidade do Rio de Janeiro e a loucura.








ARAÚJO, Carolina (Org.). Verdade e espetáculo: Platão e a questão do ser. Rio de Janeiro: 7Letras, 2014.

Sinopse: Como conhecer a felicidade, a verdade e descobrir aquilo que nos afasta do erro, nos faz feliz e a todos os que nos cercam? Carolina Araújo reúne em Verdade e espetáculo textos que analisam como Platão desenvolveu seus argumentos no clássico A República para responder a essas questões essenciais da existência humana. Quatro especialistas em filosofia platônica apresentam perspectivas diferentes sobre um pequeno trecho do quinto livro, ainda hoje considerado polêmico. Na pequena passagem, Platão aponta a necessidade de os filósofos governarem a cidade – ou os reis filosofarem genuinamente – defendendo a unidade entre poder e filosofia. A resposta que Platão dá se torna complexa quando toca na “questão do ser”. Se para o autor grego o objeto que o filósofo deseja, busca e conhece é o ser, entramos num delicado terreno, já que o “ser” como objeto apresenta certa obscuridade – causa dos debates intermináveis que o trecho inspira. Verdade e espetáculo propõe que o leitor “se engaje na interpretação, concordando, rejeitando, refletindo, objetando, maravilhando-se, enfim, realizando ele mesmo a tarefa da filosofia”, como explica a organizadora.


MOTA, Murilo Peixoto da. Ao sair do armário, entrei na velhice: homossexualidade masculina e o curso da vida. Rio de Janeiro: Mobile, 2014.

Sinopse: O tema homossexualidade tem sido amplamente debatido nos últimos meses: seja na novela do horário nobre da emissora de TV líder de audiência no país, seja no questionamento acerca da postura dos candidatos eleitorais diante do assunto. Assim, audaciosamente, o sociólogo Murilo Peixoto da Mota aborda a questão, muitas vezes incipiente e invisível, daqueles chamados gays velhos no livro Ao sair do armário, entrei na velhice: Homossexualidade masculina e o curso da vida.






IAMAMOTO, Marilda Villela. El servicio social en la contemporaneidad: trabajo y formación profesional. São Paulo: Cortez, 2003.

Sinopse: Este libro configura una extensa, nueva e inquietante agenda de cuestiones para el trabajo y para la formación profesional del asistente social, dimensiones complementarias en la inserción de la profesión en la historia contemporánea.










BEHRING, Elaine Rossetti (Org.). Trabalho e seguridade social: percursos e dilemas. Trabalho e seguridade social: percursos e dilemas.

Sinopse: Dentre as publicações existentes, o diferencial deste livro é a pluralidade das abordagens e o desvelamento de questões presentes no cotidiano da política pública brasileira, tais como: a relação entre acumulação e vida urbana, o antagonismo entre as lógicas da produção capitalista e da educação, os novos contornos das políticas da juventude e da assistência social e a (re)semantização das políticas voltadas para os pobres etc.







MARINHO, Danilo Nolasco C. (Org.). Políticas públicas de emprego no Brasil: avaliação externa do Programa Seguro-Desemprego. Brasília: Verbis, 2010.

Sinopse: Estuda as diversas ações do governo no sentido de proteger o trabalhador desempregado. Avalia amplamente o Programa Seguro-Desemprego, bem como o Plano Nacional de Qualificação. Há também um estudo sobre a Carteira de Trabalho e Previdência Social. Fonte: a obra.









TAQUETTE, Stella R. Homossexualidade e adolescência sob a ótica da saúde. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2015.

Sinopse: Um tema relevante e pouco explorado, tratado sob o ponto de vista da saúde, é apresentado de maneira clara e didática. Além de conceitos teóricos, necessários para a compreensão adequada da sexualidade, dos problemas da saúde e da importância da educação para prevenção, são apresentados dados revelados por pesquisas sobre tópicos como homofobia, DST e HIV/Aids, que envolveram adolescentes. Uma abordagem ligada à produção de sentidos sobre as vivências e às experiências da vida, que torna essa obra uma leitura obrigatória para todos aqueles que constroem seu saber nas diversidades da vida, no respeito às diferenças e na escuta do outro.




CARLONI, Karla Guilherme. Marechal Lott, a opção das esquerdas: uma biografia política. Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

Sinopse: Reconstruir a vida militar e política de Lott e dos que transitaram em sua órbita possibilita acessar o espírito de uma época e, sobretudo, a compreensão do período que antecede ao golpe Civil-Militar de 1964. Foi na década de 1950 que o marechal despontou na política brasileira e virou símbolo da união entre trabalhadores e soldados, sob a bandeira do nacionalismo das esquerdas – cultura política que reuniu aspirações de uma sociedade economicamente desenvolvida e menos desigual. Este livro tem como compromisso revelar a identidade política e social da esquerda militar e o seu importante papel na história recente do Brasil.




HANDFAS, Anita (Org.). Conhecimento escolar e ensino de sociologia: instituições, práticas e percepções. Rio de Janeiro: 7Letras, 2015.

Sinopse: A obra reúne resultados de pesquisas empíricas sobre a Sociologia. Seus 20 artigos abordam a dimensão institucional da disciplina, apresentam um amplo mosaico histórico e teórico de seu campo disciplinar e as principais tendências do ensino de Sociologia na educação básica no Brasil. É uma coletânea que ocupará um lugar de destaque na bibliografia pedagógica brasileira.








PAIXÃO, Marcelo J. P. Manifesto anti-racista: idéias em prol de uma utopia chamada Brasil. Rio de Janeiro: DP&A: LPP/UERJ, 2006.

Sinopse: O 'Manifesto Anti-racista' foi elaborado em 2004 como uma contribuição para a I Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial, que se realizou no ano seguinte. Aqui, o leitor, e o militante do movimento negro, encontra diversas formulações teóricas e empíricas acerca da luta anti-racista no Brasil e no mundo.









MAGALHÃES, Mário. Marighella: o guerrilheiro que incendiou o mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Sinopse: A narrativa percorre a vida, a obra e a militância de Marighella, que foi deputado federal, poeta e estrategista da guerrilha no Brasil. Passagens pela prisão, resistência à tortura, assaltos a bancos (e a um trem pagador), tiroteios, espionagem internacional, tudo é apresentado em ritmo de thriller, com revelações desconcertantes. A biografia de Carlos Marighella (1911-69) é também um livro sobre a história política entre as décadas de 1930 e 60. Por isso, figuras como Fidel Castro, Getúlio Vargas, Carlos Lamarca, João Goulart, Che Guevara, Luiz Carlos Prestes, Carlos Lacerda e Olga Benario aparecem como coadjuvantes de luxo. Vigiado pela CIA e monitorado pelo KGB, Marighella conseguiu se manter ativo ao longo de seus quase quarenta anos de militância, mesmo quando procurado internacionalmente.


VIANNA, Luiz Werneck. De um plano Collor a outro: estudo de conjuntura. Rio de Janeiro: Revan, 1991.

Sinopse: Este livro percorre a trajetória do ex-presidente da República, desde a campanha eleitoral até a edição do Plano Collor II, no início de 1991. As propostas iniciais do governo, o "confisco" da poupança, a pretendida derrota da inflação; o intervencionismo do Estado, o centralismo, a posição dos empresários e dos sindicatos; o conflito entre democracias e autoritarismo; as contradições do governo; as eleições para governadores, senadores e deputados em 1990; e a adoção do Plano Collor II são temas principais dos ensaios de Luiz Werneck Vianna. Analisando, praticamente mês a mês, a trajetória de Collor, o autor mostra como o projeto de reformas neoliberais do governo precisou adquirir uma nova forma ante a reaproximação da crise de governabilidade do país. Mais uma vez ocorre, segundo o autor, um curioso movimento circular da conjuntura brasileira, que parte da tentativa de uma fração das elites de romper com a tradição e evolui para o seu apaziguamento com ela. Fechando o livro, Luiz Werneck Vianna oferece ao leitor uma teoria sobre análise de conjuntura, lembrando que ator, ação, interesse (paixões) e tempo são as dimensões analíticas da conjuntura – momento e circunstância em que os homens fazem história.


HABERMAS, Jürgen. Teoria do agir comunicativo. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012. 2v.

Sinopse: Nesta obra, Habermas discute três áreas temáticas do agir comunicativo: o conceito da racionalidade comunicativa; uma concepção de sociedade em dois níveis, capaz de amarrar, entre si, o paradigma da ação e o do sistema; e uma abordagem teórica, que tenta explicar os paradoxos da modernidade subordinando o mundo da vida, já estruturado do ponto de vista comunicativo, aos sistemas de ação imperativos, emancipados e formalmente organizados.







SCHOPENHAUER, Arthur. A arte de conhecer a si mesmo. São Paulo: WMF Martins Fontes, c2013.

Sinopse: Schopenhauer não escondera de amigos e seguidores a existência de um manual zelosamente guardado que costumava chamar de Eis heuatón - como as célebres memórias de Marco Aurélio. Depois de sua morte, o executor testamentário, Willen von Gwinner as utilizara para escrever uma biografia do filósofo. Iniciado em 1821 e continuado nas décadas seguintes, este 'livro secreto' era constituído provavelmente por mais ou menos trinta páginas repletas de anotações autobiográficas, recordações, reflexões, normas de comportamento, máximas e citações que Schopenhauer registrara como aquilo que era mais importante para ele, como uma espécie de essência de sua própria sabedoria de vida: as regras de uma arte de conhecer a si mesmo e, ao mesmo tempo, tornar menos difícil a convivência com os outros e a orientação no mundo.


DURSCHMIED, Erik. Como a natureza mudou a história. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

Sinopse: 'Como a natureza mudou a História' mostra como os insondáveis fenômenos atmosféricos mudaram batalhas, fizeram historia e cobraram caro em vida e sofrimento. Desde um tufão dizimando a frota que invadiria o Japão, no século XIII, ao frio que congelou os panzers alemãs na Segunda Guerra mundial, o texto de Erik Durchmied leva o leitor às batalhas dedicadas mais pelo clima do que pela coragem ou a estratégia.







KOURY, Mauro Guilherme Pinheiro. Sociologia da emoção: o Brasil urbano sob a ótica do luto. Petrópolis: Vozes, 2003.

Sinopse: O livro analisa os processos e mudanças comportamentais por que passou e continua a passar a classe média brasileira dentro da sociedade. A base da análise é o ritual do sofrimento e as representações sociais do processo de luto. O trabalho é parte de uma ampla pesquisa sobre as representações e o imaginário da população urbana de classe média, das mudanças e permanências dos hábitos, costumes e rituais do luto no Brasil do início do século XXI.







KHANNA, Parag. O segundo mundo: impérios e influência na nova ordem global: Estados Unidos, China e União Européia e a estratégica pela conquista das nações emergentes. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2008.

Sinopse: Ambiciosas tentativas de explicar as interações da geopolítica do século XXI têm ficado aquém das expectativas. O jovem acadêmico Parag Khanna, consultor de política externa da campanha de Barack Obama, eleito uma das 75 pessoas mais influentes pela revista Esquire, conduz os leitores por uma viagem. Mostra como a era de hegemonia dos Estados Unidos foi substituída por outro padrão, em que a União Européia e a China competem com os EUA na modelagem da ordem mundial. O autor analisa as estratégias dessas três grandes potências pela conquista das nações emergentes, aquelas que servem de fiel da balança num mundo multipolar, cujas decisões podem alterar o equilíbrio global de poder.



NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Além do bem e do mal: prelúdio de uma filosofia do futuro. São Paulo: Lafonte, 2012.

Sinopse: 'Além do Bem e do Mal' poderia ser traduzido como Para além do bem e do mal, ou, como alguns querem, Para além de qualquer bem e de qualquer mal, ou ainda, Para além de bem e de mal. Seja como for, todos esses títulos retém a mesma ideia, ou seja, como dispor o homem e, em decorrência, a sociedade muito além desse bem e desse mal que a tradição, a religião, a sociedade organizada impôs ao homem, a cada um e a todos os membros em conjunto de uma comunidade. Por que bem e por que mal? Porque esses dois princípios, que o homem vislumbrou desde os primórdios da humanidade, sempre incomodaram o ser humano e sempre o deixaram perplexo, quando não desnorteado, ante essas duas forças antagônicas que, na realidade, não são forças, mas inclinação, pendor, tendência de vida, de existência, de atitude, de comportamento, de projeção de si frente ao outro.


LIPMAN, Matthew. A filosofia vai à escola. São Paulo: Summus, 1990.

Sinopse: O ensino da filosofia nas escolas de 1o. e 2o. graus é aqui defendido como uma forma de oferecer às crianças e aos jovens a oportunidade de discutir conceitos universais e desenvolver um espírito crítico e investigativo. Publicação fundamental no contexto brasileiro, onde a inserção da filosofia nos currículos escolares ainda é uma questão controvertida.








MAGNOLI, Demétrio. Liberdade versus igualdade, v.1: o mundo em desordem: 1914-1945. Rio de Janeiro: Record, 2011.

Sinopse: Nesta obra os autores apresentam fatos considerados importantes na história da primeira metade do século XX, como crises, assassinato em massa, políticas econômicas, redenção e superação. O ponto de vista utilizado pelos autores é baseado em dois princípios - liberdade e igualdade - surgidos na revolução francesa.








GIANNOTTI, Vito. Dicionário de politiquês. Rio de Janeiro: NPC Ed., 2010.

Sinopse: A publicação é um manual prático de linguagem para ser usado todos os dias por quem deseja se comunicar com muitas pessoas. São cerca de 3500 verbetes incompreensíveis traduzidos para a língua da grande maioria da população que não passou mais do que oito anos nos bancos escolares. “A ideia chave do Dicionário é que o intelectual, como o artista, para cumprir seu papel tem que estar onde o povo trabalhador está e efetivamente comunicar-se com ele”, afirma o educador Gaudêncio Frigotto na apresentação do livro.






ZINGANO, Marco Antonio. Platão & Aristóteles: o fascínio da filosofia. São Paulo: Odysseus, 2005.

Sinopse: Poucos pensadores influenciaram tanto o desenvolvimento da Ciência, desde os seus primórdios filosóficos até o presente. Sem dúvida, eles não eram cientistas no sentido moderno da palavra, pois não criaram fórmulas matemáticas para descrever os fenômenos naturais nem realizaram experimentos em laboratórios para testar as suas hipóteses. Mas dedicaram grande parte de sua obra ao estudo e à exploração metódica do mundo natural através da razão, tentando explicar a ordem e a desordem da Natureza através de padrões geométricos e argumentos intuitivos e lógicos. Neste volume, o autor conseguiu traduzir as idéias dos dois pensadores em uma linguagem acessível aos leitores de hoje.



SCISÍNIO, Alaôr Eduardo. Dicionário da escravidão. Rio de Janeiro: Léo Christiano Ed., 1997.

Sinopse: Por entre seus 2.000 verbetes, o leitor encontrará referências que vão do início do tráfico de escravos à abolição; da insubmissão às insurreições e quilombos (particularizando o de Palmares, com sua cronologia própria); das crenças ancestrais ao sincretismo religioso; das doenças à farmacopéia escrava e catimbó; dos usos, costumes e castigos à legislação; da culinária aos folguedos; da música às particularidades da alma inquebrável desses secularmente injustiçados construtores anônimos da riqueza nacional. Eles foram e são elemento preponderante no amálgama da nação brasileira.




TURINO, Célio. Na trilha de Macunaíma: ócio e trabalho na cidade. São Paulo: Ed. SENAC: SESC São Paulo, 2005.

Sinopse: O que lazer e trabalho têm a ver com Macunaíma, personagem título de Mário de Andrade? É por meio dessa surpreendente trilha que Célio Turino nos leva a uma reflexão ampla sobre a importância do ócio para uma vida mais gratificante e inteligente. Trata-se de uma leitura prazerosa, uma contribuição significativa para enriquecer as discussões sobre as políticas públicas de lazer nas metrópoles.







VILLASANTE, Tomás R. Redes e alternativas: estratégias e estilos criativos na complexidade social. Petropólis: Vozes, 2002.

Sinopse: Neste livro se analisam experiências concretas de participação cidadã em âmbito local e municipal. Não se oferecem alternativas acabadas ou singulares para as sociedades em crise. Mas ainda há caminhos a percorrer, com rigor com que se pretende construir a 'criatividade social'. Para este novo milênio que se inicia, que se mostra tão cheio de problemas, as mudanças civilizatórias precisam deste tipo de sistematização sobre as experiências mais inovadoras em andamento.






DIAS, Rosa Maria. Nietzsche, vida como obra de arte. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

Sinopse: Nesta biografia sobre Nietzsche, Rosa Dias propõe ao leitor não apenas levantar e explicar categorias, mas pensar junto com o filósofo alemão, tendo em vista um dos aspectos fundamentais de sua produção - a relação entre arte e vida. A 'Coleção Contemporânea' se propõe a tratar de temas contemporâneos nas áreas de Filosofia, Literatura e Artes.








CHALMERS, Douglas A. (Org.) The new politics of inequality in Latin America: rethinking participation and representation. Oxford: Oxford University Press, 1997.  

Sinopse: Against a broad backdrop of globalization and worldwide movement toward democracy, the essays in this important new collection examine the unfolding relationships among such phenomena as social change, equity, and democratic representation of the poor in nine different Latin American countries and Spain. Recent shifts in the composition of inequality and increases in overall disparities of wealth have coincided with governments turning away from historic redistributive politics, and also with the general weakening of political and social organizations traditionally identified with the "popular sectors." The contributors here suggest that the region must find not just short-term programs to alleviate poverty but long-term means to ensure the effective integration of the poor into political life. The book bridges the intellectual gap between studies of grassroots politics and explorations of elite politics and formal institution-building.


BEDIN, Gilmar Antonio. Os direitos do homem e o neoliberalismo. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 2002

Sinopse: A luta pelo respeito aos direitos do homem, juntamente com a questão da democracia e da paz, adquiriu extraordinária atualidade diante dos acontecimentos políticos dos últimos anos, em especial da falência da utopia comunista, da crise do welfare state e da emergência do neoliberalismo. Refletir portanto, sobre os pressupostos políticos dos direitos do homem, sobre o seu desenvolvimento histórico e sobre as suas condições e possibilidades de efetivação no contexto das sociedades complexas tornou-se uma questão urgente e necessária.





LIRA NETO. Getúlio: da volta pela consagração popular ao suicídio (1945-1954). São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

Sinopse: Lira Neto é um dos mais conceituados escritores brasileiros da atualidade. Vencedor três vezes do prêmio Jabuti na categoria biografia, ele está lançando o terceiro volume de sua trilogia sobre Getúlio Vargas, "Getúlio – da volta pela consagração popular ao suicídio, 1945-1954". "Esse projeto inteiro demorou cinco anos", comenta.








HARDMAN, Francisco Foot. Nem pátria, nem patrão!: memória operária, cultura e literatura no Brasil. São Paulo: Ed. UNESP, 2002.

Sinopse: Terceira edição revista e ampliada de um livro fundamental para pesquisas na área de história do trabalho e no campo das culturas entre operários. Desenvolve uma discussão crítica das contradições e problemas da existência de uma política cultural anarquista no Brasil. Estuda ainda a presença cultural do proletariado e das correntes libertárias no panorama literário pré-modernista da sociedade brasileira, mostrando os laços orgânicos entre a literatura social e o anarquismo.






NABUCO, Joaquim. O abolicionismo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

Sinopse: O Abolicionismo, de Joaquim Nabuco, é um livro engajado na causa abolicionista de forma moderada, um clássico do pensamento liberal à moda brasileira. O melhor do livro é o fato de Nabuco ter percebido a especificidade da escravidão brasileira em relação à norte-americana, salientando que, entre nós, ela não correspondia exatamente às hierarquias raciais.








ALMEIDA, Maria Luisa Nabinger de. A diplomacia brasileira no Prata: injúrias, motivos e pretextos, 1863-1865. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2009.

Sinopse: O livro A diplomacia brasileira no Prata: injúrias, motivos e pretextos (1863-1865), de autoria da historiadora e professora Maria Luisa Nabinger de Almeida, tem como objetivo oferecer uma versão sobre os acontecimentos que antecederam a Guerra do Paraguai, entre 1863 e 1865, livre das doutrinas ideológicas, dos mitos, preconceitos e tabus produzidos na historiografia sobre a Bacia do Rio da Prata. A autora buscou estabelecer as diferenças entre os argumentos ideológicos e políticos para os temas polêmicos sobre os acontecimentos no Prata, em meados do século XIX. 'O propósito do livro é apresentar uma nova versão à historiografia do Prata. É corrente junto ao senso comum e mesmo no meio acadêmico, ainda hoje, a convicção de valores sobre a política externa do Império brasileiro no Prata como uma suposta vocação para intervir nos países platinos, deixando-se de lado as análises das teorias e princípios do Direito Internacional Público na configuração política dos Estados modernos e da sociedade internacional na região', ressalta Maria Luisa.


HOPSTEIN, Graciela. A rebelião argentina: assembléias de bairro, piqueteros e empresas recuperadas. Rio de Janeiro: E-papers, 2007.

Sinopse: A Rebelião Argentina (editora E-papers, 2007), relê os acontecimentos que no Brasil ficou conhecido como o Panelaço. Os deslumbrantes protestos e conflitos insurrecionais de rua, ocorridos na Argentina entre os dias 19 e 20 de dezembro emergiram contra todo um conjunto de políticas neoliberais que colocaram o país em um agudo drama social desde o início da década de 90, exemplificados no aumento substantivo da pobreza (cerca de 40% da população), colapso das classes médias, que se vêem empobrecidas e descapitalizadas ou ainda o aumento dos processos de precarização e desocupação da força de trabalho nacional.




GONÇALVES, Hebe Signorini. Infância e violência no Brasil. Rio de Janeiro: NAU, 2003.

Sinopse: Neste livro, a autora procura discutir os desdobramentos dos conceitos de violência e de violência contra a criança do ponto de vista de suas implicações nos fatos sociais. Ao contrário de tantos trabalhos relevantes já produzidos pelo tema, a autora não se debruçou sobre os efeitos da violência sobre sujeitos singulares, mas antes sobre a violência contra a criança, confrontando-a com a cultura e os valores dos pais brasileiros, tão diversos da cultura e dos valores das sociedades onde a questão tem sido exaustivamente estudada.






GONZALEZ CASANOVA, Pablo. Exploração, colonialismo e luta pela democracia na América Latina. Petrópolis: Vozes, 2002.

Sinopse: As relações sociais de exploração, as estruturas do colonialismo interno e as lutas pela democracia são os pilares sobre os quais se estrutura a vasta produção intelectual de Pablo González Casanova. Uma produção teórica onde a rigorosidade analítica não esconde o compromisso político do autor com as lutas populares no Terceiro Mundo. Pablo González Casanova é, sem dúvida, um dos mais importantes sociólogos latino-americanos do século XX. No prefácio à presente obra, Marcos Roitman afirma com pertinência que Pablo González Casanova "não se apaixona de suas idéias; ele as desenvolve e as critica como parte indissolúvel do seu trabalho intelectual". Exploração, colonialismo e luta pela democracia na América Latina recolhe esta peculiaridade. Aqui, avançamos na compreensão das dinâmicas que definem as atuais relações sociais de exploração, percorremos a trama teórica que vai do conceito de colonialismo interno ao de colonialismo global e reconhecemos os múltiplos sentidos, os avanços e retrocessos das lutas pela democracia.


TUAZA CASTRO, Luis Alberto. La crisis del movimiento indígena ecuatoriano. Quito: FLACSO, 2011.

Sinopse: Este libro es un estudio del movimiento indígena ecuatoriano que analiza su contexto nacional en contraste con historias orales locales (provincia de Chimborazo); una reflexión sobre el trabajo de las ONG que recoge la visión de sus beneficiarios; una discusión de la organización indígena y su decadencia; una revisión de la participación política de las bases y la política de las comunidades en el período del gobierno de Rafael Correa. Todos estos elementos delimitan el principal aporte de trabajo: la discusión de la crisis del movimiento indígena desde la perspectiva de las bases del movimiento y su contexto.




AMARAL, Roberto. O papel do intelectual na política. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2005.

Sinopse: O papel do intelectual na política, de Roberto Amaral, reúne uma série de artigos, discursos e ensaios onde o autor, com conceitos claros e precisos, analisa e discute a responsabilidade do intelectual e dos homens de Ciências diante dos desafios com que se depara a humanidade.









NOVAES, Henrique T. (Org.) O retorno do caracol à sua concha: alienação e desalienação em associações de trabalhadores. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

Sinopse: Como deve se equacionar a produção das cooperativas com os imperativos destrutivos do mercado capitalista? Quais são os avanços e recuos nas lutas das fábricas recuperadas/ ocupadas, os limites e as possibilidades de desmercantilização num contexto onde tudo se transforma em mercadoria? Quais são as relações entre as forças produtivas, as relações sociais de produção e a necessidade do planejamento global numa possível e necessária transição para além do capital? Estas são algumas das questões centrais presentes neste livro que traz seis textos sobre o tema, explorando especialmente as contribuições diferenciadas de Paul Singer e de István Mészáros.




GUIMARÃES, Antonio Sérgio A. Tirando a máscara: ensaios sobre o racismo no Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

Sinopse: Resultado de três seminários sobre discriminação racial promovidos pela entidade norte-americana Southern Education Foundation (Atlanta) e o Institute for the Development of South Africa (Cidade do Cabo), além de instituições acadêmicas, governamentais e as principais organizações não-governamentais negras no Brasil, o livro 'Tirando a máscara - ensaios sobre o racismo no Brasi' trata de um tema que muitos brasileiros preferem ignorar ou negar: o racismo na "democracia racial".






MARABLE, Manning. Beyond black and white: transforming african-american politics. London: Verso, 1995

Sinopse: Beyond Black and White brilliantly dissects the politics of race and class in the US of the 1990s. Topics include: the Clarence Thomas-Anita Hill controversy; the factors behind the rise and fall of Jesse Jackson’s Rainbow Coalition: Benjamin Chavis and the conflicts within the NAAPC; and the national debate over affirmative action. Marable outlines the current debates in the black community between liberals, ‘Afrocentrists’, and the advocates of social transformation. He advances a political vision capable of drawing together minorities into a majority which can throw open the portals of power and govern in its own name.




SANTILLI, Paulo. Pemongon Patá: território Macuxi, rotas de conflito. São Paulo: Ed. UNESP, 2001.

Sinopse: Compreender a complexidade cultural dos povos e culturas indígenas que habitam a Amazônia é um desafio. Esta obra, boa parte baseada em pesquisa de campo, enfoca o conflito fundiário envolvendo os Macuxi, em Roraima, no período que vai da década de 1970 à de 1990. Permite, assim, uma discussão aprofundada sobre a ação das organizações indígenas para defender seus interesses e para formular projetos étnicos.







BUSTO DUTHURBURU, José Antonio del. Breve historia de los negros del Perú. Lima: Fondo Editorial del Congreso del Perú, 2001.

Sinopse: A partir de biografías, ritos y vocabularios, del Busto reconstruye la trama de la cultura de origen africano en el Perú. El autor reconoce en el ancestro africano el tercer ingrediente del mestizaje étnico nacional y desde ese punto de vista describe las relaciones establecidas por los negros con grupos blancos, criollos, indígenas y mestizos.








CHACON, Vamireh. Joaquim Nabuco: revolucionário conservador (sua filosofia política). Brasília: Senado Federal, 2000.

Sinopse: Além da análise dos textos de Nabuco, e da biografia escrita pela filha do autor estudado, Vamireh Chacon foi o primeiro a realizar pesquisa sistemática sobre a correspondência desse político e escritor brasileiro, que se encontra sob a guarda da Fundação Joaquim Nabuco, de Recife. Livro importante sobretudo para quem se interessa por Política e História.








GORENDER, Jacob. Brasil em preto e branco: o passado escravista que não passou. São Paulo: Ed. SENAC, 2000.

Sinopse: O autor analisa a influência do modo de produção escravista na formação do Brasil, responsável pelo caráter desigual e violento da nossa sociedade. Com aplicação e rigor, esse mestre do pensamento e da prática política há muitos anos se dedica a uma reavaliação não só de fatos recentes, como também de aspectos passados formadores da história nacional.








GOTT, Richard. In the shadow of the liberator: Hugo Chávez and the transformation of Venezuela. London: Verso, 2000.

Sinopse: In a first-hand report from Venezuela, veteran correspondent Richard Gott places the county’s controversial president in historical perspective. Examining Chavez’s plans and programmes and the support these attract, Gott argues that this unique experiment may prove a new way forward for Latin America.









TUAZA CASTRO, Luis Alberto. Runakunaka ashka shaikushka shinami rikurinkuna, ña mana tandanakunata munankunachu. Quito: FLACSO, 2011.

Sinopse: Este libro analiza la crisis organizacional del movimiento indígena ecuatoriano desde la mirada de las bases comunitarias, situadas en la parroquia Columbe de la provincia de Chimborazo, Ecuador. A lo largo de este estudio se constata que existe la situación de cansancio y decadencia de las organizaciones indígenas, en contraste con las experiencias organizativas fuertes y consolidadas que aparecen en los primeros años en que emerge el movimiento indígena y en la etapa de su consolidación en las décadas de los años ochenta y noventa del siglo pasado. Se estudia a las organizaciones de base, a los dirigentes, a los actores involucrados en los proyectos de desarrollo y en el proceso organizativo de los indígenas, el pensamiento político y la cultura de las comunidades, los impactos de las diversas iniciativas del desarrollo, la participación política y la relación de las organizaciones indígenas con el Gobierno de Rafael Correa tomando el caso de las comunidades indígenas de la parroquia Columbe en la provincia de Chimborazo.


MAZZEO, Antonio Carlos (Org.). Corações vermelhos: os comunistas brasileiros no século XX. São Paulo: Cortez, 2003.

Sinopse: Este livro faz um necessário balanço da política desenvolvida pelos comunistas, nas oito décadas que se sucederam desde a fundação do Partido Comunista, em março de 1922. Os textos aqui contidos, além de analisarem as positividades e as insuficiências do que podemos chamar de Weltanschauung comunista em nosso país, avaliam a contemporaneidade desse pensamento, assim como o enraizamento da cultura política comunista na sociedade nacional.







YOUNG, Robert. Desejo colonial: hibridismo em teoria, cultura e raça. São Paulo: Perspectiva, 2005.

Sinopse: Furtivamente - dissimulada e misturada no caldo cultural da repulsa e da aversão étnicas - emerge a atração e a obsessão do colonizador pelo outro, pela miscigenação e pelo prazer transgressor do sexo inter-racial. Nesse sentido, o livro de Robert J. C. Young, Desejo Colonial, que passa a integrar a coleção Estudos da editora Perspectiva, é um verdadeiro divisor de águas na análise das teorias que se propõem a estruturar cientificamente a questão. E o faz, na medida em que examina as relações humanas e sua complexidade étnica - aspectos quase sempre mantidos em discreta e casta penumbra - à luz das ligações intrínsecas e de suas manifestações extrínsecas entre raça e sexualidade, inclusive nas formulações mais atuais.



MAFFESOLI, Michel. La crise est dans nos têtes! Paris: Jacob-Duvernet, c2011.

Sinopse: La crise n'est pas dans les faits, mais dans nos têtes. Ce que nous appelons "crise" n'est rien d'autre que le retour du tragique dans notre vie quotidienne. Désormais, nous ne voulons plus perdre notre vie à la gagner. Le règne du qualitatif détrône le progrès et sa tyrannie du quantitatif, l'écologique destitue l'économique, la consumation remplace la consommation. Au regard du nouveau monde qui s'avance, la querelle des chiffres que se jettent au visage les savants s'apparente ainsi au vieux débat sur le sexe des anges. L'économie est seconde, le sociétal est premier. Fidèle à Durkheim qui nous apprend que la loi suit les moeurs, Michel Maffesoli nous enseigne que la crise économique n'est qu'une conséquence d'une mutation sociétale profonde et jouissive. En 19 chapitres incisifs, le sociologue brosse ainsi un portrait de l'époque qu'il nous invite à ne plus regarder de haut, mais de l'intérieur. Prophète de la postmodernité, il se livre à une anatomie de la société qu'il dissèque comme un grand corps plus vif que mort et avec un regard aussi tendre qu'éclairant.


SILVA, Consuelo Dores. The political economy of social policy. Belo Horizonte: Maza, 1995.

Sinopse: Selecionado pela Secretaria Municipal de Educação de Contagem – 2006 A partir de sua experiência pessoal e profissional, a autora Consuelo Dores Silva foi colhendo elementos para essa pesquisa que se realizaria formalmente a partir de 1989, como mestrado defendido junto à Faculdade de Educação da UFMG. Em quatro capítulos, Consuelo investiga o processo de formação da identidade, a escravidão e a resistência negras, o apelido como o nome da inferioridade, concluindo com a auto-representação, em que aborda temas como a identidade social, o olhar da criança negra sobre ela mesma, o negro e sua auto-representação e a construção de uma auto-imagem positiva.



BARRENECHEA, Miguel Angel de (Org.). Nietzsche e as ciências. Rio de Janeiro: 7Letras, 2011.

Sinopse: Para Nietzsche, arte e filoso fia são duas formas privilegiadas de interpretar a realidade. E as ciências? Qual o estatuto das ciências para quem fora um crítico veemente do “racionalismo socrático”, assim como do espírito cientí fico da Modernidade? Qual o valor das ciências? Qual o signi ficado delas para a existência concreta do homem? É importante esclarecer, desde a ótica nietzschiana, em que medida as ciências favorecem ou depreciam a vida. Essas e muitas outras questões deram lugar a este livro: Nietzsche e as ciências, uma coletânea que reúne as palestras apresentadas no Simpósio Internacional Assim falou Nietzsche, realizado na Unirio em 2009. A partir de diversas perspectivas, desde abordagens filosó ficas até interpretações realizadas à luz de várias ciências – História, Sociologia, Psicologia etc. –, realizou-se um amplo debate, trazendo à tona diferentes abordagens sobre as ciências, sustentadas por Nietzsche ao longo de sua obra.


FRIEDMAN, George. Os próximos 100 anos: uma previsão para o século XXI. Rio de Janeiro: Best Bussines, 2009.

Sinopse: Em 'Os próximos 100 anos', George Friedman traça um panorama histórico dos padrões geopolíticos contemporâneos e explora as principais tendências econômicas, sociais, políticas, culturais, militares e tecnológicas para oferecer ao leitor uma previsão lúcida das transformações pelas quais o mundo passará no século XXI.








RUIZ, Jefferson Lee de Souza. Direitos humanos e concepções contemporâneas. São Paulo: Cortez, 2014.

Sinopse: A luta por direitos é um momento da luta de classes, inserido na dinâmica histórica que nos leva da emancipação política à emancipação humana. A sociedade capitalista em sua face contemporânea nos coloca nos limites da barbárie, ameaçando os direitos conquistados, cinicamente denominados tal processo de flexibilização. O trabalho de Jefferson Lee constitui uma reflexão precisa e profunda sobre os direitos humanos e uma contribuição valorosa para estudantes, pesquisadores e militantes, do Serviço Social e de outras áreas do conhecimento.





BEDIN, Gilmar Antonio. A sociedade internacional e o século XXI: em busca da construção de uma ordem mundial justa e solidária. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 2001.

Sinopse: Sem desconhecer a influência da violência e do poder na conformação da sociedade internacional, o presente livro alicerça-se na possibilidade de solução pacífica dos conflitos internacionais, na perspectiva de integração entre os diversos povos do planeta, na hipótese de construção de uma ordem mundial justa e solidária e na efetivação de instituições políticas de alcance planetário.








HIDALGO, Cecilia. Etnografías de la muerte: rituales, desapariciones, VIH/SIDA y resignificación de la vida. Buenos Aires: CLACSO: Ediciones CICCUS, 2010.

Sinopse: La muerte llega siempre y llega para todos, como destino ineludible, universal e igualador. Es un hecho biológico, pero también social y cultural que marca y da sentido a nuestras vidas. Preguntarnos sobre la muerte es, sobre todo, preguntarnos sobre la vida. Es desde este lugar que el presente libro nos invita a pensar sus significados, el duelo, los rituales que operan desde ella y los procesos de resignificación de la vida que se producen en quienes se enfrentan cara a cara con la finitud. A través de relatos etnográficos, los autores nos convocan a ver la muerte como una construcción que se imbrica con la vida; vida y muerte, entonces, no como polos opuestos sino como pares complementarios y continuos. Este libro recorre diversos fenómenos que hacen a la cosntrucción socail de la muerte: la alta sensibilidad que tienen los rituales y prácticas alrededor de la muerte; los crímenes de lesa humanidad cometidos durante la última dictadura cívico-militar en Argentina (1976-1983), las implicancias simbólicas de la desaparición de personas; y las formas que adquiere la resignificación de la vida, luego de la muerte, como en el caso de la revisión de la obra de grandes pensadores ya muertos, o cuando ésta es una posibilidad real para sí mismos o para sus seres queridos, tal el caso de quienes conviven con VIH. Etnografías de la muerte nos ofrece una mirada reflexiva sobre las consecuencias de las experiencias con muerte en la historia argentina contemporánea. Varios antropólogos, un filósofo, una destacada militante y un artista excepcional suman sus visiones y perspectivas en comentarios críticos y creaciones plásticas de honda significación.


ROSENFIELD, Denis L. (Org.). Estado e política: a filosofia política de Hegel. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2003.

Sinopse: Apresenta-se neste novo volume da série Filosofia e Política a discussão de idéias e conceitos como violência, crise do Estado-nação, Direito Natural, totalitarismo e outros. Reunindo ensaios de autores brasileiros e estrangeiros, divulga a filosofia em seus mais variados aspectos, privilegiando nesse quinto número a relações de Estado e política segundo um dos maiores filósofos do Ocidente.








ROBICHAUX, David (Org.). Familia y diversidad en América Latina: estudios de casos. Buenos Aires: CLACSO, 2007.

Sinopse: Desde la antropología, la historia y la psicología (y con el empleo de diversos enfoques), los autores proporcionan estudios empíricos sobre familias y hogares de diferentes estratos y grupos sociales de Argentina, Brasil, Cuba, Chile, Guatemala, Nicaragua y México; en muchos casos, de aquellos que no representan el estereotipo de dichos países. Lejos de cubrir toda la gama de diferencias del continente, se espera que los aportes de las investigaciones presentadas en este libro (resultado, en su mayor parte, de la primera reunión del Grupo de Trabajo Familia e Infancia que tuvo lugar en Managua en julio de 2001) estimulen la discusión, la investigación y un mayor conocimiento de la familia y la infancia en todas sus variantes latinoamericanas y caribeñas.


LANDES, Ruth. A cidade das mulheres. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2002.

Sinopse: O livro de Landes é pioneiro na pesquisa etnográfica de gêneros no Brasil ao destacar o poder e a liderança de mulheres negras e homossexuais masculinos no candomblé.











POCHMANN, Marcio. "Era FHC": a regressão do trabalho. São Paulo: CES: A. Garibaldi, 2002.

Sinopse: Recorde de desemprego, corrosão dos salários, avanço da informalidade e desmonte da legislação trabalhista. Se os anos 80 marcaram a “década perdida” da economia, os anos 90 devem entrar para a história como a “década maldita” do ponto de vista do trabalho. Nunca os brasileiros foram tão violentados em suas formas de subsistência. A frágil regulação do trabalho erguida após 1930, na chamada “era Vargas”, sofreu brutal retrocesso na “era neoliberal”, iniciada por Fernando Collor e intensificada no reinado de FHC.






PACHANO, Simón. Calidad de la democracia e instituciones políticas en Bolívia, Ecuador y Perú. Quito: FLACSO, 2011.

Sinopse: La democracia ya cuenta con una historia propia en América Latina. Con avances y retrocesos, ha logrado afianzarse en la mayor parte de países del continente. Sin embargo, sus características y sus condiciones varían significativamente de uno a otro caso e, incluso, difieren a lo largo del tiempo en un mismo país. Por ello, el análisis de la calidad de la democracia se ha convertido en uno de los temas centrales de la ciencia política contemporánea, ya sea desde la perspectiva cuantitativa que pone énfasis en la medición de determinados indicadores, o bien desde la visión de procesos históricos de largo o mediano alcance en los que interactúan los diversos componentes del sistema político. Este libro, que es un ejercicio de política comparada, se adscribe a esta última versión, mediante la combinación del estudio de los elementos institucionales (partidos y sistemas de partidos, tipo de régimen, relación entre los poderes del Estado, distribución territorial del poder, entre otros) con los procesos políticos vividos desde la transición a la democracia en cada uno de los tres países estudiados. A partir de estos elementos, el autor busca identificar los diversos tipos de régimen que pueden configurarse entre la democracia y el autoritarismo y propone una clasificación basada en las capacidades de representación y de procesamiento del conflicto político.


ANGUS, Ian H. (Dis)figurations: discourse/critique/ethics. London: Verso, 2000.

Sinopse: There has been, over the last decades, a deep crisis in the models which, for a long time, have been central metaphors governing thought and research in the social sciences. The main symptom in this paradigmatic shift has been the increasing centrality of the 'discourse' approach in social theory. The philosophical implications of this shift have not, until now, been thoroughly explored. Ranging over the work of Heidegger and Gramsci, this philosophical exploration is not carried out by Angus as a purely analytical enterprise, but as a comprehensive attempt at rethinking the whole project of a critical philosophy.




HIDALGO, Paz, Ibrahim. Cuba, 1895-1898: contradicciones y disoluciones. La Habana: Centro de Estudios Martianos: Centro de Investigación y Desarrollo de la Cultura Cubana Juan Marinello, c1999.


Sinopse: Confusiones, desavenencias, unidades y complejidades en el mando militar y político durante la guerra de independencia son reflejadas en este libro de valor histórico.









BACELAR, Jeferson Afonso (Org.). Brasil, um país de negros? Rio de Janeiro: Pallas; Salvador: CEAO, 1999.

Sinopse: Dezoito artigos sobre a construção da identidade e políticas públicas para afrodescendentes, relação entre a Academia e a militância negra e afirmação cultural negra.











ATHIAS, Renato (Org.). Estudos indígenas: comparações, interpretações e políticas. São Paulo: Contexto, 2008.

Sinopse: Esta coletânea, intitulada Estudos indígenas: comparações, interpretações e políticas, reúne nove ensaios realizados por profissionais de várias regiões do país que defenderam suas dissertações e teses sobre populações tradicionais.









DAVIS, Darien J. Afro-brasileiros hoje. São Paulo: Summus, 2000.

Sinopse: Este livro é um diagnóstico estrangeiro a respeito da população negra no Brasil. O relato tem como base levantamentos demográficos, entrevistas, livros e artigos. Retrata a situação dos afro-brasileiros e demais brasileiros quanto aos índices de mortalidade infantil, educação, situação nas áreas rurais, emprego, violência policial, relacionando-os ao mito do Brasil como uma democracia racial.







ALMEIDA, Ney Luiz Teixeira de. Serviço social, trabalho e políticas públicas. São Paulo: Saraiva, 2012.

Sinopse: Este livro é, ele mesmo, um exemplo do que os autores apresentam, na última parte da obra, como sinal da maturidade do Serviço social no diálogo com a tradição marxista. Entre outros temas, a obra apresenta os dados recentes do mercado de trabalho dos assistentes sociais em tempos de reestruturação produtiva e neoliberalismo, e faz reflexões (densas e divergentes) acerca do Serviço social como trabalho ou como complexo ideológico, procurando indicar, nas palavras dos próprios autores, “caminhos que abram novas possibilidades de situar não apenas a forma concreta que assume a ação profissional, mas seu lugar nas disputas societárias”. Ao finalizar a leitura, percebemos que a preocupação em atender as demandas dos alunos não é uma retórica. Certamente, este é um livro que se preocupa com tais leitores, sem fazer rebaixamentos teóricos, mas reconhecendo o esforço vivenciado por todos os sujeitos que enfrentam dilemas e desafios de compreender o Serviço social brasileiro na atualidade. Por tudo isso, “Serviço Social, Trabalho e Políticas Públicas” é leitura obrigatória.


TEIXEIRA, Elenaldo Celso. O local e o global: limites e desafios da participação cidadã.São Paulo: Cortez, 2001.

Sinopse: O livro discute temas como a relação entre participação política e sociedade civil, mostrando o papel da participação no processo democrático, a participação cidadã na sociedade civil globalizada, entre outros.










DAGNINO, Evelina (Org.). Mobilização, participação e direitos. São Paulo: Contexto, 2007.

Sinopse: O IFP apresenta o segundo volume da Série Justiça e Desenvolvimento / IFP-FCC. A publicação permite ressaltar o fato de que pesquisadores/as de grupos sociais marginalizados podem contribuir de forma substancial para a discussão abalizada sobre a realidade social brasileira, acrescentando informações valiosas ao corpo disponível de conhecimento e trazendo novas perspectivas para o tratamento de questões fundamentais de grande importância para a sociedade como um todo.






WISSENBACH, Maria Cristina Cortez. Sonhos africanos, vivências ladinas: escravos e forros em São Paulo (1850-1880). São Paulo: HUCITEC, 1998.

Sinopse: O livro demonstra as formas de vidas escravas e forras no município de São Paulo da segunda metade do século. A pesquisa se baseia em processos criminais e normatizações da Justiça.







SOARES, Laura Tavares R. (Org.). Governo Lula: decifrando o enigma. São Paulo: Viramundo, 2004.

Sinopse: Este livro explica a partir de uma perspectiva crítica, os rumos e políticas aplicadas pelo primeiro governo originário da esquerda a atingir a presidência da República. Para decifrar o governo, o livro não se concentra nas fofocas políticas, na propaganda governamental ou no sobe e desce diário dos mercados financeiros para fazer esta análise, mas sim em dados concretos, nas propostas que estão sendo implantadas pelo governo e nas suas conseqüências para o país no curto e no longo prazo. Dividido em quatro partes: políticas e movimentos sociais; política nacional; política internacional e política econômica, aborda assuntos que vão da reforma da Previdência ao FMI, do Fome Zero as tensões internas do PT, da autonomia do Banco Central ao MST, do desemprego ao Mercosul, traçando um painel abrangente e esclarecedor das políticas públicas - das decepções às esperanças - deste início de governo Lula.


ROITMAN, Marcos. Pensar América Latina: el desarrollo de la sociologia latinoamericana. Buenos Aires: CLACSO, 2008.

Sinopse: En la lógica dominante prima el concepto de ser América Latina un receptáculo de las principales corrientes de las ciencias sociales del siglo XX. La realidad se encasilla en los postulados del neoliberalismo, la globalización, el pensamiento único, el fin de la historia o la gobernanza. ¿Modas, doctrinas, ideologías o propuestas políticas? Para recrear las categorías de análisis social y romper patrones del colonialismo cultural y del saber no podemos negar nuestros orígenes. Debemos escapar a la maldición que recorre nuestra América asentada en el criterio de inferioridad, de pueblos sin historia, de estados sin nación, de modernizaciones sin modernidad, de rechazo por lo propio. Queremos imitar y vivir siendo un calco de otras experiencias. Es el sinsentido de una razón extraviada. Por ello, es necesario reabrir el estudio de las escuelas y corrientes del pensamiento social latinoamericano. Las rupturas en las formas de actuar y pensar deben articular nuevos principios de explicación. Se trata de proponer otra lectura para enfrentar nuevos retos y resolver viejas preguntas.


SANTOS, Boaventura de Sousa. A globalização e as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2002.

Sinopse: Neste livro, Boaventura de Sousa Santos coloca como tema central o impacto da globalização neoliberal nas sociedades semiperiféricas e nas ciências sociais que produziram a identidade econômica, política, social e cultural dessas sociedades.











BORDIN, Luigi. Marxismo e teologia da libertação. Rio de Janeiro: Dois Pontos, 1987.

Sinopse: A religião é ainda aquele baluarte do obscurantismo e do conservantismo que Marx e Engels denunciaram no século XIX? A resposta é, em grande parte, sim. Essa ótica permanece aplicável a certos círculos dirigentes do Vaticano, às correntes integrantes das principais confissões (cristã, judia ou mulçumana), a numerosos grupos de evangélicos e a maioria das seitas religiosas - das quais algumas não são senão uma hábil mistura de manipulação financeira, de lavagem obscurantista de cérebro e de anticomunismo fanático. Entretanto, a emergência do cristianismo revolucionário e da teologia da libertação na América Latina abre um novo capítulo histórico e coloca questões novas e estimulantes às quais não se pode responder sem renovar a análise marxista da religião.


ARANTES, Paulo. Extinção. São Paulo: Boitempo, 2007.

Sinopse: Este livro do filósofo Paulo Arantes reúne escritos em que o autor destrincha as entranhas do imperialismo norte-americano - Guerra ao terror, ataques preventivos, tortura terceirizada, guerra high-tech, petróleo e dinheiro - e o que ele aponta como o colapso do petismo no Brasil. Cortante, irônico, ágil e provocador, os textos descortinam, sem meias palavras ou concessões, as mistificações de intelectuais que justificam a barbárie e as ilusões conciliadoras de alguns grupos de esquerda. A falência do governo Lula - sobre o qual dizer que acabou não deixa de ser um exagero piedoso, pois supõe que em algum momento ele tenha começado - é, para Arantes, uma entre várias extinções - das idéias, das opções, da política, da vida.



SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: "um discurso sobre as ciências" revisado. São Paulo: Cortez, 2004.

Sinopse: Qual é a relação entre o conhecimento científico e a realidade que ele pretende conhecer? O conhecimento científico representa, descobre, cria ou inventa a realidade que pretende conhecer? Quais os critérios por que se afere a adequação ou a correcção dessa relação? O conhecimento científico aspira à verdade, à eficácia, à verossimilhança, à coerência, à referencialidade? Se as verdades científicas de um dado momento histórico têm sido refutadas em momentos posteriores, há algo mais na verdade do que a história da verdade? O modo como a ciência está organizada e o modo como se realiza na prática interfere no tipo e na validade do conhecimento que se produz? Quais as relações entre a ciência e outras formas de conhecimento? Qual o verdadeiro papel do conhecimento científico? Como devem interagir os cientistas com o "resto da sociedade" nos processos de decisão? Estas são algumas das questões analisadas neste livro.


BENGOA, José. La emergencia indígena en América Latina. Santiago: Fondo de Cultura Económica, 2000.

Sinopse: Desde su publicación en el año 2000 La emergencia indígena en América Latina de José Bengoa ha puesto en el centro del debate académico y político un tema que –a pesar de su relevancia– ha figurado como marginal en el contexto de los nuevos gobiernos democráticos y la reactivación económica que han caracterizado a la mayoría de los países de la región durante las últimas décadas.








CARONE, Edgard. Socialismo e anarquismo no início do século. Petrópolis: Vozes, 1996.

Sinopse: Estuda-se aqui a história dos movimentos socialistas e anarquistas do último quartel do século XIX e começo do XX. Diante dos olhos dos leitores desfilam figuras que marcaram a história européia no século XIX e se apresentam ideias, como os sonhos socialistas e anseios anarquistas, que marcaram a trajetória dos europeus. Mas a sua influência também se faria sentir no Brasil, graças aos imigrantes que aqui aportaram no mesmo período.






PAMPLONA, Marco A. (Org.). Revoluções de independências e nacionalismos nas Américas: Região do Prata e Chile. São Paulo: Paz e Terra, 2007.      

Sinopse: Este é o primeiro volume da Coleção Margens da América Latina e ocupa-se da área do antigo Vice-reino do Prata (que abrange atualmente Argentina, Uruguai e Chile). A proposta desta coleção é abordar tópicos do âmbito da história cultural, política e intelectual desenvolvida em diversos países da América Latina, que possam ser trabalhados numa perspectiva comparada. Valorizando a riqueza das diferenças encontradas, ou, as margens existentes entre as várias sociedades dessa América Latina.





ARRUDA, Gilmar. Cidades e sertões: entre a história e a memória. São Paulo: EDUSC, 2000.

Sinopse: Há uma tendência brasileira em tratar negativamente os espaços não apresentados como urbanos. Gilmar Arruda investiga muito bem, por que o interior não urbanizado do País fora descrito (adjetivos que permanecem ainda em determinadas situações), como: incivilizado, atrasado e habitado por pessoas inferiores as escalas sociais estabelecidas. Por que em determinados momentos os discursos buscam “recuperar”, resgatar, arrumar ou modernizar os territórios considerados Sertões? Em quais contextos é comum escutarmos que a burocracia brasileira não possui simpatia pela proposta de “interiorizar-se”, preferindo o litoral, sejam eles juízes, políticos, funcionários de alto escalão ou professores do magistério, repetindo a concentração qual ‘caranguejos’ em torno da praia e com as costas para o interior, na conhecida expressão de Frei Vicente Salvador.


FRANCIS, Paulo. Trinta anos esta noite: 1964, o que vi e vivi.São Paulo: Francis, 2004.

Sinopse: Este é um relato pessoal do 1º de abril de 1964 e de como o Brasil chegou até aí, escrito exatos 30 anos depois da data em que os militares tomaram as ruas e o poder. Paulo Francis participou como jornalista e conheceu algumas pessoas que tiveram bastante a ver com aquele desfecho. Perguntou a amigos sobre nomes , ocorrências e alguns dados de que se sentia incerto de memória. Faz algumas referências ao período pós-1964, porque achou pertinentes, mas o evento que interessa é o antes e o durante. Dez anos depois de escrito, no 40º aniversário do golpe militar, este livro continua atual - de uma atualidade trágica: o grande futuro permanece implausível e o país, silenciosamente, só muda para que nada venha a mudar.



PAIXÃO, Marcelo J. P. Desenvolvimento humano e relações raciais. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

Sinopse: O livro 'Desenvolvimento Humano e Relações Raciais' é formado por uma coletânea de quatro artigos, no campo das relações raciais, escritos, entre 2000 e 2002, pelo professor Marcelo J. P. Paixão. Estes estudos cobrem o debate sobre as desigualdades sociorraciais no Brasil, com especial destaque para a pesquisa que desagregou o IDH de negros e brancos; um marco no aprofundamento da compreensão do abismo que separa as condições de vida de negros/as e brancos/as deste país.






RIDENTI, Marcelo. Política pra quê? : atuação partidária no Brasil contemporâneo. São Paulo: Saraiva, c2005.

Sinopse: Este livro faz um painel da política brasileira. Analisa os partidos no período democrático de 1946 a 1964, o bipartidarismo imposto pela ditadura de 1965 a 1979, e a volta do pluripartidarismo em 1980, seguido pelo retorno à democracia. A proposta é ressaltar a importância da participação política de todos, iluminando as alternativas políticas e as visões de mundo que lhes dão base. Ao traçar o histórico e as diversas conexões de influência dos partidos no país, Ridenti abre o horizonte de compreensão da política brasileira,retratando um Brasil que muitos não conhecem.





REYNAUD, Elisabeth. Teresa de Ávila ou o divino prazer. Rio de Janeiro: Record, 2001.

Sinopse: A convocação dos amores impossíveis entre o corpo e o espírito forjou o carisma de Santa Teresa de Ávila. Uma das personagens mais cultuadas do cristianismo, ela transformou os conceitos de oração e meditação, no século XVI, em plena Inquisição, com suas experiências de êxtase místico. Os conhecimentos e o legado da jovem aristocrata espanhola, líder da reforma que restaurou a austeridade e o caráter contemplativo da ordem das carmelitas, levaram o papa Paulo VI a conceder-lhe o título de doutora da igreja, em 1970. Santa Teresa deixou uma obra de cinco mil páginas em forma de cartas, em prosa ou verso, em que se destacam O livro da vida, O caminho da perfeição, O castelo interior e Fundações, e um método completo de oração. Além de resgatar a história desta religiosa, Elisabeth Reynaud traça o retrato de uma época - à opulência da Espanha renascentista contrapõe a reprodução das desigualdades sociais nos mosteiros, relacionando os sistemas de dotes e o poder das famílias nobres na vida monástica - e recria as cenas dos sacrifícios nas fogueiras, destino dos falsos santos apanhados pelo Santo Ofício.


ALMEIDA, Maria Luisa Nabinger de. A ditadura salazarista: uma introdução. São Paulo: Mackenzie, 2014.

Sinopse: Apesar das controvérsias teórica e ideológica, é indubitável a natureza fascista do Estado Novo português, revelada durante os anos da ditadura salazarista. Sob as palavras de ordem da Legião e da Mocidade Portuguesas, a ditadura salazarista, tema deste livro, conheceu todos os matizes da antidemocracia e do anticomunismo para enaltecer a figura do ditador.








CONTRERAS, Carlos. Historia del Perú contemporáneo: desde las luchas por la independencia hasta el presente. Lima: Pontificia Universidad Católica del Perú: Universidad del Pacífico, Centro de Investigación: Instituto de Estudios Peruanos, 2000.

Sinopse: La historia del Perú de que se da cuenta en este libro es la de los últimos doscientos años, comenzando con los sucesos que condujeron a la independencia, y terminando con los avatares del país en el segundo decenio del siglo veintiuno. El eje organizador de la exposición son los proyectos de reforma del país que, aproximadamente, cada medio siglo, modificaron el perfil de la historia peruana y la pusieron en sintonía con los grandes procesos mundiales. Estos proyectos nacieron, por lo general, de una crítica a la situación del momento, haciendo un diagnóstico de los males y proponiendo las reformas que los remediasen. No siempre lograron convencer a la gente de la bondad de su alternativa, o no siempre contaron con las circunstancias propicias para su aplicación, pero cuando lo hicieron, culminaron en un conjunto de logros y fracasos que en este libro hemos procurado delinear con objetividad y cuidado.


FAZZI, Rita de Cássia. O drama racial de crianças brasileiras: socialização entre pares e preconceito. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

Sinopse: O tema central deste livro é o preconceito racial na infância. Entender como crianças, em suas relações entre si, constroem uma realidade preconceituosa é de fundamental importância para a compreensão da ordem racial desigual existente no Brasil. É este o objetivo deste trabalho: descobrir, em termos sociológicos, a teoria do preconceito racial, sugerida pela forma como as crianças observadas estão elaborando suas próprias experiências raciais. A conquista da igualdade racial passa pelo estudo dos mecanismos discriminatórios atuantes na sociedade brasileira.





LENS, Sidney. A fabricação do império americano: da Revolução ao Vietnã: uma história do imperialismo dos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

Sinopse: Em 1971, quando Sidney Lens estava escrevendo este livro, não era bem-educado falar sobre um império americano. A palavra imperialismo fazia parte de um vocabulário de pessoas de extrema esquerda. O mito dos Estados Unidos como uma nação antibelicosa, antiimperialista e anticolonialista foi sustentado durante décadas e assim o país se envolveu sistematicamente e teve grande influência na dinâmica política e cultural de outras nações. Três décadas depois, é uma realidade incontestável a condição de superpotência dos Estados Unidos e sua postura imperialista. Em A fabricação do império americano, o leitor irá conhecer a história de uma nação que conduziu mais de 160 guerras e outros empreendimentos militares ao mesmo tempo em que insistia em pregar a paz. Por meio deste imperialismo, declarado ou velado, os Estados Unidos sempre procuraram disseminar sua influência e poder por todo o mundo.


LEITE, José Corrêa. Fórum social mundial: a história de uma invenção política. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Ábramo, 2003.

Sinopse: O Fórum Social Mundial é uma das grandes inovações políticas do início do século XXI, o lugar em que o movimento global que acredita que “o mundo não é uma mercadoria” e que “um outro mundo é possível” se encontra e articula suas lutas através de um método inovador. Este livro conta a história das lutas e do processo que levaram ao surgimento desse novo e fundamental ator na cena mundial.






TUCHMAN, Barbara Wertheim. Canhões de agosto. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1998.

Sinopse: Clássico da história de nosso tempo, "Canhões de Agosto" mostra como os primeiros dias do conflito mundial de 1914 foram decisivos para o mundo, ao definir os rumos da guerra, os termos da paz e a geografia política das nações deste século. Consagrada pela crítica e aclamada pelo público, a americana Barbara Tuchman é capaz de transformar a história numa brilhante narrativa literária. Cenas de batalha, questões estratégicas, ascenção e queda de personalidades poderosas: este é o cenário envolvente de "Canhões de Agosto", vencedor do Prêmio Pulitzer de 1963.





LEHER, Roberto (Org.). Pensamento crítico e movimentos sociais: diálogos para uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 2005.

Sinopse: O presente livro pretende ser uma obra aberta ao tempo capaz de dialogar com os protagonistas das lutas que forjam a sociedade do futuro, socializando reflexões realizadas por destacados intelectuais-militantes da esquerda que têm-se dedicado a tornar pensável as lutas e os conflitos que transformam sobretudo a América Latina. Embora tenha como propósito incitar o debate sobre o método e a teoria, tarefas cruciais para as lutas socialistas, critica a pretensão arrogante de que cabe à vanguarda ilustrada elaborar manuais que orientem as lutas do presente, como um oráculo que adivinhará os rumos da história. O objetivo principal desta obra é realizar um trabalho de formação que sirva como ponto de partida para a construção de prática políticas e novas referências teóricas capazes de nortear a ação dos sujeitos que protagonizam as lutas em favor do socialismo, da cidadania e da liberdade.


IPANEMA, Cybelle de. História da Ilha do Governador. Rio de Janeiro: M. de Ipanema, 1991.

Sinopse: O livro História da Ilha do Governador retrata essa área do município do Rio de Janeiro desde a sua revelação ao mundo, no contexto das grandes descobertas, até a realidade sociocultural atual.











TAFNER, Paulo (Org.). Previdência no Brasil: debates, dilemas e escolhas. Rio de Janeiro: IPEA, 2007.

Sinopse: O livro oferece diversas dimensões da vida econômica e social que afetam ou são afetadas pelo sistema previdenciário brasileiro. A proposta é, basicamente, refletir sobre os temas atuais que coabitam com a questão da previdência social e, a partir daí, propor políticas futuras para mudanças e aprimoramentos. Quinze especialistas analisam as inadequações do sistema previdenciário brasileiro, propondo soluções viáveis para cada problema apontado. O livro traz reflexões teóricas, o histórico da previdência no Brasil, além de comparações com os modelos vigentes em outros países, sua evolução e os resultados obtidos a partir de diversas transformações experimentadas mundo afora. Propõe-se uma reforma gradual, com carência antes das primeiras mudanças de parâmetros, evitando uma corrida rumo à aposentadoria e preservando direitos adquiridos.


ROLLAND, Denis (Org.). Intelectuais: sociedade e política, Brasil-França. São Paulo: Cortez, 2003.

Sinopse: O livro compõe-se de três partes: I. Intelectuais franceses e pensamento social brasileiro - século XIX, II. Estado Novo e os intelectuais como protagonistas políticos, e III. Intelectuais: pensamento e ação política de esquerda.










AQUINO, Rubim Santos Leão de. Brasil, uma história popular. Rio de Janeiro: Record, 2003.

Sinopse: O livro traz uma importante reflexão sobre o verdadeiro sentido de nossa independência política, demonstrando o quanto ainda somos colonizados economicamente. Elaborado de forma didática e bem documentado, o livro coroa o esforço empreendido pelo mestre Rubim Aquino de conscientizar diversas gerações de jovens brasileiros, contribuindo para a construção de um país mais justo e solidário.








LEITE, Lígia Chiappini Moraes (Org.). Brasil, país do passado? São Paulo: Edusp: Boitempo, 2000.

Sinopse: O título parece uma provocação. Mas, longe disso, Brasil país do passado? É uma reflexão coletiva sobre os destinos do Brasil, tendo como ponto de partida o clássico Brasil, país do futuro, escrito em 1941 por Stefan Zweig em seu exílio tropical. Os autores fazem aqui um inventário das principais idéias de Antono callado, Betinho, Darcy Ribeiro, João Antonio, Paulo Freire e Paulo Francis, seis intelectuais que tiveram em comum uma intensa militância teórica e prática contra a ditadura, mas que tomaram rumos os mais diversos depois da chamada abertura democrática. Escrito por brasileiros e europeus, expondo assim o confronto de olhares entre os de dentro e os de fora, este livro desperta para questões da maior atualidade como: sendo o Brasil um país do futuro, o futuro é para quem? Onde fica o presente? Quem luta para livrá-lo do peso de um passado colonial e quais as alternativas de vida futura para a maioria que aqui mal sobrevive?


JUMA, Calestous (Org.). Para abrir as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 1996.

Sinopse: O Relatório começa por analisar a construção e evolução histórica das ciências sociais, como formas de conhecimento, bem como as razões do processo de divisão em disciplinas específicas, relativamente bem estabelecidas, que decorreu entre finais do século XVIII e 1945. Seguidamente, aborda o modo como os acontecimentos, à escala mundial, vieram questionar, a partir de 1945, esta divisão intelectual do trabalho e se reiniciaram movimentações, com vista a transformar a estruturação organizacional criada no período anterior. O Relatório prossegue, então, na elucidação das questões intelectuais básicas, que têm sido o fulcro de intensas discussões na actualidade. Termina com uma reflexão sobre os modos de possível reestruturação inteligente das ciências sociais, à luz desta evolução e dos debates recentes.


MANNHEIM, Karl. Sociologia da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2001.

Sinopse: A Sociologia da Cultura vem a ser uma extensão da Sociologia do Conhecimento, disciplina fundada por Karl Mannheim que se aplica a compreender os intrincados mecanismos entre pensamento e situação social. O estudo da gênese social da epistemologia procura a dimensão social dos processos mentais sem todavia pretender que a totalidade da experiência humana se esgote nas categorias sociológicas. Já a Sociologia da Cultura visa abarcar não apenas o pensamento discursivo como também a gama inteira da expressão simbólica, incluindo a arte e religião. Os três ensaios do atual volume representam um novo passo e uma direção nova em relação às preocupações básicas do sociólogo alemão. O primeiro discute dois enfoques alternativos para o estudo sociológico do processo cultural; o segundo examina em detalhe uma questão particularmente relevante: a emergência da intelligentsia como estrato social. No terceiro, finalmente, é analisado o efeito da democratização e do igualitarismo, para a criatividade, na cultura contemporânea, tema este fundamental na avaliação e compreensão do mundo de hoje.


GUERRA, Yolanda. A instrumentalidade do serviço social. São Paulo: Cortez, 2011.

Sinopse: Amostra privilegiada do que se pode legitimamente aguardar da nova intelectualidade do Serviço Social do Brasil, A Instrumentalidade do Serviço Social é muito mais que representativo da continuidade - posta agora em patamar bem mais alto - com as melhores produções da vertente da "intenção de ruptura". É a prova cabal de que a inspiração ontológico-marxista, racionalista e dialética permanece como um indescartável eixo de criatividade no Serviço Social contemporâneo.






LAHIRE, Bernard. Retratos sociológicos: disposições e variações individuais. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Sinopse: Através de oito retratos sociológicos de pessoas longamente entrevistadas, esta obra evidencia, em várias oportunidades, temas muito diferentes: escola, família, trabalho, amigos, lazer e atividades culturais, esporte, alimentação, saúde, vestuário... O leitor descobre mulheres e homens em suas constâncias e suas variações e compreende melhor as razões de suas ações.







ACEVEDO MARIN, Rosa Elizabeth. Negros do Trombetas: guardiães de matas e rios. Belém: Editora Cejup,  1998.

Sinopse: As autoras trilharam as ações de resistência de um grupo étnico identificado enquanto formado por remanescentes de quilombos. Esses habitantes da região do Trombetas, chamados Filhos do Rio, fizeram do movimento de circulação das águas o pulso de sua existência e da memória social. A liberdade vigiada, em contínuo sobressalto, e o freio da natureza, os obrigaram a buscar outra alternativa: viver a liberdade condicionada, abaixo da última cachoeira, no rio manso, para desenvolver a vida material e recriar os símbolos de sua identidade atual. Com este estudo os autores pretendem contribuir à compreensão da dimensão política das lutas sociais que envolvem conflitos étnicos e territorialidades na Amazônia, os impactos dos grandes projetos minerais e hidrelétricos e as novas formas de exclusão que se ancoram no discurso ideológico da preservação ambiental.


TELLES, Vera da Silva. Pobreza e cidadania. São Paulo: Editora 34, 2001.

Sinopse: Nas duas últimas décadas, a pobreza no Brasil deu um salto qualitativo: transbordou dos campos a que sempre esteve tradicionalmente confinada - as franjas do mercado de trabalho, o submundo da economia informal, os confins do mundo rural, um Nordeste de pesada herança oligárquica - para apresentar-se no cerne mesmo de um processo de modernização que, paradoxalmente, renovava vários setores da economia. É esta face contraditória e persistente da pobreza contemporânea que Vera da Silva Telles desvenda nos cinco ensaios que compõem Pobreza e cidadania.





VELHO, Yvonne Maggie Alves. Guerra de Orixá: um estudo de ritual e conflito. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

Sinopse: Leitura obrigatória para todos que querem entender melhor as religiões afro-brasileiras e que se interessam pelo desenvolvimento da antropologia no Brasil, Guerra de Orixá narra a breve história de um terreiro de umbanda no Rio de Janeiro. Através desse estudo de caso aborda a cosmologia da umbanda, percebendo-a não apenas como crença mas como modo de vida. A presente edição desse clássico da antropologia, enriquecida por uma bibliografia vasta e atual, guia o leitor através de um universo cujas características são tão marcantes no cotidiano brasileiro.





ABRAMO, Laís Wendel. O resgate da dignidade: greve metalúrgica e subjetividade operária. Campinas: Ed. da Unicamp, 1999.

Sinopse: Nesse livro, a autora recupera a história de um movimento que conseguiu muito mais que as demandas expressas na reivindicação de aumento salarial e que expressou a reconquista da dignidade dos trabalhadores.










PINSKY, Jaime. A escravidão no Brasil. São Paulo: Contexto, 2000.

Sinopse: Texto objetivo e ágil, engajado e muito bem documentado, trata das questões centrais da História da escravidão no Brasil. Com mais de 80 mil exemplares vendidos, o livro de Jaime Pinsky aborda temas como o tráfico, a vida cotidiana dos escravos no trabalho e na senzala, a vida sexual e a resistência oferecida pelos negro contra a opressão. O autor, não aceita, contudo, a ideia, defendida por certos historiadores, de que a escravidão permitia relações harmoniosas entre senhores e escravos: no livro, ele revela o caráter cruel da escravidão e sua influência perversa na formação de nossa sociedade.





SCHOULTZ, Lars. Estados Unidos: poder e submissão: uma história da política norte-americana em relação à América Latina. Bauru: EDUSC, 2000.

Sinopse: Nesta abrangente história da política externa dos Estados Unidos em relação aos países "abaixo do Rio Grande", o cientista político e especialista em América Latina, Lars Schoultz demonstra que os políticos americanos sempre trataram a América Latina como um vizinho fundamentalmente inferior, incapaz de administrar seus problemas e "obstinadamente" subdesenvolvido. A percepção de inferioridade em relação aos vizinhos aparentemente vem desde o início da história americana. John Quincy Adams, sexto presidente americano (1825-1829) e o primeiro a estabelecer relações diplomáticas com a América Latina, acreditava que os hispânicos eram "preguiçosos, sujos, obscenos...um bando de porcos". No início do século XIX, John Adams, o segundo presidente americano (1797-1801), na condição de ex-presidente e conhecedor dos negócios internacionais, declarou que qualquer esforço para estabelecer a democracia na América Latina era "tão absurdo quanto tentar implantar a democracia entre pássaros, animais e peixes". Baseado em fontes documentais extraordinariamente ricas, Schoultz, um dos mais famosos especialistas americanos em América Latina, mostra como estas crenças básicas não mudaram nos últimos dois séculos. Os americanos teriam sempre agido baseados em seu interesse próprio e imbuídos de uma "missão civilizatória" - um auto-esforço abnegado de um povo superior em ajudar uma civilização inferior a superar seus defeitos. O ex-presidente William Howard Taft (1909-1913) por exemplo, achava que a maneira de atingir aquele objetivo era "bater as cabeças deles umas contra as outras até que parem de brigar e sejam capazes de manter a paz". Por outro lado, em 1959, o então diretor da CIA Allen Dulles, alertava que "os novos oficiais cubanos tinham que ser tratados mais ou menos como crianças". Shoultz demonstra que as políticas oficiais adotadas pelos Estados Unidos sempre refletiram estas convicções, profundamente arraigadas nas mentes de seus políticos. Ainda que hoje a correção política censure a expressão desses sentimentos, as ações dos Estados Unidos continuam a assumir a inferioridade política e cultural da América Latina. Para Schoultz, enquanto os Estados Unidos não reconhecerem seus vizinhos do sul como iguais, não terão condições de estabelecer uma aliança hemisférica construtiva.


GUÉHENNO, Jean-Marie. O futuro da liberdade: a democracia no mundo globalizado. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

Sinopse: A ambição democrática deve renunciar diante das pretensões do mercado? Os Estados-Nação vêm sofrendo a concorrência de novos atores (empresas, ONGs etc.). Mas, por isso, devemos abrir mão da esperança de inventar os cidadãos globalizados? Jean-Marie Guéhenno analisa os novos circuitos do poder na era digital e redefine os desafios de um debate democrático moderno. Num mundo onde a geografia já não conta tanto, as fronteiras não definem mais uma comunidade política, e a oposição entre interesses públicos e interesses privados deixa de ser suficiente para delimitar o território da política. Qual será o alicerce das comunidades do futuro? Entre a experiência americana de democracia, calcada em comunidades de escolha, e a experiência européia, ancorada em comunidades herdadas, o futuro da liberdade passa pela busca de um novo equilíbrio entre o contrato e a memória, entre a liberdade do indivíduo e a necessidade do cidadão de pertencer a uma comunidade.


BARREIRA, César (Org.). Sociologia e conhecimento: além das fronteiras. Porto Alegre: Tomo, 2006.

Sinopse: Os textos que compõem o presente volume – conferências integrantes do XI Congresso da SBS – conseguem, sem abrir mão dos requerimentos próprios à reflexão científica, responder com criatividade e qualidade às exigências de uma sociologia em sintonia com as demandas sociais, constituindo-se, desta forma, em subsídios relevantes para a análise e a compreensão da sociedade contemporânea, e, desta forma, poderiam ser pensados como propostas de uma agenda de pesquisa. O esforço de criatividade traduz-se em uma abertura consciente, bem definida e delimitada em direção à ultrapassagem das fronteiras do conhecimento. Pode-se dizer que, consolidado o campo e construída a identidade, a sociologia ousa, e o faz a partir da proposta de exacerbar a reflexão, caracterizando um claro movimento em direção à discussão da inter/ multi disciplinaridade, aí incluídos possibilidades, limites e desdobramentos.


PINHEIRO, Paulo Sérgio (Org.). São Paulo sem medo: um diagnóstico da violência urbana. Rio de Janeiro: Garamond, 1998.

Sinopse: O texto reúne os resultados, sob a forma de artigos e capítulos, do Seminário de mesmo nome, patrocinado simultaneamente pela Rede Globo, Fundação Roberto Marinho e Universidade de São Paulo, através do NEV/USP. Vários aspectos da violência foram abordados: o crescimento da violência e do crime urbanos, possíveis causas sociais, análises comparativas entre países, papel e desempenho das agências policiais na contenção do crime e do sistema judiciário na distribuição de sanções penais.







KUMAR, Krishan. Da sociedade pós-industrial à pós-moderna: novas teorias sobre o mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1997.

Sinopse: Modernidade e pós-modernidade são conceitos que circulam com facilidade nos dias de hoje, mas em geral seu uso demonstra incompreensão e imprecisão. Neste livro, Krishan Kumar situa essas ideias em seu contexto histórico, apresentando um quadro extremamente acessível e equilibrado dos três paradigmas do pensamento social contemporâneo: a ideia de sociedade de informação e as teorias do pós-fordismo e da pós-modernidade.







SILVA, Ilse Gomes. Democracia e participação na "reforma" do Estado. São Paulo: Cortez, 2003.

Sinopse: Na análise efetuada por Ilse Gomes Silva, o que antes parecia árido assunto para pretensos administradores do bem comum aparece como relação de poder que envolve os interesses de dominantes e dominados. O que estava isolado é reinserido em uma rica teia de determinações. E os que pareciam simples objetos da ação dos dominantes ressurgem como capazes de intervir conscientemente na feitura de seu próprio destino. Ao efetuar este processo de desvendamento, típico do que há de melhor na análise crítica, a autora examina algumas das principais questões da política contemporânea.





KRITSCH, Raquel (Org.). Oliveiros S. Ferreira: um pensador da política. São Paulo: Humanitas: FAPESP, 1999.

Sinopse: Este livro é fruto dos trabalhos apresentados no Seminário Acadêmico em Homenagem ao Prof. Oliveiros S. Ferreira, realizado em abril de 1999. O livro é composto de textos que abordam os vários aspectos da obra deste cientista político, com ênfase em questões como o Estado, hegemonia, o papel dos militares na política, a especificidade da formação latino-americana, o pensamento de Gramsci e Haya de la Torre, entre outros temas instigantes.







CASTELO, Rodrigo. Encruzilhadas da América Latina no século XXI. Rio de Janeiro: Pão e Rosas, 2010.

Sinopse: O livro está estruturado em duas partes - a primeira - Reforma, Revolução e Contrarrevolução na América Latina - agrupa artigos que tratam das estruturas econômicas e políticas e de movimentos sociais que emergiram na região após o neoliberalismo. Nela o leitor terá um painel dos principais acontecimentos históricos dos últimos 30 anos na América Latina, bem como uma análise profunda desses fatos. A segunda parte - Contribuições à Crítica do Novo-Desenvolvimentismo - está assentada na reunião de textos que apontam para uma revisão crítica da ideologia desenvolvimentista latino-americana, tanto na sua versão clássica quanto na contemporânea.



DAVIS, Darien J. Afro-brasileiros hoje. São Paulo: Summus, 2000

Sinopse: O livro compara afro-brasileiros e demais brasileiros quanto aos índices de mortalidade infantil, educação, situação nas áreas rurais, emprego, violência policial, relacionando-os ao mito do Brasil como uma democracia racial. É um diálogo político entre a Minoritty Rights Group International e o Geledés - Instituto da Mulher Negra.









RAMOS, Maria Helena Rauta (Org.). Metamorfoses sociais e políticas urbanas. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

Sinopse: Este livro aborda a relação nem sempre harmoniosa entre os mecanismos de ação do poder público no governo da ordem social e na organização do espaço produtivo e os efeitos que a tecnologia e a economia globalizada acarretam no sistema de produção e na sociedade. Distribuídos em dois eixos teóricos principais - globalização e metamorfoses sociais, e gestão e avaliação de políticas urbanas -, os textos aqui reunidos não se limitam a apenas tratar de modo distinto um mesmo tema, mas avançam por um amplo conjunto de pesquisas, oferecendo ao leitor um quadro abrangente de análise, um complexo teórico que torna possível identificar, em campos diversos de investigação, os pontos comuns que dão à nova ordem socioeconômica o caráter sistêmico em função do qual a menor transformação operada ressoa e repercute na totalidade. Pelo esforço investigativo das pesquisas acadêmicas que compõem este livro, e pelo fato de nenhum dos textos afastar-se da proposta principal que justifica compilá-los em uma obra única, fica comprovado que não é mais apropriado nem cientificamente correto analisar a ordem política e econômica, estabelecida pelas transformações tecnológicas e sociais, segundo as antigas restrições teóricas entre o geral e o particular, o global e o regional, o todo e a parte.


FERREIRA, Tânia. Os meninos e a rua: uma interpelação à psicanálise. Belo Horizonte: Fumec/Autêntica,  2001.

Sinopse: Baseado na experiência e na pesquisa da autora, este livro discute vários aspectos da vida de crianças e adolescentes com trajetória de vida na rua. Embora tendo na Psicanálise a mais importante interlocutora, a autora procura não permitir que este discurso mascare questões político-sociais responsáveis pela miséria com que vivem essas crianças e adolescentes, trazendo indicadores que podem contribuir e delinear políticas de assistência, enlaçando as dimensões clínica, pedagógica e política.






BARAZAL, Neuza Romero. Yanomami: um povo em luta pelos direitos humanos. São Paulo: Edusp, 2001.

Sinopse: Ao estudar a história de luta e resistência dos yanomami, considerados a mais numerosa tribo indígena da floresta que chegou ao século XIX vivendo isolada dos brancos, este livro fornece também uma visão que abarca a dura trajetória de contatos de diversos outros povos nativos do continente americano. Atravessando as fronteiras nacionais, Neusa Barazal explica as relações de poder que são o motor de toda a devastação da selva na qual vivem muitos desses povos, rodeados por minas de ouro, madeireiras e fazendas que recebem estímulo de políticas regionais de colonização a qualquer custo. A autora examina as principais questões que envolvem os tratados e acordos internacionais sobre os direitos indígenas, fazendo uma análise de grande contribuição para se compreender o fenômeno intercultural.


LUCY, Niall. A Derrida dictionary. Malden: Blackwell Pub., 2004.


Sinopse: This Dictionary offers points of entry into Derrida's complex and extensive works. This Dictionary offers points of entry into Derrida's complex and extensive works. From 'aporia'; to 'yes', the Dictionary suggests ways into Derrida that show what is at stake in his work. Demonstrates that Derrida is not just about philosophy, but also about politics and pop music. Explains why deconstruction matters, and how Derrida can change the way you think. The A-Z entries are framed by essays on the inherent interdisciplinarity of Derrida's work and on Derrida's relationship to a range of other thinkers.





FEYERABEND, Paul K. Matando o tempo: uma autobiografia. São Paulo: Ed. UNESP, 1996.


Sinopse: Paul K. Feyerabend, um dos filósofos da ciência mais citados e controvertidos de nosso tempo, completou sua biografia em seu último mês de vida. Em um estilo límpido e vibrante, o autor evoca sua família, a ascensão do nazismo, a Segunda Guerra Mundial e cenas do teatro, da música lírica, dos trabalhos da filosofia da ciência, as mulheres de sua vida e suas relações com alguns dos intelectuais mais importantes deste século: Brecht, Wittgenstein e Popper.






SADER, Emir. La venganza de la historia: hegemonía y contra-hegemonía en la construcción de un nuevo mundo posible. Buenos Aires: CLACSO, 2004.


Sinopse: Emir Sader, caso raro en que se conjugan una actividad intelectual intensa y brillante con una militancia política ininterrumpida, hace en La venganza de la historia una reflexión amplia, contextual y también histórica.









ALLENDE GOSSENS, Salvador. Salvador Allende: pensamiento y acción. Buenos Aires: CLACSO; Brasília: FLACSO Brasil, 2008.


Sinopse: El Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO) y la Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales (FLACSO), Sede Académica Brasil, presentan, en ocasión del centenario del nacimiento de Salvador Allende, esta antología realizada por Frida Modak, donde se compilan algunos de sus más célebres textos y discursos.







REVEL, Jean François. A grande parada: ensaio acerca da sobrevivência da utopia socialista. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 2001.


Sinopse: Jean François Revel, membro da Academia Francesa de Letras, é um antigo defensor da democracia contra a onda comunista que muitos pensavam poder submergí-la. Em "A Grande Parada - Sobrevivência da Utopia Socialista", Revel, em estilo vigoroso e agradável, continua a denúncia dos estratagemas e fraudes utilizados pela esquerda, revelando seu caráter maléfico, que tenta mascarar sua semelhança tão criminosa como foi o nazismo.






COELHO, Ruy. Os caraíbas negros de Honduras. São Paulo: Perspectiva: CESA, 2002.

Sinopse: Levando à frente a tarefa de tornar visível para os interessados e especialistas nas ciências humanas a marcante contribuição de Ruy Coelho e revelando as suas dimensões de antropólogo, sociólogo, historiador e filósofo, a Sociedade Científica de Estudos da Arte, em conjunto com a Editora Perspectiva, publica agora Os Caraíbas Negros de Honduras. Este volume, concebido originalmente como tese de doutorado, em paralelo a Dias em Trujillo, diário de campo do pesquisador em Honduras - já por nós publicado - , apresenta as bases teóricas da sua investigação sobre os fenômenos sociais em suas dimensões sociopsíquica e cultural. Cabe ressaltar que as diretrizes da corrente teórico-metodológica aí adotadas irão culminar na atual teoria cognitivista em antropologia, da qual Ruy Coelho foi um precursor em nosso país. Trata-se de uma obra modelar no enfoque das formas de existência social e econômica e das maneiras de conceber e organizar o mundo do humano e do divino de um grupo.


LANZARO, Jorge. Tipos de presidencialismo y coaliciones políticas en América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2001.

Sinopse: Este libro analiza las relaciones de gobierno en Argentina, Bolivia, Brasil, Chile, México y Uruguay, en las últimas décadas del siglo XX. E insiste en la revisión crítica del debate parlamentarismo versus presidencialismo. La obra rastrea las novedades, así como la diversidad de la democracia presidencial en América Latina y delinea una tipología, de figuras "mayoritarias" y "pluralistas", o que van ganando en pluralismo, a raíz de los cambios en la política y en los sistemas de partidos.






DIAMOND, Jared M. Armas, germes e aço. Rio de Janeiro: Record, 2001.

Sinopse: Armas, germes e aço aborda as origens dos impérios, da religião, da escrita, das colheitas e das armas. Fornece as bases das diferentes evoluções das sociedades humanas nos continentes, derrubando teorias racistas. Este relato da formação do mundo desafia o conhecimento convencional e traz indispensáveis lições para o futuro.





NUNES, Edson de Oliveira. A Revolta das Barcas. Rio de Janeiro: Garamond, 2000.

Sinopse: Este trabalho é um raro exame de um evento perturbador: a explosão de violência ocorrida na estação das Barcas, em Niterói, em 22 de maio de 1959, explosão que propagou-se por outras partes da cidade e assumindo uma dimensão personalizada, chegou até a residência da família Carreteiro, os proprietários dos serviços de transporte marítimo entre Rio e Niterói.








FERNANDEZ-CARVAJAL, Francisco. Falar com Deus: meditações para cada dia do ano, v. 2: Quaresma, Semana Santa, Páscoa. São Paulo: Quadrante, 1991.

Sinopse: Este segundo volume da Coleção Falar com Deus abrange os Tempos Litúrgicos da Quaresma, dando especial destaque para a Semana Santa e, depois, todo o período da Páscoa até o Pentecostes.







GONZALEZ CASANOVA, Pablo. De la sociología del poder a la sociología de la explotación: pensar América Latina en el siglo XXI. Bogotá: Siglo Del Hombre Ed.; Buenos Aires: CLACSO, 2009.

Sinopse: "La obra de Pablo González Casanova es patrimonio de la humanidad. Su vocación humanista lo lleva desde la sociología a la ciencia política, la economía, la historia, la antropología, las ciencias de la vida, la materia o las llamadas ciencias de la complejidad. Por este motivo una antología de su obra se antoja multidisciplinar. Dado que esta colección tiene un carácter divulgativo, los trabajos aquí seleccionados se han realizado con una perspectiva transversal, y cubren lo más significativo de su pensamiento en más de medio siglo de vida intelectual". Marcos Roitman Rosenmann.





FERRO, Nuno. A confusão das coisas e o ponto de vista leibniziano. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2001.

Sinopse: O pensamento de Leibniz apresenta-se, normalmente, como um sistema de labirintos, em vários planos e com muitas entradas. Isso produz, no seu leitor, dificuldades de orientação e de unificação de contextos - e a tal ponto que, muitas vezes, não é sequer claro a que se referem os seus enunciados. Também, por isso, Leibniz tem sido objecto de uma grande variedade de interpretações, não raro irreconciliáveis. Esta obra tenta mostrar que, para além da variedade de linguagem e de expressões, há um núcleo comum, ainda que, por vezes, oculto mediante uma estratégia de dissimulação.





GOLDENBERG, Mirian (Org.). Os novos desejos: das academias de musculação às agências de encontros. Rio de Janeiro: Record, 2000.

Sinopse: Já vai longe o tempo em que homens e mulheres desempenhavam papéis amorosos e pessoais definidos e bem marcados. A crise de identidade masculina e a entrada da mulher no mercado de trabalho misturaram completamente os conceitos e transformaram a forma de os sexos se enxergarem um ao outro. Numa linguagem concisa, sem pender para o academicismo,  a antropóloga Mirian Goldenberg nos oferece artigos de inegável importância para entendermos o que mudou e o que permaneceu intacto entre o Adão e a Eva pós-modernos. São seis artigos - dois escritos pela própria Mirian e os outros quatro escolhidos e organizados por ela - que tratam das mudanças de comportamento ocorridas à revelia dos valores preestabelecidos. "O objetivo destes artigos é considerar as transformações ocorridas nas relações de gênero, a partir dos discursos de homens e mulheres", explica. O livro trata, ainda, das dificuldades de relacionamento, da proliferação de agências de encontro e do surgimento de novas formas de interação, como o mundo virtual. "A proposta foi reunir artigos de diferentes autores com uma preocupação: discutir as transformações nos papéis de gênero na cultura brasileira e seus reflexos na vida cotidiana dos indivíduos", diz a antropóloga.


ELIADE, Mircea. Histoire des croyances et des idées religieuses. Paris: Payot & Rivages, 3v.

Sinopse: C'est donc en trois livres qu'Eliade entend appréhender une grande partie du phénomène religieux non comme un historien mais comme un spécialiste des mythes et symboles dont il recherche avant tout à déterminer les constances dans les diverses religions étudiées. C'est au travers des rites d'initiation, de la mystique de certains métiers comme celui de forgeron ou des rites agraires ou encore de la permanence nostalgique d'un éternel retour vers une source créatrice, que s'articulent ses études des cosmogonies qui ne sont que des avatars des mêmes immuables archétypes. Dans le premier tome nous partons des comportements magico-religieux des paléanthropiens, puis abordons successivement les religions mésopotamiennes avec le mythe de Gilgamesh, l'Égypte, les hittites et le cananéens, le védisme le brahmanisme, Zeus et les olympiens, Eleusis, Zarathoustra. Dans le deuxième tome on passe à la Chine avec Confucius et Lao-Tseu, puis on aborde l'Hindouisme et le Bouddhisme, les religions romaines, celles des Celtes des Germains des Thraces de Gètes, Orphée Pythagore, le judaïsme, la naissance du christianisme, les gnostiques. Le troisième tome concerne les religions d'Eurasie, Turco-mongols, Finno-ougriens, l'Islam, la chrétienté au moyen âge avec ses hérésies (catharisme et bogomiles) le schisme de l'église d'orient et d'occident puis la réforme de Luther, Calvin Zwingli.


BÂ, Amadou Hampâté. Amkoullel, o menino fula. São Paulo: Casa das Áfricas: Palas Athena, 2003.

Sinopse: Amadou Hampâté Bâ nasceu em 1900 em Bandiagara, região das savanas da África do oeste, no atual Mali. Fez cursos sob a administração colonial francesa, obteve diplomas e ocupou cargos, mas foi fortemente marcado pela identidade nascida de suas raízes ancestrais. Dedicou-se desde cedo à coleta de narrativas e acabou por se transformar em mestre da transmissão oral e especialista no estudo das sociedades negro-africanas das savanas. Entre seus vários trabalhos, destaca-se sua colaboração na redação da 'História Geral da África', publicada pela UNESCO, em 1980. Neste livro, o autor busca realçar a diversidade africana em suas várias regiões e etnias sob uma mesma tradição comum.




RIBEIRO, Ana Clara Torres (Comp.). Repensando a experiência urbana da América Latina: questões, conceitos e valores. Buenos Aires: CLACSO, 2000

Sinopse: Este libro es el resultado de la reunión del Grupo de Trabajo sobre Desarrollo Urbano de CLACSO, realizada en Río de Janeiro los días 30 y 31 de marzo de 2000. Dicha reunión fue organizada bajo el provocativo título "Desarrollo urbano: ¿vieja temática o exigencia del presente?" con la intención de señalar, simultáneamente, el "envejecimiento" del nombre del grupo y alertar sobre la necesidad de una actualización, de forma articulada e interdisciplinaria, de la problemática urbana en América Latina. Esta actualización es una exigencia del presente, tanto por la magnitud del drama social concentrado en los espacios urbano-metropolitanos, del cual las ciencias sociales no pueden apartarse, como por la rápida difusión de nuevos modelos de intervención pública e idearios para la experiencia urbana, que desconocen la historicidad del pensamiento social latinoamericano y la especificidad cultural y sociopolítica que particulariza cada contexto de la periferia del capitalismo.


ZABALA ARQGÜELLES, María del Carmen (Comp.). Pobreza, exclusión social y discriminación étnico-racial en América Latina y el Caribe. Bogotá: Siglo del Hombre; Buenos Aires: CLACSO, 2008

Sinopse: El incremento de la pobreza y de la exclusión social en el mundo constituye un fenómeno persistente y expansivo. Las relaciones entre pobreza, exclusión social y discriminación étnico-racial son estrechas. Su estudio se justifica no sólo por la relevancia social, ética y humana del tema, sino también por la necesidad de avanzar, en el orden práctico, con propuestas orientadas al logro de mayores niveles de integración social y bienestar humano. Este libro ratifica, desde contextos y perspectivas diferentes, la existencia de formas diversas de discriminación y exclusión étnico-racial en América Latina y el Caribe y los niveles de pobreza entre las poblaciones indígenas y afrodescendientes.



CIMADAMORE, Alberto D. (Coord.) Producción de pobreza y desigualdad en América Latina. Bogotá: Siglo del Hombre; Buenos Aires: CLACSO, 2008.

Sinopse: La pobreza y las desigualdades contemporáneas son resultado de la acción de agentes que operan en contextos históricos y estructurales que favorecen su producción y reproducción. Tanto la pobreza como la desigualdad son construcciones sociales, resultantes de correlaciones de fuerza entre las clases y los agentes sociales, que son validadas por los Estados a través de sus políticas sociales y económicas.







ZALPA, Genaro (Comp.). El reino de Dios es de este mundo?: El papel ambiguo de las religiones en la lucha contra la pobreza. Bobogá: Siglo del Hombre; Buenos Aires: CLACSO, 2008

Sinopse: En marzo de 2008 la Sociedad Bíblica del Reino Unido publicó una versión de la Biblia titulada Biblia de la justicia y la pobreza. Su particularidad radica en que resalta más de 2000 versículos relacionados con la pobreza y con la justicia. Este no es más que otro ejemplo del renovado interés en la interrelación entre religión, pobreza y justicia social, que puede verse entre los creyentes de casi todas las religiones del mundo. Este libro es el resultado del análisis y la reflexión, acerca del tema, de un grupo de expertos que se reunió en julio de 2007 en Santo Domingo, República Dominicana. Aquí se compilan catorce de los textos que allí se presentaron y se debatieron, con el objetivo de exponerlos a la discusión de un público más amplio. La lectura de los mismos pone en evidencia el papel ambivalente que juegan las religiones y los actores religiosos con respecto a la pobreza y la injusticia social: ya sea el de la lucha por su superación y el acompañamiento de los pobres, o el de mantenimiento de las situaciones y de las estructuras que las reproducen.


CARDOSO, Paulino de Jesus Francisco. Negros em Desterro: experiências de populações de origem africana em Florianópolis na segunda metade do século XIX.

Sinopse: Em meio a uma profusão de documentos oficiais e tabelas com dados numéricos, a sagacidade narrativa e interpretativa do autor oferece ao leitor imagens bastante convincentes do que, muito provavelmente, pode ter acontecido no lado negro do mundo desterrense da segunda metade do século XIX, sem a pretensão de querer provar que foi assim exatamente que aconteceu. Dever de ofício de qualquer historiador experimentado como Paulino Cardoso.







CUNHA, Paulo Ribeiro da. Aconteceu longe demais: a luta pela terra dos posseiros em Formoso e Trombas e a revolução brasileira, 1950-1964. São Paulo: Ed. da UNESP, 2007

Sinopse: Este trabalho aborda a luta dos posseiros de Formoso e Trombas, região invadida duas vezes - a primeira logo após o golpe de 1964 por tropas da polícia e do Exército e a segunda em 1971pelo Exército - e a participação do Partido Comunista Brasileiro por meio de seus militantes, analisando a penetração do capitalismo no campo no período 1950-1964. São avaliadas a estratégia política e a questão agrária no período 1945-1964 e a organização dos posseiros.







UNICEF. Famílias: parceiras ou usuárias eventuais?: análise de serviços de atenção a famílias com dinâmica de violência doméstica contra crianças e adolescentes. Brasília: UNICEF/CLAVES, 2004.

Sinopse: Realizada pelo Unicef em parceria com o Claves (Centro Latino-Americano de Estudos de Violência e Saúde Jorge Careli), a publicação Famílias: parceiras ou usuárias eventuais? (2004) analisa como é feito o atendimento às famílias em situação de violência no Brasil. Experiências internacionais também são avaliadas, como forma de reunir subsídios para programas da assistência social. “O UNICEF e o CLAVES, com este estudo, esperam possibilitar não só um novo pensar - mais estruturado e mais programático - sobre as políticas de prevenção e redução da violência familiar contra crianças e adolescentes, como também estimular a incorporação dessas práticas de atendimento a um desenho de atenção que de fato reforce o papel das famílias como agente de proteção, e nunca mais de abuso”.


PAUGAM, Serge. A desqualificação social: ensaio sobre a nova pobreza. São Paulo: EDUC: Cortez, 2003.

Sinopse: Serge Paugam traz-nos com este livro uma desassombrada e ao mesmo tempo meticulosa desmistificação do universo do trabalho social. Consegue-o não só pela pertinência das descrições da complexidade objectiva dos fenômenos de exclusão que nos vai apresentando, como também pela interpelação sem quaisquer tabus que faz dos comportamentos daqueles que são mais ou menos beneficiários das intervenções sociais. Toda esta frente interpretativa apoia-se, entretanto, numa categorização operacional, a qual, apesar da abstrata conceptualização em que assenta, faz desfilar perante o leitor uma tremendamente realista e personificada série de testemunhos vivenciais.



BLACK, Edwin. A guerra contra os fracos: a eugenia e a campanha dos Estados Unidos para criar uma raça dominante. São Paulo: Girafa, 2003.

Sinopse: No inicio do século XX, pensadores influentes, cientistas reconhecidos e outros grandes nomes ligados às mais poderosas forças financeiras dos Estados Unidos - entre eles os gigantes do aço e das ferrovias - criaram uma frente cientifica chamada eugenia. O objetivo era inventar seres humanos seletos para que o mundo passasse a contar apenas com exemplares de uma pretensa raça superior. Essas idéias pseudocientificas, que surgiram nos Estados Unidos e se estenderam em outros países, incluindo sobretudo a Alemanha nazista, são desvendadas por Edwin Black em 'A guerra contra os fracos'. O autor contou com mais de 50 pesquisadores, em quatro continentes, para juntar os milhares de documentos que revelam como nasceu a terrível prática que daria origem a Auschwitz - e que hoje, segundo o autor, corre o risco de renascer com a evolução da engenharia genética.


PAGE, Joseph A. A revolução que nunca houve. Rio de Janeiro: Record, [1989?].

Sinopse: O Nordeste do Brasil 1955-1964. Eis aqui um detalhado estudo da quase-revolução do explorado campesinato nordestino do Brasil subdesenvolvido... uma das mais dramáticas e abrangentes descrições sobre o caminho através do qual a Aliança para o progresso de J.F. Kennedy tragicamente fez falhar a verdadeira democracia na América Latina.








MISRAHI, Robert. A felicidade: ensaio sobre a alegria. Rio de Janeiro: Difel, 2001.

Sinopse: Passando por nomes como Aristóteles, Platão, Nietzsche, Kant, Heidegger, Spinoza e Sartre, entre outros filósofos célebres, somos convidados a uma reflexão em A Felicidade - Ensaio sobre a alegria. Durante muito tempo, desde a Segunda Guerra Mundial, a filosofia foi dominada pela doutrina de Heidegger. Para ele, a questão da felicidade não tinha importância central. Marcado por esse princípio heideggeriano, Sartre esforçou-se para estabelecer a própria impossibilidade da felicidade, tentando demonstrar a impossibilidade do Ser. Dividido em três partes, A Felicidade - Ensaio sobre a alegria explicita a Significação Existencial da Ética, o Desejo e sua Conversão e os Conteúdos da Alegria e a Existência Feliz. "A alegria é o sentimento intenso de uma plenitude dinâmica (existência ativa, coerente, aberta e criadora). O Ser é quem faz sua infelicidade ou sua alegria, ele mesmo, inteiramente livre e responsável, decide sobre seu movimento ou seu repouso, sobre sua inércia ou seu dinamismo", conclui Robert Misrahi. O AUTOR Robert Misrahi ensina filosofia ética na Universidade de Paris I. Especialista em Spinoza, publicou a tradução de Ética e de Spinoza: um itinerário da felicidade pela alegria. Pesquisa também sobre ética e existência, e é autor de Tratado da felicidade e de Os atos da alegria.


COLOQUIO Y TALLER INTERNACIONAL POLÍTICAS DE IDENTIDADES Y DIFERENCIAS SOCIALES EN TIEMPOS DE GLOBALIZACIÓN, 2002, Caracas, Venezuela. Políticas de identidades y diferencias sociales en tiempos de globalización. Caracas:  FACES, UCV, 2003.


Sinopse: Los artículos incluidos en este libro son versiones ampliadas y revisadas de las ponencias presentadas en el Coloquio y Taller Internacional Políticas de Identidades y Diferencias Sociales en Tiempos de Globalización realizado en Caracas del 8 al 12 de mayo de 2002. Esta reunión, organizada por el Programa Globalización, Cultura y Transformaciones Sociales de la Facultad de Ciencias Económicas y Sociales de la Universidad Central de Venezuela, es la primera de una serie de tres reuniones que se realizarán como parte de las actividades del subprograma de Becas para Investigadores Residentes que el Programa sostiene con apoyo de la Fundación Rockefeller.



BERTAUD, Jean Paul. L'abdication: 21-23 juin 1815. [Paris]: Flammarion, c2011.

Sinopse: Waterloo, 18 juin 1815: Blücher et Wellington sont vainqueurs, l'armée française est en déroute. Tout l'indique: le règne de Napoléon s'achève. Beaucoup le croient; Napoléon le refuse. Pour lui, le désastre est réparable: ne peut-il instituer une dictature de salut public, contenir les Prussiens et les Anglais avec les restes de l'armée et procéder, comme en l'an II, à une levée en masse? Son destin et celui de la France basculent en trois jours: le mercredi 21 juin, Napoléon arrive à Paris conservant l'espoir de rassembler derrière lui le pays; le jeudi 22, après avoir tenté de se suicider, il abdique en faveur de son fils; le 23, par un tour de passe-passe, les députés reconnaissent Napoléon II pour mieux l'écarter. Archives ouvertes, journaux et mémoires revisités, Jean-Paul Bertaud place le lecteur aux premières loges de l'Histoire. Faisant appel aussi bien aux témoignages de l'étudiant et du soldat, du député et de l'agent secret qu'à ceux de l'Empereur et de ses proches, il reconstitue jour par jour, heure par heure, le drame de toute une nation. Témoin des hésitations de l'homme d'Etat à un moment crucial de son existence, mais l'Empereur a-t-il d'autres solutions que d'abandonner le pouvoir? le lecteur voit vaciller, puis s'éteindre, la flamme de l'Empire.


LÉON, Irene. Mujeres contra el ALCA: razones y alternativas. Quito: Agencia Latinoamericana de Información, 2002.

Sinopse: El ALCA no es sólo un acuerdo comercial con mayor alcance geográfico, sino un instrumento de "nuevo tipo", que tiene implicaciones para la economía toda, para los Estados y para la vida de la gente en la región. Sus enunciados definen, de manera explícita e implícita, un modelo económico y geopolítico que compromete el desarrollo, la soberanía, la democracia y el futuro mismo de nuestros países. Por eso -y aún si tratara sólo de comercio en el sentido convencional- la mirada y la posición de las muejeres no puede quedar circunscrita a los aspectos o impactos sociales y laborales, asumiéndolo como un hecho dado o inevitable. Las definiciones estratégicas en juego llaman a considerar las directas implicaciones económicas y políticas, la relación sustantiva y específica entre mujeres, economía y Estado, más aún en un ordenamiento económico que se organiza y funciona sobre la base de desigualdades e injusticias de género. Através de los textos que se recogen en esta publicación pueden visualizarse algunas de las principales implicaciones y consecuencias del ALCA para las mujeres, y aportes a las propuesta de alternativas. Son documentos de corte analítico, político y testimonial, basados tanto en reflexiones como en vivencias; reflejan la amplitud de las miradas y posiciones de las mujeres, las experiencias de algunos contextos nacionales, y por supuesto la pluralidad de enfoques que siempre enriquece el debate.


LYONS, Jonathan. The house of wisdom: how the Arabs transformed Western civilization. New York: Bloomsbury Press, 2009.

Sinopse: For centuries following the fall of Rome, Western Europe was a benighted backwater, a world of subsistence farming, minimal literacy, and violent conflict. Meanwhile Arab culture was thriving, dazzling those Europeans fortunate enough to visit cities like Baghdad or Antioch. There, philosophers, mathematicians, and astronomers were steadily advancing the frontiers of knowledge, as well as keeping alive the works of Plato and Aristotle. When the best libraries in Europe held several dozen books, Baghdad's great library, The House of Wisdom, housed four hundred thousand. Jonathan Lyons shows just how much "Western" ideas owe to the Golden Age of Arab civilization. Even while their countrymen waged bloody Crusades against Muslims, a handful of intrepid Christian scholars, hungry for knowledge, traveled East and returned with priceless jewels of science, medicine, and philosophy that laid the foundation for the Renaissance. In this brilliant, evocative book Jonathan Lyons reveals the story of how Europe drank from the well of Muslim learning.


MCCANN, Frank D. A aliança Brasil - Estados Unidos, 1937-1945. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército,  1995.

Sinopse: Leitura imprescindível para aqueles que desejam se aprofundar não apenas na História do Brasil no período pré e durante a II Guerra Mundial, mas também a todos que desejam compreender de forma mais clara o jogo político efetuado pelo governo de Getúlio Vargas durante o Estado Novo (1937-1945).









GONZÁLEZ Casanova, Pablo. Sociologia de la explotación. Buenos Aires: CLACSO, 2006.

Sinopse: La sociología de la explotación es uno de los clásicos de la literatura sociológica latinoamericana. En esta obra, Pablo González Casanova busca aportar a la comprensión de la relación de explotación inherente a la sociedad capitalista a partir de un re-examen de los análisis clásicos de Marx. En este libro se demuestra cómo los propietarios de los medios de producción -o los capitalistas, que son quienes dominan el sistema- tienen un margen de libertad mucho mayor del que a primera vista parecieran tener. El sociólogo mexicano polemiza con el marxismo dogmático y determinista, para el cual el sistema capitalista se encamina hacia su inmediata destrucción, y con los "dependentistas" latinoamericanos que subestiman la enorme importancia de la "ley del valor" como instrumento de análisis de la relación existente entre la periferia del sistema capitalista y las potencias metropolitanas.


FERRO, Ana Luiza Almeida. 1612: os papagaios amarelos na Ilha do Maranhão e a Fundação de São Luís. Curitiba: Juruá, 2014.

Sinopse: O livro tem como tema central a fundação da França Equinocial no Maranhão em 1612, focalizando desde os seus antecedentes até os primeiros anos que se seguiram à expulsão dos franceses do norte do Brasil. É uma viagem exploratória e crítica que acompanha a Era dos Descobrimentos e a partição do Mar-Oceano, as primeiras tentativas portuguesas de povoamento e colonização do Brasil e do Maranhão, a definição nebulosa da origem do nome "Maranhão", as investidas dos gauleses pelo Novo Mundo, as guerras de religião que ensanguentaram a França na segunda metade do século XVI e cujos efeitos ainda assombrariam o país e seus empreendimentos no século seguinte, a chegada de cerca de 500 franceses (os "papagaios amarelos", como eram chamados pelos índios) à Ilha do Maranhão em 1612, o reconhecimento da terra, a fundação da cidade de São Luís, a decretação das leis institucionais da colônia, a convivência dos padres capuchinhos Claude d'Abbeville e Yves d'Évreux com os tupinambás da ilha e das circunvizinhanças, o regresso de François de Razilly à França, os antecedentes, a deflagração e os desdobramentos da Batalha de Guaxenduba, a subsequente trégua firmada entre os gauleses e os lusos, a rendição do Forte São Luís, o destino das principais figuras da disputa franco-ibérica pelo Maranhão e os sucessivos governos de São Luís até a invasão holandesa.


CORAGGIO, José Luis. De la emergencia a la estrategia: más allá del "alivio de la pobreza". Buenos Aires: Espacio, 2004.

Sinopse: El autor considera que la cuestión social en Argentina, exige una revisión crítica tanto de los modelos de intervención como de la formación académica de los profesionales y técnicos que intervienen en este campo. Coraggio propone y desarrolla el enfoque de la economía del trabajo, como política con efecto democratizador y redistributivo a largo plazo.








HAAR, Michel. A obra de arte: ensaio sobre a ontologia das obras. Rio de Janeiro: Difel, 2000.

Sinopse: De Platão a Heidegger, a filosofia interessou-se menos pelas obras em si do que pela questão de saber se a arte pode dizer a verdade. Duas razões retardaram assim uma verdadeira ontologia das obras - de um lado, a condenação platônica da arte - que deu primazia ao conteúdo inteligível sobre a forma sensível -, do outro, o nascimento da estética- que deu ênfase ao estado afetivo do espectador ou do artista. Foi com Heidegger e Merleau-Ponty que uma filosofia da arte se tornou realmente possível. Mas, se esta nos permite hoje receber melhor a obra, poderá igualmente dar-se conta de seu fascinante enigma?




ZICCARDI, Alicia. Pobreza, desigualdad social y ciudadanía: los límites de las políticas sociales en América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2002.

Sinopse: Las ponencias reunidas en este volumen reflejan la vivacidad y diversidad de un debate que aún está por darse en América Latina y el Caribe. Las razones de este retardo son fácilmente identificables: se trata de una de las tantas consecuencias negativas que el triunfo del "pensamiento único" ha tenido en esta parte del mundo. Debido a ello, temáticas como las de la pobreza, la desigualdad social y la inequidad fueron interpretadas en clave crudamente economicista y al interior de un campo teórico – el de la economía neoclásica y su expresión en la política económica, el así llamado "Consenso de Washington"– que impidieron su adecuada comprensión.




DEL PRIORE, Mary. História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2000.

Sinopse: Resultado de um cruzamento de olhares sobre o tema abrangente da infância na história brasileira, reúne historiadores, sociólogos e educadores sensíveis à consciência que vem aflorando sobre a condição das crianças e, sobretudo, atentos ao legado do passado na situação atual. Tais pesquisadores empenham-se em transformar as crianças em sujeitos históricos neste livro que trata dos pequenos viajantes nas embarcações do século XVI, dos curumins catequizados pelos jesuítas, das crianças escravas, da infância de ricos e pobres, dos garotos participantes da guerra do Paraguai, dos pequenos operários, dos menores criminosos dos primórdios da industrialização, de doces memórias da infância de brincadeiras, de crianças carentes e exploradas como mão-de-obra barata. Todos personagens que iluminam a história e constroem o presente.


DREIFUSS, René Armand. 1964: a conquista do Estado: ação política, poder e golpe de classe. Petrópolis: Vozes, 1981.

Sinopse: O livro é resultado de uma pesquisa realizada entre 76 e 80 para a tese de doutorado na Universidade de Glasgow, Inglaterra. O interessante é que o autor aborda um tema (o golpe de 64 que instalou o regime militar no Brasil) ainda presente durante a produção. No entanto, Dreifuss teve acesso a importante e farta documentação sobre fatos e personagens ligados ao golpe militar. No período de produção a intelectualidade brasileira estava impossibilitada de estudar a Ditadura por diversos motivos: exílio; mortes e prisões; censura e (pré) conceitos formados pelos anos de luta.





BÁEZ, Luis. Así es Fidel. La Habana: Casa Editora Abril, c2009.

Sinopse: Así es Fidel: tres palabras que más que una afirmación, encierran un sinnúmero de anécdotas, episodios y vivencias de todos los que de alguna manera han estado en compañía de uno de los estadistas más excepcionales de todos los tiempos. Deportistas, diplomáticos, periodistas, científicos, intelectuales y hombres de pueblo en general son los protagonistas. Sus labios cuentan las memorias y lo inolvidable que resultó aquel encuentro con el Comandante en Jefe. El deporte logró la medalla de oro. Todos los que en una u otra disciplina defendieron la enseña tricolor, respondieron unánimemente
6 a mis peticiones sobre el recuento de alguna anécdota imborrable y única relacionada con Fidel. Cuatrocientas trece anécdotas, aunque parezcan insuficientes para la talla del hombre que protagoniza estas páginas, son capaces de perfilar el carácter de nuestro líder. Sirva este libro para mostrar toda la humildad, sencillez y magnitud de quien es, para mí, faro de la humanidad y ejemplo de revolucionario en los siglos XX y XXI. Los revolucionarios mueven la historia. La historia se debe a los revolucionarios.


SCHARTZ, Yves. Le paradigme ergologique, ou, Un métier de philosophe. Toulouse: Octarès, c2000.

Sinopse: Le paradigme ergologique ou un métier de Philosophe présente une trajectoire intellectuelle qui, à travers des questions essentielles qui ont agité ces vingt-cinq dernières années, est conduite à retravailler certains chantiers fondamentaux du patrimoine philosophique et culturel. Ainsi, à partir d'investigations sur les transformations du travail, les notions de compétence, de métier, de collectif... de questionnements sur l'approche du travail par l'ergonomie, la médecine, l'économie, le droit, la gestion, à partir d'interrogations sur la formation professionnelle, la prévention, et, en fin de compte, sur les modes d'intervention dans la vie des autres avec en cible principale les situations de travail, l'ouvrage se trouve avoir à reprendre des questionnements plus généraux.


MIGNOLO, Walter. Histórias locais / Projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar.

Sinopse: Ao focalizar a subalternização de saberes desqualificados pelos processos de colonização, esse livro preenche uma lacuna que já se fazia notar entre os trabalhos indispensáveis ao acompanhamento dos estudos culturais e pós-coloniais, em seus desdobramentos recentes.









OLIVEIRA, Francisco de. O elo perdido: classe e identidade de classe na Bahia. São Paulo: Fundação Perseu Ábramo, 2003.

Sinopse: Com uma narrativa histórica fluente, articulada permanentemente com uma grande diversidade de referências oriundas das mais variadas áreas das ciências humanas, esta obra focaliza as particularidades da industrialização desencadeada no Recôncavo Baiano a partir da década de 1950, sob a égide da Petrobras e da Sudene. Analisa também como esse processo afetou a formação das classes sociais urbanas na Bahia moderna.







TAPIA, Luis. La invención del núcleo común: ciudadania y gobierno multisocietal. La Paz: Muela del Diablo Editores, 2006.

Sinopse: Este texto es un argumento a favor de la invención del núcleo político común. Se comenzó y desarrollo como un trabajo de análisis y reflexión sobre la forma que tendría que adoptar la ciudadanía en condiciones de multiculturalidad, en el sentido de un proceso de democratización intercultural y de construcción colectiva. Gran parte del trabajo gira en torno a esta dimensión específica y parcial de la ciudadanía, pero a partir de ella se trata de configurar a grosso modo el horizonte más amplio de la forma de gobierno y el régimen político; ya que no se puede pensar en cambiar lo específico sin pensar los cambios necesarios a nivel global.




BARBEIRO, Heródoto. Meu velho centro: histórias do coração de São Paulo. São Paulo: Boitempo: Edições SESC SP, 2007.

Sinopse: Heródoto Barbeiro conta da fundação de São Paulo por jesuítas perto da praça da Sé, ao renascimento do autor que, criança, sobreviveu a um atropelamento de bonde. Das transformações com o ciclo do café, as indústrias e levas de imigrantes, que fizeram da província uma metrópole, às suas aventuras de garoto com carrinhos de rolimã. As manifestações políticas na Sé, o carnaval paulistano, a convivência de japoneses, afro-descendentes, italianos, nordestinos e das “polacas” que fizeram a diversidade de São Paulo. O livro traz ainda curiosidades do presente, como as missas em italiano e espanhol rezadas na igreja Nossa Senhora da Paz. E do passado, como o parque de diversões Shangai, campos de várzea, cinemas e mesmo rios que desapareceram, enterrados pelo crescimento desenfreado da cidade. Tudo ilustrado com fotos pessoais de Heródoto Barbeiro e imagens do atual centro de São Paulo, do fotógrafo Ricardo Hara.


MÉNY, Yves (Org.). Idéologies, partis politiques & groupes sociaux. Paris: Presses de la Fondation nationale des sciences politiques, c1991.

Sinopse: Les partis, les groupes, la démocratie : ces thèmes centraux de la science politique sont aussi et d’abord au cœur de la conception de la Cité. Il n’est donc pas étonnant que Georges Lavau ait organisé ses recherches autour des problèmes qui lui paraissaient cruciaux aussi bien pour l’universitaire que pour le citoyen engagé. Cet ouvrage, qui rassemble les contributions de trente politistes français ou étrangers, s’inscrit dans cette perspective et s’interroge sur les mutations au sein des systèmes politiques. Il analyse en particulier les changements idéologiques, l’adaptation des mythes et l’évolution des principes qui fondent la démocratie mais aussi les transformations structurelles qui affectent les partis, les groupes sociaux et leurs relations avec le pouvoir.


BORON, Atilio. Teoría y filosofía política: la tradición clásica y las nuevas fronteras. Buenos Aires: CLACSO, 2001.

Sinopse: En una época de crisis como las que nos toca vivir las limitaciones, distorsiones e imposibilidades que afectan al saber convencional de la ciencia politica se han vuelto insoslayables. La insatisfacción que cunde ante la empobrecedora influencia que en su seno ejercen las teorías de la "elección racional" y las distintas variantes del reduccionismo, como el "politicismo" y el "discursivismo", ha actualizado la urgencia y el interés por re-examinar las perspectivas que abre la filosofía política para repensar críticamente los grandes temas de nuestro tiempo. Este libro intenta ser una invitación a recorrer, una vez más pero con una fresca mirada, por el sendero dos veces milenario de la filosofía política.



SILVA, José Bento Rosa da. A Itajahy do século XIX: história, poder e cotidiano. Itajaí: Casa Aberta: UDESC, 2008.

Sinopse: José Bento Rosa da Silva desnuda, neste livro, a face desconhecida de uma cidade. O autor nos mostra que a Itajahy do século XIX estava longe de ser aquela pequena Vila que modorrava numa quietude desalentada, conforme sugeriu a historiografia tradicional. Documentos como processos-crimes e atas da Câmara de Vereadores indicam o cotidiano de uma Vila cheia de tensões, brigas, intrigas e delitos de toda ordem. Esta viagem pela Itajaí do século XIX possibilita a compreensão dos processos que resultaram na formação da cidade que hoje conhecemos, com suas identidades construídas, seus lugares sociais e seus jogos de poder.




STAKONSKI, Michelle Maria. Da sacristia ao consistório: tensões da romanização no caso da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos, Desterro, Florianópolis (1880- 1910). Itajaí: Casa Aberta: NEAB, 2008.

Sinopse: Este livro mostra a influência na germanização do clero e as estratégias usadas, tendo como objeto de estudo a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos de Desterro/Florianópolis, de 1880 a 1910. A pesquisa mostra que no processo de modernização – cuja concretização passava pela necessidade de branqueamento – houve tentativas de invisibilizar posturas e práticas oriundas de uma sociedade colonial. No caso estudado, as práticas devocionais de um Catolicismo Tradicional.





BILÉSSIMO, Angelo Renato. Entre a praça e o porto: grandes fortunas nos inventários post mortem em Desterro (1860-1880). Itajaí: Casa Aberta: UDESC, 2008.

Sinopse: O autor investiga, neste livro, as grandes fortunas existentes na Cidade de Desterro entre os anos de 1860 e 1880, através, entre outras fontes, dos inventários post mortem do Acervo do Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Através do estudo da organização econômica e social da cidade, procura apreender a composição e estruturação das elites do oitocentos na região, atual Florianópolis. Discutindo a organização econômica de Desterro no século XIX, procura em pilares como a pesca da baleia, a produção da farinha de mandioca e, com especial ênfase, o comércio de varejo e de grosso trato, apreender como a economia se relacionava com o exercício do poder pela elite da cidade. Também busca compreender a dinâmica das relações destes com outros extratos da sociedade, como as pessoas de origem africana, que representavam parcela significativa da população. Com especial atenção à composição das fortunas inventariadas, acreditamos poder compreender melhor como se reproduzia essa elite e de que maneira se dava a construção das fortunas.


SIMÃO, Maristela dos Santos. "Lá vem o dia a dia, lá vem a Virge Maria. Agora e na hora de nossa morte": a irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos, em Desterro (1860-1880) Itajaí: Casa Aberta: UDESC, 2008.

Sinopse: Esse livro discute a história das populações de origem africana na Desterro do século XIX, em um espaço onde suas práticas e solidariedades poderiam se manifestar. O rico acervo da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito permitiu-nos vislumbrar formas de organização, interação cultural e controle social desenvolvidos nestes espaços. Tenciona-se, assim, contribuir para preencher a grande lacuna na historiografia catarinense, quando tratamos das pessoas de origem africana que habitaram e habitam esse estado, pensado muitas vezes como um pedacinho da Europa no Brasil.




PINHEIRO, Paulo Sérgio (Org.). Combates na história: a trajetória de Heitor Ferreira Lima. São Paulo: FAPESP; Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

Sinopse: Sob os mais diversos aspectos, a vida de Heitor Ferreira Lima Confunde-se com a própria história dos primeiros anos de atividade do Partido comunista Brasileiro. Pesquisador pioneiro no âmbito da historiografia econômica brasileira, líder sindicalista e companheiro de Astrojildo Pereira e Cristiano Cordeiro, o companheiro Heitor tem aqui um pouco de seu passado e militância revelados. Colocando o leitor no contexto dos acontecimentos, estes ensaios sobre a vida e obra de Heitor Ferreira Lima, bem como os textos, cartas e discursos de sua pena, resgatam a história do partidão durante os duros anos da ilegalidade nas décadas de 20 e 30.




MORRIS, Aldon D. (Ed.) Frontiers in social movement theory. New Haven: Yale University Press, c1992.

Sinopse: Social protest movements such as the civil rights movement and the gay rights movement mobilize and sustain themselves in ways that have long been of interest to social scientists. In this book some of the most distinguished scholars in the area of collective action present new theories about this process, fashioning a rich and conceptually sophisticated social psychology of social movements that goes beyond theories currently in use. The book includes sometimes competing, sometimes complementary paradigms by theorists in resource mobilization, conflict, feminism, and collective action and by social psychologists and comparativists.




FREITAS, Maria Virgínia de (Org.). Políticas públicas: juventude em pauta. São Paulo: Cortez: Ação Educativa: Friedrich Ebert Stiftung,  2003.

Sinopse: Esta obra constitui um histórico das políticas públicas brasileiras voltadas para jovens. Os autores presentes no livro atuam em diferentes áreas e, por este motivo, possuem diferentes visões e impressões sobre o tema. Dessa forma, é construído um diálogo entre diversas ideias, surgidas da militância, da gestão de projetos e políticas e da produção de conhecimentos. A segunda edição do seminário Políticas públicas – Juventude em pauta é a base na qual este debate ocorreu e deu origem à Juventude em pauta: políticas públicas no Brasil.





BORON, Atilio (Org.). La filosofía política clásica: de la Antigüedad al Renacimiento. Buenos Aires: CLACSO, 2003.

Sinopse: Con esta publicación pretendemos promover una discusión cada vez más sofisticada sobre los grandes temas de la filosofía política y, muy especialmente, aquellos ligados a la producción teórica de los autores más significativos del período que comienza con la antigüedad clásica en la Atenas del Siglo V antes de Cristo y que culmina con el Renacimiento y el advenimiento de la sociedad burguesa. El retorno a las fuentes clásicas es no sólo necesario sino también imprescindible.






ANNAN-YAO, Elisabeth (Ed.). Démocratie et développement en Afrique de l'Ouest: mythe et réalité. Dakar: Codesria, c2005.

Sinopse: The eleven contributions comprising this study emanate from different subjects within the social sciences and from different countries of West Africa. However when it comes to the relationship between democracy and development, the contributors are in agreement that democracy has neither been institutionalised, nor anchored in the political culture of the majority African states. The authors pose the questions: Is human development possible without democracy? Must democracy necessarily precede human development? They conclude that achieving sustainable human development in Africa will be impossible without democracy, and that moreover, forms of democracy that are well practised will accelerate the development process.



CASTRO, Fidel. Una revolución sólo puede ser hija de la cultura y las ideas. La Havana: Oficina de Publicaciones del Consejo de Estado, 1999.

Sinopse: Una revolución solo puede ser hija de la cultura y las ideas: discurso pronunciado por el Presidente de los Consejos de Estado y de Ministros de la República de Cuba, doctor Fidel Castro Ruz en el Aula Magna de la Universidad Central de Venezuela, 3 de febrero de 1999.









BALANDIER, Georges. O dédalo: para finalizar o século XX. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

Sinopse: Este livro apresenta um estado de nossas sociedades, e faz disso um reconhecimento comentado. No início identifica seus pontos críticos. Em seguida traça em cada capítulo um itinerário - ao longo dos caminhos confusos da memória; ao encontro dos novos Dédalos, senhores do poder técnico; na descoberta das encruzilhadas do imaginário; na busca dos desvios do sagrado e, finalmente, na interrogação de uma democracia abalada, que dá ao texto sua conclusão política.






D'IORIO, Paolo. Le voyage de Nietzsche à Sorrente: Genèse de la philosophie de l´esprit libre.

Sinopse: Cette oeuvre, la première sous forme d'aphorismes, inaugure sa philosophie de la maturité. La rupture avec Wagner qu'il verra alors pour la dernière fois, est intellectuellement consommée bien qu'encore cachée. A la suite de ce voyage, Nietzsche abandonnera sa chaire bâloise et entamera une existence de philosophe sous le signe du Midi entre la Suisse, la France et l'Italie.








TERRADAS SABORIT, Ignasi. Religiosidade na Revolução francesa. Rio de Janeiro: Imago: ISER, 1989.

Sinopse: Este livro aborda o estudo da relação Religião-Revolução num caso paradigmático: a Revolução Francesa. Tentamos compreender as colocações e a mentalidade da época sem descuidar de uma teoria histórica do fenômeno teoria que nos parece próxima da tradição marxista. Ao mesmo tempo, nos empenhamos em proporcionar uma reflexão útil para a consciência que se tem dos fenômenos religiosos em países como o Brasil, onde a Religião é protagonista de destaque nas mudanças e conflitos sociais.






ABREU, Alice Rangel de Paiva (Org.). Produção flexível e novas institucionalidades na América Latina. Rio de Janeiro: UFRJ, 2000.

Sinopse: Reunião de artigos de pesquisadores brasileiros e latino-americanos que demonstram a preocupação da Sociologia do Trabalho com a maneira pela qual as empresas vêm se reestruturando para enfrentar a globalização. Os pesquisadores procuram analisar, de forma comparativa, exemplos no Brasil e países como Argentina, México e Chile, em setores vitais da economia, como indústria automotiva, petroquímica, e em setores mais tradicionais, como a indústria de confecção.






QUATTROCCHI-WOISSON, Diana. Un nationalisme de déracinés: l'Argentine pays malade de sa mémoire. Paris: Éd. du Centre national de la recherche scientifique, 1992.

Sinopse: Afin de doter les Argentins d'une autre identité que celle d'Européens exilés dans la pampa, le nationalisme argentin mena une entreprise audacieuse de révision du passé. Ce singulier mouvement de contre-histoire anticipe culturellement le phénomène péroniste et nous aide à mieux le comprendre. Cette étude, issue de la thèse de doctorat soutenue à l'Université de Paris VII en 1989, éclaire sous un angle inédit la construction d'une partie importante de l'imaginaire péroniste.






WALKER, Robert K. Impacting social problems: writing and evaluating international development projects. Brasilia: Bahá'í Office Environment and Development, 2000.

Sinopse: The book is both a manual for those responsible for writing, managing and evaluating social development projects and a critical review of the existing literature and the practice of the international and multilateral development organizations and the foundations and NGO's of the third sector. Starting with a discussion of the logical framework and its derivatives and of the issue of social participation, it moves on to consider the logic of impact evaluation, sampling procedures and statistical analysis in impact evaluation (relating required sample size to impact targets), the steps in writing and evaluating social projects (focusing on cost-impact analysis), and the broader context of accountability and "reinventing government," as well as the literature on learning organizations. It closes with a demonstration of why "scientific" impact analysis of social projects and programs is both possible and desirable.


DELEUZE, Gilles. Differenz und Wiederholung. München: Wilhelm Fink, 1992.

Sinopse: Gilles Deleuze verfolgt in diesem grundlegenden Buch die Entfalung zweier Begriffe und ihre Verknüpfung: des Begriffs einer freien Differenz, die sich nicht der Identität, der Analogie, dem Gegensatz und der Ähnlichkeit unterordnen lässt; und des Begriffs einer komplexen Wiederholung, die nicht auf eine bloß mechanische und materielle Wiederholung reduziert werden kann. Die Untersuchung durchquert dabei die verschiedensten Gebiete: Mathematik, Physik, Biologie, Psychoanalyse, Linguistik, Ästhetik. Überall unterliegt die Differenz einer wesentlichen Zerstreuung und Dezentrierung, wird die Wiederholung notwendig verschoben und verkleidet. Es zeichnet sich damit eine Welt von „Trugbildern“ ab, die aus ungebundenen Differenzen und intensiven Wiederholungen besteht und die Ordnung der Repräsentation, das Reich des Gemeinsinns und des gesunden Menschenverstands unterläuft.


FLEISCHER, David V. (Org.) Da distensão à abertura: as eleições de 1982. Brasília: Ed. Unb, 1988.

Sinopse: Quais foram as conseqüências mais importantes das eleições de 1982 no Brasil? As primeiras eleições diretas para governadores desde 1965, onde a oposição aos governos militares elegeu dez governadores no Centro-Sul, foram na verdade um ato intermediário no drama da transição "lenta, gradual e segura" preconizada pelo Gen. Golbery e o Sem. Petrônio Portela, entre a "vitória moral" do MDB em 1974 e a nova e curta hegemonia do PMDB alcançada em 1985/86. Os onze autores deste volume tentam decifrar o enigma desta eleição - um pano quente para segurar a barra para o governo Figueiredo, o começo da "penetração" do PMDB pela direita que depois vem a ser o "Centrão" em 1987-88, ou uma etapa importante na verdadeira democratização do país?


GARZA TOLEDO, Enrique de la. Sindicatos y nuevos movimientos sociales en América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

Sinopse: Este libro es resultado de la reunión del Grupo de Trabajo de CLACSO "Modelos Económicos, Trabajo y Actores Sociales" que se llevó a cabo en Buenos Aires los días 17 y 18 de octubre de 2002. En América Latina, en la mayoría de los países se observa una disminución del empleo industrial en aras de los servicios precarios. Sin embargo, los países maquiladores como México y algunos de Centroamérica han mantenido proporciones elevadas de empleo manufacturero. El neoliberalismo en la región también llevó a una intensificación del individualismo en las clases medias así como al surgimiento de nuevos movimientos sociales. Estos movimientos no son los ecologistas o feministas, sino el nuevo indigenismo globalizado como el de Chiapas, Ecuador y parte de Bolivia; los movimientos sociales de caceroleros y piqueteros de Argentina de su última crisis; el movimiento por el agua en Cochabamba; la impresionante caída del gobierno en Bolivia en 2003 que permitirá a los estudiosos reformular muchas de sus superficiales tesis postmodernas del fin de los grandes proyectos, los grandes sujetos, las grandes demandas, justamente cuando el pueblo se levantó en torno de un intento de desnacionalización del gas dirigido por la casi occisa Central Obrera Boliviana, y cuando se le sumaron los movimientos de cocacoleros, indígenas y pobladores, todos formando un gran frente y, todavía más, logrando deponer al gobierno en plena época del Impero Norteamericano. Estos movimientos deberían mover a la reflexión acerca de la validez de las tesis pesimistas que predominaron después del derrumbe del socialismo real. Es ahora cuando surge el movimiento de los sin tierra en Brasil, cuando las luchas sindicales se ven seriamente afectadas por el conflicto militar en Colombia, cuando los trabajadores organizados se dividen en Venezuela en torno de una disputa por el poder político que moviliza a toda la nación.


SOARES, José de Lima. Sindicalismo no ABC Paulista: reestruturação produtiva e parceria. Brasília: Outubro/Centro de Educação e Documentação Popular, c1998.

Sinopse: Os objetivos deste estudo são a reestruturação produtiva e as mudanças no mundo do trabalho na indústria metalúrgica do ABC paulista, no período de 1989 a 1994, em suas múltiplas dimensões (envolvendo desde as inovações tecnológicas, as células de produção, a terceirização, a precarização das condições de vida e trabalho, a subcontratação da força de trabalho, às novas práticas de gerenciamento, entre elas, CCQ, CQT, Polivalência, Just-In-Time, Kanban, Trabalho Participativo, Kaizen, Trabalho em Grupo), bem como suas implicações diante do movimento sindical e aos trabalhadores.




NISBET, Robert A. A mudança social. Londrina: Ed. UEL, 2000.

Sinopse: Esta publicação insere dois estudos dedicados à obra de Nisbet e exemplifica com propriedade a mente criativa do mesmo. Nisbet esclarece a idéia de progresso como denominador comum para uma ampla variedade de pensadores, respeitando suas diferenças. A obra possui características interdisciplinares, interessando não apenas à sociologia e à antropologia, mas também a outras ciências.








ARRUDA, Marcos. Humanizar o infra-humano: a formação do ser humano integral: homo evolutivo, práxis e economia solidária. Petrópolis: Vozes, 2003.

Sinopse: Este livro é o primeiro de uma trilogia sobre a formação do ser humano integral. A obra busca respostas a um conjunto de questões fundamentais para a existência humana no mundo da globalização neoliberal. Dialogando com alguns dos mais destacados autores do Ocidente e outros de culturas não ocidentais, o autor convida os leitores a participar da aventura de examinar o passado da terra e do homo a partir do presente, a fim de visualizar os cenários que se abrem para o futuro do indivíduo, da espécie e do planeta.






LEVY, Bettina (Comp.). La política en movimiento: identidades y experiencias de organización en América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2008.

Sinopse: Este libro reúne un conjunto de ensayos escritos por investigadores latinoamericanos que estudian, desde diferentes perspectivas teóricas y metodológicas, experiencias concretas de organización social y política observadas en Argentina, Brasil, Bolivia, Colombia y Uruguay. Algunos de los principales temas abordados son: los cambios producidos durante las últimas décadas en las sociedades latinoamericanas, en particular los efectos económicos y sociales derivados de la aplicación de las políticas neoliberales en los países de la región; las nuevas modalidades del conflicto y la protesta, sus principales dimensiones y contenidos; la crisis de las formas tradicionales de organización de los actores colectivos y las estrategias de construcción y resignificación de los antagonismos e identidades; las reacciones y trayectorias de las organizaciones sindicales y político-partidarias de izquierda y la emergencia de nuevas formas de organización y movilización social; las posibilidades y condiciones de la acción política y las experiencias de autoorganización y participación deliberativa y democrática en el espacio público; la inscripción territorial de los formatos organizativos y políticos aparecidos en las luchas; las posiciones y relaciones generacionales y de género al interior de los movimientos; el carácter renovador de las diferencias y disensos internos; las tradiciones culturales y las identidades étnicas y políticas movilizadas en las intervenciones y enfrentamientos sociales, entre otros.


BOUTANG, Pierre. O tempo: ensaio sobre a origem. Rio de Janeiro: Difel, 2000.

Sinopse: Meditar sobre o enigma do tempo é pensar a origem. Mas esta, desde Descartes, não mais preocupa o filósofo. É em vão - e não sem beirar a caricatura - que hoje se remonta 'cientificamente' ao primeiro homem... Se a teologia é a única que pensa radicalmente a origem, não deveria a filosofia interrogá-la? O texto do Gênesis, relido à luz das Confissões de Santo Agostinho e da Epístola de São Paulo aos Romanos, permite de fato apreender o sentido do tempo, pensar a origem e sua repetição.



PIERONI, Geraldo. Vadios e ciganos, heréticos e bruxas: os degredados no Brasil-colônia. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, Fundação Biblioteca Nacional, 2000.

Sinopse: O livro analisa com profundidade o funcionamento do degredo no Brasil, durante o século XVI e início do XVII, bem como os primórdios da colonização portuguesa no Brasil. Com base em pesquisa histórica, a obra em questão nos possibilita a compreensão de assuntos importantes na história brasileira, tais como o funcionamento do sistema judicial e das penitenciárias no país (muito mal conhecidos até o final do século XIX), o fluxo das migrações internacionais, a vida cotidiana, a pobreza, a violência, a criminalidade, as práticas religiosas, as relações Igreja-Estado. No Brasil, os degredados viviam em liberdade, eram responsáveis pela própria sobrevivência, ganhando a vida como soldados, marinheiros, agricultores, pedreiros, carpinteiros, padres, desbravadores de áreas do interior, pequenos funcionários da Coroa, pequenos comerciantes, mendigos, ladrões, prostitutas, etc. “Vadios e Ciganos, Heréticos e Bruxas” certamente despertará em muitos leitores o desejo de aprofundar os estudos sobre um dos mais importantes, fascinantes e inexplorados temas da história do Brasil.


COUTINHO, Sergio A. de A. A revolução gramscista no Ocidente: a concepção revolucionária de Antônio Gramsci em os Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Ombro a Ombro, 2002.

Sinopse: O grande valor da obra reside no ineditismo, pois é o primeiro livro publicado no Brasil que descreve o processo revolucionário concebido pelo italiano Antônio Gramsci, para realizar a transição para o socialismo e a tomada do poder, baseadas em os Cadernos do Cárcere.





KLIKSBERG, Bernardo. Desigualdade na América Latina: o debate adiado. São Paulo: Cortez; Brasilia: UNESCO, 2002.

Sinopse: Esta obra aborda um tema crucial para o futuro da América Latina: a desigualdade e seus impactos sobre o desenvolvimento econômico e social. Há um novo debate no mundo a respeito e uma onda de pesquisas que destruíram as idéias tradicionais sobre a matéria. Neste trabalho rigoroso e agudo, o autor expõe a discussão mundial, analisa as realidades da desigualdade na América Latina de hoje, examina seus efeitos em diversas áreas, especialmente na educação e na saúde, e apresenta alternativas de ação. Trata-se de um enfoque renovador para problemas que deveriam estar no centro do debate do Continente.




FIGUEIRA, Pedro de Alcântara. Nascimento da ciência moderna: Descartes. Campo Grande: Ed. UNIDERP, 2005.

Sinopse: Situo-me entre aqueles que acham que o leitor tem pleno direito de saber o que vai ler. Antes de mais nada, este é um livro que trata de Descartes. Este é um livro de história, da história de um período muito significativo em que a sociedade humana fez uma experiência de vida inusitada, desafiou poderes milenares, enfrentou perigos de toda ordem, venceu e foi derrotada, chegou a resultados fantásticos em termos de revelação do que é capaz "a força humana", deixou um legado de lutas, de conquistas, de empreendimentos sem precedentes no passado da humanidade. Ele pretende ser, por todas essas razões, um livro sobre a vida de Descartes.



DUSSEL, Enrique D. 20 teses de política. São Paulo: Expressão Popular; Buenos Aires: Clacso, 2007.

Sinopse: Estas vinte teses sobre política vão dirigidas primeiramente aos jovens, aos que, segundo o autor, 'devem compreender que o nobre ofício da política é uma tarefa patriótica, comunitária, apaixonante'. Inspirado na recente experiência latino-americana de certa 'primavera política', fruto do nascimento de novos movimentos sociais, propõe a criação de uma nova teoria, 'uma interpretação coerente com a profunda transformação que nosso povos estão vivendo', sob o desafiante século XXI.






PRADO JUNIOR, Caio. Clássicos sobre a revolução brasileira. São Paulo:  Expressão Popular, 2000.

Sinopse: Este livro reúne contribuições teóricas dos autores à revolução brasileira. Para os autores, é necessário definir uma teoria revolucionária que combine, na prática, várias táticas de luta, unindo as reivindicações concretas e os pequenos combates ao fortalecimento de uma consciência de classe revolucionária e a uma disposição de luta inabalável... Condições básicas para a transformação da realidade brasileira. O Texto 'O que é revolução', de Florestan Fernandes, está publicado na íntegra.





NORTON, Luís. A corte de Portugal no Brasil: notas, alguns documentos diplomáticos e cartas da Imperatriz Leopoldina. São Paulo: Comp. Ed. Nacional, 1979.

Sinopse: A corte de Portugal no Brasil é hoje considerada uma obra clássica da historiografia luso-brasileira. Discute, sob variados enfoques, a transferência da corte de D. João VI ao Rio de Janeiro em 1808 e seus desdobramentos, passando pela Independência do Brasil, até a abdicação de D. Pedro I em 1831. Escrita com grande erudição e baseada em minuciosa pesquisa documental, após sua primeira edição em 1938 tornou-se fonte imprescindível para os estudos posteriores a respeito da corte de D. João VI no Brasil. Diplomata de carreira, Luís Norton detém-se nos bastidores políticos, em temas de relações internacionais, bem como no ambiente intelectual e social de Brasil e Portugal nas primeiras décadas do século XIX. Interessa-se especialmente pela figura de D. Leopoldina, destacando seu papel na Independência do Brasil - tema no qual foi pioneiro. Nesta 3ª edição, manteve-se basicamente a mesma iconografia da edição de 1938 (composta de pinturas de artistas do período joanino), agora coloridas. Como anexos, a correspondência diplomática do marquês de Marialva referente às tratativas do casamento de D. Leopoldina com D. Pedro I, além de 67 cartas da primeira Imperatriz do Brasil.


GENNARI, Emilio. A questão Palestina: da diáspora ao mapa do caminho. Rio de Janeiro: Achiamé, c2004.

Sinopse: Com certeza, você já deve ter percebido que os enfrentamentos entre palestinos e israelenses marcam presença nos meios de comunicação. Fotos e reportagem trazem detalhes que parecem pintar um retrato fiel dos conflitos que, há mais de um século, marcam as relações entre os dois povos. O problema é que, na maioria das vezes, as notícias acabam ocultando o que, supostamente, se propõem a revelar. O estudo que aqui se inicia se propõe a resgatar os dados que permitem mergulhar no conflito palestino-israelense, desvendar o jogo de interesses e entender as relações que se ocultam nos reflexos que estão ao nosso alcance.  "Não importa o que tiram de mim / Eles não podem tirar a minha identidade, / nem a minha dignidade. / Sou um palestino."


BERTOLINO, Osvaldo. Testamento de luta: a vida de Carlos Danielli. São Paulo: Ed. Anita Garibaldi , 2002.

Sinopse: A idéia deste livro surgiu na Comissão de Formação do PCdoB-SP. É um trabalho de formação e ao mesmo tempo uma homenagem a Carlos Nicolau Danielli pela passagem dos 30 anos de seu assassinato no DOI-Codi do II Exército, ocorrido dia 31 dezembro de 1972. Carlos Danielli foi lentamente assassinado. Preso no dia 28 de dezembro agüentou por quatro dias torturas cruéis e deixou para a história um registro de heroísmo e bravura na luta pela liberdade, pela independência nacional e pela justiça social.






WEFFORT, Francisco C. Formação do pensamento político brasileiro: idéias e personagens. São Paulo: Ática, 2006.

Sinopse: Orientado pela convicção de que as ideias se revelam não apenas nas palavras, mas também nas ações, o professor Francisco C. Weffort, da USP, apresenta nesse livro os principais personagens históricos que contribuíram para a formação do pensamento político brasileiro, do nascimento do país até meados do século XX. São analisadas obras de Antônio Vieira, José Bonifácio, Joaquim Nabuco, Euclides da Cunha, Oliveira Viana, Gilberto Freyre, Helio Jaguaribe e Roland Corbisier. Comparecem também os economistas Celso Furtado e Roberto Campos, bem como alguns homens de ação que se tornaram emblemas da história luso-brasileira: d. Henrique, marquês de pombal, d. João VI, d. Pedro II, Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek. Com linguagem agradável, o livro é uma importante referência para quem procura compreender melhor o Brasil - de ontem e de hoje.


COELHO, Marco Antônio Tavares. Herança de um sonho: as memórias de um comunista. Rio de Janeiro: Record, 2000.

Sinopse: Trinta anos de luta. Uma década na clandestinidade, sem poder ver a mulher ou acompanhar o crescimento dos filhos. Missões secretas no Brasil e no exterior. Cadeia. Tortura. E, ao final, a expulsão do partido ao qual dedicou a vida. Essa história de um grande sonho, algumas vitórias e muitas derrotas, é contada pelo jornalista, ex-deputado e militante comunista Marco Antônio Coelho.








SARTRE, Maurice. Histoires grecques. Paris: Seuil, c2006.

Sinopse: Une monnaie, une page de rhétorique, un graffiti, une humble dédicace, rien n'est insignifiant pour l'historien. Puisant de façon très subjective dans les matériaux épars laissés par les Grecs et leurs émules de la Sicile au Soudan, de l'Attique à l'Asie centrale, Maurice Sartre brosse une quarantaine de séquences qui abordent en définitive la plupart des aspects majeurs de la civilisation grecque. De la naissance de la cité aux IXe-VIIIe siècles av. J. C. au meurtre d'Hypatie à Alexandrie en 415 apr. J.-C., en passant par la place des femmes, l'exploitation des mondes nouveaux, la confrontation entre Grecs et Juifs ou l'hellénisme sous l'Empire romain, se dégage peu à peu à travers ces Histoires grecques, originales et exemplaires, une vision d'ensemble de ce que fut, pendant plus de quinze siècles, cette civilisation; une civilisation si séduisante qu'elle finit par s'imposer comme " la" civilisation. Laissant de côté l'appareil érudit qui pourrait intimider le non-spécialiste, l'auteur compte sur la simplicité de sa démarche pour conduire le lecteur sur les traces innombrables des Grecs de l'Antiquité.


GONZÁLEZ PARÁS, José Natividad (org.). La política exterior de México en el nuevo orden mundial: antología de principios y tesis. México: Fondo de Cultura Económica, 1993.

Sinopse: La desaparición del bloque socialista en la Europa del Este y la Unión Soviética pusieron fin a la división bipolar mundial y abrieron nuevos espacios para el planteamiento de las relaciones en el ámbito internacional. Dentro de la tendencia general a la globalización y las preocupaciones internas del desarrollo de cada país, ¿cuáles son los principios y tesis de la política exterior en México en el nuevo orden mundial?







PARÍS, Carlos. Memorias sobre medio siglo: de la Contrarreforma a Internet. Barcelona: Ediciones Península, 2006.

Sinopse: La historia personal y profesional de Carlos París discurre al hilo de la convulsa historia de España del último medio siglo, y la narra con una honestidad de la que muy pocos pueden hacer gala. Así, sin ira y sin tapujos, describe, por ejemplo, cómo pasó de una adhesión inicial a presupuestos falangistas a ser candidato del PCE, valorando cada etapa y cada motivo de cambio con un gran sentido crítico. Por su pluma desfilan también personajes fundamentales en la vida española de los últimos cincuenta años con quienes Carlos París ha tenido una sólida relación, como Manuel Fraga, Javier Solana, Manuel Castells, Rosa Regàs, Ricardo de la Cierva, José Antonio Maravall, José María Valverde, Nicolás Sartorius y un largo etcétera. De la lectura de estas memorias se desprende, en fin, el retrato de una gran figura intelectual y humana que jamás se ha limitado a ser convidado de piedra ni en su país ni en el tiempo que le ha tocado vivir. Carlos París (Bilbao, 1925) es Catedrático Emérito de la Universidad Autónoma de Madrid, en la que fundó su Departamento de filosofía y de cuya Facultad de Filosofía y Letras fue elegido decano en las primeras elecciones. Es Doctor Honoris Causa por la Universidad de Valencia y ha sido Presidente de la Sociedad Española de Filosofía y del Ateneo Científico, Literario y Artístico de Madrid.


ARCARY, Valério. As esquinas perigosas da história: situações revolucionárias em perspectiva marxista. São Paulo:  Xamã, 2004.

Sinopse: Não perceber a História como estudo da transformação social - em que se combinam o desenvolvimento gradual, quantitativo, e as mudanças abruptas, qualitativas - reduz o lugar daquela a um jogo intelectual de salão, no dizer de Hobsbawn, favorecendo o domínio do conservadorismo. Valério Arcary rompe com esse rebaixamento de expectativas e vai buscar nas esquinas do século XX os elementos-chave para compreender os momentos de transformação da humanidade e os desafios postos para o futuro.





GROPPO, Luís Antonio. Juventude: ensaios sobre sociologia e história das juventudes modernas. Rio de Janeiro: Difel, 2000.

Sinopse: É comum observarmos na atualidade inúmeras idéias sobre adolescência e juventude associadas a noções de desordem e crises. Será que tais idéias se mostram coerentes quando se fala nessa população em questão? No livro Juventude: Ensaios sobre Sociologia e História das Juventudes Modernas, Luis Antonio Groppo aborda o conceito de juventude, mostrando que este foi construído histórico, cultural e socialmente. Observa-se que existe uma concepção segundo a qual o ser humano é pensado como um indivíduo que, biológica, mental e socialmente evolui da fase infantil para as fases adultas, sendo a juventude uma fase intermediária. A obra deixa transparecer sua importância no tocante ao tema em pauta. Escrito de maneira clara, o livro cumpre o seu papel de demonstrar e, ao mesmo tempo informar, a maneira como a juventude foi se constituindo ao longo da história da humanidade. Trata-se de um instrumento importante para os profissionais da área das ciências humanas, como também para os profissionais da área da saúde, educação e pesquisadores interessados no assunto.


SUÁREZ SALAZAR, Luis. Las relaciones interamericanas: continuidades y cambios. Buenos Aires: CLACSO, 2008.

Sinopse: El presente libro constituye un significativo aporte para explicar en qué medida el sistema de relaciones interamericanas ha sido el contexto regional en el que la elite del poder estadounidense intentó y logró subordinar a toda la región a su poder imperial para beneficio de las grandes empresas transnacionales y en detrimento de los verdaderos intereses de nuestros países. El doctor Luis Suárez Salazar y la doctora Tania García Lorenzo, reconocidos especialistas cubanos que llevan años trabajando las diferentes temáticas que componen este libro, han puesto a disposición de especialistas, estudiantes y lectores interesados un sintético pero enjundioso volumen en el que se resumen más de 200 años de historia de los vínculos entre Canadá, Estados Unidos y América Latina y el Caribe, analizando sus repercusiones en lo económico, lo político, lo social, lo ideológico y lo cultural.


SARAIVA, António José. Inquisição e cristãos-novos. Lisboa: Estampa, 1985.

Sinopse: António José Saraiva faz um distinção rácica entre árabes, judeus, que considera povos semitas e os povos europeus ou arianos dos quais os últimos representantes, nas palavras do autor, são o povo dos Estados Unidos da América. "Geralmente confunde-se 'Cristão-novo' e 'Judeu'. Para quase todos os autores que escreveram sobre cristãos-novos o problema deles é um problema de Judaísmo. Esta crença era já a dos Inquisidores, que fizeram tudo para a acreditar. O autor do presente ensaio pretende contestá-la. Empresa difícil, porque é um desafio, não apenas à inércia das ideias feitas e à susceptibilidade dos mitos, mas ainda à evidência indiscutida de uma documentação que, pela sua enormidade, faz as delícias dos eruditos: a secção inquisitorial da Torre do Tombo. (...) O nosso propósito, nas páginas seguintes, é problematizar a Inquisição, problematizando do mesmo passo o conceito de Cristãos-novos (...)" "


ALLÉGRE, Claude J. Deus e a ciência. Bauru: EDUSC, 2000.

Sinopse: Allègre apresenta os cenários e algumas das principais personagens das disputas pela supremacia de cada uma das explicações do mundo, na história do pensamento ocidental. Inicia o livro com o relato do processo sofrido por Galileu Galilei em 1633, que teve que abjurar de sua explicação sobre o sistema planetário com centro no Sol, descrevendo com sutileza o quadro político em que a Reforma e a independência de pensamento das Universidades nascentes na Europa conjugavam-se para fazer frente à autoridade papal. A seguir, acompanha a construção das principais explicações produzidas pela ciência, sempre procurando inseri-las no quadro mais amplo do desenvolvimento das instituições de cultura, saber, crença e dominação política do mundo ocidental. É no contexto de uma sociedade simultaneamente erudita e desencantada, dotada de uma ciência ao mesmo tempo triunfante e ameaçada pelos integrismos, que Claude Allègre se pergunta se ainda é possível ter fé.


PERICÁS, Luiz Bernardo (Org.). América Latina: história, idéias e revolução. São Paulo: Xamã, 1998.

Sinopse: A obra apresenta autores clássicos como Florestan Fernandes, Caio Prado Junior, Ruy Mauro Marini e intelectuais progressistas da atualidade. Traçando um panorama do pensamento socialista no continente os textos abordam não apenas as idéias e a obra de Juan B. Justo, José Carlos Mariátegui e Che Guevara, como chegam aos dias atuais discutindo o EZLN no Mèxico e apresentando entrevista com Gilmar Mauro, um dos mais importantes líderes do MST no Brasil. Todos estes elementos fazem deste livro uma obra importante para aqueles que se interessam em conhecer com maior profundidade os problemas sociais e o desenvolvimento do pensamento social latino-americanos, e refletir sobre as possibilidades da transição socialista no continente.


SADER, Eder (Org.). Che Guevara: política. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

Sinopse: Poucos lutadores terão influenciado os acontecimentos e as idéias políticas das últimas décadas em nosso continente como Ernesto 'Che' Guevara (1928-1967). Seu pensamento político tem a eficácia específica de uma inteligência que se debruça sobre um problema da realidade, buscando uma via para enfrentá-lo e engajando-se em todas as conseqüências. Esta antologia situa politicamente suas obras e apresenta o mais significativo possível de suas contribuições teórica - desde textos sobre as campanhas guerrilheiras em Cuba e na Bolívia, passando pelos problemas da construção do socialismo em Cuba e no mundo, pelo da construção do partido, temas da moral revolucionária, da luta contra o imperialismo e o socialismo. O Che escreveu para decifrar os caminhos da vida, da prática revolucionária e da construção ética de um mundo novo.


GIRALDIN, Odair. A (trans)formação histórica do Tocantins. Goiânia: Ed. da UFG; Palmas: Unitins, 2002.

Sinopse: A crescente globalização parece nos levar a uma visão cada vez mais universal da humanidade, mas vivem-se também movimentos particulares da história e da cultura. Para uma região como o Tocantins, cuja população vivenciou mais de dois séculos de isolamento, essa mundialização acontece com as transformações advindas da criação do estado, em 1988. No entanto, que histórias foram feitas durante aqueles duzentos anos que contribuíram para formar o atual Tocantins? Este livro é uma tentativa de dar algumas respostas para essa questão.





CAVALARI, Rosa Maria Feiteiro. Integralismo: ideologia e organização de um partido de massa no Brasil (1932-1937). Bauru: EDUSC, c1999.

Sinopse: A Ação Integralista Brasileira, segundo regiam seus estatutos, era “uma associação civil, com sede na cidade de São Paulo e um partido político com sede onde se encontrar o seu chefe supremo [...]”. Foi fundada oficialmente por Plínio Salgado no dia 7 de outubro de 1932, através de um manifesto lido em reunião solene no Teatro Municipal de São Paulo. Num período muito breve de tempo, transformou-se no primeiro partido de massas do Brasil. Com o livro de Cavalari, aprofunda-se o entendimento sobre os mecanismos utilizados pela Ação Integralista Brasileira para a participação empolgada das massas, numa das primeiras estratégias deliberadas de convencimento de um grande número de pessoas a ter sucesso no Brasil. A autora discute também as possíveis relações do Integralismo com o Fascismo e o Nazismo, descreve e analisa os impressos, símbolos e rituais integralistas, componentes constitutivos da mítica e da imagética do Integralismo. Faz parte do livro um registro iconográfico altamente significativo sobre o movimento liderado por Plínio Salgado.


SCOWEN, Peter. O livro negro dos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Record, 2003.

Sinopse: O jornalista e mestre em Literatura Francesa Peter Scowen revolve os bastidores de episódios da história recente dos Estados Unidos para contextualizar os atentados de 11 de Setembro. Depois dos ataques que chocaram o mundo, o autor relembra: o governo americano declarou que as ações terroristas foram perpetradas contra seus ideais, e não contra suas práticas. Washington adotou a posição de vítima inocente, amparada pelo maniqueísmo do discurso do presidente George W. Bush, contrapondo mal e bem.






PARANÁ, Denise. O filho do Brasil: de Luiz Inácio a Lula. São Paulo: Xamã, 1996.

Sinopse: Uma biografia, uma análise multidisciplinar da trajetória de Lula e do Brasil. Com depoimentos do próprio Lula e de seus irmãos, procura esclarecer as condições que permitiram o surgimento de um dos maiores líderes do Brasil. Apresentação de Antonio Cândido.










CALMON, Pedro. História da civilização brasileira. Brasília: Senado Federal, 2002.

Sinopse: Na historiografia brasileira, Pedro Calmon destaca-se entre os que estudaram os fatos históricos e os interpretaram à luz de uma proposta acurada, presa aos acontecimentos sem esquecer que a história é dinâmica e seu estudo requer um instrumental que vai buscar em outras disciplinas o rigor para sua análise. Grande escritor, Calmon desenvolveu um estilo aliado ao conhecimento profundo das fontes históricas mais documentadas, de modo a cativar não só os estudiosos da História, como também os leigos, interessados em nosso passado. Nesta aventura cultural, Pedro Calmon navega nas primeiras caravelas que aqui aportaram com Cabral até as águas procelosas da Proclamação de República. Uma exegese que honra a trajetória do autor e que coloca nas mãos dos interessados em nossa História uma interpretação original e preciosa da evolução da civilização brasileira.


LEITE, Edgard. História e essência: historiografia jesuítica colonial (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: NEA/UERJ, 2001.

Sinopse: Estudo sobre as concepções de história desenvolvidas pela Companhia de Jesus.









ROCHA, Jober. A curva do destino. São Paulo: Iglu, 2011.

Sinopse: Na obra, o autor levanta hipóteses com o objetivo de estabelecer uma ponte entre a Ciência e a Metafísica da alma humana. Ele pretende comprová-las através de métodos matemáticos.









ANDREO, Igor Luis. Teologia da libertação e cultura política maia chiapaneca: o Congresso indígena de 1974 e as raízes do Exército Zapatista de Libertação Nacional. São Paulo: Alameda, 2013.

Sinopse: Neste livro, é discutido como o cruzamento de três experiências históricas se conjugaram para formar um dos movimentos políticos de maior repercussão da América Latina no fim do século XX: a mobilização indígena no sul do México por meio do Exército Zapatista da Libertação nacional e do seu enigmático líder, o subcomandante Marcos. Trata-se de um trabalho baseado em documentações históricas e bibliografia especializada que foge das visões impressionistas e jornalísticas que tem dominado as publicações brasileiras a respeito. Com originalidade, o autor busca explicar o zapatismo como o resultado da articulação entre a tradição indígena de Chiapas, a Teologia da Libertação e a esquerda revolucionária mexicana, cuja síntese, longe de ser uma somatória, mostrou-se como algo inovador, desafiador e por isso difícil de ser compreendido. Em geral atribuem-se as origens da mobilização indígena aos setores urbanos que fundaram o EZLN, os quais teriam operado no sentido de promover uma revolução no campo para as cidades. Aqui a perspectiva é oposta, de modo a priorizar a visão do processo a partir da realidade rural, tanto dos seus habitantes quanto as ações do clero católico. Podemos então apreciar o quanto o movimento indígena foi capaz de organizar-se e de formular as suas demandas de acordo com seus antigos princípios comunitários, assim como os religiosos foram importantes para viabilizar as iniciativas Indígenas de Chiapas, cujo estudo minucioso permite entender a sua importância na história do zapatismo.


HOLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Relações de gênero e diversidades culturais nas Américas. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura; São Paulo: EDUSP, 1999.

Sinopse: Relações de Gênero e Diversidades Culturais na América, último volume da Coleção América: Raízes e Trajetórias, faz um balanço da trajetória das mulheres e dos diversos povos na história americana ao longo destes últimos 500 anos. Os dois primeiros capítulos analisam a problemática feminina no contexto das lutas sociais e políticas, do trabalho, da religião e da família. No terceiro capítulo, são discutidos os movimentos migratórios e as transformações sociais decorrentes do encontro de grupos distintos. A obra adquire destaque por tratar de temas pouco abordados pela historiografia tradicional, mostrando a importância das mulheres na sociedade americana e o impacto das diferenças e contatos culturais.


NUNES, João Paulo Avelãs. O Estado Novo e o volfrâmio (1933-1947): actividade mineira, "Grande Depressão" e Segunda Guerra Mundial. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2010.

Sinopse: Visa-se neste livro reconstituir e analisar a evolução do subsetor luso do volfrâmio, quer na década de 1930 - etapa de crise e paulatina reativação -, quer ao longo dos anos quarenta, com destaque para o período da Segunda Guerra Mundial (fase de “euforia especulativa”). Observa-se, ainda, a título de contextualização, o período que decorreu entre o início da mineração do tungstênio em Portugal continental (1871) e o promulgar da “Lei de Minas do Estado Novo” (Julho de 1930), passando pela Primeira Grande Guerra (1914-1918). Sendo o volfrâmio um “metal estratégico”, presta-se a atenção às vertentes econômica e social, cultural e ideológica, mas, também, política e diplomática do “objeto global” em causa. Face à relevância atingida pelos concentrados de tungstênio ibérico, de 1941 a 1944, na “economia de guerra” dos Aliados e, sobretudo, do Terceiro Reich nacional-socialista, consideram-se, igualmente, a política externa e as concessões geoestratégicas da ditadura chefiada por António de Oliveira Salazar; as ligações do país às problemáticas do “ouro nazi” e do Holocausto; o modo como, depois de 1945, foram encarados entre nós a “comunidade germânica” e os “bens alemães”. Abordam-se, para terminar, as implicações da atividade extrativa ao nível do desenvolvimento local, regional e nacional; a presença ou a ausência do “volframista” e das “corridas ao tungstênio” na(s) nossa(s) memória(s) histórica(s).


SHAPIRO, Ian (Ed.). Ethnicity and group rights. New York: New York University Press, c1997

Sinopse: Within Western political philosophy, the rights of groups has often been neglected or addressed in only the narrowest fashion. Focusing solely on whether rights are exercised by individuals or groups misses what lies at the heart of ethnocultural conflict, leaving the crucial question unanswered: can the familiar system of common citizenship rights within liberal democracies sufficiently accommodate the legitimate interests of ethnic citizens? Specifically, how does membership in an ethnic group differ from other groups, such as professional, lifestyle, or advocacy groups? How important is ethnicity to personal identity and self-respect, and does accommodating these interests require more than standard citizenship rights? Crucially, what forms of ethnocultural accommodations are consistent with democratic equality, individual freedom, and political stability? Invoking numerous cases studies and addressing the issue of ethnicity from a range of perspectives, Ethnicity and Group Rights seeks to answer these questions.


ABU-LUGHOD, Lila. Veiled sentiments: honor and poetry in a bedouin society. Bekerley: University of California Press, 1999

Sinopse: Lila Abu-Lughod lived with a community of Bedouins in the Western Desert of Egypt for nearly two years, studying gender relations and the oral lyric poetry through which women and young men express personal feelings. The poems are haunting, the evocation of emotional life vivid. But her analysis also reveals how deeply implicated poetry and sentiment are in the play of power and the maintenance of a system of social hierarchy. What begins as a puzzle about a single poetic genre becomes a reflection on the politics of sentiment and the relationship between ideology and human experience.





ROSSI, Enzo. Bambini e adolescenti in condizioni di vulnerabilità: una ricerca nelle strade di Rio de Janeiro. Roma: Aracne, 2011

Sinopse: Questo libro nasce dalle iniziative che il CREG ha realizzato in viaggi di studio e solidarietà degli studenti di Tor Vergata in Brasile. Conclude le esperienze avute con bambini di strada e di favela, compendiando in una ricerca, cui gli stessi studenti hanno partecipato, le conoscenze acquisite sui bambini in situazione di strada di Rio de Janeiro. L'analisi delle condizioni di vulnerabilità in cui versano questi bambini, le loro condizioni di vita nella strada, la violenza che, in varie forme, li colpisce quotidianamente, sono alcuni degli argomenti affrontati, con vasto corredo di dati statistici, ricavati dalle interviste effettuate sul campo. L'analisi delle cause di queste condizioni di vulnerabilità, condotta in modo sistematico, consente di fornire indicazioni sulle politiche e strategie di recupero. Alcuni capitoli sono scritti da studenti, altri da esperti e professori brasiliani, che hanno utilizzato i dati da noi rilevati per approfondimenti concettuali. I contatti con l'Università UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), con cui il CREG ha un accordo di cooperazione, hanno consentito ai nostri studenti un approfondimento degli studi sull'argomento.


BRASIL. Congresso. Senado. Secretaria de Arquivo. Dados biográficos: senadores: quinquagésima quarta legislatura, 2011-2015. Brasília: Senado Federal, Secretaria de Arquivo, 2012.

Sinopse: O Senado Federal publica nova edição dos Dados Biográficos dos Senadores. A publicação apresenta o perfil das senadoras e senadores, constituindo importante obra de referência e preservação da memória institucional. Composto por representantes dos Estados e do Distrito Federal, o Senado Federal é um ambiente privilegiado de reflexão dos temas mais importantes do País. Cada uma das vinte e sete unidades da Federação tem três representantes, totalizando oitenta e um senadores, com mandatos de oito anos. A partir das personalidades dos integrantes do Parlamento é possível contextualizar as ideias, o pensamento e a cultura da própria sociedade brasileira. As pesquisas e a organização dos dados, fornecidas pelos gabinetes, foram realizadas pela Secretaria de Arquivo. As informações revelam a trajetória de cada parlamentar, as atividades desenvolvidas ao longo da vida pública; formação; participação em congressos e seminários. A presente edição refere-se à 54ª Legislatura, que compreende o período de 2011 a 2015.


ZIMMERMAN, Michael E. (Org.). Environmental philosophy: from animal rights to radical ecology. Upper Saddle River: Prentice Hall, c1998.

Sinopse: Edited by leading experts in contemporary environmental philosophy, this anthology features the best available selections that cover the full range of positions within this rapidly developing field. Divided into four sections that delve into the vast issues of contemporary Eco-philosophy, the Fourth Edition now includes a section on Continental Environmental Philosophy that explores current topics such as the social construction of nature, and eco-phenomenology. Each section is introduced and edited by a leading philosopher in the field. For professionals with a career within the environmental field including law, politics, conservation, geography, and biology.



BADINTER, Elisabeth (Org.). Palavras de homens (1790-1793): Condorcet, Prudhomme, Guyomar. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

Sinopse: O pensamento dos revolucionários franceses sobre o papel da mulher na sociedade, numa pesquisa histórica que reproduz testemunhos, discursos e escritos dos poucos ativistas que se importavam com a sorte de suas companheiras.










MILLER, Rory. Britain and Latin America in the nineteenth and twentieth centuries. London: Longman, 1993.

Sinopse: The first full-length survey of Britain's role in Latin America as a whole from the early 1800s to the 1950s, when influence in the region passed to the United States. Rory Miller examines the reasons for the rise and decline of British influence, and reappraises its impact on the Latin American states. Did it, as often claimed, circumscribe their political autonomy and inhibit their economic development? This sustained case study of imperialism and dependency will have an interest beyond Latin American specialists alone.






MATIJASCIC, Vanessa Braga (Org.). Operações de manutenção de paz das Nações Unidas: reflexões e debates. São Paulo: Unesp, 2014.

Sinopse: Tema de discussões importantes no âmbito internacional, as operações de manutenção de paz das Nações Unidas ganharam notoriedade no Brasil somente a partir de 2004, quando o país assumiu o comando militar da operação de paz do organismo no Haiti (MINUSTAH). A sociedade brasileira começou a levantar questões acerca do motivo da participação do país na crise haitiana e a mostrar-se curiosa a respeito das causas do fenômeno, deflagrando a produção de grande número de publicações, eventos e reflexões sobre o assunto nas universidades do país. Este livro, ele próprio resultado do movimento virtuoso em curso, reproduz estudos alocados na linha de pesquisa “Paz, Defesa e Segurança Internacional” do Programa Interinstitucional de Pós-graduação em Relações Internacionais “San Tiago Dantas” da Unesp, Unicamp e PUC-SP.


MATIJASCIC, Vanessa Braga. Haiti: segurança ou desenvolvimento no início dos anos 1990. Curitiba: Appris, 2014

Sinopse: O livro analisa o contexto e os fatores que levaram à aprovação e envio da primeira operação de manutenção de paz das Nações Unidas ao Haiti no início da década de 1990, bem como busca verificar se os pontos do mandato aprovado pelo Conselho de Segurança foram cumpridos e sob quais condições. As negociações mediadas por atores internacionais também são analisadas, como a Organização das Nações Unidas, a Organização dos Estados Americanos e os Estados Unidos, e os resultados obtidos pelas partes envolvidas no conflito: Jean-Bertrand Aristide e autoridades militares e políticas haitianas. A leitura proporciona compreensão da temática de operações de manutenção de paz das Nações Unidas, história do Haiti e mecanismos diplomáticos para a solução de controvérsias.


GUSMÃO, Neusa Maria Mendes de. Os filhos da África em Portugal: antropologia, multiculturalidade e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

Sinopse: Ao eleger crianças e jovens africanos e luso-africanos como sujeitos do olhar, este trabalho assumiu como questão central a condição étnica decorrente da origem e da cor. A mesma razão tornou significativo o desvendar das estratégias de sobrevivência dos indivíduos e grupos frente às crises. A obra aborda as dificuldades e rupturas que vivenciam como grupo ou como membro de um grupo particular, no interior do qual os mecanismos de convivência étnica e racial são elaborados e transformados pelo contato com a sociedade nacional em que se inserem.





SEABRA, Jorge. O C.A.D.C. de Coimbra, a democracia cristã e os inícios do Estado Novo (1905-1934): uma abordagem introdutória a partir dos "Estudos sociaes" (1905-1911), "Imparcial" (1912-1919) e "Estudos" (1922-1934). Lisboa: Colibri, 2000.

Sinopse: A 2.ª edição (revista) desta obra de 1993, há muito esgotada, justifica-se por não terem surgido novos contributos e assim manter a sua importância inicial para compreender a história político-cultural e religioso-social da vida portuguesa na transição do regime monárquico para o republicano.









THOMÉ, Apóstolo (Espírito). Nova ordem de Jesus: palavras de luz e amor dirigidas pelo Senhor aos homens e mulheres responsáveis em todo o mundo terreno, v. I. Rio de Janeiro: Folha Carioca, 2010.

Sinopse: Novas orientações de Jesus, ou ainda, os novos esclarecimentos espirituais de Jesus. A obra contém, em seus dois volumes, 150 mensagens de ensinamentos espirituais elaborados no Alto, pelo Nosso Senhor Jesus, e ditados na Terra pelo Apóstolo Thomé, destinados à maior repercussão em todos os países, visto como a palavra do Senhor se dirige a todos os homens e mulheres responsáveis em todo o mundo terreno neste fim de século. A biblioteca possui o volume 1.






SÁ-CARVALHO, Carolina. Brasil: cultura cosmopolítica? um seminário em Princeton. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

Sinopse: Reflete sobre a diversidade da experiência brasileira e latino-americana na sociedade atual, marcada por intensa rotatividade de informações e mudança de valores. Analisa criações que vão das vanguardas brasileiras dos anos 1920 e 1960 à obra de João Cabral de Melo Neto, Lévi-Strauss e Octavio Paz, entre outros. Partindo de bases teóricas e metodológicas no campo dos estudos culturais, apresenta uma visão antropológica que estimula o debate geopolítico contemporâneo.






RIBEIRO, Gustavo Lins. Outras globalizações: cosmopolíticas pós-imperialistas. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

Sinopse: Sob uma perspectiva antropológica, analisa os movimentos de resistência política à globalização promovida pelo capital financeiro e pelas corporações transnacionais. Estuda os processos políticos e econômicos alternativos que se desenvolveram em escala mundial, como as manifestações de rua, de filosofia antiglobalização, e os Fóruns Mundiais Sociais, como cenário no qual se reivindica uma globalização alternativa. Inclui reflexões sobre o impacto da tecnologia em questões como o ativismo político à distância, via ciberespaço, e um olhar sobre a reconfiguração de identidades no mundo virtual e sobre o problema dos copyrights e da indústria da pirataria.




CARVALHO, José Murilo de (Org.). Dimensões e fronteiras do Estado brasileiro no oitocentos. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

Sinopse: Levanta indagações que possibilitem novos estudos sobre a construção do Estado brasileiro no século XIX. Procura configurar teias de relações entre o Estado em construção e as tensões sociais a partir de três fenômenos centrais: nação, cidadania e Estado. Trabalhando novos olhares sobre a escravidão, a cultura letrada e as instituições jurídicas, contribui para maior conhecimento da história oitocentista do país.







ANDERMANN, Jens. A óptica do estado: visualidade e poder na Argentina e no Brasil. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

Sinopse: Entabula um diálogo com o pensamento político e social brasileiro e argentino, combinando, na construção de seu arcabouço teórico, história, antropologia e estética. Analisa, mediante pesquisa de arquivos, a criação de museus, a organização de exposições e a documentação visual – em particular, mapas e registros fotográficos. Inclui análise cultural, pesquisa histórica e compreensão política.








WAISELFISZ, Jacobo. Mapa da violência 2014: os jovens do Brasil. Brasília: Secretaria Nacional de juventude, 2014.

Sinopse: Panorama da evolução da violência dirigida contra os jovens no período compreendido entre 1980 e 2012. Analisando os dados de Estados, Capitais e Municípios, tenta-se identificar os locais e os determinantes dessa violência em 3 níveis de análises temporais: em curto, médio e longo prazo. São homicídios, suicídios e acidentes de transporte. Verifica-se também, em diferentes capítulos, a incidência de fatores como o sexo, a raça/cor e as idades das vítimas dessa mortalidade, considerando-se população total e jovem.






WAISELFISZ, Jacobo. Mapa da violência 2014: homicídios e juventude no Brasil: atualização 15 a 29 anos. Brasília: Secretaria Nacional de juventude, 2014.

Sinopse: Atualização do Mapa da Violência 2013. Homicídios e Juventude no Brasil, que traça um panorama da evolução da violência dirigida contra os jovens no período compreendido entre 1980 e 2011, analisando os dados de Estados, Capitais e Municípios, aprofundando nas questões de gênero e de raça/cor das vítimas. A atualização teve a finalidade de reformularas séries históricas que trabalhavam com o conceito de juventude das Nações Unidas (15 a 24 anos de idade) para o delimitado pela legislação nacional (15 a 29 anos).





FIABANI, Adelmir. Mato, palhoça e pilão: o quilombo, da escravidão às comunidades remanescentes (1532-2004). São Paulo: Expressão Popular, 2005.

Sinopse: Este livro reconstrói o fenômeno quilombola, desde a implantação do trabalho escravizado no Brasil, nos anos de 1530, até a abolição formal do regime escravista, em 1888. Apresenta o quilombo como forma singular de resistência do trabalhador escravizado à apreensão violenta e exploração de sua força de trabalho, no quadro trabalhadores escravizados versus escravizadores. Finalmente, aborda o movimento de ressemantização empreendido, sobretudo por antropólogos, da categoria “quilombo”, nos anos seguintes à Constituição de 1988, que determinou o reconhecimento das terras dos remanescentes de quilombo, apontando para uma tentativa de negação desse fenômeno e do passado escravista.


COSTA, Ana Luiza Martins. Uma retirada insólita: Rio São Francisco, Barragem de Sobradinho. Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ, 2013.

Sinopse: O presente livro registra uma das mais bem sucedidas pesquisas sobre as transformações nos modos de vida que resultam da construção de barragens. A pesquisa antropológica realizada por Ana Luiza Martins Costa junto aos camponeses deslocados pelo enchimento do lago de Sobradinho é um exemplo das descobertas que se pode fazer quando o pesquisador relaciona-se com os atores no terreno, sem perder de vista o caráter relativo de sua inserção e as perturbações criadas por sua presença nos rituais cotidianos.






HELLER, Milton Ivan. Resistência democrática: a repressão no Paraná. Rio de Janeiro: Paz e Terra; Curitiba: Secretaria da Cultura, 1988.

Sinopse: Este livro é um documento do período que restaurou em nosso país as práticas da violência institucional e da degradação do sistema jurídico de liberdades, direitos e garantias. Ele desvenda um direito penal do terror e dos processos utilizados contra os dissidentes ideológicos e todos quantos passariam a merecer o labéu de 'subversivo'. É também um acervo de narrativas sobre as fantasmagorias da ditadura e a resistência de acusados, de testemunhas e de advogados.






ALVARADO, Sara Victoria (Org.). Jóvenes, cultura y política en América Latina: algunos trayectos de sus relaciones, experiencias y lecturas (1960-2000). Buenos Aires: CLACSO; Rosario: Homo Sapiens, 2010.

Sinopse: Este libro se propone visibilizar las voces y prácticas de los jóvenes como grupo humano inmerso en las complejas dinámicas sociales a nivel local, nacional y global. Además, plantea valorar su potencial creador de nuevas formas de ser en el mundo y de construirlo a partir de sus deseos. Desde estas perspectivas, el Grupo de Trabajo de CLACSO Juventud y nuevas prácticas políticas en América Latina, ha desarrollado indagaciones y reflexiones en torno a las formas tradicionales y contemporáneas en las que los jóvenes aparecen en el mundo y, a la vez, cómo éste los toca, transforma y constituye cotidianamente. Trabajamos desde diversas miradas que pasan por lo estético, lo cultural, lo político, lo social y lo ético. La obra que presentamos expresa el debate colectivo, intergeneracional y con diversidad de perspectivas teóricas y metodológicas alrededor de "los nuevos sentidos, prácticas y discursos que van emergiendo en torno a la ciudadanía de jóvenes en América Latina y sus nuevas formas de hacer política desde lo juvenil, profundizando en las maneras particulares como los y las jóvenes se vinculan a la construcción del orden político, para identificar y fortalecer aquellos sentidos, prácitcas y discursos más inclusivos, democráticos y participativos".


LANGER, Protasio Paulo (Org.). Missões, militância indigenista e protagonismo indígena. São Bernardo do Campo: Nhanduti, 2012.

Sinopse: O foco deste livro sobre as Missões Jesuíticas incide sobre questões indígenas e indigenistas num recorte cronológico mais ou menos contemporâneo. De um lado, o livro reúne artigos relativos a missões religiosas, religiosidade, conversão e evangelização e, de outro, textos sobre educação, terra, território e territorialidades.









CARVALHO, Eugênio Rezende de. Pensadores da América Latina: o movimento latino-americano de história das idéias. Goiânia: Editora UFG, 2009.

Sinopse: O livro aborda os fundamentos filosóficos, epistemológicos, teóricos e metodológicos dessa história das ideias enquanto disciplina específica, bem como a função pragmática atribuída a ela pelos representantes desse movimento. Pretende-se demonstrar que, contrastando com seu quase desconhecimento absoluto nos meios intelectuais e acadêmicos do Brasil, a história das ideias latino-americana conta já com uma longa tradição, projeção e história, independentemente das dificuldades de situá-la como um campo da disciplina histórica.


CÂNDIDO, Maria Regina (Org.). Práticas alimentares no mediterrâneo antigo. Rio de Janeiro: NEA/ UERJ, 2012

Sinopse: Neste livro o leitor é convidado a conhecer práticas alimentares em diversas sociedades do Mediterrâneo, passando pelo Egito, pela Grécia, por Roma, por Israel e pela sociedade celta. Os artigos, partindo de um eixo temático ligado à cultura material, refletem os diferentes usos da alimentação nas diferentes sociedades representadas. Entretanto, cada autor colabora a partir de sua própria perspectiva, quer ligada à histórica econômica, quer ligada à história da religião, quer à antropologia, quer à filosofia.






MARCUS, George E. (Org.) The traffic in culture: refiguring art and anthropology. Berkeley: University of California, c1995.

Sinopse: The essays in this collection signal a new relationship between anthropology and the study of art. The authors explore the boundaries and affinities between art, anthropology, representation, and culture, casting a critical, ethnographic light on the art worlds of the contemporary West and their "traffic" in non-Western objects.









DULCEY-RUIZ, Elisa. Envejecimiento y vejez: categorias conceptuales. Bogotá: Fundación Cepsiger para o Desarrollo Humano; Santiago de Chile: Red Latinoamericana de Gerontologia, 2013.

Sinopse: En este libro se parte de considerar la necesidad de asumir los desafíos multidimensionales que conlleva el envejecimiento poblacional e individual –tanto de América Latina, como del mundo en general- desde una perspectiva coherente con el respeto y la promoción de los derechos humanos de hombres y mujeres de todas las edades y condiciones. Invita a poner en duda pre-supuestos conceptuales que subyacen tras políticas, planes, programas y acciones relacionados con el envejecimiento y la vejez. Reconoce la importancia de fortalecer capacidades profesionales y no profesionales para re-crear, mediante el análisis crítico, la construcción y revisión permanente de conocimientos acerca de la vida, del envejecimiento y de la vejez, desde una perspectiva contextualizada histórica y socio-culturalmente.


CHANG, Iris. The rape of Nanking: the forgotten holocaust of World War II. New York: Penguin, 1998.

Sinopse: In December 1937, the Japanese army swept into the ancient city of Nanking. Within weeks, more than 300,000 Chinese civilians and soldiers were systematically raped, tortured, and murdered - a death toll exceeding that of the atomic blasts of Hiroshima and Nagasaki combined. Using extensive interviews with survivors and newly discovered documents, Iris Chang has written the definitive history of this horrifying episode.







CÂNDIDO, Maria Regina (Org.). Práticas religiosas no Mediterrâneo antigo. Rio de Janeiro: NEA/UERJ, 2011.

Sinopse: Ao apresentar uma publicação com um tema amplo como a Religião no Mediterrâneo Antigo, estamos trazendo ao debate as várias faces do sagrado na qual podemos construir uma relação interpretativa entre a natureza transcendente do ser humano diante da religião e como ele traduz a sua materialidade. A manifestação do sagrado contribui para uma nova semântica de relações no qual o homem religioso imprime ao mundo sensível uma descontinuidade, que reclassifica qualitativamente os objetos, sacraliza o mundo e atribui um significado ao espaço sagrado em oposição ao cotidiano do mundo profano.




ASHCROFT, Bill. Post-colonial transformation. London: Routledge, 2001.

Sinopse: Bill Ashcroft gives us a revolutionary view of the ways in which post-colonial societies have responded to colonial control. The most comprehensive analysis of major features of post-colonial studies ever compiled, Post-Colonial Transformation: demonstrates how widespread the strategy of transformation has been; investigates political and literary resistance; examines the nature of post-colonial societies' engagement with imperial language, history, allegory, and place; offers radical new perspectives in post-colonial theory in principles of habitation and horizonality. Post-Colonial Transformation breaks new theoretical ground while demonstrating the relevance of a wide range of theoretical practices, and extending the exploration of topics fundamentally important to the field of post-colonial studies.


CORRÊA, Luiz Maria Pio. O Grupo de Ação Financeira Internacional (GAFI): organizações internacionais e crime transnacional. Brasília: FUNAG, 2013.

Sinopse: A criminalidade financeira internacional – lavagem de dinheiro de tráfico de drogas, financiamento do terrorismo, corrupção de agentes governamentais– vem se desenvolvendo pari passu à globalização, representando de 2 a 5% do PIB mundial. O GAFI foi criado para enfrentar esses problemas e o Brasil integrou o órgão por iniciativa do ministro Pedro Malan, em 1999, passando igualmente a atuar no Gafisud, criado em seguida no âmbito da América Latina. A tese analisa os instrumentos internacionais nessa área, a atuação do GAFI e, no terceiro capítulo, a inserção do Brasil no regime global. Desde 2001 o Itamaraty criou uma unidade especializada no tema, atua em coordenação com o COAF (Fazenda) e no âmbito do G-20 financeiro. O Brasil já possui instrumentos para tratar da corrupção e da lavagem de dinheiro, mas ainda não adotou algum adaptado ao terrorismo. Por que será?


ESTERCI, Neide (Org.). Territórios socioambientais em construção na Amazônia brasileira. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2014.

Sinopse: Territórios socioambientais em construção na Amazônia brasileira apresenta resultados de pesquisas que têm tido por objetivos processos de criação e esforço de caracterização de projetos socioambientais propostos ou implementados na Amazônia brasileira.









POMBO, Olga. Interdisciplinaridade: ambições e limites. Lisboa: Relógio d'água, 2004.

Sinopse: Digamos que estamos a entrar num terceiro momento da história das relações do homem com o mundo. O primeiro seria o momento sincrético, anterior à ciência, anterior à análise, fundado numa relação indistinta entre o homem e o cosmos, isto é, a totalidade orgânica e organizada que o cerca. Um segundo momento, correspondente à Galáxia de Gutenberg, como diria McLuhan, seria o da especialização, da fragmentação disciplinar, do pensamento analítico governado pelo princípio, hoje insustentável na sua generalidade, de que o todo é igual à soma das partes. Estaríamos agora a entrar num terceiro momento: aquele que, justamente, reclama o contributo da interdisciplinaridade e integração dos saberes. O que significa que a interdisciplinaridade não é qualquer coisa que nós tenhamos de fazer. É qualquer coisa que se está a fazer quer queiramos ou não.


CONCEIÇÃO, Douglas Rodrigues da (Org.). Religião no Brasil: ciência, cultura, política e literatura. São Paulo: Fonte Editorial, 2013.

Sinopse: 'As religiões no Brasil' é um livro pensado de maneira interdisciplinar sobre religião. A costura epistemológica de seus capítulos e de suas seções propõe enfoques teóricos das manifestações religiosas no Brasil como algo transversal. Logo, este livro escrito sobre religião, parte do contexto brasileiro, mas com abrangências teóricas que alcançam vários outros contextos de expressão do sagrado. Em vias de mão dupla, os escritos tratam de temas e metodologias investigativas da religião. Este livro oferece aos seus leitores uma possibilidade de situar pontos capitais de debates científicos importantíssimo sobre a religião.




COUTINHO, Joana Aparecida (Org.). Crise do capital, lutas sociais e politicas públicas. São Paulo: Xamã, 2012.

Sinopse: Resultado de pesquisas levadas a efeito pelo Observatório de Políticas Públicas e Lutas Sociais, o livro está estruturado em quatro partes enfocando grandes temas, com textos de autores brasileiros e estrangeiros. Na primeira parte discute-se o declínio do império estadunidense; recupera-se o debate clássico de Trotski sobre a teoria do desenvolvimento desigual e combinado e introduz-se, nesta discussão, o papel do Estado. Na segunda parte são apresentados três enfoques dos efeitos das políticas neoliberais: o governo, o mercado e a inserção da Amazônia no ciclo das commodities; o papel das organizações não governamentais de desenvolvimento que, ao focarem local, atuam como importante braço do imperialismo; e os efeitos dessa política nas cidades: o papel civilizatório da vida urbana se apresenta como tragédia. Na parte seguinte, três textos tratam da difícil questão da universalização das políticas sociais. Por fim, a quarta parte nos brinda com dois artigos sobre as lutas de resistências.


AMARO, Jorge W. F. A construção do conhecimento e o aprisionamento pelos seus referenciais. São Paulo: Casa Leitura Médica, 2010.

Sinopse: O autor analisa um elenco das disciplinas do conhecimento, que abrange ciências humanas e exatas, inclui as matemáticas e assinala a importância do referencial adotado pelos cientistas e pensadores. Demonstra que todo conhecimento é parcial, provisório e precário; da insuficiência desse tripé emerge um referencial próprio que, segundo Jorge Wohwey Ferreira Amaro, delineia e designa como referencial amariano.







FORACCHI, Marialice Mencarini (Org.). Sociologia e sociedade: leituras de introdução a sociologia. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1977.

Sinopse: Obra destinada aos cursos introdutórios de ciências sociais para as áreas de sociologia, história, geografia, pedagogia, psicologia, letras e todas aquelas em que a matéria é componente curricular. Destina-se igualmente a quantos - mesmo já tendo ultrapassado o estágio introdutório - desejem uma leitura renovadora, equilibrada e abrangente sobre o objeto e os métodos da sociologia a partir de um enfoque assistemático. A coletânea, constituída de leituras fundamentais para o conhecimento da sociologia, foi organizada e apresentada por dois renomados especialistas da Universidade de São Paulo, e traz trabalhos de Florestan Fernandes e Alain Touraine, de Émile Durkheim a Karl Marx, passando por autores mais representativos das ciências sociais, como John Horton e Raymond Aron, Ralph Dahrendorf e Erich Fromm, Max Weber e Karl Leowith, Lucien Goldman e Henri Lefebvre, entre outros.


FAGANELLO, Priscila Liane Fett. Operações de manutenção da paz da ONU: de que forma os direitos humanos revolucionaram a principal ferramenta internacional da paz. Brasília: FUNAG, 2013.


Sinopse: O fundamento mais importante das Nações Unidas é a defesa dos direitos humanos. Em mais de 60 anos essa luta tem sido árdua, requerendo não apenas adaptações normativas significantes, como um empenho político muito grande. A ONU respeita as diferenças culturais, valoriza a diversidade de pensamento e preza pela liberdade política. Entende que a maior riqueza de um país é seu povo e que cabe aos governos protegê-lo. Quando essa responsabilidade não é cumprida e violações dos direitos fundamentais passam a representar uma ameaça para a paz e a segurança internacionais, é preciso agir. Delimitar o que, como e quando fazer é desafiador. As missões de manutenção da paz autorizadas pelo Conselho de Segurança da ONU mostram a complexidade desse sistema e a necessidade de aprimoramento contínuo.


GASPARI, Elio. A ditadura envergonhada. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

Sinopse: Durante os últimos trinta anos, o jornalista Elio Gaspari reuniu documentos até então inéditos e fez uma exaustiva pesquisa sobre o governo militar no Brasil. O resultado desse meticuloso trabalho gerou um conjunto de quatro volumes que compõe a obra mais importante sobre a história recente do país, e que acaba de ganhar uma edição revista e ampliada, enriquecida com novas fotos e projeto gráfico de Victor Burton. Nos primeiros anos após o golpe de 1964, o governo militar ainda relutava em se assumir como uma ditadura, daí o título A ditadura envergonhada. Mas com a edição do AI-5, no final de 1968, que suspendeu direitos constitucionais, ela se revela.



PALERMO, Vicente. Sal en las heridas: las Malvinas en la cultura argentina contemporánea. Buenos Aires: Sudamericana, c2007.

Sinopse: La obra de Palermo constituye, además, un análisis detallado y profundo de la formación histórica y la operación contemporánea de un tipo de nacionalismo "territorialista", que se extiende en Argentina mucho más allá de los movimientos o partidos políticos que se declaran nacionalistas en el sentido convencional. Se trata, por el contrario, de una ideología o "configuración discursiva" que cuenta con la activa adhesión de una amplia mayoría de los actores políticos en el país.






CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2008.

Sinopse: Como historiador, Clifford analisa a emergência da moderna noção antropológica ou etnográfica de cultura, tal como esta veio a se configurar nos dois primeiros terços do século XX. O autor focaliza os modos de representação etnográfica no contexto colonial e pós-colonial e no contexto cultural do modernismo literário e artístico europeu. Nesse percurso, explora fronteiras sempre móveis entre história, literatura e antropologia.







VASCONCELOS, Eduardo Mourão. Complexidade e pesquisa interdisciplinar: epistemologia e metodologia operativa. Petrópolis: Vozes, 2013.

Sinopse: O autor combina uma avaliação sistemática dos debates mais recentes sobre a crise do paradigmas científicos, pós-modernismo, complexidade e interdisciplinaridade, com uma perspectiva de claro engajamento social e ético desenvolvendo um manual extremamente didático e operativo de pesquisa e de escrita de trabalhos acadêmicos, científicos ou aplicados à gestão concreta de serviços e organizações.







ECHANIZ, Ignatius. Paixão e glória: história da Companhia de Jesus em corpo e alma. São Paulo: Loyola, c2006. 3 v.

Sinopse: Paixão e glória é uma galeria de mais de cem jesuítas que exerceram funções importantes na história da Companhia de Jesus.








BOHADANA, Estrella. Ética. Rio de Janeiro: PoD, 2010.

Sinopse: Neste livro os autores apresentam os elementos que constituem a reflexão ética, introduzindo e periodizando as doutrinas éticas fundamentais: o objeto da ética, moral e história; as doutrinas éticas fundamentais; as discussões do ato moral e a responsabilidade moral; o caráter histórico e social da moral.









GAMA, Andréa de Sousa. Trabalho, família e gênero: impactos dos direitos do trabalho e da educação infantil. São Paulo: Cortez, 2014.

Sinopse: Este livro trata de tema de maior relevância e atualidade: o conflito entre trabalho e responsabilidades familiares. Adepta da crítica feminista à separação entre as esferas da produção e da reprodução social, a autora discute que a feminização dos mercados de trabalho coincidiu com a transformação da organização do trabalho e da produção. Essas mudanças incrementaram as tensões entre trabalho e vida familiar.







DELMONDES, Camila. Flaskô: fábrica ocupada. Campinas: CEMOP, 2009.

Sinopse: Há mais de sete anos, depois de abandonada pelos antigos proprietários, a fábrica de embalagens plásticas Flaskô, em Sumaré, no interior de São Paulo, foi ocupada pelos trabalhadores, como forma de garantir seus postos de trabalho. O livro-reportagem relata histórias de vida desses que, lutando para pagar as dívidas da antiga administração – que somam mais de 110 milhões de reais – reivindicam a estatização da fábrica pelo Governo Federal. Para concretizar esse sonho, organizam protestos e estabelecem alianças com outros movimentos sociais. Na tentativa de equilibrar pendências financeiras e o pagamento dos próprios salários, enfrentam o Estado, a Justiça e a opinião pública.



URANI, André. Trilhas para o Rio: do reconhecimento da queda à reinvenção do futuro. Rio de Janeiro: Elsevier: Campus, c2008.

Sinopse: Embasado nas pesquisas do IETS, André Urani traz ao leitor uma obra de arte sociológica. Mais que um estudo superficial ou romântico sobre o Rio de Janeiro, este livro é um retrato fiel dos caminhos passados, presentes e futuros da cidade que um dia já foi maravilhosa. Urani, com propriedade de alguém que conhece a fundo o Rio e que já participou da esfera pública, traça um mapa dos principais problemas da metrópole e propõe soluções viáveis para o fim da letargia fluminense.






LANGLEY, Lester D. The banana wars: United States intervention in the Caribbean, 1898-1934. Chicago: Dorsey Press, 1988.

Sinopse: The Banana Wars: United States Intervention in the Caribbean, 1898-1934 offers a sweeping panorama of America's tropical empire in the age spanned by the two Roosevelts and a detailed narrative of U.S. military intervention in the Caribbean and Mexico. In this new edition, Professor Lester D. Langley provides an updated introduction, placing the scholarship in current historical context. From the perspective of the Americans involved, the empire carved out by the banana warriors was a domain of bickering Latin American politicians, warring tropical countries, and lawiess societies that the American military had been dispatched to police and tutor.




BURGOS, Arnaldo Beltrão. Jurema sagrada: do nordeste brasileiro à Península Ibérica. Fortaleza: Expressão, 2012.

Sinopse: O antropólogo cearense Ismael Pordeus Jr. é uma autoridade nas diversas manifestações religiosas luso-afro-brasileiras. O presente livro traz a narrativa, em primeira pessoa, de um pai-de-santo. Ismael organizou os textos do babalorixá pernambucano Arnaldo Burgos, que vive em Portugal, e mostra a permanência desta religião que mistura elementos africanos e indígenas, nascida no Nordeste, e bem acolhida na Europa.







NEPOMUCENO, Margarida. Lívio Abramo en Paraguay: entretejiendo culturas. Paraguay: Don Bosco, 2013.

Sinopse: En el libro, la autora busca mostrar la vida y obra de Lívio Abramo y su transitar por los caminos de la cultura y del arte, estrechando los lazos de amistad entres los pueblos de Paraguay y Brasil. Para desarrollar su obra, Margarida Nepomuceno ha investigado en los acervos particulares en el Paraguay, puestos a disposición por artistas e intelectuales, exalumnos, parientes y amigos de Abramo, quienes proveyeron diversos documentos para esta investigación, como catálogos, textos, cartas, borradores, fotografías y recortes de periódicos de los años en que Abramo vivió en Paraguay, desde fines de los cincuenta hasta 1992, año de su muerte. Este material, junto con los archivos de la Embajada de Brasil en Paraguay y a los del Centro de Estudios Brasileños, y también las publicaciones sobre Lívio Abramo, auspiciadas generalmente por la Embajada, proporcionaron un fecundo terreno para las investigaciones.


IGLESIAS, Marcelo Piedrafita. Os Kaxinawá de Felizardo: correrias, trabalho e civilização no Alto Juruá. Brasília: Paralelo 15, 2010

Sinopse: Apresentada primeiramente como Tese de Doutorado ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional/ UFRJ, a obra recebeu o Prêmio ABA-GTZ 2008-2010, “Povos Indígenas na Amazônia: Cenários etnográficos de mudança e continuidade”, que possibilitou a sua publicação em forma de livro. Combinando pesquisa e intervenção, Iglesias tem participado ativamente de processos de identificação e delimitação de terras indígenas; ora como assessor das organizações indígenas, ora como antropólogo convidado. Sua presença em campo é permeada por relações com os indígenas e suas associações – como a Associação dos Seringueiros Kaxinawá do Rio Jordão (ASKARJ) –, com instituições públicas – em especial a Funai – e com outros atores e pesquisadores, dentre os quais se destaca a parceria com o antropólogo Terri Valle de Aquino.


MOREIRA, Luiz Guilherme Scaldaferri. Os índios na história da Aldeia de São Pedro de Cabo Frio, séculos XVII-XIX. Rio de Janeiro: Grafline, 2010.

Sinopse: De acordo com o professor Luiz Guilherme Scaldaferri Moreira, o livro pretende suscitar a reflexão acerca da ação do indígena aldeado, em sua capacidade de ressocialização e de reconstrução de sua identidade, a partir das demandas emergidas na realidade histórica em que estão inseridos. “Apesar dos avanços nas ciências humanas, ainda hoje temos no imaginário popular, muitas vezes reproduzido nas escolas, noções equivocadas sobre a presença do índio na história do Brasil. O livro se dedica à análise do papel dos indígenas aldeados entre os séculos XVII e XIX na Região dos Lagos, articulando-a ao cenário da história do Brasil Colônia e Império”, explica.



LOIZOS, Peter. Innovation in ethnographic film: from innocence to self-consciousness, 1955-85. Chicago: University of Chicago Press, 1993.

Sinopse: In the first coprehensive introduction to the nature and development of ethnographic film, Peter Loizos reviews fifty of the most important films made between 1955 and 1985. Going beyond programmatic statements, he analyzes the films themselves, identifying and discussing their contributions to ethnographic documentation. Loizos begins by reviewing works of John Marshall and Timothy Asch in the 1950s and moves through those of Jean Rouch, Robert Gardner, and many more recent filmmakers. He reveals a steady course of innovations along four dimensions: production technology, subject matter, strategies of argument, and ethnographic authentication. His analyses of individual films address questions of realism, authenticity, genre, authorial and subjective voice, and representation of the films' creators as well as their subjects. Innovation in Ethnographic Film, as a systematic and iluminating review of developments in ethnographic film, will be an important resource for the growing number of anthropologists and other scholars who use such films as tools for research and teaching.


VASCONCELOS, J. Democracia pura: história e atualidade: reforma política: teoria e prática sobre governo sem políticos profissionais. São Paulo: Exterior, 2014.

Sinopse: A partir de exemplos reais, o professor J. Vasconcelos demonstra que a verdadeira expressão da democracia se dá pelo autogoverno do povo, sem a presença de políticos profissionais e de mecanismos tradicionalmente adotados na atual democracia representativa, na qual interesses pessoais e partidários se sobrepõem aos anseios da população.








OLIVEIRA, Frederico César Barbosa de. Quando resistir é habitar: lutas pela afirmação territorial dos Kaiabi no baixo Teles Pires. Brasília: Paralelo 15, 2012.

Sinopse: Este livro reflete sobre os efeitos e possibilidades presentes nas relações ecológicas que os índios Kaiabi, habitantes do rio Teles Pires, estabelecem com o ambiente envolvente. Apesar das inúmeras transformações ocorridas em seu sistema territorial, após contatos intensivos com seringueiros e outras frentes econômicas, os Kaiabi vêm conseguindo se perpetuar enquanto grupo autônomo utilizando a ligação com o Teles Pires como fator diacrítico chave. A etnografia se volta para a descrição das elaborações territoriais fundadas em experiências históricas do passado, considera os arranjos recentes para manterem a conexão afetiva com o Teles Pires e analisa as estratégias políticas atuais, frente a uma situação de conflito socioambiental, para conseguirem afirmar sua identidade étnica através de garantias de direitos territoriais. A abordagem geral da tese está fundada numa antropologia territorial, pouco explorada em estudos envolvendo povos indígenas ou “populações tradicionais”, na qual as relações entre pessoas e ambiente natural são entendidas através de um mútuo comprometimento, em vez da separação.


LAQUEUR, Walter. The dream that failed: reflections on the Soviet Union. New York: Oxford University Press, 1994.

Sinopse: In The Dream that Failed, Laqueur offers an authoritative assessment of the Soviet era - from the triumph of Lenin to the fall of Gorbachev. In the last three years, decades of conventional wisdom about the U.S.S.R. have been swept away, while a flood of evidence from Russian archives demands new thinking about old assumptions. Laqueur rises to the challenge with a critical inquiry conducted on a grand scale. He shows why the Bolsheviks won the struggle for power in 1917; how they captured the commitment of a young generation of Russians; why the idealism faded as Soviet power grew; how the system ultimately collapsed; and why Western experts have been so wrong about the Communist state.



CHURCHLAND, Paul M. The engine of reason, the seat of the soul: a philosophical journey into the brain. Cambridge: MIT Press, 1996.

Sinopse: In The Engine of Reason Churchland has produced what will surely become the classic popular account of connectionist perspectives on mind and brain. He begins with a quick sketch of basic neurobiology, then provides an excellent non-technical introduction to neural networks. Starting with simple vector coding, he works his way up to recurrent networks capable of recognising and controlling causal processes. His examples include systems for face recognition, stereo vision, speech synthesis, and muscle coordination.






THOMAS, à Kempis. Imitação de Cristo. São Paulo: Círculo do Livro, [199-?].

Sinopse: Imitação de Cristo trata-se de uma coletânea de reflexões destinadas a alimentar a vida espiritual dos cristãos. A obra divide-se em quatro partes chamadas livros, subdivididos em pequenos capítulos - o primeiro traz conselhos úteis para a vida espiritual; o segundo traz exortação à vida interior; o terceiro trata da consolação interior; e o quarto do Sacramento da Eucaristia.








MARX, Karl. Contribuição à crítica da economia política. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

Sinopse: Esta obra clássica deixou marcas indeléveis na civilização. Tomamos aqui a palavra "clássica" no sentido mais geral: não apenas para as obras gregas e latinas mas para as obras fundadoras da cultura, obras que, por sua originalidade e pelos valores que ajudaram a criar na sua trajetória histórica, conservam sua atualidade.









TREVISOL, Joviles Vitório. Atores sociais e meio ambiente: análise de uma rede transnacional de organizações da sociedade civil. Chapecó: Argos, 2007.

Sinopse: O texto de Joviles inicia proporcionando-nos um entendimento sobre a emergência de um ativismo civil transnacional no contexto de uma sociedade que se globaliza, evidenciando a diversidade organizacional dos atores, que vão de ONGs às redes, coalizões, fóruns a um movimento 'antiglobalização capitalista'.









GIUMBELLI, Emerson. O fim da religião: dilemas da liberdade religiosa no Brasil e na França. São Paulo: Attar, 2002.

Sinopse: Este volume inaugura a coleção "Movimento Religiosos no Mundo Contemporâneo", que se propõe a divulgar a produção científica dedicada à compreensão do problema da religiosidade no mundo atual. Esta produção parte do pressuposto de que a questão religiosa é elemento central para se entender as transformações das sociedades contemporâneas, tanto em suas dimensões políticas, econômicas e culturais quanto na esfera da subjetividade e da espiritualidade, isto é, da experiência religiosa propriamente dita. Embora a abordagem privilegiada seja eminentemente antropológica, a perspectiva desta coleção assenta-se no diálogo com outras disciplinas também voltadas à compreensão do fenômeno religioso, como a Filosofia, a Sociologia, a Psicologia e as Ciências da Religião.


LEITE, José Correia. ...E disse o velho militante José Correia Leite. São Paulo: Noovha América, 2007.

Sinopse: A infância de José Correia Leite no romper do século XX foi marcada pela loucura de sua mãe, como a Gavita de Cruz e Souza. Viveu na mescla étnica do Bixiga: negro, português e italiano, onde os negros viviam excluídos. A narrativa de "...E disse o velho militante José Correia Leite" revela com a riqueza descritiva do velho Leite e com o empenho inteligente de Cuti as ruas, os casarões, os porões e todas as contradições e privilégios dos imigrantes europeus instalados no bairro – como invasores, já que o Bixiga é um dos últimos quilombos urbanos do Brasil – e a subcondição social do negro à margem do mercado de trabalho.




RUBIN, Julio Cezar Rubin de (Org.). Geoarqueologia. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2013.

Sinopse: O livro é uma coletânea que reúne textos de autores experientes, tanto do ponto de vista técnico-científico, quanto do ponto de vista da didática. Trata-se de uma abordagem que vem tomando corpo no âmbito geral da Arqueologia e de fundamental importância para a elucidação de temas ou situações.









VASCONCELOS, Eduardo Henrique Barbosa de (Org.). Novos caminhos em velhos mapas: cultura, política & historiografia. Anápolis: UEG; São Leopoldo: Oikos, 2014.

Sinopse: A presente coleção de artigos foi escrita por professores universitários e por jovens estudiosos que trabalham em vários estados brasileiros. Ela demonstra a gama de questões sobre o desenvolvimento nacional e sua organização que os historiadores brasileiros estão enfrentando neste momento dinâmico na história da sua nação. Eles cobrem uma variedade de tópicos, centrados principalmente na história brasileira nos séculos XIX e XX. Juntos, os ensaios indicam a profundidade e a diversidade do interesse histórico dos pesquisadores brasileiros.





DIDEROT, Denis. Diderot, obras: Filosofia e política. São Paulo: Perspectiva, 2000. 2v.

Sinopse: A presente coletânea reúne os textos mais importantes de um filósofo que, na era das Luzes, dominou a cena intelectual. Os livros de Diderot constituem um ponto elevado na tradição racionalista, laica e democrática, cujos fundamentos foram abalados pelo romantismo religioso e místico do século XIX. As contra-revoluções políticas modernas, surgidas como fruto do Termidor e do império napoleônico, tentaram banir as conquistas humanísticas e científicas da Renascença.







NAXARA, Márcia Regina Capelari (Org.). Figurações do outro. Uberlândia: Edufu, 2009.

Sinopse: Este livro reúne colaborações que, em sua maioria parte, foram apresentadas no Colóquio Internacional realizado em maio de 2007 na Universidade Federal do Paraná, com a ampla proposta de trazer à discussão o locus movediço entre razão e sentimentos, onde ocorre o entrecruzamento de certas figurações instituintes da(s) "alternativas(s)" no pensamento e sensibilidade modernos, providenciais para a comprensão das subjetividades, da política e das indagações aos paradigmas científicos e morais vivenciados pelo mundo contemporâneo.





TOUCHARD, Jean. História das idéias políticas. Lisboa: Publ. Europa-América, [199-?]. 2v.

Sinopse: 'A História das Idéias Políticas' é uma obra para a compreensão das filosofias do Estado e do Direito. Mais do que repositório de doutrinas, esta obra mostra a forma como as idéias sobre o Estado e o poder se relacionam com as circunstâncias históricas e culturais. Neste volume assiste-se ao despertar do Estado Moderno, cujo corolário é, evidentemente, Maquiavel. Os humanismos e a Reforma são também propostas políticas de renovação do Estado - as transformações das sociedades nos séculos XVI e XVII são um cadinho de reflexão política cujo resultado é, por um tempo, um poder cada vez mais absoluto das monarquias. Mas o crescimento da burguesia traz consigo uma distribuição da riqueza, o que se reflete na distribuição do poder que o Iluminismo procura estabelecer.


SPINOZA, Benedictus de. Oeuvres III: éthique: démontrée suivant l´ordre géométrique et divisée en cinq parties. Paris: Garnier-Flammarion, c1965.

Sinopse: Ethique de Baruch de Spinoza: la philo avec Spinoza est d'un entendement précurseur pour des auteurs comme Nietzsche, Deleuze, Schopenhauer, et bien d'autres. Cela requiert de bonnes bases mais il ne faut pas lâcher prise! Cela peut paraître indigeste au début mais Spinoza éclaire dans "l'Ethique" une vue du rapport de l'humain à Dieu nécessaire pour la compréhension des philosophes à venir!








SPINOZA, Benedictus de. Oeuvres II: traité théologico-politique. Paris: Garnier-Flammarion, c1965.

Sinopse: Publié en 1670, ce traité est d'abord une intervention de Spinoza dans le débat civique et religieux de son temps, aux Pays-Bas et dans l'ensemble de l'Europe : il établit que la "liberté de philosopher", loin d'être nuisible à la piété et à la paix de l'Etat, leur est absolument nécessaire. Spinoza va démontrer qu'on ne peut la refuser quand elle s'exprime dans le cadre de la loi.








VIDEIRA, Antonio A. Passos. A inevitabilidade da filosofia na ciência natural do século 19: o caso da física teórica. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 2013.

Sinopse: O objetivo deste livro pode ser descrito como a tentativa de mostrar que Boltzmann, Mach, Hertz, Helmholtz, Ostwald, Maxwell, Poincaré e Kirchhoff, para ficarmos apenas com alguns dos cientistas do período escolhido, elaboraram reflexões sobre os fundamentos das Ciências Naturais não apenas interessantes, mas ainda hoje relevantes e instrutivas. Em que pesem as contribuições que deram para as profundas revoluções que tanto afetaram a Física e a Matemática ao longo dos últimos 110 anos, e que foram moldadas por Einstein, Planck, Bohr, Heisenberg e Schroedinger, as suas teses filosóficas não devem ser compreendidas somente à luz de teorias posteriores, como a relatividade e a mecânica quântica. O valor de suas ideias é independente dos rumos que a ciência natural tomou desde então. Há, no entanto, uma marca comum a todos eles e que deve ser ressaltada: a presença da Filosofia. Tal presença permite acreditar que a Filosofia ajudou a moldar a prática científica de todos esses cientistas a tal ponto que, sem ela, não é possível entender o que eles buscavam e o que alcançaram.


BRAGA, Lisandro. Classe em farrapos: acumulação integral e expansão do lumpemproletariado. São Carlos: Pedro & João, 2013.

Sinopse: A pesquisa histórica e teórica desenvolvida por Braga é uma grande contribuição à teoria marxista das classes sociais.  Sua análise da obra de Marx no que concerne ao lumpemproletariado é uma marca importante do presente livro. Demonstra como este “proletariado” esfarrapado pertence ao capitalismo tanto quanto a burguesia e o proletariado. Contudo, o grande elemento definidor do lumpemproletariado, diferentemente das demais classes subsidiárias, é o fato de estar fora da divisão social do trabalho. Assim, como destaca o autor, não existe exclusão social, o que implicaria em dizer que o lumpemproletariado está fora da sociedade, algo impossível. Esta classe está, na verdade, excluída da divisão social do trabalho. O que Braga demonstra, a partir das obras de Marx e Engels é que a constituição da relação-capital, ou seja, da burguesia e do proletariado implica, ontologicamente, na criação do lumpemproletariado.


PORTO, Continentino. JK segundo a CIA e o SNI. Niterói: Imprensa Oficial do Estado do Rio de Janeiro, 2006.

Sinopse: O livro conta a história de Juscelino Kubitschek através de documentos obtidos no Serviço Nacional de Informações e na Agência Central de Inteligência Americana. Lançado pela Imprensa Oficial do Estado do Rio de Janeiro, a obra é composta por 452 páginas que vão desde a tentativa de impedir a candidatura de JK até o AI-5. O autor ressalta que sua intenção nunca foi fazer uma biografia sobre JK e que sua vocação sempre tendeu ao jornalismo investigativo. “Levei cinco anos pesquisando e elaborando o material que consegui após me cadastrar na CIA através da embaixada americana e, mesmo assim, algumas informações me foram negadas”, revela o jornalista que recebeu 200 informes da agência com fotos, mapas e gráficos sobre as forças armadas e o Partido Comunista Brasileiro (PCB).


VALENTINI, Delmir José (Org.). Nem fanáticos, nem jagunços: reflexões sobre o Contestado (1912-2012). Pelotas: Ed. Universidade Federal de Pelotas, 2012.

Sinopse: A obra traz mais de 20 autores que pesquisam a temática da Guerra do Contestado, oferecendo aos leitores um amplo debate sobre o tema. O livro já está disponível nas bibliotecas da UFFS – Campus Chapecó.










VELLOSO, João Paulo dos Reis (Coord.). As testemunhas. Rio de Janeiro: INAE, 2013.

Sinopse: O livro As Testemunhas conta as trajetórias de seis personalidades marcantes para a história e construção da nossa sociedade. O presidente do Fórum João Paulo dos Reis Velloso foi o responsável pelo prefácio e coordenou, para a publicação do livro, os textos de outros seis autores: Walnice Nogueira Galvão, professora emérita da Usp; Frei Vitório Mazzuco, da Orgem de São Francisco; Luiz Paulo Horta, crítico musical e membro da ABL; Paul A. Schweitzer, da Companhia de Jesus e professor da PUC; Maria Clara Luccheti Bingemer, professora da PUC-Rio e Lucia Cavalcante Reis Arruda, da faculdade de São Bento do Rio de Janeiro. A diversidade de temas é uma das marcas do Fórum Nacional. Em As testemunhas, são resgatados exemplos de vida, pessoas icônicas com força e carisma para extrair múltiplas lições do passado. As personalidades escolhidas, com suas histórias divididas em seis capítulos, foram Euclides da Cunha, Francisco de Assis, Mozart, Damião de Molokai, Simone Weil e Hannah Arendt.


FREIRE, Silene de Moraes (Org.). Direitos humanos para quem?: contextos, contradições e consensos. Rio de Janeiro: Gramma, 2014.

Sinopse: Em três seções, este livro, organizado por Silene Freire, expõe um produto dos debates do IV Seminário Internacional: Direitos Humanos, Violência e Pobreza: a situação de crianças e adolescentes na América Latina hoje, realizado em 2012 na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Esta coletânea tem o grande mérito de expor as reflexões de estudiosos militantes de diferentes disciplinas e experiências, tendo como ênfase especial os normalmente mais vulneráveis das sociedades que experimentam o dogmático mandamento neoliberal.





VILLA, Marco Antonio. Década perdida: dez anos de PT no poder. Rio de Janeiro: Record, 2013.

Sinopse: Este livro trata dos dez primeiros anos do Partido dos Trabalhadores no poder, de janeiro de 2003 a dezembro de 2012. Analisa, portanto, os dois mandatos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os dois anos iniciais da gestão de Dilma Rousseff. Mais do que retrato definidor de uma Década perdida, o trabalho de Marco Antonio Villa desnuda padrões, revela modelos de comportamento, fixa estilos de conduta, o próprio modus operandi do PT no poder, o método, segundo o autor: aparelhar o Estado desde dentro e de forma que, progressivamente, não mais se distinga do partido.





CASTRO, Francisco. A coluna Prestes no Piauí: a República do vintém. Brasília: Senado Federal, 2007.

Sinopse: Este é um relato de um olhar periférico sobre a marcha Coluna Prestes pelo Brasil. Nascido em Teresina em 1953, desde pequeno o autor ouviu de sua mãe e familiares as mais fantásticas histórias sobre a passagem dos 'revoltosos' pela província no final de 1925.









FERREIRA, Tânia Maria Tavares Bessone da Cruz (Org.). D. João VI e o oitocentismo. Rio de Janeiro: Contra Capa; FAPERJ, 2011.

Sinopse: A coletânea de ensaios que aqui apresentamos, por constituírem extensão e aprofundamento de pesquisas antes apresentadas apenas em seus traços gerais, ganham fisionomia própria e plena autonomia em relação ao ponto de onde partiram. As organizadoras optaram por manter os textos dos autores portugueses conforme a estrutura original. Os textos dos autores brasileiros seguem as exigências editoriais presentes nas obras publicadas no Brasil. No intuito de mapear o período joanino, sem esquecer antecedentes e desdobramentos, os ensaios alinham-se em seis grandes eixos-seções: “Vida Econômica e Imprensa Oitocentista”, “Letras, Leituras e Ciências do Oitocentos”; “Cultura, Sociedade e Interpretações do Brasil”, “Arte no Reino do Brasil”, “Vozes femininas no Brasil joanino”, “As faces do Rei”. E, como o leitor poderá constatar, assinam os textos scholars portugueses e brasileiros do mais alto gabarito em suas áreas de atuação, ofertando-nos estudos inéditos que reavaliam personagens e acontecimentos de um período particularmente rico da história brasileira, o que, segundo entendemos, distingue este livro e faz com que não seja apenas mais um livro sobre D. João VI.


HILZENDEGER, Frederico (Coord.). Até onde chegamos? Porto Alegre: IEE, 2013.

Sinopse: O livro da série Pensamentos Liberais - vol. XVII, discute os avanços concretos conquistados desde a primeira edição do Fórum da Liberdade. Os articulistas abordam o tema “Até onde chegamos?” a partir de diferentes pontos de vista relacionados ao 26° Fórum da Liberdade, como Educação Básica, Gasto Público, Segurança Pública, Infraestrutura, Protecionismo, Liberdade de Imprensa e Empreendedorismo.







RUFIN, Jean-Christophe. O império e os novos bárbaros. Rio de Janeiro: Record, [1992?].

Sinopse: O conflito internacional desencadeado pelas denúncias de Edward Joseph Snowden acerca da espionagem praticada pela NSA contra cidadãos, empresas e governantes latino-americanos reabriu o debate sobre o conflito Norte/ Sul,  recolocando em evidência o livro "O império e os novos bárbaros", de Jean-Christophe Rufin. A obra é uma ferramenta indispensável para quem quiser compreender melhor a ideologia que fomentou a espionagem ilegal praticada pelos EUA na América Latina.






MAGALHÃES, Aline Montenegro (Org.). Coleções e colecionadores: a polissemia das práticas. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2012.

Sinopse: A publicação do Museu Histórico Nacional sob o título "Coleções e colecionadores: a polissemia das práticas", reúne diversos artigos de especialistas das áreas de Museologia e História.










HOMEM, Amadeu Carvalho (Coord.). Progresso e religião: a república no Brasil e em Portugal: 1889-1910. Uberlândia: EDUFU; Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2007.

Sinopse: Trata-se como é referido no subtítulo de uma conjugação de esforços de pesquisa e de interpretação comum de historiadores portugueses e brasileiros que, antes de mais, se insere no âmbito de um programa de comemorações científicas do centenário República em Portugal, a que a experiência brasileira ocorrida em 1889 não foi de todo estranha. Depois há o destaque de duas problemáticas essenciais ao republicanismo aquém e além mar que são a afirmação do Progresso político e econômico e as interações do religioso com a utopia reformista republicana e positivista, bem como o ataque laicista à Igreja Católica apostólica e romana. O estudo destas problemáticas por especialistas com provas dadas conferem um valor inestimável ao projeto editorial e torná-lo-ão um título de referência obrigatória em Portugal e no Brasil.


LATTES, Alfredo E. (Coord.). Migración y fronteras. Tijuana: El Colegio de la Frontera Norte; Asociación Latinoamericana de Sociología; El Colegio de México, 1998.

Sinopse: En el contexto actual de globalización e integración económic, los análisis regionaes de movilidad poblacional que dimensionan y caracterizan a este fenómeno (como los que se incluyen en el libro) son cada vez más importantes, puesto que distinguen los componentes científicamente comprobables de la esquematización y magnificación ideológica presentes en algunas regiones. El ámbito de las políticas migratorias, los marcoas jurídicos que las sustentan y la situación de los derechos humanos de los migrantes son un tema de debate abieto. Todos ellos son objeto de examen cada vez más integral, en la mediada en que los análisis incorporan cada vez más visiones que involucran no sólo a los países receptores sino también a los de origen y a los de tránsito.


FLORENTINO, Manolo. Em costas negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro: séculos XVIII e XIX.

Sinopse: Ao desvendar os mecanismos do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro no período de 1790 a 1830, Em costas negras (Prêmio Arquivo Nacional de Pesquisa de 1993) traz à luz dados e formulações até hoje negligenciados por clássicos da historiografia brasileira. Por meio de uma leitura cuidadosa de documentos - listagens dos navios negreiros, inventários post-mortem e registros imobiliários - e de uma aplicada metodologia estatística, o historiador Manolo Florentino vincula, de modo definitivo, o comércio de almas à demanda crescente de mão-de-obra da economia fluminense, interligando-o também às formações africanas envolvidas no tráfico e à comunidade mercantil do Rio de Janeiro. No centro dessa engrenagem, o autor destaca a figura complexa do traficante carioca, em geral dono de grande fortuna e parte integrante da elite econômica, cuja atuação, longe de se restringir ao Brasil, estendia-se a Portugal, África e aos portos de Goa e Macau. Extremamente original, "Em costas negras" realiza uma inovação profunda em nossos estudos sobre a escravidão.


DUTRA, Eliana Regina de Freitas. O ardil totalitário: imaginário político no Brasil dos anos 30. Rio de Janeiro: UFRJ; Belo Horizonte: UFMG, 1997.

Sinopse: Este livro não é uma história convencional da política brasileira e também não se limita à “história das mentalidades”. Para definir sua forma, seria necessário colocá-lo no rol das “descidas ao inferno” ao modo de Jean Starobinski. Trata-se de identificar as máscaras totalitárias, repelir o seu falso sorriso, dirigindo os olhos para o outro lado da retórica que hipnotiza os intelectuais, as massas, os líderes. Finda a leitura, podemos encarar o nosso tempo sem medo. Se uma fantasmagoria tão sinistra, como o pensamento totalitário, não conseguiu destruir a arte política, se, depois da tormenta, veio um interregno democrático no mundo, ainda resta esperança para nós e para nossos filhos. Neste livro lateja semelhante certeza, o que lhe confere a dignidade e a eminência de um essencial trabalho de espírito.


SERRES, Michel. Hèrmes. Paris: Les Éditions de Minuit, c1972-c1980. 3 v.

Sinopse: Avec le recul pris suite à la lecture de nombre de ses oeuvres, je serai tenté de dire que cette série des "Hermès" constitue la base fondamentale de départ de la réflexion de Michel Serres. Elle est aussi sa première oeuvre de "jeunesse". Elle est donc immensément puissante: toute sa force, sa puissance et vigueur s'expriment en ces tomes. Une force immense se dégage. D'elle et d'autres réflexions conduitent en parallèle naîtront une oeuvre gigantesque extraordinaire dont il faut absolument prendre connaissance. Je ne doute pas un instant que dans peu de temps, le monde se référera à ses pensées et écrits. Michel Serres? Incontournable pour tout homme de bonne volonté.



RUSHDIE, Salman. Imaginary homelands: essays and criticism, 1981-1991. London: Granta Books; Penguin, 1991.

Sinopse: Containing 74 essays written over the last ten years, this book covers a range of subjects including the literature of the perceived masters and of Rushdie's contemporaries, the politics of colonialism and the ironies of culture, film, politicians, the Labour Party, religious fundamentalism in America, racial prejudice and the preciousness of the imagination and of free expression.








DELEUZE, Gilles. Péricles e Verdi: a filosofia de François Châtelet. Rio de Janeiro: Pazulin, 1999.

Sinopse: Filósofo que ocupa um lugar de destaque no panorama do pensamento francês do séc. XX, apresenta-nos um retrato fascinante de François Chatelêt: "François Châtelet nunca deixou de viver próximo da música. Ele opunha-se à ideia que ela pudesse ser um 'fundo sonoro' para quem a ouve constantemente: ela é a própria actividade. Reconhecia-lhe duas características: ela não nos confiava nem o tempo nem o eterno, mas produzia o movimento; ela não afirmava nem o vivido nem o conceito, mas constituía o acto da Razão sensível. Sem dúvida, não se tratava de Wagner, demasiado apaixonado pela transcendência, demasiado suspenso em movimentos forçadas, demasiado comprometido no Universal e na universalização da destruição, mas de Mozart e da ópera italiana, de Verdi. Do que Châtelet teria gostado acima de tudo, era de uma ópera de Verdi sobre Péricles."


CARNEIRO, Ana. Retrato da repressão política no campo: Brasil 1962-1985: camponeses torturados, mortos e desaparecidos. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2011.

Sinopse: Parceria entre Ministério do Desenvolvimento Agrário e Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), o livro integra o projeto Direito à Memória e à Verdade. A publicação consiste em um mapeamento da violência política no campo entre 1962 e 1985, revelando não só a trajetória histórica, mas também a riqueza de mobilizações camponesas e personagens com vida militante no campo, vítimas da repressão em outros momentos da história. A pesquisa contou com dados do projeto Memórias Camponesas, além de entrevistas, registros impressos e audiovisuais com depoimentos, material de imprensa do período, filmes e publicações.



BISWARO, Joram Mukama. The role of regional integration in conflict prevention, management, and resolution in Africa: the case of African Union. Brasília: FUNAG, 2013.

Sinopse: This book seeks to trace and evaluate the performance of various mechanisms established by the African Union since its inception in 1963 to manage the current African situation. This work cites different case studies such as Burundi, the DemocraticRepublic of the Congo, Rwanda, Ethiopia and Eritrea.









LIMA, Maria Elza de Oliveira. Comunicação pública e cidadania: um estudo de caso sobre a Campanha Cultura de Paz em Maracanaú. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2012.

Sinopse: A comunicação pública traz como propostas principais a promoção da cidadania, o fortalecimento da democracia e a ampliação da interação entre governo e sociedade. Ideais esses capazes de contribuir para transformações sociais positivas e com potencialidade para construir uma nova agenda de debate – uma esfera pública mais plural, onde estejam em foco os assuntos de real interesse público. Mesmo sendo um conceito ainda em construção no Brasil, a comunicação pública vem ganhando espaço nos estudos acadêmicos e começa a ser adotada como política pública nas esferas governamentais. Esse livro mostra as principais tentativas de conceituação da comunicação pública no Brasil, as raízes históricas que despertaram o interesse pelo assunto e sugere ainda quais instrumentos podem ser adotados pelos governos para a construção de um processo comunicativo mais democrático e focado no cidadão, que fuja das práticas tradicionais de comunicação governamental. Mais além, esse texto detalha um exemplo prático de ação de comunicação pública, através do estudo de caso da campanha Cultura de Paz em Maracanaú, município da Região Metropolitana de Fortaleza, no estado do Ceará.


SILVA, Marilene Rosa Nogueira da (Org.). Experimentadores: Michael Foucault e práticas historiográficas. Rio de Janeiro: Paju, 2011.

Sinopse: Procurou-se ativar noções construídas por Foucault e verificar em que medida elas poderiam constituir-se como ferramentas úteis para potencializar o pensamento e as práticas de escrita da História, o volume, neste sentido, deve ser tomado como um "caderno de exercícios". O saber-sabor do bom debate emergiu como experimento metodológico nos artigos que compõem esse livro. As noções-ferramentas: arquivo, discurso, formação discursiva; poder disciplinar; biopoder; governamentalização, heterotopia, autor; mediaram, conformaram e problematizaram as análises. Noções pensadas como objetos, que ajudam a produzir outros objetos, logo que emergem a partir de condições de possibilidade historicamente localizadas. Dessa maneira evitaríamos cair nas armadilhas dos perigosos e redutores apriorismos. Os textos materializam  a ação de experimentadores que não pretendem ficar refém do pensamento de Foucault, mas ao contrário entendem que a sua  teoria (ou melhor o modo de ver) volta-se para uma análise da problematização da experiência em situações históricas concretas.


KAUFMANN, Jean-Claude. Corps de femmes, regards d'hommes: sociologie des seins nus. Paris: Nathan, 1998.

Sinopse: La méthode de Jean-Claude Kaufmann: prendre un élément simple de notre vie quotidienne, enquêter en profondeur et révéler par ce travail des aspects cachés du fonctionnement social. Le thème de cette enquête: les seins nus sur les plages. Il nous livre ici les détails d'une pratique apparemment anodine mais régie par des règles très strictes bien que secrètes: chaque femme doit respecter un code de comportement précis selon sa morphologie, son âge, sa culture et le contexte de la plage, comprendre les signes envoyés par les regards qui se portent sur elle et y répondre par des positions du corps et des gestes adéquats.




NUNES, Benedito. O Nietzsche de Heidegger. Rio de Janeiro: Pazulin, 2000.

Sinopse: Qual será a 'identidade filosófica' que Heidegger atribui a Nietzsche? Interrogação que, pelo caráter circular de toda a interpretação, também pode ser formulada de outra maneira - em que medida a 'identidade filosófica' que Heidegger atribui a Nietzsche constitui um ponto decisivo e fundamental da constituição da 'identidade filosófica' do próprio Heidegger? É em torno deste círculo que se move a argumentação de Benedito Nunes e é a partir dele que são esboçadas algumas conclusões.






ALCORÃO. Português. O significado dos versículos do Alcorão Sagrado. São Paulo: MarsaM, 2001.

Sinopse: A primeira e mais completa obra sobre a matéria, abordando, com especial destaque, os temas da responsabilidade civil, da reparação do dano e os meios processuais para a defesa do meio ambiente, do tombamento, da poluição (ar, resíduos sólidos, rejeitos perigosos, agrotóxicos, poluição sonora), do novo regime das águas, dos crimes ambientais e dos organismos geneticamente modificados.






SILVA, Andrée Mansuy Diniz. Portrait d'un homme d'état: D. Rodrigo de Souza Coutinho, comte de Linhares, 1755-1812, v.1: Les anées de formation, 1755-1796. Lisboa; Paris: Fundação Calouste Gulbenkian; Centre Culturel Calouste Gulbenkian, 2002.

Sinopse: Biographie politique du comte de Linharès, analysant son rôle dans la conduite des affaires étrangères et la gestion des colonies. Cette monographie est également l'occasion d'un bilan de la politique portugaise à la fin du XVIIIe siècle et au début du XIXe siècle.









ANDRADE, Regina Glória Nunes (Org.). Territórios sem fronteiras: o social no contemporâneo. Rio de Janeiro: Cia de Freud; FAPERJ, 2014.

Sinopse: Organizado por Regina Glória Nunes Andrade e Cibele Mariano Vaz de Macêdo, o livro “Territórios sem Fronteiras: o social no contemporâneo” é uma coletânea de pesquisas sobre a cultura brasileira, a historicidade e as possibilidades  de interação e visibilidade desses territórios. A resenha divide a obra em dois blocos de textos: o primeiro descreve e discute a produção de sentido dos sujeitos inseridos em cada cultura e nos territórios estudados. O segundo é composto por textos que apresentam reflexões sobre as implicações da historicidade e da política na captação e produção de subjetividades na pós-modernidade.




OGIEN, Ruwen. Un portrait logique et moral de la haine. Combas: Éd. de l'Éclat, 1993.

Sinopse: Qu'est-ce que la haine? Est-elle “irrationnelle"? Peut-elle être bonne? Et peut-on en parler sans céder à l'inévitable pathos que semble appeler ce genre de sujet? Face aux questions que pose la haine, les exemples se bousculent pour attester ce qu'il y a de haïssable, tantôt dans la haine elle-même, tantôt dans ce que nous n'aimons pas, comme si la nature de nos haines, leur objet, n'en commandait pas seulement les causes, mais aussi les raisons ou l'absence de raisons. Au risque d'entériner le paradoxe que la haine est à elle-même, Ruwen Ogien montre ici que la haine est une "relation" qui possède sa "logique" et que "si la haine est répugnante, ce n'est pas parce qu'elle est irrationnelle", mais parce qu'elle est intrinsèquement mauvaise.


ACKERMAN, Peter. A force more powerful: a century of nonviolent conflict. New York: Palgrave, 2000.

Sinopse: This nationally-acclaimed book shows how popular movements used nonviolent action to overthrow dictators, obstruct military invaders and secure human rights in country after country, over the past century. Peter Ackerman and Jack DuVall depict how nonviolent sanctions - such as protests, strikes and boycotts--separate brutal regimes from their means of control. They tell inside stories - how Danes outmaneuvered the Nazis, Solidarity defeated Polish communism, and mass action removed a Chilean dictator - and also how nonviolent power is changing the world today, from Burma to Serbia.




AMORIM, Celso. Discursos, palestras e artigos do chanceler Celso Amorim. Brasília: Ministério das Relações Exteriores, 2011. 2 v.

Sinopse: Estas publicações pretendem organizar e selecionar discursos, palestras e artigos do Ministro Celso Amorim, referentes ao período em que o Embaixador Amorim serviu como Ministro das Relações Exteriores do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.O primeiro tomo, que compreende o período entre 2003 e 2006, já havia sido editado, embora em outro formato, pela Secretaria de Planejamento Diplomático (SPD), em 2007. O segundo tomo, referente ao período entre 2007 e 2010, é inédito, embora os textos sejam – em sua imensa maioria, senão em sua totalidade – de conhecimento público.




CARSON, Marcus (Org.). Paradigms in public policy: theory and practice of paradigm shifts in the EU. Frankfurt am Main: Peter Lang, 2009.

Sinopse: Policy action is driven, shaped and regulated by the ways in which cognitive frames and interests shape and define issues and analyses - and the involvement of particular authorities, experts, problem-definitions and solutions. To understand these processes is particularly important in the realm of democratic policymaking, where agents driven by divergent interests and alternative principles struggle to preserve or reform policy, law, and institutions. This book analyzes continuity and change in EU policy and provides a systematic understanding of the interactions between ideas, organized actors, and institutions in political, administrative and related social processes. The EU policy studies make up a rich empirical territory, ranging from food security and chemicals to energy, climate change, and gender.


GONÇALVES, Eduardo (Org.). Nos caminhos da história: cultura, arte e teoria. Rio de Janeiro: Multifoco, 2013.

Sinopse: Este livro traz a marca da identidade acadêmica do Programa de Pós Graduação em História da PUC-Rio alicerçada, desde a sua criação, na área de concentração em História Social da Cultura, na qual o Programa foi pioneiro entre os programas de pósgraduação do país. Neste sentido, tanto o livro como o Programa, fazem da ênfase na abordagem sócio-histórica dos fenômenos culturais, nas dimensões teórica e historiográfica e interdisciplinar, seu lugar específico de interlocução intelectual e seu diferencial. O desdobramento deste traço mais geral de identidade encontra-se nas três linhas de pesquisa existentes e que estruturaram também a organização dos artigos que compõem a coletânea: Teoria e Historiografia, História Cultural e História da Arte e da Arquitetura.


HABERMAS, Jürgen. L'intégration républicaine: essais de théorie politique. Paris: Fayard, 1998.

Sinopse: Comment concilier l'universalité des principes sur lesquels reposent les Constitutions de nos sociétés avec la diversité des identités et avec les tendances centrifuges de la mondialisation, sources de fractures sociales? Autrement dit : comment intégrer l'autre dans la communauté républicaine, fondée sur l'affirmation de l'égalité des droits et l'égal respect de chacun pour chacun, quand la force des choses conspire à dresser les uns contre les autres? La réponse de Jürgen Habermas est fort audacieuse. Partisan résolu de l'intégration politique, en Europe notamment, convaincu que l'État-nation a fait son temps, attentif à la diversité culturelle, il défend ici un nouveau républicanisme à vocation mondiale susceptible de conjurer le double écueil du repli nationaliste et de la dilution du corps politique dans le marché mondial. Né en 1929 près de Cologne, Jürgen Habermas, dernière grande figure de l'École de Francfort, est l'auteur d'une oeuvre considérable.


LIMA, Maria Regina Soares de. The political economy of Brazilian foreign policy: nuclear energy, trade, and Itaipu. Brasília: FUNAG, 2013.

Sinopse: This publication fills the increasing demand for analyses about the Brazilian diplomacy, from the best comprehension of theBrazilian positioning in non-proliferation treaties to the Additional Protocol of the International Atomic Energy Agency (IAEA), or the Brazilian attitude toward themes of the Doha Round, and the difficulties that occasionally rise with Paraguay regarding Itaipu. The author links theory to the practice and to the power realities and makes predictions and judgments based on the ongoing action data.






OLIVEIRA, Renata Peixoto de (Org.). América Andina: integração regional, segurança e outros olhares. Campina Grande: EdUEPB, 2012.

Sinopse: O interesse sobre a região andina tem crescido diante de sua complexa realidade sociocultural, da grande instabilidade político-econômica, da controversa dinâmica de suas relações internacionais e das tensões e alianças formadas entre os países vizinhos. É justamente por tratar-se de uma região que passou por profundas transformações, ao longo da última década, que os estudos sobre a região andina ganham relevância e merecem destaque. O livro América Andina: integração regional, segurança e outros olhares se dedica à análise dessa região, a partir de um enfoque multidisciplinar e interdisciplinar, abordando temas como integração regional, segurança, democracia e relações internacionais. Simboliza, ainda, o esforço conjunto de pesquisadores de seis instituições diferentes pertencentes a três países - Brasil, Colômbia e México - que contribui com distintos olhares para a compreensão dessa sub-região americana.


BEN-ARI, Eyal. Mastering soldiers: conflict, emotions, and the enemy in an Israeli military unit. New York: Berghahn Books, 1998.

Sinopse: Studies of the military that deal with the actual experience of troops in the field are still rare in the social sciences. In fact, this ethnographic study of an elite unit in the Israeli Defense Force is the only one of its kind. As an officer of this unit and a professional anthropologist, the author was ideally positioned for his role as participant observer. During the eight years he spent with his unit he focused primarily on such notions as "conflict", "the enemy", and "soldiering" because they are, he argues, the key points of reference for "what we are" and "what we are trying to do" and form the basis for interpreting the environment within which armies operate. Relying on the latest anthropological approaches to cognitive models and the social constructions of emotion and masculinity, the author offers an in-depth analysis of the dynamics that drive the men's attitudes and behavior, and a rare and fascinating insight into the reality of military life.


CABRERA BECERRA, Gabriel (Ed.). Viviendo en el bosque: un siglo de investigaciones sobre los makú del Noroeste amazónico. Medellín: Facultad de Ciencias Humanas y Económicas, Universidad Nacional de Colombia sede Medellín, 2010.

Sinopse: Con el nombre de Makú se conoce a varios pueblos indígenas cazadores-recolectores del noroccidente de la Amazonia: los Nükâk y los Kákwâ (Cacua o Bara Makú) de Colombia, los Hupdë y Yuhupdë de Brasil y Colombia, y los Nadëb (Kabori) y Düw (Dâw o Kamâ) de Brasil. Son siete contribuciones académicas que abarcan un siglo de investigaciones y renuevan la información y el acceso a materiales  sobre estos pueblos. Se desarrollan temáticas no exploradas o dispersas en la literatura, que contribuyen a visibilizar su existencia y actualizar sus problemáticas.





SCOTT, David. Conscripts of modernity: the tragedy of colonial enlightenment. Durham; London: Duke University Press, c2004.

Sinopse: At this stalled and disillusioned juncture in postcolonial history—when many anticolonial utopias have withered into a morass of exhaustion, corruption, and authoritarianism—David Scott argues the need to reconceptualize the past in order to reimagine a more usable future. He describes how, prior to independence, anticolonialists narrated the transition from colonialism to postcolonialism as romance—as a story of overcoming and vindication, of salvation and redemption. Scott contends that postcolonial scholarship assumes the same trajectory, and that this imposes conceptual limitations. He suggests that tragedy may be a more useful narrative frame than romance. In tragedy, the future does not appear as an uninterrupted movement forward, but instead as a slow and sometimes reversible series of ups and downs.


GENTILI, Anna Maria. El león y el cazador: historia del África Subsahariana. Buenos Aires: CLACSO, 2012.

Sinopse: Desde las declaraciones de independencia, a partir de los años Cincuenta delsiglo XX, los sistemas políticos y de organización del Estado presentes en Áfricahan sido analizados según los mismos modelos de modernización y desarrolloque regían en los países occidentales. Pero esos modelos son ajenos a laexperiencia histórica de transformaciones y convulsiones que integra lacompleja realidad del África; de un continente relegado por la dominacióncolonial a una "tradicional" condición de diferente, concebida como apego a lainmovilidad, obstáculo infranqueable a cualquier proceso de desarrollo. De estafalla teórica se alimenta la persistente negación de la historicidad del África, queaún hoy hallamos en la información que se nos ofrece a cada nueva crisis quealtera Estados, regiones, sociedades o poblaciones del continente.


NAVARRO, Alexandre Guida. Kakupacal e Kukulcán: iconografia e contexto espacial de dois reis-guerreiros maias em Chichén Itzá. São Luis: Café & Lápis: EDUFMA, 2012.

Sinopse: Este livro origina-se de um trabalho científico inédito no Brasil, cuja temática explora o passado indígena das culturas pré-colombianas do México através da História e da Arqueologia. Dado que em nosso país, infelizmente, a pesquisa acerca deste assunto é reduzida, esta obra contribui para a reconstrução do passado pré-colombiano em universidades brasileiras. Nasce, portanto, de um Pós-Doutoramento realizado na Unicamp no ano de 2008. O manuscrito centra-se em dois personagens-guerreiros que estão representados exclusivamente na iconografia de alguns edifícios da Grande Nivelação de Chichén Itzá: os Capitães Serpente e Disco Solar. A Grande Nivelação se destaca pela concentração das principais estruturas arquitetônicas monumentais deste sítio arqueológico. Nosso trabalho de doutorado concluiu que estes dois indivíduos são uma referência direta aos dois guerreiros que aparecem no registro etnohistórico da Península do Iucatã, respectivamente conhecidos como Kukulcán e Kakupacal. Parece ser que estes personagens governaram a cidade de Chichén Itzá durante algum momento do Clássico Terminal (800-1000 d.C.).


HINTZE, Susana. La política es un arma cargada de futuro: la economía social y solidaria en Brasil y Venezuela. Buenos Aires: CLACSO: Ediciones CICCUS, 2010.

Sinopse: Reflexiona sobre las condiciones que favorecen u obstaculizan el desarrollo y la sostenibilidad de iniciativas de construcción de formas no capitalistas de producción y reproducción asociadas a una estrategia de economía social y solidaria en América Latina. Lo hace a partir del estudio de dos casos de distinto signo y singular significación en la región. La selección de los países-caso se corresponde con dos consideraciones en las que se basa la teorización sobre la economía social y solidaria adoptaba. La primera, referida a la importancia del Estado en el impulso de esta estrategia. La segunda consideración tiene que ver con la necesidad de articulación entre actores del Estado y la sociedad civil.



VELLOSO, João Paulo dos Reis (Org.). A renascença, primavera do humanismo moderno: lições para o Brasil. Rio de Janeiro: INAE, 2014.

Sinopse: A obra reúne cinco textos apresentados na 26ª edição do Fórum Nacional realizado na data de 14/05/2014. São eles: A civilização da Renascença, primavera do humanismo - lições para o Brasil do século XXI por Arno Wehling; A Dinâmica do Orlando Furioso por Marco Lucchesi; O renascimento, o humanismo e o Brasil por Roberto Cavalcanti de Albuquerque; A Civilização da renascença por Urbano Zilles; O Humanismo revisitado: linhas de estudo por Vamireh Chacon. Nela, busca-se lições para o Brasil a partir do estudo da renascença.





BONACCINI, Juan Adolfo (Org.). Metafísica, história e problemas: atas do I Colóquio Internacional de Metafísica. Natal: EdUFRN, 2006.

Sinopse: Esta obra visa apresentar as atas do I Colóquio Internacional de Metafísica, cuja problemática centra-se nos aspectos metafísicos históricos e suas problematizações.











CARRANO, Paulo (Org.). Narrativas juvenis e espaços públicos: olhares de pesquisas em educação, mídia e ciências sociais. Niterói: Ed. da UFF, 2014.

Sinopse: A narrativa é organizada em 15 ensaios que estimulam e conduzem à reflexão e compreensão acerca da multiplicidade de territórios e dinâmicas do "ser jovem". Entre os temas abordados, estão evidenciados: os desafios, as trocas culturais e suas perspectivas, as relações e influências da internet e mídias sociais, os processos de escolarização e  socialização política. O livro traduz os conceitos e eixos temáticos apresentados no Ciclo de Debates Internacional organizado pelo Observatório Jovem do Rio de Janeiro, realizado em agosto de 2011.



CONTE, Jaimir (Org.). O que é metafísica? : atas do III Colóquio Internacional de Metafísica. Natal: EdUFRN, 2011.

Sinopse: Este livro é resultado do Colóquio Internacional de Metafísica promovido pelo Programa de Pós-graduação em Filosofia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.











ERICKSON, Glenn W. A linha dividida: uma abordagem matemática à filosofia platônica. Rio de Janeiro: Relume-Dumará; Natal: UFRN, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, 2006.

Sinopse: Esta obra visa apresentar uma abordagem matemática à interpretação da filosofia platônica.












LACLAU, Ernesto. A razão populista. São Paulo: Três Estrelas, 2013.

Sinopse: Sob o rótulo de “populismo”, o pensamento político tem caracterizado manifestações em que o povo estabelece conexão direta com uma liderança, desestabilizando a democracia representativa. Mas para Ernesto Laclau a flexibilidade com que o conceito é aplicado a situações as mais contraditórias (tanto à direita como à esquerda) revela a dificuldade de entender o populismo. Ernesto Laclau, um dos mais respeitados filósofos políticos da atualidade, revê neste livro a literatura histórica e filosófica sobre o populismo, sobre a psicologia das massas e os movimentos populares. Ele demonstra que o populismo não é uma ideologia nem uma conduta irracional, mas segue uma lógica específica, relacionada às identidades coletivas e às demandas sociais. O filósofo contesta as ideias de alguns dos principais autores da esquerda, como Slavoj Žižek e Antonio Negri. O autor valoriza os momentos de organização e atuação política do povo. Para Laclau, a razão populista é o fundamento mesmo do político. Por isso, ela recusa as racionalidades que aspiram ao fim da política: seja a que apregoa uma revolução total, seja a que reduz a política à mera administração das coisas públicas.


ARAUJO, Luiz Bernardo Leite (Org.). Esfera pública e secularismo: ensaios de filosofia política. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2012.

Sinopse: Esta obra se propõe a apresentar reflexões filosóficas sobre desafios políticos enfrentados por sociedades contemporâneas ditas democráticas e pluralistas, que se organizam em regimes seculares. Contando com um texto inédito de Charles Taylor, reúne ensaios originais sobre esfera pública e secularismo.









SILVA, Markus Figueira da. Epicuro: sabedoria e jardim. Rio de Janeiro: Relume Dumará; Natal: UFRN, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, 2003.

Sinopse: Epicuro (341 - 270 a.C.), filósofo grego, fundou um movimento que influenciou o mundo greco-romano por cerca de sete séculos. Defensor de um modo de vida frugal, junto a natureza, recusou-se a viver na cidade e participar da vida pública. Evitou envolver-se com grupos religiosos e jamais exortou seus discípulos a praticar a política e a religião. Realizou o quanto pôde a filosofia que preconizou, rodeado de amigos, fazendo da afinidade o princípio da amizade e da amizade o princípio ético fundamental. Faleceu em 270 a.C. acometido de grave doença renal, deixando um testamento, considerado um dos mais bem redigidos documentos desse tipo que sobreviveram desse período. A partir de então, seus sucessores utilizaram o nome de Epicuro para designar os ensinamentos que perduraram no mundo antigo e que até hoje nos fazem pensar.


VILLEMAIRE, Diane Elizabeth Davis. E.A. Burtt, historian and philosopher: a study of the author of The metaphysical foundations of modern physical science. Dordrecht; London: Kluwer Academic, c2002.

Sinopse: Burtt's book, The Metaphysical Foundations of Modern Physical Science, is something of a puzzle within the context of twentieth-century intellectual history, especially American intellectual history. Burtt's pioneering study of the scientific revolution has proved to prophetic in its rejection of both scientism and positivism. Published in 1924, Burtt's book continues to be read in educated circles and remains both the rose and the thorn on university reading lists, raising skeptical questions about science methods and science knowledge just as it did seventy-five years ago. This book examines Burtt's public, academic and personal life. From his politics of conscience after World War I on through the Cold War Burtt is shown to be a man of unparalleled integrity, whose relentless search for philosophic understanding drove his more quixotic philosophical quests and steered his personal life, including its tragic dimension, toward simple virtue. The many who have been affected by The Metaphysical Foundations will be especially interested in this new perspective on the life and thought of its author. Those who have not read Burtt's books might be inspired to study this unusual American thinker.


FURINI, Luciano Antonio. Redes sociais de proteção integral à criança e ao adolescente: falácia ou eficácia? São Paulo: Ed. UNESP, 2011.

Sinopse: Em um trabalho contundente para a formação e os cuidados da infância, Luciano Antônio Furini reúne esforços para mostrar como é possível integrar redes sociais, assistência social à criança e ao adolescente e representações sociais. Isso sem ignorar a necessidade de unir teoria e prática, esferas públicas e privada, para encontrar maneiras de criar um sistema realmente viável. Para chegar a esse panorama geral, o pesquisador parte da situação no município de Presidente Prudente, em São Paulo, utilizando-o como amostra. Assim, o autor reflete sobre como é preciso mudar a concepção de que crianças carentes são uma ameaça e conclui que é preciso humanizar os espaços de proteção a esses indivíduos, de maneira a melhorar sua socialização.


BAUCHWITZ, Oscar Federico. A caminho do silêncio: a filosofia de Escoto Eriúgena. Rio de Janeiro: Relume-Dumará; Natal: UFRN, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, 2003.

Sinopse: Em "A caminho do silêncio", Oscar Bauchwitz procura aprofundar este conceito, partindo do conceito de natureza e explorando cuidadosamente a obra de Eriúgena e doutrina da teofania. Bauchwitz constrói, neste trabalho, as bases para a fundamentação do que ele chama de uma ética do silêncio, motivação que esteve desde o início no trabalho de Escoto.








CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.) Tastevin, Parrisser: fontes sobre índios e seringueiros do Alto Juruá. Rio de Janeiro: Museu do Índio, 2009.

Sinopse: Com a organização da antropóloga Manuela Carneiro da Cunha, esta é uma etnografia produzida por Tastevin e o padre Jean-Baptiste Parrissier sobre índios e seringueiros do Alto Juruá. Acessada até 2008 apenas por um número reduzido de pesquisadores e especialistas, a obra de Tastevin já chegou aos índios da Amazônia na região de Tefé. Estes, agora, podem conhecer sua riqueza etnográfica e até empregá-la nos programas de recuperação de tradições culturais, graças à iniciativa editorial do Museu do Índio, inserida no Programa de Comunicação da Instituição, que objetiva a ampla difusão da cultura indígena.




CANDIDO, Maria Regina (Org.). Memórias do Mediterrâneo antigo. Rio de Janeiro: NEA/UERJ, 2010.

Sinopse: A amplitude dos temas abordados: festas, religião e cultura material, entre outros, demonstra a pluralidade de temáticas e abordagens que se abrem para as pesquisas históricas sobre a antiguidade mediterrânea, graças à renovação historiográfica e ao crescimento do interesse pela História da Antiguidade Clássica, fato facilmente comprovado pelos centros de estudos clássicos espalhados pelo Rio de Janeiro e outras capitais do país.







SELIGMANN, Linda J. Between reform & revolution: political struggles in the Peruvian Andes, 1969-1991. Stanford: Stanford University Press, 1995.

Sinopse: This is the story of one of the most ambitious agrarian reforms in Latin American history. The book argues that the economic, political, and cultural dynamics set in motion by the reforms are central to understanding the brutal civil war that ensued in Peru between the state and the Maoist-Leninist Shining Path guerilla movement.









NOVO, Marina Pereira. Os agentes indígenas de saúde do Alto Xingu. Brasília: Paralelo 15, 2010.

Sinopse: Dentro do contexto da reestruturação das políticas de saúde indígena ao longo dos últimos 20 anos no Brasil, e a conseqüente criação dos Distritos Sanitários Especiais Indígenas/DSEIs a partir de 1999, os Agentes Indígenas de Saúde/AISs aparecem como elementos centrais desse novo modelo de atenção à saúde indígena, na medida em que são entendidos como possíveis elos de ligação ou tradutores entre os sistemas tradicionais e a biomedicina. Por meio da apresentação de dados etnográficos relativos à formação e à atuação dos AISs no Alto Xingu, o estudo tem como objetivo problematizar o papel que lhes foi atribuído, bem como o modelo de atenção diferenciada no qual este papel foi proposto.


VELLOSO, João Paulo dos Reis (Coord.). Cultura, "Favela é cidade" e o futuro das nossas cidades. Rio de Janeiro: INAE, 2014.

Sinopse: O livro reúne artigos sobre cultura e desenvolvimento das favelas brasileiras. Traz textos de jornalistas, artistas, economistas e líderes comunitários.











SIMÕES, Antonio José Ferreira. Integración: sueño y realidad en Sudamérica. Brasília: FUNAG, 2011.

Sinopse: Este compendio tiene por objeto promover el debate acerca de la importancia de Sudamérica para el Brasil hoy. Los textos aquí reunidos fueron escritos durante los últimos cuatro años, y se publicaron en varios medios de la prensa nacional e internacional. Abordando los riesgos y las oportunidades de Brasil a mediano y largo plazo, visualizan un nuevo País y conciben la integración regional cómo elemento esencial de la inclusión de Brasil en el mundo.







VARGAS VELÁSQUEZ, Alejo (Coord.). El prisma de las seguridades en América Latina: escenarios regionales y locales. Buenos Aires: CLACSO, 2012.

Sinopse: No hay duda que cada vez se vuelven más relevantes en la región los temas de la Seguridad, especialmente la Seguridad Interna, especialmente con el auge del crimen organizado nacional y transnacional asociado al narcotráfico y otros tráficos ilegales. En regiones como Centroamérica y en países como México, Brasil, Venezuela y Colombia el tema de la seguridad sigue marcando buena parte de la agenda pública nacional. Esto lleva a la necesidad de que no sólo los actores políticos e institucionales latinoamericanos, sino los movimientos sociales y el mundo académico tenga este campo como uno de los prioritarios en la reflexión y los debates nacionales y regionales.



HOTTOIS, Gilbert (Coord.). Hans Jonas: nature et responsabilité. Paris: J. Vrin, 1993.

Sinopse: La pensee de Hans Jonas developpe d'une maniere a la fois theorique et pratique une ethique de la responsabilite appropriee a l'agir technologique et aux menaces que celui-ci fait peser sur la nature humaine. Cette articulation audacieuse entre nature et responsabilite ne va cependant pas sans soulever des critiques de la part des philosophes soucieux de preserver l'heritage des Lumieres et conscients des dangers associes a une remise en question fondationaliste des valeurs democratiques.






MOTA, Christiane. Pajés, curadores e encantados: pajelança na baixada maranhense. São Luís: EDUFMA, 2009.

Sinopse: Pajés, Curadores e Encantados: pajelança na baixada maranhense, de Christiane Mota, foi originalmente apresentado à UFMA, em 2007, com o título de Doenças e Aflições: sobre o processo terapêutico na pajelança, para conclusão de mestrado em Ciências Sociais. Resulta de pesquisa iniciada pela autora em 2003, para monografia de conclusão de curso de graduação em Ciências Sociais, defendida um ano depois na mesma universidade. Esses dois trabalhos complementam e atualizam uma pesquisa realizada no início da década de 1970, na Prelazia de Pinheiro (que incluía Bequimão), por pós-graduandos de antropologia do Museu Nacional (RJ), sob a coordenação de Roberto da Matta, em que Regina Prado direciona sua atenção para os especialistas religiosos atuantes na área: padres, pajés, rezadeiras, benzedeiras e outros. A pesquisa foi realizada com pajés de Bequimão, município da baixada maranhense, apresentado em São Luís como "onde existem pajés verdadeiros".


TAYLOR, Charles. Le malaise de la modernité. Paris: Éd. du Cerf, 1999.

Sinopse: "Raison instrumentale", "désenchantement du monde", "narcissisme contemporain": le philosophe Charles Taylor reprend ces trois thèmes dominants du malaise de la modernité. A l'écart des redondances de la mode et des facilités de la critique, il montre pourquoi l'éthique de la réalisation de soi, noyau consistant de l'individualisme, recèle une aspiration dont les présupposés bien compris seraient en fait incompatibles avec l'instrumentalisme et l'égoïsme possessif.







BARBA SOLANO, Carlos (Coord.). Perspectivas críticas sobre la cohesión social: desigualdad y tentativas fallidas de integración social en América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2011.

Sinopse: La intención fue abordar el gran desafío que para América Latina y para el mundo entero implica encarar un proyecto político de cohesión social. Para ello, el punto de partida fue reconocer la necesidad de discutir en torno a los principios ideológicos (premisas teóricas) y las acciones políticas y económicas a partir de las cuales es posible implementar este ambicioso proyecto. Sin embargo, esta tentativa fue condicionada por la realidad de la región que se rebela ante este proyecto, en tanto el crecimiento y la profundización de la desigualdad social, la pobreza, la vulnerabilidad y la exclusión social continúan siendo sus principales características sociales. La cohesión social se vincula con otras temáticas con las que se encuentra íntimamente conectada, con los paradigmas y los modelos de reforma hegemónicos en la región, tanto en el campo del crecimiento económico como en el del bienestar social.


BEZERRA, Maria do Carmo de Lima. Notas sobre as casas de Fazenda dos Inhamuns. Brasília: Senado Federal/Conselho Editorial, 2012.

Sinopse: Além de analisar a arquitetura da região dos Inhamuns, Maria do Carmo de Lima Bezerra, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília, estuda a organização espacial das fazendas de criação de gado. Os capítulos da obra referem-se à ocupação e povoamento do território cearense, os Inhamuns e a fazenda com o núcleo social, a casa de fazenda e sua construção e seu declínio, além de apresentar plantas, tabelas demonstrativas e iconografia. Um livro que chama a atenção do arquiteto e do sociólogo, do historiador e do leitor exigente que se interessa pela história do modo de viver do brasileiro através dos séculos. Um estudo específico que pode ser ampliado para vasta região de características idênticas no interior do Nordeste.


MACIEL, Lysâneas. (Org.) Lysâneas Maciel. Brasília: Câmara dos Deputados, 2008.

Sinopse: Contém dados biográficos e a contextualização da trajetória política de Lysâneas Maciel, seus discursos proferidos na Câmara dos Deputados, artigos publicados por ele, depoimentos dos amigos em sua memória e correspondências, fotos e documentos relativos ao perfilado.









STOCKING JR., George W. (Ed.) Observers observed: essays on ethnographic fieldwork. Madison: University of Wisconsin, c1983.

Sinopse: This first volume focuses on ethnographic fieldwork, a keystone of cultural anthropology that is at once a unique means of collecting data (participant observation is often spoken of as an ‘anthropological’ method) and a crucial rite of passage that transforms novices into professionals. . . . The collection as a whole is of high quality, presenting valuable information and provocative analyses. For an anthropologist, the essays by historians offer fresh perspectives that differentiate this book from others on fieldwork. If this volume is a augury of things to come, HOA [the History of Anthropology series] promises to be a significant contribution to anthropological and historical literature.



CASTRO, Jorge Abrahão de. (Org.) Situação social brasileira: 2007. Brasília: IPEA, 2009.

Sinopse: A análise de temas ligados à área social a partir dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2007 é o eixo desta obra, de iniciativa da Diretoria de Estudos Sociais (Disoc) do Instituto de Pesquisa Eco­nômica Aplicada (Ipea). No livro, organizado por Jorge Abrahão de Castro e José Aparecido Carlos Ribeiro, pesquisadores de dez áreas das políticas sociais apresentam um quadro da situação social do País para subsidiar os debates e a formulação de soluções para os problemas detectados. Dividido em dez capítulos, o livro trata de tendências demográficas; mudanças nos arranjos familiares; juventude; situação educacional brasileira; gênero; desigualdade de renda; pobreza e mudanças sociais recentes; mercado de trabalho; previdência; e situação do saneamento e habitação.


FRAGOSO, Emanuel Ângelo da Rocha. O método geométrico em Descartes e Spinoza. Fortaleza: EDUECE, 2011.

Sinopse: O livro segue um percurso que envolve desde a definição geral de método, segue pela exposição de sua especialidade geométrica adotada no século XVII, até a análise rigorosa das ocorrências do termo nas obras de Descartes e Spinoza. As grandes questões são introduzidas uma a uma: qual a relação do método geométrico filosófico e euclidiano? Qual o seu papel na descoberta das verdades na filosofia cartesiana? Em que sentido podemos ser autorizados a falar de uma herança cartesiana nos escritos de Spinoza? E percorre suas interrogações sobre heranças, diferenças, aproximações e distanciamentos.




SIMÕES, Soraya Silveira. (Org.) Prostituição e outras formas de amor. Niterói: Ed. da UFF, 2014.

Sinopse: Entre relatos de vivências próprias e artigos científicos, o livro desvenda realidades comumente tratadas com distanciamento e ideias pré-concebidas pela sociedade através dos tempos. Em quatro partes distintas, a abordagem do tema demonstra a prostituição sob os mais variados aspectos: saúde, imigração, políticas, trabalho, turismo, maternidade, direitos, impasses, contradições, entre outros. Acompanha a publicação um DVD com o filme Um Beijo para Gabriela e uma entrevista com Gabriela Leite (1951-2013), fundadora da ONG Davida, criadora da grife Daspu, ex-prostituta da Boca do Lixo, em São Paulo, Zona Bohemia, em Belo Horizonte; e da Vila Mimosa, no Rio de Janeiro.


KAUFMANN, Jean-Claude. L'entretien compréhensif. Paris: Nathan, 1996.

Sinopse: Ce manuel présente de façon concrète les différentes étapes permettant de mener à bien un entretien compréhensif et d'élaborer un cadre d'interprétation. La démarche consiste à s'appuyer sur les catégories de pensée des informateurs, tant pour conduire les entretiens de façon efficace que pour formuler des hypothèses. Elle peut s’appliquer au-delà de l’entretien en face à face, dans les nouveaux espaces d’enquête offerts par Internet.







DESCARTES, Rene. Meditações sobre filosofia primeira. Campinas: Editora da Unicamp, 2004.

Sinopse: Esta edição das Meditações de Descartes oferece pela primeira vez ao leitor de língua portuguesa o original latino publicado no século XVII, acompanhado da tradução. As adições que Descartes fez, na ocasião em que leu a obra na tradução francesa de De Luynes, são interpoladas no texto português e transcritas no final do parágrafo correspondente. A obra contém ainda uma nota prévia, de autoria do tradutor, e textos suplementares em latim e em francês, com as respectivas traduções.






AVRITZER, Leonardo. (Org.) Conferências nacionais: atores, dinâmicas participativas e efetividade. Brasília: IPEA, 2013.

Sinopse: A publicação fala sobre a descrição das conferências, os objetivos, o papel inclusivo nas políticas públicas, a criação de uma agenda, o desenho institucional e as perspectivas dos gestores federais. A obra esta dividida em três partes: 1) Caracterização e dinâmica das conferências nacionais; 2) Perfil dos participantes de conferências nacionais e 3) Efetividade das conferências nas políticas do governo federal.







VELLOSO, João Paulo dos Reis (Org.) A questão social no Brasil. São Paulo: Nobel, 1991.

Sinopse: O presente volume não é apenas um novo estudo sobre o problema social brasileiro. A idéia do Fórum Nacional foi, através de uma equipe de especialistas do IPEA, coordenada por Roberto Cavalcanti de Albuquerque, fazer um completo balanço e revisão da questão social no Brasil, tal como ela se configurou nas últimas duas décadas, não de forma isolada, mas articulada com o próprio processo de desenvolvimento. Para isso, levaram-se em conta, inclusive, os mais recentes relatórios de organismos internacionais sobre o problema, com o objetivo de verificar se o Brasil é realmente uma anomalia, no mundo, com uma situação social muito pior do que a situação econômica.



VELLOSO, João Paulo dos Reis. (Coord.) Teatro mágico da cultura, crise global e oportunidades do Brasil. Rio de Janeiro: J. Olympio, 2009.

Sinopse: Este livro publica o material relativo à Edição Extraordinária do Fórum Nacional de dezembro de 2008, evento que ainda se inseriu no âmbito das comemorações dos vinte anos da instituição. Ele aborda duas questões de relevância e atualidade para o Brasil. Por um lado, ante à crise global, procura uma saída que não seja apenas defensiva e enseje melhor proveito das oportunidades que ora se delineiam ao país — em particular a nova riqueza que se vislumbra com o petróleo do pré-sal. Por outro lado, dentro de uma visão do desenvolvimento que é global (econômico-social, mas também político-institucional e cultural), dedica quatro de suas cinco partes exclusivamente ao desenvolvimento da cultura entre nós.



MONROY NASR, Rebeca. (Coord.) Caminar entre fotones: formas y estilos de la mirada documental. México, D.F.:  Instituto Nacional de Antropología e Historia, 2013.

Sinopse: La publicación editada recientemente por el Instituto Nacional de Antropología e Historia (INAH-Conaculta), reúne una decena de ensayos que van de la fotografía de prensa para revelar la otra cara del 68 mexicano, a los “tipos subversivos” fichados por la policía de Sao Paulo a lo largo de 60 años; o los avatares del documental La batalla de Chile, testimonio contra la dictadura de Pinochet. Rebeca  Monroy y Alberto del Castillo son los coordinadores de este libro que se deriva de algunas presentaciones efectuadas en el Seminario La mirada documental, que desde hace más de un lustro impulsa el Instituto Mora con el apoyo de la Dirección de Estudios Históricos (DEH) del INAH, y al que han acudido historiadores y filósofos del arte, cinehistoriadores y fotohistoriadores.


QUAGLIONI, Diego. À une déesse inconnue: la conception pré-moderne de la justice. Paris: Publications de la Sorbonne, 2003.

Sinopse: La conception pré-moderne du droit traverse la pensée philosophique, en lui fournissant un outillage conceptuel, des modèles à raviver ou à critiquer, des arguments, des problématiques et, avant tout, les éléments d'un dialogue. Des textes les plus classiques aux moins fréquentés de l'histoire de la philosophie, la culture juridique est omniprésente, mais le temps, l'évolution de l'enseignement et le partage des disciplines l'on rendue invisible. L'ignorer, c'est se priver de fils d'Ariane souvent irremplaçables pour construire les cheminements de l'histoire de la philosophie. Centré sur la justice comme exigence intrinsèque au droit, l'ouvrage de Diego Quaglioni comble cette lacune.




AZEVEDO NETTO, Carlos Xavier de. A representação e interpretação de um antigo sistema de informação: os grafismos rupestres no Brasil. João Pessoa: UFPb, 2013.

Sinopse: O livro tem origem na tese de doutoramento de Carlos Xavier de Azevedo Netto e aborda aspectos relativos às recentes pesquisas realizadas no Cariri Paraibano, em especial concernentes aos procedimentos classificatórios, enquanto representacionais, das manifestações rupestres desta região. É dividido em quatro partes distintas. A primeira parte aborda o problema de informação, subdividida em dois capítulos. O primeiro capítulo, “Considerações Históricas dos Estudos de Arte Rupestre”, discute o aparecimento e evolução da Arqueologia, a definição da Arte Rupestre, o desenvolvimento dos estudos de Arte Rupestre e a sua contribuição para o universo da Arqueologia. O segundo capítulo, “A Informação na Arte Rupestre”, inicia situando o trabalho no contexto da Ciência da Informação. Segue definindo o conceito de informação para o presente estudo, relacionando a transferência da informação em relação a Arte Rupestre e a Arqueologia. Para tal aborda a natureza da informação da Arte Rupestre e apresenta o problema de informação investigado.


MASSIE, Robert K. Catarina, a Grande: retrato de uma mulher. Rio de Janeiro: Rocco, 2012.

Sinopse: Robert K. Massie narra, com rigor histórico, riqueza de detalhes e ritmo narrativo, a trajetória da obscura princesa alemã levada para a Rússia aos 14 anos para casar-se com Pedro III, herdeiro do trono, e que acabou conduzindo um golpe que depôs o marido e a levou à coroação, tornando-se uma das mais poderosas e marcantes personalidades femininas de todos os tempos.








EYLER, Flávia Maria Schlee. História antiga: Grécia e Roma: a formação do Ocidente. Petrópolis: Vozes, 2014.

Sinopse: Grécia e Roma: a formação do Ocidente traz um estudo sobre a formação das cidades-estado entre os gregos, e da república e do império entre os romanos. Os conceitos explorados nesta obra são fundamentais para entender o mundo ocidental, pois nortearam o desenvolvimento da História. A autora Flávia Maria Schlee Eyler convida os leitores ao exercício de um pensamento reflexivo que os coloca diante dos problemas enfrentados pelos gregos e romanos ao longo da configuração de sua história. Grécia e Roma: a formação do Ocidente é organizado de forma cronológica e apresenta as questões que nortearam as divisões do mundo em duas épocas distintas. Tais processos são compreendidos de acordo com os diferentes tipos de organização humana e como respostas a determinadas circunstâncias históricas.


BARRETO, Mauro Vianna. Abordando o passado: uma intodução à arqueologia. Belém: Paka-Tatu, 2010.

Sinopse: "Abordando o Passado - uma introdução à Arqueologia", de Mauro Vianna Barreto, é o livro, na língua portuguesa, que estava faltando para suprir as necessidades de uma bibliografia básica sobre a ciência arqueológica. Certamente, será útil tanto aos iniciantes ou aspirantes como ao grande público interessado nos estudos arqueológicos. Muito útil será, também, aos professores de todos os níveis para a preparação de suas aulas. O autor do livro é antropólogo e arqueólogo e possui longa experiência em pesquisa arqueológica e como professor acadêmico.





GUEROULT, Martial. Descartes selon l'ordre des raisons. Paris: Aubier, c1968. 2v.

Sinopse: Il est à remarquer en tout ce que j'écris que je ne suis pas l'ordre des matières mais seulement celui des raisons, c'est-à-dire que je n'entreprends point de dire en un même lieu tout ce qui appartient à une matière, à cause qu'il me serait impossible de la bien prouver y ayant des raisons qui doivent être tirées de bien plus loin les unes que les autres, mais en raisonnant par ordre, a facilioribus ad difficiliora, j'en déduis ce que je puis, tantôt pour une matière, tantôt pour une autre, ce qui est à mon avis le vrai chemin pour bien trouver et expliquer la vérité. (Descartes à Mersenne, 24 décembre 1640). Si l'ordre analytique est le seul à procurer la démonstration valable de la philosophie, si les Méditations qui se développent rigoureusement selon cet ordre, permettent seules de comprendre à coup sûr l'ensemble de la doctrine, il n'y a pas d'autre méthode pour comprendre les Méditations elles-mêmes que de mettre en évidence cet ordre par lequel seul elles démontrent leur vérité.


BARROS, Maria Theresa da Costa. O despertar do budismo no ocidente : perspectivas para o século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

Sinopse: A redescoberta do budismo no mundo ocidental no século XXI, embora seja um fato inquestionável, é relativamente tão recente que se torna difícil ter uma dimensão real dos efeitos desse acontecimento sobre a subjetividade ocidental. Alguns pretendem que tal fenômeno pode ser comparado ao impacto que a redescoberta da cultura grega teve sobre a Europa na época do Renascimento, outros ainda preferem vê-lo como uma última ironia pós-moderna. Este livro não toma posição nesse debate, mas pretende lançar algumas linhas de reflexão que auxiliem, por um lado, a contextualizar esse acontecimento e, por outro, a ampliar o debate sobre as questões relativas à noção de “sujeito” utilizada pelos teóricos da psicanálise, mediante a apresentação de outra modalidade de concepção da subjetividade. A questão do “eu budista” aparece aqui em primeiro plano.


LAFOREST, Guy. (Dir.). Charles Taylor et l'interprétation de l'identité moderne. Paris: Cerf; Sainte-Foy: Presses de l'Université Laval, 1998.

Sinopse: La notion d'identité est au centre de la conscience moderne, mais elle paraît en même temps si problématique, entretenant à la fois des confusions intellectuelles déplorables et des passions politiques dangereuses, que beaucoup de penseurs contemporains n'y voient qu'une fiction idéologique et préfèrent s'en passer dans leur analyse des représentations qui s'en réclament. C'est l'un des principaux mérites de Charles Taylor d'avoir transformé cette notion embrouillée en point de départ d'une interrogation rigoureuse sur la modernité comme "expérience historique". Les textes réunis dans ce volume, issus d'un colloque consacré à l'auteur des "Sources du moi", témoignent de la fécondité de cette interrogation dans ces domaines extrêmement variés, allant de la recherche conceptuelle la plus abstraite à la discussion de problèmes politiques aussi actuels que l'avenir de l'État providence ou le statut des minorités.


VERSIANI, Maria Helena. Correio político: os brasileiros escrevem a democracia (1985-1988). Rio de Janeiro: Contra Capa, 2014.

Sinopse: O final dos anos 1970 e a década de 1980, vistos sob a perspectiva política, estiveram longe de ser um “tempo perdido”, como usualmente se diz, por se privilegiar a paisagem da economia. Muito ao contrário. Esse período assistiu à reorganização de movimentos sociais diversos, à formação de partidos políticos e à montagem de campanhas de mobilização de um grande leque de atores sociais, que ultrapassaram fronteiras sociais, religiosas,étnicas e de gênero. Foi isso que ocorreu, em especial, na campanha pró-Constituinte. Ou seja, para uma história política, que é também social e cultural, a década de 1980 é um tempo riquíssimo para se pensar nas continuidades (que sempre existem), mas principalmente nas transformações pelas quais passou a política brasileira, no sentido de apontar um caminho mais democrático para o futuro do país, mesmo com muitas dificuldades. Esse foi um tempo de demandas e de inovações, em especial quando o olhar do observador se dirige à participação da população ou das chamadas camadas populares.


FACINA, Adriana. (Org.) Acari cultural: mapeamento da produção cultural em uma favela da Zona Norte do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Mauad X, 2014.

Sinopse: Na contramão do senso comum que vê a favela como lugar do crime e da ausência de tudo, os dados analisados neste livro demonstram que a vida cultural de Acari é intensa. Seus artistas e agentes culturais, sem apoio do Estado, fazem do trabalho cultural uma maneira de reinventar a vida.









MENDIETA BUENO, Rober. La saga del acorazado "San Pablo" en Montevideo: (la revolución tenentista brasileña en Montevideo y en la frontera con el Brasil). Montevideo:  Ediciones Cruz del Sur, 2011.

Sinopse: Sublevación de tenientes en Río de Janeiro, tiroteos a bordo, luchas cuerpo a cuerpo, respuesta de las fortalezas con una lluvia de fuego en la Bahía de Guanabara. Al fracasar el levantamiento los tripulantes sublevados del acorazado San Pablo decidieron navegar hasta Río Grande do Sul para desembarcar allí. Pero el mar y el tiempo tormentoso cambiaron la historia.








COSTA, Ana Paula Pereira. Corpos de ordenanças e chefias militares em Minas colonial: Vila Rica, (1735-1777). Rio de Janeiro: FGV, 2014.

Sinopse: Corpos de ordenanças e chefias militares em Minas colonial consiste em um detalhado estudo acerca da composição social dos oficiais de mais alta patente das companhias de ordenanças presentes na comarca de Vila Rica, uma das mais importantes da capitania de Minas Gerais no século XVIII. Informações contidas em diferentes documentos embasam a reconstrução do perfil sociopolítico e econômico destes oficiais e delineiam algumas de suas estratégias para que fossem vistos como homens detentores de mando.






SILVEIRA, Liane Maria Braga da. Como se fosse da família: a relação (in)tensa entre mães e babás. Rio de Janeiro: E-papers: Faperj, 2014.

Sinopse: Neste livro, a autora parte do pressuposto de que as ambigüidades afetivas podem ser interpretadas a partir do entrecruzamento entre emoções, trabalho e dinheiro.











KUPERMAN, Esther. Velha bossa nova: a Sumoc e as disputas políticas no Brasil dos anos 50. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.

Sinopse: Nos chamados "anos dourados", os da Bossa Nova e do governo JK, o Brasil gozou de relativa , passando por um considerável avanço da industrialização, da urbanização e da instauração progressiva das comodidades modernas. Foi um período de intensa criação cultural, em meio a um senso de felicidade e otimismo. Mas, por trás deste painel, havia tensões de todos os tipos, lutas surdas cujos rumores seguiam um tanto abafados, em contraponto ao dourado daqueles anos. Durante toda a sua vida útil como Superintendência, a Sumoc foi palco de disputas e esteve ocupada pelos agentes sociais ligados à fração da burguesia interessada nesse processo de internacionalização econômica e na redefinição da ação do Estado brasileiro: os ligados à agricultura de exportação. (...) Com a promulgação da Lei n. 4.595, que transformou a em Banco Central do Brasil, em 31 de outubro de 1964, o BCB assumirá, seu papel e sua independência de fato através do caráter autônomo de suas políticas monetárias e cambiais, que aparentemente não possuíam conformidade com as políticas implementadas pelas demais agências estatais, mas exprimiam os interesses de frações da burguesia não necessariamente presentes em todos os espaços da sociedade política, mas que controlavam a Sumoc e, mais tarde, o Banco Central.


BOARCCAECH, Alessandro. A diferença entre os iguais. São Paulo: Porto de Idéias, 2013.

Sinopse: "A Diferença entre os Iguais" é uma pesquisa etnográfica realizada entre os Humangili, falantes do Hresuk e moradores da ilha de Ataúro, Timor-Leste. Os Humangili declaram-se cristãos, sendo adeptos da Igreja Católica ou da Assembleia de Deus. Porém, o cristianismo convive com símbolos e práticas ancestrais que evocam os espíritos dos mortos e da natureza. Tendo como fio condutor a relação entre o catolicismo e a cosmologia baseada na crença em espíritos, Alessandro Boarccaech discute os sistemas hierárquico, político e econômico, as formas de resolução de conflito, as disputas de poder, os arranjos matrimoniais e o significado do cristianismo para os Humangili. Na última parte do livro encontramos o dicionário Hresuk-Português. Este trabalho, realizado durante os dois anos de convívio com a comunidade, é uma importante contribuição para a preservação desta variedade linguística, transmitida essencialmente de forma oral.


RABELO, Miriam C.M. Enredos, feituras e modos de cuidado: dimensões da vida e da convivência no candomblé. Salvador: EDUFBA, 2014.

Sinopse: Resultado de um trabalho etnográfico, reflexões teóricas e fruto de um longo período de pesquisa e participação no candomblé, o livro parte de um esforço para compreender o processo de construção dos laços entre humanos e entidades do candomblé - orixás, exus, erês e caboclos. Ao descrever o mundo vivido no terreiro e sua experiência prática como filha de santo, a autora aborda a questão da convivência, das formas e possibilidades de viver junto como são cultivadas no terreiro.






DEJEAN, Joan E. Antigos contra modernos: as guerras culturais e a construção de um fin de siècle. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

Sinopse: Este livro concentra-se no que até hoje foi a mais significativa das Guerras Culturais dos tempos modernos: a crise que arrasou a França nos finais do século XVII, a chamada Querela entre Antigos e Modernos (1687 - 1715), conhecida em sua versão inglesa como a Batalha dos Livros. Cada capítulo deste livro destaca um aspecto diferente da importância histórica dessa controvérsia intelectual.







DEMICK, Barbara. Nada a invejar: vidas comuns na Coreia do Norte. São Paulo: Companhia da Letras, 2013.

Sinopse: Correspondente do jornal Los Angeles Times em Seul, capital da Coreia do Sul, entre 2001 e 2006, a jornalista americana Barbara Demick fez uma exaustiva pesquisa de documentos, fotos e vídeos e entrevistou dissidentes e refugiados norte-coreanos que haviam fugido para a Coreia do Sul ou para a China. Pontuadas por informações gerais sobre a economia e a cultura do país, as histórias de Nada a invejar - título irônico extraído de um hino ufanista norte-coreano - se entrelaçam para formar um painel bastante vívido do cotidiano na Coreia dos ditadores Kim Il-sung (1912-94) e Kim Jong-il (1942-2011), pai e filho que reinaram absolutos por mais de seis décadas e ainda perpetuam seu legado autoritário na figura do herdeiro Kim Jong-un.


JOYEUX, Maurice. Reflexões sobre a anarquia. São Paulo: Imaginário, 1999.

Sinopse: As "Reflexões Sobre a Anarquia", de Maurice Joyeux, por vezes expostas num tom de denúncia candente, mais do que de uma análise lúcida de quem conhece profundamente o assunto, traduzem a experiência, a vivência de uma longa caminhada dedicada à luta pelas idéias e postulados anarquistas. Antecipando-se em alguns anos aos históricos acontecimentos que alteraram as estruturas monolíticas do Leste europeu (o livro de Joyeux foi publicado na França em 1984), suas críticas contundentes ganham uma dimensão especial, não só para o movimento anarquista, mas para todos os que, com honestidade de propósitos, se interessam pelo socialismo.




WEHLING, Arno. (Org.) A América do Sul e a integração regional. Brasília: FUNAG, 2012.

Sinopse: O seminário que deu origem ao livro foi inaugurado pelo Embaixador Antonio de Aguiar Patriota, Ministro das Relações Exteriores, cujas palavras abrem também a presente publicação. Em seguida, historiadores, diplomatas e outras autoridades brasileiras e sul-americanas analisaram, na primeira sessão, os antecedentes históricos do processo integracionista na América do Sul e, na segunda, a perspectiva andina, argentina, brasileira, paraguaia e uruguaia do atual estado da integração. Cada sessão foi complementada pelas análises de comentadores da Academia e da Diplomacia, especialmente convidados, devido a seu conhecimento da matéria e a sua experiência profissional. A parte final foi reservada ao debate entre os apresentadores e o público presente. Todos os textos redigidos pelos palestrantes, bem como o teor dos debates encontram-se reunidos nesta edição.


VALÊNCIO, Norma Felicidade Lopes da Silva. (Org.) Sociologia dos desastres: construção, interfaces e perspectivas no Brasil. São Carlos: RiMa, 2009.

Sinopse: No Brasil, os desastres relacionados aos fatores naturais, como as chuvas, vêm aumentando. Sob o prisma sociológico, a razão disso é que, nos meios urbano e rural, os processos de vulnerabilidade induzidos pela modernização conservadora são contínuos e crescentes. As estratégias de produção de riqueza perpetuam a desigualdade distributiva que se manifesta, dentre outras, na degradação da pessoa humana e na indiferença diante dos direitos de territorialização dos empobrecidos. Estes se tornam vítimas fáceis do impacto de fatores de ameaças naturais como vendavais, chuvas torrenciais e afins, além de serem objeto de interação insensível e descomprometida de órgãos de Defesa Civil país adentro. Águas que descem dos céus, que encharcam os morros, que avolumam os caudais dos rios, que irrompem de barragens destruídas. E afetam, sobretudo, os empobrecidos do país que não dispõem de um Estado eficiente para lhes dar guarida e proteção.


POSTERO, Nancy Grey. Now we are citizens: indigenous politics in postmulticultural Bolivia. Stanford: Stanford University Press, c2007.

Sinopse: Upon winning the 2005 presidential election, Evo Morales became the first indigenous person to lead Bolivia since the arrival of the Spanish more than five hundred years before. Morales’s election is the culmination of a striking new kind of activism in Bolivia. Born out of a history of resistance to colonial racism and developed in collective struggles against the post-revolutionary state, this movement crystallized over the last decade as poor and Indian Bolivian citizens engaged with the democratic promises and exclusions of neoliberal multiculturalism. This ethnography of the Guaraní Indians of Santa Cruz traces how recent political reforms, most notably the Law of Popular Participation, recast the racist exclusions of the past, and offers a fresh look at neoliberalism. Armed with the language of citizenship and an expectation of the rights citizenship implies, this group is demanding radical changes to the structured inequalities that mark Bolivian society. As the 2005 election proved, even Bolivia’s most marginalized people can reform fundamental ideas about the nation, multiculturalism, neoliberalism, and democracy.


SOUZA, Jorge Victor de Araújo. Para além do claustro: uma história social da inserção beneditina na América portuguesa, c.1580-c.1690. Niterói: Ed. da UFF, 2014.

Sinopse: A partir da leitura e interpretação de documentos oficiais variados e de origens distintas, o autor demonstra o papel e as formas de inserção da Ordem de São Bento na sociedade colonial: sua participação na economia, como poderosos latifundiários e escravocratas, e na política, em disputas de poder e controle sobre o patrimônio material e imaterial. Segundo Jorge Victor, “a província beneditina do Brasil” era uma conquista, entendida como extensão da Congregação portuguesa, mas de comportamento autonomista dos monges. Entre as contendas citadas estão: a crise de autoridade na Ordem, na disputa conduzida e vencida por frei João da Ressurreição - definido como um estrategista de interesses separatistas, “um monge astuto, combativo” - pela defesa e criação dos cursos de teologia e filosofia no mosteiro do Rio de Janeiro, e contra seus opositores em São Paulo e Salvador. A obra traz uma abordagem do tema considerada inovadora por conferir e ampliar uma outra tradução e compreensão do signo 'Igreja', definido como “generalizante” na historiografia brasileira.


CASTILHO, Sérgio Ricardo Rodrigues. "Marketing político": a construção social do "mercado eleitoral" no Brasil (1954-2000). Rio de Janeiro: 7 Letras: FAPERJ, 2014.

Sinopse: A tendência, ao falar-se de marketing político, é de dissecar os aspectos morais que envolvem a questão. Indo contra esta corrente, Sérgio Ricardo Rodrigues Castilho procura analisar objetivamente, sem julgamentos, o marketing das campanhas eleitorais presidenciais brasileiras de 1954 a 2000. Construindo um estudo etnográfico imparcial das transformações culturais sofridas pela atividade política neste período, o autor apresenta, com esta obra, uma sólida base para os estudiosos do tema.






ANTONY, Philomena Sequeira. Relações intracoloniais Goa-Bahia: 1675-1825. Brasília: FUNAG, 2013.

Sinopse: A obra traz um estudo sobre o intercâmbio cultural entre as capitais dos impérios oriental e ocidental de Portugal, principalmente no cultivo de especiarias. A Índia e o Brasil surgem com destaque como potências distintas na categoria de países em desenvolvimento no mundo de hoje. Eles compartilham características comuns, sendo de dimensões avantajadas, ricos em recursos e carentes de capital. A experiência histórica parecida, como colônias de uma potência europeia, produziu impacto em ambos os países, de acordo com a autora.





ECHEVERRIA, Regina. Sarney: a biografia. São Paulo: Leya, 2011.

Sinopse: A base de pesquisas do livro é o diário do ex-presidente, o que o torna menos uma biografia e mais uma análise pessoal e emocional do personagem central - que dá sua visão dos fatos, mesmo que a história não a confirme. O livro é uma oportunidade de eternizar suas versões para passagens da vida política nacional que possam comprometê-lo - desde a insegurança que marcou seu governo até o recente escândalo dos atos secretos do Senado.







CATALDO, Beth. (Org.) Brasília aos 50 anos: que cidade é essa? Brasília: Tema Editoral, 2010.

Sinopse: Um livro independente e crítico sobre Brasília, mas também capaz de lançar um olhar amoroso e reflexivo sobre a capital brasileira e seu futuro. A cidade surge com suas múltiplas facetas - da cultura à economia, da história aos personagens que a construíram - nos textos e fotos que compõem a publicação. A coletânea de ensaios de 14 autores foi organizada pelas jornalistas Beth Cataldo e Graça Ramos, que contaram com um projeto gráfico inovador de Chico Amaral e a maneira especial de observar a cidade do fotógrafo Ricardo Labastier. Os textos levam a assinatura de Andrea Jubé Vianna, Conceição Freitas, Gustavo Lins Ribeiro, José Rezende Jr., Leonardo Barreto, Mara Bergamaschi, Marco André Schwarzstein, Marcos Magalhães, Mauro Santayana, Ricardo Caldas, Ruy Fabiano e Sérgio de Sá.


COELHO, Vera Schattan P. (Ed.) Mobilizing for democracy:  citizen action and the politics of public participation. London; New York: Zed, 2010.

Sinopse: This book is about how ordinary citizens and their organizations mobilize to deepen democracy. A collection of new empirical case studies from Angola, Bangladesh, Brazil, India, Kenya, Nigeria and South Africa illustrate how alternative forms of political mobilization - such as protests, social participation, activism, litigation and lobbying - engage with the formal institutions of representative democracy in ways that constitute the very essence of democratic politics and not, as many authors suggest, an indication of its failure.






POCHMANN, Marcio. (Org.) Outra cidade é possível: alternativas de inclusão social em São Paulo. São Paulo: Cortez, 2003.

Sinopse: Este livro revela os primeiros resultados dos programas de desenvolvimento social implantados pela Secretaria Municipal do Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade. Referência que pode inspirar o conjunto da sociedade brasileira - como no caso da criação de um inédito cadastro único das famílias pobres para todos os programas sociais - a experiência paulistana torna-se leitura instigante para todo cidadão preocupado com os rumos do desenvolvimento, da pobreza e da política de proteção social no país. E é um valioso instrumento de trabalho e análise para jornalistas, sociólogos, economistas, pesquisadores da área, assistentes sociais, parlamentares em geral e gestores de políticas públicas.



LANDER, Edgardo. (Comp.) La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales: perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2003.

Sinopse: El propósito de este livro es recoger, incorporando para ello una perspectiva histórica, los debates latinoamericanos actuales a propósito de asuntos como la crítica al Orientalismo, los estudios postcoloniales, la crítica al discurso colonial, los estudios subalternos, el afrocentrismo y el post-occidentalismo. En un mundo en el cual parecen imponerse, por un lado el pensamiento único del neoliberalismo, y por el otro el descentramiento y escepticismo de la postmodernidad, ¿cuáles son las potencialidades que se están abriendo en el continente en el conocimiento, la política y en la cultura a partir del replanteo de estas cuestiones? ¿Cuál es la relación de estas perspectivas teóricas con el resurgir de las luchas de los pueblos históricamente excluidos como las poblaciones negras e indígenas en América Latina? ¿Cómo se plantean a partir de estos asuntos los (viejos) debates sobre la identidad, y en torno a la hibridez, la transculturación y a la especificidad de la experiencia histórico-cultural del continente? ¿Cuáles son hoy las posibilidades (y realidad) de un diálogo desde las regiones excluidas subordinadas por unos saberes coloniales y eurocéntricos (Asia, Africa, América Latina)?


MISSE, Michel. (Org.) Conflitos de (grande) interesse: estudos sobre crimes, violências e outras disputas conflituosas. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.

Sinopse: Crime e violência podem ser pensados como desvios da ordem normativa, fundada na obediência às leis e no papel das instituições de controle social. Tudo se passaria como se, para assegurar uma sociedade pacificada, bastasse reformar as leis penais, modernizar as polícias, agilizar os procedimentos judiciais, profissionalizar os recursos humanos. Os autores das contribuições que compõem essa coletânea não se contentam com tais explicações. Eles pretendem sugerir que as questões subjacentes ao crime e à violência no Brasil são mais complexas, pois envolveriam disputas em torno da legitimidade ou ilegitimidade de significações morais, além de interesses materiais e ideais. Para os autores da coletânea, mais do que o fato em si o foco deveria ser centrado na natureza dos conflitos sociais, de seus mecanismos de disputa e de resolução cujo desfecho converge para o crime e para formas distintas de violência.


NORA, Pierre. (Dir.) Les lieux de mémoire. Paris: Gallimard, 1997. 3 v.

Sinopse: La notion de lieu de mémoire signifie, pour la Commission, l’ensemble des repères culturels, lieux, pratiques et expressions issus d’un passé commun. Ces repères peuvent être concrets et tangibles, comme des objets ou monuments, mais ils peuvent aussi être immatériels, comme l’Histoire, la langue, ou les traditions. Les lieux de mémoire sont non seulement des objets de connaissance, mais doivent également se révéler des sources d’émotion. Les traces du passé prennent un sens nouveau lorsqu’elles deviennent Mémoire en prenant appui sur des supports vivants et contemporains. La Mémoire prend vie quand elle rejoint le citoyen.




ARIZPE, Lourdes. (Org.) As dimensões culturais da transformação global: uma abordagem antropológica. Brasília: Unesco, 2001.

Sinopse: Coletânea de textos organizada pela antropóloga mexicana Lourdes Arizpe em 1996 e traduzida para o português em 2001 por iniciativa da UNESCO. Os textos foram escritos por intelectuais da América, África, Europa e versam sobre temas relacionados à questão étnica, globalização, feminilização do trabalho, meio ambiente e televisão.








ROJAS CASTILLO, John Larry. (Ed.) Filosofía, ética y sociedad: perspectivas teóricas. Bogotá: Uniminuto, 2012.

Sinopse: Este texto recoge algunos articulos sobre la educacion, la praxeologia, la epistemologia, la metafisica y la antropologia filosofica, perspectivas todas que se entrecruzan para abordar, cada una a su manera.










WALLACE, Helen. (Ed.) Policy-making in the European Union. Oxford: Oxford University Press, 2005.

Sinopse: In recent years the European Union's membership has increased from 15 to 25 countries, it has adopted the Lisbon strategy for achieving greater economic competitiveness, taken steps towards a more purposive common foreign and defence policy, and significantly increased its efforts to deal with challenges to internal security. The new edition of this highly successful textbook brings the reader up-to-date with the range of core policy challenges facing the European Union and the ways in which they are being addressed. It includes a new chapter which lays out the primary questions of the book against the background of new research and a new chapter on employment policy which covers the major developments in this area.



GRUNER, Eduardo. (Coord.) Nuestra América y el pensar crítico: fragmentos de pensamiento crítico de Latinoamérica y el Caribe. Buenos Aires: CLACSO, 2011.

Sinopse: Este grupo de Trabajo de CLACSO - Pensamiento Histórico-Crítico de América Latina y el Caribe - se propuso a excederse en las propuestas ensayísticas en el campo de las ciencias sociales, la filosofía y la teoría crítica de la cultura; crear una desproporción en el pensamiento, actuando y produciendo con la mayor de las libertades posibles; exagerar la audacia en la propuesta de maneras nuevas y originales de pensar desde y hacia una teoría crítica latinoamericana. Finalmente, para bien o para mal, estamos en un momento que empuja a volver a pensar Latinoamérica. Para decirlo con un idiolecto que no ha dejado de producir sus efectos en las Ciencias Sociales, Latinoamérica es de nuevo un objeto de deseo del pensamiento crítico.



AMSELLE, Jean-Loup. (Dir.) Au coeur de l´ethnie: ethnies, tribalisme et état en Afrique. Paris: Découverte, 1999.

Sinopse: Les anthropologues, bien souvent malgré eux, ont usé et abusé de la notion d'ethnie, sans toujours préciser ce qu'ils entendaient par ce terme. Parallèlement, les médias se sont hâtivement emparés de cette appellation si peu contrôlée pour tenter d'i4 expliquer "" tel ou tel événement de la politique africaine. Encore aujourd'hui, l'utilisation de ce terme sert de référence aux analyses souvent réductrices de certains conflits (ex-Yougoslavie, Rwanda, etc.). L'ensemble de ces textes s'efforce, en conjuguant analyses de portée générale et études de cas, de s'interroger sur cette notion controversée à partir de la situation africaine. En effet, il était important de repenser les notions d'ethnie et de tribu, de plus en plus souvent associées à d'autres notions comme celles d'Etat et de nation. Il était impératif de revenir sur certaines formes de classifications par trop schématiques et réductionnistes.


BELLINO, Francesco. (Org.) Trattato di bioetica. Bari: Levante, 1992.

Sinopse: Costituito da quasi 50 saggi, affronta organicamente le problematiche fondamentali della bioetica, offrendone un quadro ben documentato e teoreticamente argomentato. E' un trattato aperto soprattutt a cogliere la complessità del discorso bioetico e ad enuclearne la tettonica. Saluto con piacere la pubblicazione del primo "trattato" italiano di bioetica, che si differenzia dai "manuali" (in gran parte a finalità apologetica) sin qui comparsi in Italia. Sono convinto che contribuirà a creare nella nostra cultura i presupposti per una serena ed equilibrata valutazione dei piu' inquietanti iterrogativi sollevati dallo sviluppo scientifico e tecnologico.




SCOTT, R. Parry (Russel Parry) (Org.) Saúde, sexualidade e famílias urbanas, rurais e indígenas. Recife: Ed.UFPE, 2007.

Sinopse: Os textos aqui reunidos constituem reflexões desenvolvidas por componentes da equipe envolvida na pesquisa-ação Estilos Reprodutivos Masculinos e Femininos e Organizações Representativas, com o apoio da Fundação Ford e do CNPq. O livro é um testemunho da riqueza cultural e dinamicidade dos moradores do bairro do Ibura, na cidade do Recife; dos agricultores reassentados do reservatório de Itaparica e dos índios Pankararu, ambos residentes do Sertão do Sub-Médio São Francisco. Este trabalho documenta parte do esforço de pesquisa e ação que enfatizou questões de saúde e sexualidade, desvendando distinções de gênero e geração no cotidiano de famílias de grupos cultural e socialmente diferentes, inseridos em três contextos distintos, em Pernambuco, no Nordeste do Brasil. O esforço faz parte de um projeto mais amplo intitulado Enfrentando Diferenças de Gênero: Consolidando e Ampliando Pesquisas e Ações em Saúde Reprodutiva (2001-2007). Durante este período, a equipe viveu uma experiência contínua de tensão positiva: entre o respeito à particularidade de cada grupo e de cada pesquisador, e a obediência a um conjunto de ações que sistematizassem um trabalho sempre ameaçado pela dispersão pela sua própria complexidade. Em plena colaboração com as populações e as suas organizações, pode-se perceber que o trabalho foi além de cuidadosa descrição etnográfica com base em gênero, geração e saúde, estimulando a elaboração de estratégias reivindicatórias e de ação, e promovendo contatos com executores, administradores e planejadores de ações governamentais e não governamentais na área de saúde (especialmente na saúde reprodutiva). A coletânea é comparativa multicêntrica. Os trabalhos e indagam sobre políticas, cultura e organização social destes diferentes grupos.


WILLIAMS, Jerry M. (Ed.) Early images of the Americas: transfer and invention. Tucson: University of Arizona Press, c1993.

Sinopse: Contributions from anthropology, history, political science, literature, the natural sciences, religion, and philosophy provide a comprehensive overview of the diverse influences America had on Europe. Topics covered include the impact of early botanical and geographic studies on Europe and on the scientific revolution, the structure of indigenous and colonial cultures, and the ideology and ethics of conquest and enslavement. Together, these essays constitute a reevaluation of the images held by the first colonists via new ways of understanding some of the main figures, processes, and events of that era.




PELÁEZ, Álvaro (Coord.). Observaciones filosóficas en torno a la transdisciplinariedad. Rubí: Anthropos,  2010.

Sinopse: Los ensayos que conforman este volumen son producto de un proyecto de investigación colectivo encaminado a la comprensión de la transdisciplinariedad y a un intento por señalar sus posibles desarrollos. Los autores parten de la base de que en el contexto de la reorganización disciplinaria que ha tenido lugar en muchas áreas del conocimiento, así como el surgimiento de "nuevos modos de producción" del mismo, se hace imprescindible una reflexión de índole filosófica que tenga por objetivo analizar, explicar y organizar una familia de conceptos que se presentan habitualmente de manera ambigua y problemática.
Desde este punto de vista, una virtud del volumen es que dicha empresa es abordada a partir de diferentes perspectivas filosóficas, desde las más tradicionales a las que combinan elementos de índole sociológica, cubriendo así un amplio espectro de interpretaciones acerca del significado, límites y posibilidades de la transdisciplinariedad.


TAYLOR, Lucien. (Ed.). Visualizing theory: selected essays from V. A. R. 1990-1994. New York: Routledge, 1994.

Sinopse: Visualizing Theory is a lavishly illustrated collection of provocative essays, occasional pieces, and dialogues that first appeared in Visual Anthropology Review between 1990 and 1994. It contains contributions from anthropologists, from cultural, literary and film critics and from image makers themselves. Reclaiming visual anthropology as a space for the critical representation of visual culture from the naive realist and exoticist inclinations that have beleaguered practitioners' efforts to date, Visualizing Theory is a major intervention into this growing field.






BUENO, José Antônio Pimenta (Org.). Pareceres dos consultores do Ministério dos Negócios Estrangeiros. Rio de Janeiro: Centro de História e Documentação Diplomática; Brasília, DF:  Fundação Alexandre de Gusmão, 2006.

Sinopse: O livro contém pareceres dos Consultores Jurídicos do Itamaraty no período 1859 a 1864.






CAMPOS, Pedro Henrique Pedreira. Estranhas catedrais: as empreiteiras brasileiras e a ditadura civil-militar,1964-1988. Niterói, RJ: Ed. da UFF, 2014.

Sinopse: A análise crítica identifica na ditadura civil-militar brasileira do período 1964-1988 a origem da inserção, contaminação e subordinação do tecido orgânico de Estado aos interesses do segmento dos empreiteiros. Em foco, o crescimento e consolidação das principais empresas do setor de construção pesada no Brasil, numa articulação que, segundo Pedro Henrique, propiciou o desenvolvimento expressivo, a modernização capitalista e a internacionalização das “gigantes do setor”. Ao demonstrar as injunções políticas, estratégias e práticas que permeiam as relações da iniciativa privada e poder público e sua legitimação por “intelectuais orgânicos”, a publicação constata e fornece elementos de compreensão acerca de “Estado, Poder e Classes Sociais no Brasil”, conforme sugere o Prefácio, assinado pela historiadora Virgínia Fontes.


BATESON, Gregory. Vers une écologie de l'esprit, t.2. Paris: Éditions du Seuil, c1980.

Sinopse: La communication chez les cétacés, la schizophrénie, la théorie de l'évolution: ce sont quelquesuns des domaines (fort divers) qu'explore Gregory Bateson dans ce deuxième tome de Vers une écologie de l'esprit. Le lecteur y trouvera un exposé de la théorie du "double bind" (double contrainte), situation de communication où un individu reçoit à la fois deux injonctions contradictoires telles que s'il obéit à l'une, il est forcé de désobéir à l'autre; un enfant soumis par ses parents à des impératifs de ce genre peut devenir schizophrène et son comportement, qui nous apparaît fou, n'est alors qu'une tentative de démêler l'entrelacs où il est placé. Dans cette lignée s'élabore une nouvelle conception de la communication et de l'évolution, qui renverse nombre d'idées reçues. Ce deuxième volume comprend la deuxième partie de Forme et pathologie des relations (schizophrénie et double contrainte), qui comporte notamment le célèbre texte "Vers une théorie de la schizophrénie"; Biologie et évolution (changements somatiques, communication chez les cétacés, réexamen de la "loi de Bateson"); Épistémologie et écologie (cybernétique, but conscient, différence); Crise dans l'écologie de l'esprit (pathologies de l'épistémologie, crise, civilisation urbaine).


BRAUDEL, Fernand. Civilisation matérielle, économie et capitalisme, XV-XVIII siècle, t.1: les structures du quotidien: le possible et l´impossible. Paris: Armand Colin, c1979.

Sinopse: Le premier volume est un inventaire de la culture matérielle avant la grande rupture de la révolution industrielle: misère et luxe; routines paysannes; nourritures, costumes et logement, du riche et du pauvre; outils, techniques, monnaies et pseudo-monnaies, villes... C'est donc un grand livre d'images où toutes les civilisations du monde ont leur mot à dire. Chemin faisant se mesure l'étroitesse des limites du possible pour ces sociétés d'hier, en butte, toutes, à des famines meurtrières, à l'inexorable faiblesse des sources d'énergie et des techniques, à la lenteur et au débit dérisoire des transports, des communications. L'auteur nous entraîne ainsi loin des facilités que la vie actuelle nous prodigue, dans une autre planète, dans un autre univers des hommes.



BRAUDEL, Fernand. Civilisation matérielle, économie et capitalisme, XV-XVIII siècle, t.3: le temps du monde. Paris: Armand Colin, c1979.

Sinopse: Ce dernier volume reprend, cette fois dans sa chronologie du XVe au XVIIIe siècle, l'histoire économique du monde. Non pas de l'univers tout entier, mais de ces seules zones très minoritaires qui vivent selon "le temps du monde", le regard tourné vers les échanges internationaux - toutes zones de civilisations denses, à la richesse ancienne. En gros deux blocs: l'Europe d'un côté, de l'autre l'Extrême-Orient qui lie Inde, Chine, Islam en un puissant réseau, longtemps à égalité avec l'Europe. L'histoire de ces quatre siècles est précisément celle de la rupture progressive de cet équilibre ancien. Il a été bouleversé, recréé à partir des hauts lieux du capitalisme qui ont successivement pris la tête de l'Europe: Venise au XVe siècle, puis Gênes, Amsterdam, Londres, jusqu'à la révolution anglaise du XIXe siècle, qui a scellé l'inégalité du monde. Nous en vivons encore les conséquences. En conclusion: le destin du capitalisme d'aujourd'hui s'explique-t-il à la lumière du passé?


MACDOUGALL, David. The corporeal image: film, ethnography, and the senses. Princeton: Princeton University Press, c2006.

Sinopse: In this book, David MacDougall, one of the leading ethnographic filmmakers and film scholars of his generation, builds upon the ideas from his widely praised Transcultural Cinema and argues for a new conception of how visual images create human knowledge in a world in which the value of seeing has often been eclipsed by words. In ten chapters, MacDougall explores the relations between photographic images and the human body-the body of the viewer and the body behind the camera as well as the body as seen in ethnography, cinema, and photography. In a landmark piece, he discusses the need for a new field of social aesthetics, further elaborated in his reflections on filming at an elite boys' school in northern India. The theme of the school is taken up as well in his discussion of fiction and nonfiction films of childhood. The book's final section presents a radical view of the history of visual anthropology as a maverick anthropological practice that was always at odds with the anthropology of words. In place of the conventional wisdom, he proposes a new set of principles for visual anthropology. These are essays in the classical sense--speculative, judicious, lucidly written, and mercifully jargon-free. The Corporeal Image presents the latest ideas from one of our foremost thinkers on the role of vision and visual representation in contemporary social thought.


MITCHELL, William C. Beyond politics: markets, welfare, and the failure of bureaucracy. Boulder: Westview Press, 1994.

Sinopse: Traditional public policy and welfare economics have held that “market failures” are common, requiring the intervention of government in order to serve and protect the public good. In Beyond Politics, William C. Mitchell and Randy T. Simmons carefully scrutinize this traditional view through the modern theory of public choice.The authors enlighten the relationship of government and markets by emphasizing the actual rather than the ideal workings of governments and by reuniting the insights of economics with those of political science. Beyond Politics traces the anatomy of “government failure” and a pathology of contemporary political institutions as government has become a vehicle for private gain at public expense. In so doing, this brisk and vigorous book examines a host of public issues, including social welfare, consumer protection, and the environment. Offering a unified and powerful perspective on the market process, property rights, politics, contracts, and government bureaucracy, Beyond Politics is a lucid and comprehensive book on the foundations and institutions of a free and humane society.


STROPASOLAS, Valmir Luiz. O mundo rural no horizonte dos jovens. Florianópolis:  Ed. da UFSC, 2006.

Sinopse: A obra mostra as redefinições sociais e culturais em curso no mundo rural na perspectiva dos jovens, colocando em relevo as representações e práticas diversas e conflituosas dos filhos e filhas de agricultores familiares no que tange à reprodução social (trabalho, família, casamento, lazer etc). Dá, enfim, visibilidade às mazelas estruturais externas e internas ao mundo rural, ressaltando as hierarquias de poder e as desigualdades de gênero e geração na agricultura familiar, fatores essenciais para compreensão do movimento migratório de jovens para os centros urbanos.





LINKLATER, Andrew. The transformation of political community: ethical foundations of the Post-Westphalian Era. Cambridge: Polity Press, c1998.

Sinopse: Sovereign nation states, which were formed in the context of major war, have been deeply exclusionary in their dealings with minority cultures and alien outsiders. In this book, Andrew Linklater claims that globalization, the pacification of core areas of the world economy and ethnic revolt challenge these traditional practices. As a result, new forms of political community and citizenship have become possible. The Transformation of Political Community will be of interest to students and academics in international relations, politics and sociology.





DAGOGNET, François. Le nombre et le lieu. Paris: J. Vrin, 1984.

Sinopse: La philosophie, et bien d’autres disciplines, ont visé à enraciner l’individu; il lui faut un domicile et un nom. On a essayé, en coséquence, de rechercher les difficultés comme les origines et les fondements de cette démarche intégratrice, non moins que stabilisante. A partir de là, on a proposé une théorie plus générale des "lieux" et des "emplacements"; on a notamment analysé "la ville elle-même" qui regroupe les hommes et les activités. Mieux, au risque de déborder, on est allé jusqu’à préconiser des plans pour les futures mégalopoles de la concentration. La philosophie a peut-être trop privilégié le particulier et l’isolé, en même temps que, parallèlement, le tourbillonnaire, l’itinérance et la migration. A l’opposé, on plaide ici pour la quantité (le ramassage et le resserrement) et pour le territoire. Les deux: le nombre et le lieu.


SAUNDERS, Frances Stonor. La CIA y la guerra fría cultural. Madrid: Editorial Debate, 2001.

Sinopse: Durante la Guerra Fría los escritores y los artistas se enfrentaron a gran reto. En la esfera soviética, se esperaba que produjeran obras que exaltaran la militancia, la lucha y un optimismo sin límites. En Occidente, la libertad de expresión era la virtud más preciada de las democracias liberales. Pero esa libertad tenía un precio. Este libro documenta el extraordinario vigor de una campaña secreta en la que algunos de los defensores más ardientes de la libertad de pensamiento en Occidente (entre otros, George Orwell, Bertrand Russell, Jean-Paul Sartre y Arthur Schlesinger, Jr.) fueron, tanto si lo sabían como si no, tanto si les gustaba como si no, instrumentos del servicio secreto estadounidense.



BIAL, Pedro. Leste europeu, a revolução ao vivo. Rio de Janeiro: Objetiva, 1990.

Sinopse: O repórter da Rede Globo, Pedro Bial, e a jornalista Renée Castelo Branco, escreveram Leste Europeu, a revolução ao vivo, um envolvente testemunho dos acontecimentos de 1989 que viraram de pernas para o ar a região e, por que não dizer, mudaram a face do mundo. Desde a violenta queda de Ceaucescu, na Romênia, passando pelas mudanças ocorridas na Tchecoslováquia, Hungria e Polônia, até a queda do Muro de Berlim. Completa o volume um capítulo de treze páginas sobre a Albânia ("A Irredutível Aldeia Albanesa").






MAMMARELLA, Giuseppe. Storia e politica dell´Unione europea (1926-1997). Roma: Laterza, 1998.

Sinopse: Una ricostruzione storica, scrupolosa e puntuale, delle vicende e delle politiche che hanno accompagnato il lungo e accidentato percorso dell'integrazione europea.











LEMOS, Silse Teixeira de Freitas. A Face Oculta do Caboclo: perdas e rupturas em sua peregrinação da economia e subsistência para o trabalho precarizado. São Luís: EDUFMA, 2011.

Sinopse: Este livro apresenta um processo de reflexão e análise crítica da construção da identidade do caboclo e a sua transformação em trabalhado de serraria em Curitibanos, Santa Catarina. Situa-se na compreensão da realidade contemporânea, campo fecundo para o Serviço Social. Constituída com base em pesquisa bibliográfica e qualitativa, ancorada na história oral, percorre o processo da colonização brasileira das primeiras ocupações até a conquista do Brasil meridional, cenário onde o homem com interveniência de econômicos, políticos e culturais.





BRAUDEL, Fernand. Civilisation matérielle, économie et capitalisme, XV-XVIII siècle, t.2: les jeux de l´échange. Paris: Armand Colin, c1979.

Sinopse: Avec Les Jeux de l'échange, nous quittons la vie matérielle stagnante qu'évoque le premier volume pour entrer dans le mouvement de la vie économique. De bas en haut de l'échelle, voici tous les outils de l'échange : colportage, marchés, échoppes et boutiques, foires, bourses, banques. Autant d'étapes de l'épanouissement de l'économie de marché, confondu d'ordinaire avec celui du capitalisme. L'auteur, au contraire, distingue ou même oppose les activités et les acteurs de l'économie de marché et du capitalisme, celle-là sous le signe de l'échange naturel et sans surprise, de la transparence et de la concurrence, celui-ci animé par la spéculation et les calculs savants d'un petit groupe d'initiés. Parce qu'il se fonde sur la puissance, le capitalisme a toujours pu se réserver les secteurs privilégiés de l'accumulation, secteurs changeants au fil du temps: du XV au XVIII siècle, non pas l'industrie, mais la banque et le négoce international.


WOLGAST, Elizabeth Hankins. The grammar of justice. Ithaca: Cornell University Press, 1987.

Sinopse: As the Wittgensteinian title suggests, Wolgast concerns herself with a conceptual analysis of the term justice. She begins by presenting and exploring a model she calls "social atomism," which addresses injustice by emphasizing individual rights. She then discusses a variety of ethico-political issues, such as majority rule, representation, the control of pornography, justice as a corrective to perceived injustice rather than as a definable ideal, the justification of punishment, and how the idea of justice presupposes a particular kind of complexity in life. Wolgast explains difficult ideas simply and thereby achieves her goal of getting a clearer view of how our moral reasoning works and how it illuminates our political judgments.


CHAUÍ, Marilena de Souza. A nervura do real: imanência e liberdade em Espinosa, volume I, imanência : notas, bibliografia e índices. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

Sinopse: Fruto de mais de trinta anos de estudo de uma das mais produtivas e provocativas intelectuais brasileiras, Marilena Chauí, este livro se dedica a mostrar a subversão intelectual de Espinosa. Inúmeras interpretações da obra do filósofo julgam que, nela, a existência de seres individuais com vida própria é impossível, pois todas as coisas seriam apenas modificações de um único ser - e imanentes a ele. Julgam também impossível a liberdade humana, visto que Espinosa afirma a necessidade plena da ordem e das leis naturais, das quais nada e ninguém escapa. Opondo-se a elas, o livro de Chauí mostra que a imanência de Deus à Natureza não abole - ao contrário, é condição necessária à existência efetiva dos seres individuais.


SANTOS, Roberto Santana. Coronéis e empresários: da esperança da transição democrática à catástrofe neoliberal (1985-2002). Rio de Janeiro: Multifoco, 2014.

Sinopse: O livro aborda como o desejo de um Brasil mais justo e democrático com o fim da Ditadura se transformou em uma pesada realidade de miséria, desemprego e violência para o povo brasileiro ao longo dos últimos anos do século XX. A partir dos pressupostos da teoria marxista da dependência e de uma crítica à noção de democracia imposta pelo pensamento conservador, Roberto Santana Santos realiza uma narrativa da história brasileira dos anos 1980 e 1990, destacando como o neoliberalismo solidificou sua hegemonia e limitou as conquistas populares de um período de grande efervescência política. O resultado foi o agravamento dos problemas socioeconômicos herdados dos anos de exceção e uma democracia truncada e seletiva. O fim da Ditadura aparece como uma necessidade do grande capital nacional e internacional para a atualização da economia brasileira de forma subalterna aos novos ditames da globalização neoliberal. Momentos como o Colégio Eleitoral, a Assembleia Constituinte, as eleições presidenciais de 1989 e os governos subsequentes são apresentados como uma aguda luta de classes entre projetos políticos que pretendiam aprofundar ou refutar a dependência do país em um momento de reestruturação do sistema capitalista internacional. A obra mescla o estudo profundo da história recente do Brasil, com a análise estrutural da condição dependente da economia do país. Mais do que isso, demonstra como o atual momento de nossa história, inaugurado em 1985, marca um recrudescimento da superexploração dos trabalhadores e trabalhadoras e renova o caráter periférico de nossa economia no cenário internacional.


KUCINSKI, Bernardo. Pau de arara: a violência militar no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abamo, 2013.

Sinopse: O livro Pau de Arara: A violência militar no Brasil é um dos primeiros documentos a denunciar, no exterior, a violação de direitos humanos no Brasil a partir ditadura de 1964. Lançado na França, em 1970, e posteriormente no México, em 1972, Pau de Arara ganha sua primeira edição brasileira. A obra é dividida em duas partes: uma análise da realidade socioeconômica brasileira e do histórico de articulação entre os militares e o poder político no Brasil; e uma compilação de documentos relativos às violações dos direitos humanos que ocorriam desde o início da ditadura instaurada em 1964 no país.




PIMENTEL, José Vicente de Sá. (Org.). Debatendo o BRICS. Brasília: FUNAG, 2013.

Sinopse: Este livro contém os debates registrados em duas mesas-redondas, organizadas pela Funag, da qual participaram acadêmicos, jornalistas e empresários, ao lado de diplomatas e negociadores que atuaram em reuniões do BRICS. Constitui, assim, um oportuno repositório de informações atualizadas e de avaliações críticas da trajetória do grupo, numa linguagem direta e acessível a todos aqueles que se interessam pelas relações internacionais dos dias de hoje.







PIMENTEL, José Vicente de Sá (Ed.). Debating BRICS. Brasília: FUNAG, 2013.

Sinopse: This book comprises the discussions recorded in two roundtables organized by Funag, attended by academics, journalists and businessmen, along with diplomats and negotiators who worked at meetings of the BRICS. Thus, it represents a suitable repository for updated information and critical reviews of the trajectory of the group, in a direct and accessible language to all those who are interested in the current international relations.







ALCÂNTARA JUNIOR, José. Sociabilidades em ônibus urbano. São Luís: EDUFMA, 2011.

Sinopse: O livro traz um retrato e uma reflexão sobre as expressões de sociabilidades dos passageiros de ônibus na capital do estado de São Paulo. “Um recorte em um micro espaço público, para compreender como esse equipamento automotivo molda pequenas formas sociais", define o escritor.









FERNANDES, Florestan. Florestan Fernandes na constituinte: leituras para a reforma política. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; Expressão Popular, c2014.

Sinopse: Voltado aos militantes, pesquisadores e interessados na história e nas transformações atualmente em curso no país, o livro é uma coletânea de discursos e artigos escritos por Florestan Fernandes entre 1986 e 1988, período em que atuou como deputado na Assembleia Nacional Constituinte. De origem popular, o sociólogo, deputado do Partido dos Trabalhadores reafirma em diversos momentos de sua atuação o compromisso com a classe trabalhadora e com a reconstrução da democracia no Brasil. A obra analisa o contexto político brasileiro, apontando as debilidades e a ausência de cultura cívica das classes dominantes do período, e evidenciando a forma como interesses privados constituíram entraves para os avanços sociais almejados pela classe trabalhadora. Ressalta também a centralidade da luta popular para o desenvolvimento de uma sociedade mais justa e democrática.


OGIEN, Ruwen. La faiblesse de la volonté. Paris: Presses Universitaires de France, 1993.

Sinopse: Trois types d'explication de l'action humaine sont soumis au test aristolecien de l'acrasia (faiblesse de la volonte ou action intentionnelle contraire au meilleur jugement de l'agent) : causal, logique (le syllogisme pratique) et mixte (la theorie aristotelicienne de la phronesis et la theorie davidsonnienne du raisonnement pratique). La conclusion est sceptique ou negative nous ne disposons d'aucune explication convaincante ou d'aucune justification rationnelle de nos facons ordinaires de parler du pouvoir de nos croyances et de nos desirs dans la production et l'orientation de nos actions.





PAIVA, Asséde. Brumas da história: ciganos & escravos no Brasil. Volta Redonda: Nova Gráfica e Editora, 2012.

Sinopse: Durante séculos, os ciganos sofreram com a intolerância e perseguição em todo o mundo, e ao longo da História do Brasil não foi diferente. Durante muitos anos eles foram apontados como os principais comerciantes de escravos do Valongo, um dos maiores mercados negreiros do período colonial, situado na região portuária do Rio de Janeiro. Denunciar essa visão errônea é o objetivo do livro “Brumas da História - Ciganos & Escravos no Brasil”. A obra narra como eles foram estigmatizados como mercadores de escravos, apesar de a atividade ser majoritariamente desenvolvida por ricos comerciantes brasileiros e portugueses. O livro é rico em dados históricos, gráficos e pinturas produzidas por grandes artistas da época, como Debret, que sob encomenda dos governantes convenientemente retratavam os ciganos como os principais responsáveis pelo comércio escravagista.


NASCIMENTO, Grasiele Augusta Ferreira. (Org.) Biodireito, ética e cidadania. Taubaté: Cabral, 2003.

Sinopse: Os presentes estudos trazem esplendida contribuição ao ideário do direito e da ética. Partindo dos valores, configuram aspectos da realidade que, sendo atuais, são recorrentes no debate político e social contemporâneo. Os estudos tratam, com elegância e precisão, de temas da mais alta relevância e tenho a certeza que trazem uma contribuição importante a respeito da conduta humana que se baseia na ética, é dizer, que refoge da pura técnica por ocorrer atrás do fim mesmo da sociedade, a promoção de bem comum que, sobre ser um postulado jurídico (consoante acentua a Constituição do Brasil), é das mais caras exigências da cidadania.




TAYLOR, Charles. La liberté des modernes. Paris: Presses Universitaires de France, 1999.

Sinopse: Une sélection des articles les plus importants de Charles Taylor, publiés de 1971 à 1985, enrichie d'un chapitre: "La conduite d'une vie et le moment du Bien". On trouve ici réunies les facettes de son anthropologie philosophique: la philosophie du langage et de l'action, la critique des sciences humaines, éthique et politique.









PIMENTEL, José Vicente de Sá. (Ed.) Brazil, BRICS and the international agenda. Brasília: FUNAG, 2013.

Sinopse: In December 2011, Funag organized three debates that brought together diplomats, academics, journalists and entrepreneurs from several Brazilian states. The theme of the debates was the BRICS, a subject well-suited for this type of interaction between diplomatic negotiators and opinion-makers. This book contains the articles written by the participants of the first seminar, conducted in collaboration with FAAP, and the texts submitted by six of the participants of the third debate, which took place at FIESP.






BONANATE, Luigi. (Coord.) Los derechos humanos y el diálogo intercultural: la Declaración Universal de los Derechos Humanos: génesis, evolución y nuevos derechos. Buenos Aires: Club de Lectores, 2010.

Sinopse: La Declaración Universal de los Derechos Humanos, que recientemente cumplió sesenta años, es el punto de partida de esta obra en la que varios autores reflexionan desde distintas culturas, religiones y nacionalidades.La reflexión sobre los orígenes, la evolución en los años que lleva vigente y los desafíos futuros es por momentos crítica y áspera, pero siempre necesaria en un mundo complejo y plural. También pone la mirada sobre los nuevos derechos que constituyen el desafío impostergable de la humanidad.






MARSH, David. (Ed.) Teoría y métodos de la ciencia política. Madrid: Alianza, 1997.

Sinopse: 'Teoría y métodos de la ciencia política' reúne un conjunto de artículos a cargo de autores de renombre de la politología. Los editores, David Marsh y Gerry Stoker, han conseguido presentar esta disciplina de forma rigurosa y, al mismo tiempo, accesible. La presente obra recoge, con dinamismo y amplitud de miras, la transformación que han experimentado los enfoques tradicionales de la ciencia política para adaptarse a las críticas y reflexiones de las nuevas generaciones de politólogos. Asimismo, el libro incorpora una rica variedad de métodos (cuantitativos y cualitativos) y teorías, abriéndose a la colaboración con otras áreas de conocimiento afines. El rasgo clave de este trabajo es, por tanto, su gran actualidad y abundante bibliografía. Su lectura resulta así imprescindible tanto para el estudiante como para el profesor de ciencia política.


TAVARES, Georgia da Costa. A atuação dos marchantes no Rio de Janeiro colonial: estratégias de mercado e redes de sociabilidade no comércio de abastecimento de carne verde 1763-1808. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura: Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, 2012.

Sinopse: A autora empreende uma análise sobre a influência da Câmara Municipal em todos os aspectos relacionados ao comércio de carnes verdes destinado ao abastecimento da cidade do Rio de Janeiro, regulando não só a oferta de alimentos como estabelecendo o preço justo de cada gênero. Revela, assim, como essa instituição detinha um grande autonomia na condução dos assuntos locais, respeitada inclusive pela Coroa portuguesa, uma vez que essa ascendência tinha um papel importante na manutenção do equilíbrio entre as esferas distintas de poder no período colonial.





YOUNG-BRUEHL, Elisabeth. Hannah Arendt: biographie. Paris: Calmann-Lévy, 1999.

Sinopse: Cette biographie de référence éclaire d'un jour nouveau tout un pan de la vie intellectuelle du XXe siècle, celui de ces universitaires juifs allemands obligés de fuir le IIIe Reich et qui, d'étape en étape, finirent par trouver refuge aux Etats-Unis. Le livre associe la présentation des grandes étapes de la pensée et de l'œuvre de Hannah Arendt aux événements historiques qui la sollicitent et au tableau des amitiés et des cercles successifs. Si la liaison qu'elle eut brièvement au début des années 30 avec Heidegger est désormais bien connue, d'autres aspects de son existence, pourtant du plus haut intérêt, le sont moins : son rapprochement avec le sionisme sous l'égide de Kurt Blumenfeld avant et pendant la guerre, son mariage avec Günther Stern, puis avec Heinrich Blücher, sa longue amitié aux Etats-Unis avec la romancière Mary McCarthy ou avec le poète W.H. Auden. Polémiste redoutable et critique cinglante, constante dans ses fidélités, et en premier lieu dans sa relation avec cette grande conscience allemande que fut Karl Jaspers, Arendt a traversé tous les débats du siècle, sans jamais céder ni sur son indépendance d'esprit ni sur sa lucidité : face au totalitarisme, dont elle forge le concept, mais aussi face au racisme et aux mouvements pour les droits civils aux Etats-Unis, face à la création de l'Etat d'Israël et au devenir du sionisme, face à l'engagement américain dans la guerre du Vietnam, face à la révolte de la jeunesse des années 60. Ne s'abandonnant jamais à la tentation aristocratique du retrait, elle accomplit une œuvre de pensée sans avoir besoin de décrier le monde, mais en prônant l'amour de la réalité, donnant ainsi l'image rare d'une vie de penseur à la hauteur de ses accomplissements spéculatifs. Indisponible depuis une dizaine d'années, cet ouvrage a été mis à jour et enrichi d'une nouvelle préface de l'auteur.


CATTANI, Antonio D. (Antonio David). Trabalho e autonomia. Petrópolis: Vozes, 1996.

Sinopse: O livro trata da crise enfrentada pelo mundo do trabalho, as mutações econômicas e sociais contemporâneas e a permanência das contradições e das tendências básicas do capitalismo. Vemos o significado do desemprego como fator de desagregação social e degradação humana. O autor faz um resgate dos conceitos de trabalho e de ação coletiva e da idéia de autonomia conquistada através do projeto educativo. Fala também da participação dos sindicatos no investimento na inteligência, assim sendo a educação essencial para se ter trabalho e consequentemente autonomia, sendo esse o fator de progresso humano e social.




BARROS FILHO, Clóvis de. A filosofia explica as grandes questões da humanidade. Rio de Janeiro: Casa do Saber; Casa da Palavra, 2013.

Sinopse: O homem é livre? Deus existe? O que é um comportamento ético? Muitas das questões que acompanham e instigam o Homem através dos tempos são temas deste livro, A filosofia explica as grandes questões da humanidade, fruto de quase uma década da experiência bem-sucedida do curso homônimo da Casa do Saber. Engana-se quem pensa que os assuntos em pauta rendem reflexões herméticas ou embrenhadas de academicismos. Clóvis de Barros Filho e Júlio Pompeu são mestres na arte de apresentar a filosofia encarnada na vida, com humor e exemplos cotidianos sem, no entanto, abrir mão da fidelidade às ideias centrais de pensadores como Platão, Aristóteles, Hobbes, Maquiavel, Nietzsche e Foucault. Os autores gostam de dizer que o resultado obtido é algo como um excelente guia turístico, que aponta grandes atrações e revela aos visitantes experiências novas e fascinantes. Portanto, se a sua vida tem alguma coisa a ver com liberdade, felicidade, ética, fé, poder, esperança e conhecimento, este livro é para você.


DOWNES, David M. Understanding deviance: a guide to the sociology of crime and rule breaking. Oxford: Oxford University Press, 1998.

Sinopse: Understanding Deviance provides the reader with an indispensable guide to criminological theory. It sympathetically outlines the principal theories of crime and rule-breaking, discussing them chronologically, and placing them in their European and North American contexts, confronting major criticisms that have been voiced against them, and constructing defences where appropriate. The book has been thoroughly revised and brought up-to-date to include new issues of crime, deviance, and theory in the early twenty-first century. It includes new studies in the areas of gang and subcultural theory, further discussion of post-modernism and the 'risk society', and assessment of how different approaches address the lengthy fall in crime rate across most democratic and developed societies.


LEITE, Patrícia Soares. O Brasil e a cooperação sul-sul em três momentos de política externa: os governos Jânio Quadros-João Goulart, Ernesto Geisel e Luiz Inácio Lula da Silva. Brasília: FUNAG, 2011.

Sinopse: Nos últimos anos, tem sido frequente a comparação entre a política externa do primeiro governo do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2006) e aquelas dos governos dos Presidentes Jânio Quadros/ João Goulart (1961-1964) e Ernesto Geisel (1974-1979) no tocante à aproximação com os países do Sul. Os três momentos são identificados pela literatura especializada e imprensa como épocas em que ocorreu expressivo estreitamento nas relações do Brasil com os demais Estados em desenvolvimento. A presente dissertação pretendeu examinar a cooperação entre o Brasil e demais países do Sul nesses três períodos. A ênfase do trabalho recaiu na identificação das razões que fundamentaram o Brasil a intensificar seus laços com países em desenvolvimento, na definição das bases econômicas, políticas e de cooperação técnica que lastrearam o estreitamento e na exposição das oportunidades e limites impostos pelo quadro internacional e interno a essa política. Para tanto, recorreu-se ao estudo teórico e histórico do conceito de cooperação internacional, em geral, e da cooperação Sul-Sul, em particular.


AGUINIS, Marcos. Las redes del odio: recursos para desactivar la violencia. Buenos Aires: Planeta, c2003.

Sinopse: Aguinis se pregunta repetidamente cómo controlar el odio, la venganza, la cual "pareciera ser perpetua", nos dice, "puede aumentar o disminuir, cambiar de protagonistas y hasta montarse sobre las generaciones. ¿Llega al agotamiento?", se pregunta. Pero esta obra no es un conjunto de disquisiciones metafísicas acerca de la naturaleza humana, sino está cuajada de referencias y explicaciones históricas, contemporáneas y abarcadoras al mismo tiempo, que argumentan sus puntos de vista.






BARROS, Luitgarde Oliveira Cavalcanti (Org.). Padre Cícero Romão Baptista e os fatos do Joaseiro. Fortaleza: Senac, 2012. 2 v.

Sinopse: Os professores Renato Casimiro e Luitgarde Oliveira Cavalcanti Barros, respeitados pesquisadores da história juazeirense, retiraram a poeira de documentos, livros e relatos, tanto nacionais como internacionais, para fazer uma releitura da sociedade da época e, principalmente, do sacerdote incompreendido. O objetivo do trabalho é ajudar a petição do Bispo Diocesano, Dom Fernando Panico, na tramitação do processo de reabilitação do Padre Cícero junto à Santa Sé. De acordo com Renato, a coleção traz rico acervo de novos textos que passam a compor um olhar menos sectário sobre os fatos do Joaseiro com um posicionamento Mais equilibrado. Conforme disse, se distancia da polarização que persistiu por décadas com algo que incluía a todos como participantes fanáticos de tendências bem radicais, pró ou contra.


HUNTINGTON, Samuel P. O choque de civilizações e a recomposição da ordem mundial. Rio de Janeiro: Objetiva, 1997.

Sinopse: O choque de civilizações e a recomposição da ordem mundial, do historiador americano Samuel Huntington, é um ensaio incisivo e profético sobre a nova ordem mundial. Huntington propõe, neste livro, uma mudança radical do paradigma que vem sendo utilizado para a compreensão da política internacional. O livro foi desenvolvido a partir de um artigo com mesmo título que saiu em 1993 na revista Foreign Affairs, alcançando grande repercussão e provocando intensos debates. Para o autor, no mundo pós-Guerra Fria, a principal fonte de conflito se dá na esfera cultural, e não na ideológica ou econômica. As pretensões universalistas do Ocidente o levam cada vez mais para o confronto com outras civilizações, em especial, com o Islã e a China.


HIRIGOYEN, Marie-france. Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio moral. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

Sinopse: Publicado em 1998, o livro de Marie-France Hirigoyen Assédio moral, a violência perversa no cotidiano obteve um sucesso considerável e inesperado: este sucesso revelou um fenômeno social cuja amplitude no mundo do trabalho era até então ignorada. Sabemos o que veio em seguidas: uma enxurrada de testemunhos, a incrível divulgação na mídia dos ´casos´ de assédio, tanto no âmbito privado quanto no público, os debates entre profissionais (médicos do trabalho, fiscais, sindicalistas, advogados, empresários), a criação de associações, numerosas seminários para a discussão do tema e, enfim, o projeto de lei submetido pela bancada comunista da Assembléia Nacional francesa. O assédio moral está na ordem do dia, e um exame detalhado é mais do que indispensável.


KAMEL, Ali. Sobre o Islã: a afinidade entre muçulmanos, judeus e cristãos e as origens do terrorismo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.

Sinopse: Estudioso de longa data do tema, Kamel faz um interessante cruzamento dos ensinamentos das três principais religiões monoteístas do planeta - o Cristianismo, o Judaísmo e o Islamismo - para demonstrar que a percepção geral da fé muçulmana como fonte de violência e terror é, para dizer o mínimo, errônea. Brasileiro, filho de um sírio muçulmano e uma baiana católica (filha, ela própria, de um muçulmano e de uma católica), e casado com uma judia, ele está inusitadamente bem situado para fazer uma avaliação sem os preconceitos nem as paixões que comumente turvam a visão de muitos que se debruçam sobre temas religiosos. Didática e jornalisticamente, Kamel leva o leitor a conhecer os princípios do islamismo, situando-o num contexto histórico-cultural preciso, e fazendo uma leitura comparativa não de suas diferenças com relação às outras fés monoteístas, mas de suas semelhanças - 'Esse caldeirão cultural do qual sou fruto me ajudou a ver onde as religiões se tocam e onde se afastam', diz. Escrito de forma a prender a atenção, até mesmo do leitor não interessado em temas políticos ou religiosos, 'Sobre o Islã' é uma lição de como fazer uma boa análise de um assunto que ocupa parte significativa do noticiário atual.E dará ao leitor ainda mais certeza de que nenhuma delas é base para o horror do terrorismo.


CERQUEIRA, Gelba Cavalcante de. (Org.). Trabalho escravo contemporâneo no Brasil: contribuições críticas para sua análise e denúncia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.

Sinopse: Trazendo trabalhos apresentados no Seminário Internacional sobre Trabalho Escravo por Dívida e Direitos Humanos, realizado em 2005, pelo Grupo de Pesquisa Trabalho Escravo Contemporâneo do Núcleo de Estudos em Políticas Públicas de Direitos Humanos da UFRJ, 'Trabalho escravo contemporâneo no Brasil' é uma obra que desperta a consciência da realidade trágica e contemporânea do trabalho escravo, e uma contundente denúncia dessa realidade.






VELLOSO, João Paulo dos Reis. (Coord.). Crise política e reformas das instituições do estado brasileiro. Rio de Janeiro: J. Olympio, 2006.

Sinopse: Este livro reúne os estudos e pronunciamentos do Fórum Especial de setembro de 2005, que teve como tema básico "Reproclamação da República (Res Publica) - Reforma das Instituições do Estado Brasileiro: Executivo, Legislativo, Judiciário". O evento, realizado em Brasília, foi motivado pela grave crise política vivenciada pelo país desde meados de 2005. Crise em que uma parcela das lideranças políticas revelou falta de ética, descumprimento das leis, uso da coisa pública em benefício próprio ou dos partidos, numa demonstração de que nem sempre a democracia leva ao bom governo.




FARIA, Regina Helena Martins de. Mundos do trabalho no Maranhão oitocentista: os descaminhos da liberdade. São Luís: EDUFMA, 2012.

Sinopse: A historiadora e pesquisadora em história militar, a Profª Drª. Regina Faria, da Universidade Federal do Maranhão, é autora do livro “Mundos do trabalho no Maranhão oitocentista: os descaminhos da Liberdade”. A obra é fruto de sua dissertação de mestrado defendida na Universidade Federal de Pernambuco. O livro trata de estudos relacionados com a visão das elites maranhenses no século XIX, com relação ao trabalho agroexportador.







ROSAMUND, Ben. Theories of european integration. New York: Palgrave Macmillan, 2000.

Sinopse: In this first book-length treatment of integration theory for many years, Ben Rosamond provides an accessible and stimulating critical introduction to the full range of classical and contemporary perspectives. The book explains the centrality of theoretical work to the study of integration and the EU and carefully locates different theories within their wider intellectual and 'real world' contexts. This thoroughly researched book engages with the key debates to have arisen from theoretical deliberations about European integration. It develops its own distinctive contribution, emphasising the importance of 'sociology of knowledge' questions when evaluating integration theory and stressing the continued significance of international theory to the study of the EU.


NATAL, Jorge (Org.). Território e planejamento. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2011.

Sinopse: O livro apresenta artigos de cada um dos professores que integram atualmente o IPPUR. Com apresentação do diretor do instituto, Jorge Natal, e da professora Hipólita Siqueira, o livro traz 27 artigos divididos em oito grandes seções relacionadas ao planejamento urbano, o que reflete a pluralidade de vieses analíticos, metodológicos, teóricos etc, do atual corpo docente do IPPUR. As seções são as seguintes: 1) Nação, Capital e Território; 2) População, Capital e Território; 3) Trabalho, Capital e Território; 4) Política Pública, Luta Social e Território; 5) Meio Ambiente, Luta Social e Território; 6) Cultura, História e Território; 7) Identidade, Território e Planejamento; 8) Propriedade, Território e Planejamento. “O resultado deste livro mostra que a nossa diversidade é a nossa riqueza. O PUR e depois o IPPUR (criado em 1987) expressam uma história de sucesso no sentido da reafirmação cotidiana do seu compromisso com o pensamento crítico e as políticas verdadeiramente públicas, bem como na busca incessante pela excelência acadêmica. Os artigos presentes nesta publicação comemorativa expressam essa diversidade de pensamento”, explica Jorge Natal.


FEARS, J. Rufus. Selected writings of Lord Acton, v.2: Essays in the study and writing of history. Indianapolis: Liberty Classics.

Sinopse: Lord Acton was among the most illustrious historians of 19th-century England, a man of great learning with a deep devotion to individual liberty and a profound understanding of history. This volume offers a collection of Acton essays.










COSTA, Gustavo B. N. (org.) Nietzsche, Schopenhauer: gênese e significado da genealogia. Fortaleza, CE: Ed. Uece, 2012.

Sinopse: Pensamento desses dois grandes pensadores sistematizados e explorados de acordo com as temáticas referentes à gênese e significado da genealogia. Coletânea de textos apresentados nas conferências e minicursos do II Encontro Nietzsche-Schopenhauer: gênese da genealogia, organizado pelo APOENA - Grupo de Estudos e Pesquisas em Nietzsche, em parceria com o PET - Programa de Educação Tutorial em Filosofia da Universidade Federal Do Ceará, e realizado entre os dias 17 e 19 de novembro de 2010, no auditório da Livraria Cultura, em Fortaleza, Ceará.




GOODING, David. A Definição do Cristianismo. Porto Alegre: A Verdade, 2014.

Sinopse: O famoso filósofo e estadista indiano Mahatma Gandhi foi uma vez questionado por que ele não havia se juntado a igreja cristã. Ele respondeu: "Qual?" Inegavelmente, de um ponto de vista mundial, a cristandade moderna apresenta um quadro muito confuso. Este é um dos motivos: no curso da história muitos acréscimos supersticiosos acerca do cristianismo se juntaram, como cracas no casco de um navio. Muitas vezes, é difícil distinguir a mensagem original que constitui o núcleo permanente do cristianismo. A Definição do Cristianismo é projetado para ajudar leitor a compreender os fatos históricos no centro do Evangelho cristão.




SADER, Emir (org.). Brasil, entre o passado e o futuro. São Paulo: Boitempo: Fundação Perseu Ábramo, 2010.

Sinopse: O livro busca contribuir com o debate sobre o que virá após o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para tanto, contou com a colaboração de alguns intelectuais – integrantes do governo ou não – que nunca deixaram de pensar e sistematizar ideias sobre o processo em curso no país. O livro apresenta também um conjunto de dados, análises e propostas de ensaístas comprometidos com um projeto de país que será o centro do debate nas disputas eleitorais de 2010. Busca, assim, trazer uma contribuição interpretativa sobre o momento atual, vislumbrando transformar o futuro.





GARZA TOLEDO, Enrique de la. (comp.) Los retos teóricos de los estudios del trabajo hacia el siglo XXI. Buenos Aires: CLACSO: Agencia Sueca de Desarrollo Internacional, 1999.

Sinopse: El presente volúmen reúne el conjunto de las ponencias presentadas en el seminario Los retos teóricos de los estudios del trabajo hacia el siglo XXI organizado por el Grupo de Trabajo de CLACSO sobre “Trabajo, sujetos y organizaciones laborales”  y realizado en la Universidad Autónoma de Aguascalientes, México, entre el 7 y el 8 de octubre de 1999.








CERQUEIRA, Daniel Ricardo de Castro. Causas e consequências do crime no Brasil. Rio de Janeiro: BNDES, 2014.

Sinopse: O livro discorre sobre a história dos homicídios no país, desde 1981, quando foram produzidos diversos indicadores básicos que não existiam no Brasil, como a prevalência de drogas ilícitas, de bebidas alcoólicas e de armas de fogo, entre outros.  Segundo o autor, o objetivo era elaborar políticas públicas efetivas e eficientes: “a intenção era saber se o conhecimento que dispomos na academia poderia ajudar concretamente no entendimento da questão, no sentido de documentar os determinantes mais importantes que alimentaram a dinâmica dos homicídios no Brasil e o seu grau de importância a cada década”.




CARVALHO, Andréa Aparecida de Moraes Cândido de. Negros em Lages: memória e experiência de afrodescendentes no planalto serrano (1960-1970). Itajaí: NEAB: Casa Aberta, 2008.

Sinopse: Esta obra apresenta aspectos das experiências das populações de origem africana na cidade de Lages entre as décadas de 1960 e 1970. Através de depoimentos de afrodescendentes, das fotografias e da documentação passamos a conhecer uma cidade ainda rural e que possui memórias e histórias, muitas vezes, invisibilizadas pela hegemonia historiográfica catarinense, ainda nos dias atuais.







AZNAR, Guy. Trabalhar menos para trabalharem todos. São Paulo: Scritta, 1995.

Sinopse: Esta obra apresenta vinte propostas ousadas e inventivas para alcançar este objetivo. De forma realista, Guy Aznar propõe uma verdadeira guerra contra o desemprego. Grande sucesso de vendas e de ideias na Europa, este livro apresenta um projeto alternativo de sociedade, conduzido por um paradigma decisivo: diminuir os tempos de trabalho para aumentar os temos de vida e os espaços de liberdade e autonomia dos indivíduos.







CANO, Ignacio (coord.). No sapatinho: a evolução das milícias no Rio de Janeiro (2008-2011). Rio de Janeiro: Heinrich Böll Stiftung, 2012.

Sinopse: Este livro resulta de uma pesquisa realizada pelo Laboratório de Análises da Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), com apoio da Fundação Heinrich Böll. O objetivo da pesquisa foi avaliar a evolução do fenômeno das milícias no Rio de Janeiro, estudando se houve mudanças na sua composição e estrutura, sua abrangência territorial, sua capacidade de geração de lucro, seu modo de operar, sua legitimidade e em sua relação com as comunidades.







MORAIS JUNIOR, Luis Carlos de. Carlos Castaneda e a fresta entre os mundos: vislumbres da filosofia Ãnahuacah no século XXI. Rio de Janeiro: Litteris, 2012.

Sinopse: Podemos pensar que o que Castaneda nos relata se integra em uma herança mágica de toda a humanidade, é um tijolinho na reconstrução do saber mágico, que se dá em toda parte do mundo.











AUBENQUE, Pierre. La prudence chez Aristote: avec un appendice sur la prudence chez Kant. Paris: Quadrige, 2014.

Sinopse: Réfutant les conclusions de W. Jaeger, P. Aubenque étudie dans la philosophie d'Aristote la place de la prudence, qu'il distingue de la sagesse, et étudie sa source.











RODRÍGUEZ, Linda Alexander. (Ed.) Rank and privilege: the military and society in Latin America. Wilmington: SR Books, c1994.

Sinopse: Dr. Linda A. Rodriguez has assembled a new collection of essays that finally provides the historical context necessary to understand the Latin American military. The articles included here examine a variety of time periods and nations, from the counterinsurgency army of New Spain, to the nineteenth-century War of the Pacific, to the modern relationship between the military and development. The contributors look at the ways in which Latin America's armed forces have changed over time, and how external threats as well as internal rivalries have shaped the military. Together, these essays trace the roots of the military's power and the growth of its political influence.



COLLINS, Mark Ian. A filosofia moral e política na utopia de Thomas More. Fortaleza: EDUECE, 2013.

Sinopse: Partindo-se do princípio  de que o método utopiano de filosofar se desenvolve como narrativa, na qual seus interlocutores dialogam na busca do conhecimento, desenvolveu-se a presente obra. Com base em autores da monta de Goodwin, Baker-Smith, Logan, Surtz, dentre outros que versam sobre o tema, o presente trabalho dissertativo, de cunho qualitativo-descritivo, busca tão somente mostrar que, para muito além de uma obra literária, há uma filosofia moral e política contida na Utopia de Thomas More.






TURIN, Rodrigo. Tessituras do tempo: discurso etnográfico e historicidade no Brasil oitocentista. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

Sinopse: O autor parte da análise de fontes que compreendem a produção intelectual de homens de letras do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, notadamente os textos produzidos entre 1840 e 1870, e inclui também material do Museu Nacional, e de escritores diversos como Silvio Romero, Capistrano de Abreu e Euclides da Cunha. Com isto, estabelece uma proposta de contribuição para a história da etnografia, reconstruindo, por meio da análise de textos oitocentistas, suas distintas texturas temporais.






RASMUSSEN, David M. (Ed.) Universalism vs. communitarianism: contemporary debates in ethics. Cambridge: MIT Press, 1990.

Sinopse: Universalism vs. Communitarianism focuses on the question, raised by recent work in normative philosophy, of whether ethical norms are best derived and justified on the basis of universal or communitarian standards. It is unique in representing both Continental and American points of view and both the older and a younger generation of scholars. The essays introduce the key issues involved in universalism vs. communitarianism and take up ethics in historical perspective, practical reason and ethical responsibility, justification, application and history, and communitarian alternatives. Based on a special issue of the Journal Philosophy and Social Criticism, the book includes two additional essays by Chantal Mouffe and by Hubert and Stuart Dreyfus.



COELHO, Maria Claudia. (Org.) Cultura e sentimentos: ensaios em antropologia das emoções. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2011.

Sinopse: Os nove estudos aqui reunidos, ricamente contextualizados pelas organizadoras em sua introdução ao livro, analisam as emoções em articulação com diversos aspectos da vida em sociedade: política, educação, religião, artes, relações de gênero, esporte e mídia. Um a um, ultrapassam a visão corriqueira de que os sentimentos se restringem ao que acontece entre quatro paredes. Nos resultados obtidos por esses estudos, vê-se, em vez disso, que as emoções são recursos importantes seja de contestações públicas ou reivindicações de justiça social, seja de novas formas terapêuticas ou propostas pedagógicas. Seus autores, assim, dão valiosa contribuição para a investigação das variadas formas de construção da subjetividade ocidental, sobretudo nas últimas décadas.


VIRILIO, Paul. Velocidade e política. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.

Sinopse: A velocidade é, em primeiro lugar, a surpresa absoluta, uma informação que não coincide com a realidade porque esta vai mais rápido que a informação. Partindo desta constatação o autor define: quem controla a velocidade controla tudo - o espaço e a informação. Virilio mostra como, de Esparta ao Vietnã, da Revolução Francesa à era cibernética, passando pelos teóricos e protagonistas do conflito e da guerra - Sun Tsu, Maquiavel, Napoleão, Hitler, Stalin, Mao - a História perde espaço, o humano fica subjugado à vertigem da aceleração, e a velocidade e o movimento destroem o Tempo.Demonstrando uma cativante reflexão sobre a implosão da História, enfoca o que ele chama de 'Estado de urgência', onde 'parar significa morrer'.


BLUMENBERG, Hans. The legitimacy of the Modern Age. Cambridge: MIT Press, 1985.

Sinopse: In this major work, Blumenberg takes issue with Karl Löwith's well-known thesis that the idea of progress is a secularized version of Christian eschatology, which promises a dramatic intervention that will consummate the history of the world from outside. Instead, Blumenberg argues, the idea of progress always implies a process at work within history, operating through an internal logic that ultimately expresses human choices and is legitimized by human self-assertion, by man's responsibility for his own fate.






JANICAUD, Dominique. L´ombre de cette pensée: Heidegger et la question politique. Grenoble: J. Millon, c1990.

Sinopse: Au-delà des polémiques de l'hiver 1987-1988, le dossier Heidegger reste ouvert en ses enjeux philosophiques. Il s'agit de comprendre comment une pensée phénoménologique, au départ tout à fait étrangère au souci des affaires publiques, a pu s'exposer, puis se lier, à un danger politique extrême, sans réussir à dénouer l'imbroglio provoqué par l'engagement de 1933. Cet essai développe une hypothèse explicative nouvelle: il y a bien un lien entre la pensée du philosophe et l'engagement de l'homme Heidegger, mais il ne révèle sa véritable dimension qu'à la lumière d'une méditation ultérieure qui excède de part en part l'idéologie nazie.




CARMO, Erinaldo Ferreira do. O espaço micropúblico. Recife: Ed. Universitária UFPE, 2010.

Sinopse: Como consequência direta da intensa urbanização, da universalização do acesso à informação e da participação política, tem-se o surgimento do espaço micropúblico, ou seja, do espaço público urbano midiatizado, no qual grupos pequenos, formados por poucos membros, conjugam-se para satisfazerem sua necessidade política de se expressar. Este livro busca analisar como é o comportamento eleitoral, assim como as relações entre a mídia, as eleições e os grupos sociais, a partir da participação dos eleitores nas interações com o meio social e com os pares de seus grupos de convívio. Ainda é analisada a importância do Horário Eleitoral como incentivo à participação do eleitor no debate político em espaços micropúblicos.


FERRY, Jean-Marc. Philosophie de la communication: de l'antinomie de la verité à la fondation ultime de la raison. Paris: Éditions du Cerf, 1994.

Sinopse: Les noms de Rorty, Putnam, Habermas, Wellmer, Apel situent, parmi d’autres, des protagonistes du débat philosophique contemporain. Celui-ci rencontre à nouveau les questions ontologiques du fondement: fondement de la raison et de la vérité. La philosophie française ne saurait se désintéresser du nouveau paradigme, celui de la raison communicationnelle qui actualise les traditionnelles questions philosophiques.







MENEZES, Gustavo Rocha de. As novas relações sino-africanas: desenvolvimento e implicações para o Brasil. Brasília: FUNAG, 2013.

Sinopse: Estuda a China como o maior país desenvolvido do mundo e a África como o continente que dispõe do maior número de países em desenvolvimento. Baseado nesta afirmativa e no interesse que a China e o Brasil têm em investir na África, avalia as consequências para o direcionamento das relações internacionais do Brasil.









BRAVO, Maria Inês Souza. (Org.) Movimentos sociais, saúde e trabalho. Rio de Janeiro: ENSP/FIOCRUZ, 2010.

Sinopse: Este livro retoma caras tradições de uma corrente da Saúde Pública brasileira: a visão do processo saúde e doença enquanto inserido na totalidade das relações sociais que conformam a sociedade e a estreita relação da produção científica com os anseios e necessidades da população.









CHDD/FUNAG. (Org.) Assis Brasil: um diplomata da República. Rio de Janeiro: CHDD/FUNAG, 2006.

Sinopse: Associa-se a figura de Joaquim Francisco de Assis Brasil (1857-1938) à propaganda republicana no Segundo Reinado, às lutas políticas do Rio Grande do Sul na Primeira República, ao seu porfiado combate pela democracia representativa, à sua reflexão sobre temas políticos, à preocupação com o progresso agrícola.









AVINERI, Shlomo. (Ed.) Communitarianism and individualism. Oxford: Oxford Univ. Press, 1992.

Sinopse: This volume is the most up-to-date collection of essays on the nature of the individual self and its relationship to society. It raises such questions such as: can we understand human behavior without considering social and cultural attachments held by individuals? Can or should the State promote an idea of the good? Contributors include Ronald Dworkin, David Gauthier, Amy Gutmann, Will Kymlicka, John Rawls, Robert Nozick, and Michael Sandel.







PRESTES, Anita Leocádia. (Org.) Anos tormentosos: Luiz Carlos Prestes: correspondência da prisão, 1936-1945, volume II. Rio de Janeiro: Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, 2002.

Sinopse: O segundo livro da coleção "Anos tormentosos", reúne as cartas que Luiz Carlos Prestes trocou com o advogado Sobral Pinto e outros amigos e companheiros durante os anos em que esteve preso no Rio de Janeiro, sob a ditadura de Vargas. É o livro mais político da série - aquele em que Prestes esclarece posições ideológicas, discute os prováveis destinos da República, indaga sobre a possibilidade de ser libertado e prepara seu retorno à vida pública.






FERRER, Eliete. (Org.) 68 a geração que queria mudar o mundo: relatos. Brasília: Ministério da Justiça, Comissão de Anistia, 2011.

Sinopse: A obra, organizada por Eliete Férrer, é uma publicação do projeto Marcas da Memória, da Comissão Federal de Anistia, que traz relatos de ex-militantes políticos. No total, 100 colaboradores contam a história de 100 personagens, mais de 170 relatos. São histórias reais ocorridas desde 1964 até a abertura política - nas reuniões, na militância, nas manifestações, nas discussões, na prisão, nas ações armadas ou não, nos treinamentos, na clandestinidade, no Brasil ou no exterior, no exílio. A obra caracteriza-se pela revelação do lado humano e afetivo daqueles que não aceitaram a prepotência do Golpe de 64.




BARROS, Francisco Blaudes Sousa. Japuara, um relato das entranhas do conflito. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2013.

Sinopse: "Japuara - Um relato das entranhas do conflito", de autoria de Francisco Blaudes Sousa Barros e organizado por Marta Cioccari, aborda o conflito ocorrido na fazenda Japuara, localizada no sertão do Canindé, Ceará. O local foi palco de enfrentamento entre peões contratados pelos fazendeiros, lavradores e forças policiais no começo dos anos 1970. A publicação mostra o episódio sob o ponto de vista de Blaudes, que participou do confronto.







KAPLOWITZ, Donna Rich. Anatomy of a failed embargo: U.S. sanctions against Cuba. Boulder: Lynne Rienner Publishers, 1998.

Sinopse: Among one of the longest embargoes in US foreign policy, the embargo against Cuba reflects the intricacies of the modern world, such as the struggle for independence. The author provides a historical analysis of the embargo and explains why it failed to achieve its major objective.









YOUNG, Iris Marion. Justice and the politics of difference. Princeton: Princeton University Press, c1990.

Sinopse: This book challenges the prevailing philosophical reduction of social justice to distributive justice. It critically analyzes basic concepts underlying most theories of justice, including impartiality, formal equality, and the unitary moral subjectivity. Starting from claims of excluded groups about decision making, cultural expression, and division of labor, Iris Young defines concepts of domination and oppression to cover issues eluding the distributive model. Democratic theorists, according to Young do not adequately address the problem of an inclusive participatory framework. By assuming a homogeneous public, they fail to consider institutional arrangements for including people not culturally identified with white European male norms of reason and respectability. Young urges that normative theory and public policy should undermine group-based oppression by affirming rather than suppressing social group difference. Basing her vision of the good society on the differentiated, culturally plural network of contemporary urban life, she argues for a principle of group representation in democratic publics and for group-differentiated policies.


LI, Hongzhi. Girando a roda da lei. São Paulo: All Print, 2011.

Sinopse: Esta obra contém os ensinamentos de Falun Dafa e abrange um conjunto de tópicos como - A relação de Falun Dafa com o Qigong, Budismo, Taoismo e outros métodos de cultivo; A origem do Qigong e o esquecido significado da palavra 'prática de cultivo'; A natureza do Universo e seus princípios fundamentais; Habilidades sobrenaturais; A questão dos apegos e desejos e a questão do cultivo; O carma - sua origem, efeitos e sua transformação em virtude; As doenças, suas causas e eliminação fundamental; A essência dos métodos de cultivo; O genuíno cultivo integrado de mente e corpo; O cultivo da natureza do coração e Iluminação e Perfeição.



FERRY, Luc. A sabedoria dos mitos gregos: aprender a viver II. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

Sinopse: Qual o sentido profundo dos mitos gregos e por que se deve hoje em dia ainda se interessar por eles? Segundo o filósofo Luc Ferry, a mitologia está muito longe de ser, como frequentemente se considera na atualidade, um apanhado de “contos e lendas”, uma série de pequenas histórias mais ou menos fantasmagóricas, com a exclusiva finalidade de distrair. “Ao contrário de se limitar a uma simples diversão literária, ela constitui o cerne da sabedoria antiga, a origem profunda daquilo que a grande tradição da filosofia grega logo a seguir desenvolveu sob uma forma conceitual, visando definir os parâmetros de uma vida bem-sucedida para nós, mortais”, afirma o autor francês.



CARVALHO, Ruy de. (Org.) Nietzsche, Schopenhauer: ecologia cinza, natureza antagônica. Fortaleza: EDUECE, 2013.

Sinopse: Discussão acerca do pensamento de Schopenhauer e Nietzsche dentro das temáticas da ecologia, bem como uma segunda parte dedicada a discussões dentro da área política e ética.











COSTA, Horácio. (Org.) Retratos do Brasil homossexual: fronteiras, subjetividades e desejos. São Paulo: EDUSP: Imprensa Oficial, 2010.

Sinopse: Entre os diversos assuntos abordados na obra estão as diferenças entre os movimentos americano e brasileiro na luta pelos direitos homossexuais. O autor discute a diversidade de gêneros, o homoerotismo nas poesias brasileiras, portuguesa e mexicana, o humor e a homofobia, as representações do gay no teatro brasileiro, o tratamento dedicado aos travestis em algumas cidades brasileiras, a trajetória da militância política de gays e lésbicas no País, as práticas sutis de discriminação, os efeitos das chamadas club drugs substâncias utilizadas principalmente por frequentadores de clubes noturnos e raves para facilitar a interação social e o papel desempenhado pelos veículos de imprensa destinados ao público gay na construção das diferentes identidades da comunidade homossexual.



SANTOS, Fabiano Vilaça dos. O governo das conquistas do Norte: trajetórias administrativas no estado do Grão-Pará e Maranhão: 1751-1780. São Paulo: Annablume, 2011.

Sinopse: O governo das conquistas do Norte privilegia os percursos na administração colonial de nove governadores e três bispos que atuaram no Estado do Grão-Pará e Maranhão, entre 1751 e 1780. A análise de seus perfis biográficos e de suas relações pessoais e políticas na Corte, baseada nos critérios geralmente observados pela Coroa portuguesa na seleção de seus agentes no ultramar, revelou aspectos interessantes de suas trajetórias no Real Serviço. O autor apresenta ainda o papel de bispos e governadores com uma missão em comum: “ressuscitar” o Estado do Grão-Pará e Maranhão, colocando em prática a política indigenista do período pombalino, dirimindo as questões de fronteira entre os domínios luso-castelhanos e revitalizando a agricultura e o comércio das conquistas do Norte.


JAGUARIBE, Helio. Estudos filosóficos e políticos. Brasília: FUNAG, 2013.

Sinopse: Os textos aqui selecionados representam os grandes temas de preocupação de Helio Jaguaribe ao longo de 65 anos de produção intelectual. Filosofia, História, Relações Internacionais, América Latina, Brasil e a dinâmica do Desenvolvimento são os temas que permitem revelar a perspectiva histórico-humanista do autor e de sua geração, um humanismo latino-americano secular que utiliza a análise política como instrumento elucidativo de escolhas que irão contribuir para o devir nacional. Os textos deste volume refletem indagações permanentes do autor, inerentes àquilo que estima ser os impasses da condição social humana. Focalizam desafios ao desenvolvimento brasileiro e às relações internacionais do século XX, que continuam até hoje pautando as escolhas de política nacional.


ARAÚJO, Carlos. Companheiros: a hora e a vez dos metalúrgicos de Sorocaba. Sorocaba, SP: Loja de Ideias, 2011.

Sinopse: A obra trata da trajetória da categoria metalúrgica na região desde a década de 30 do século passado até os dias de hoje. Também revela a estreita relação de Lula com o movimento sindical na região e, especialmente, com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos nos anos 80, Wilson Fernando da Silva, o 'Bolinha', falecido em 2008.









PATEMAN, Carole. The problem of political obligation: a critique of liberal theory. Cambridge: Polity Press, 1985.

Sinopse: Pateman examines the notion of political obligation in relation to the liberal democratic state and presents a vision of participatory democracy as a means to effect a more satisfactory relationship between the citizen and the state. She offers a general assessment of liberal theory and an interpretation of all familiar arguments about political obligation and democratic consent.








PIMENTEL, José Vicente de Sá. (Org.) Pensamento diplomático brasileiro: formuladores e agentes da política externa (1750-1964). Brasília: FUNAG, 2013.

Sinopse: Os três volumes aqui reunidos tratam, sucessivamente, das concepções fundadoras do pensamento diplomático da política internacional da Primeira República e, por fim, da reforma do Estado e da modernização da diplomacia. vinte e seis autores, acadêmicos e diplomatas analisam a contribuição ao longo desses três períodos, de vinte e seis notáveis personagens da história diplomática do Brasil, numa obra que pretende se converter em referência para todos os que interessam pela política externa brasileira.






LANGFUR, Hal. The forbidden lands: colonial identity, frontier violence, and the persistence of Brazil's eastern Indians, 1750-1830. Stanford: Stanford University Press, 2006.

Sinopse: The Forbidden Lands concerns a pivotal but unexamined surge in frontier violence that engulfed the eastern forests of eighteenth-century Brazil's most populous region, Minas Gerais. Focusing on social, cultural, and racial relations, it challenges standard depictions of the occupation of Portuguese America's vast interior, while situating its frontier history in the broader context of the Americas and the Atlantic world. The author argues that the key to understanding the colony's internal consolidation—ignored and misconstrued by scholars fixed on coastal events and export-led development—resides in the incompatible ways in which Luso-Brazilians, Afro-Brazilians, and seminomadic indigenous peoples accused of cannibalism sought to territorialize their distinctive societies. He demonstrates that cultural conflict on the frontier was a defining characteristic of Brazil's transition from colony to independent nation and a fundamental consequence of its relationship to a wider world. The study moves Brazil to a prominent place in our understanding of the hemispheric sweep of internal colonization in the Americas.


VIANA, Gilney. (Coord.) Camponeses mortos e desaparecidos: excluídos da justiça de transição. Brasília:  Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, 2013.

Sinopse: Elaborado pelo Projeto Direito à Memória e à Verdade, da SDH/PR, a obra pretende auxiliar a Comissão Nacional da Verdade (CNV) no reconhecimento oficial de 1.196 casos de camponeses mortos e desaparecidos no campo em função das diversas formas de repressão política e social entre setembro de 1961 e outubro de 1988, período indicado pela Lei 9.140/1995 - a primeira a reconhecer que pessoas foram assassinadas pela ditadura militar (1964-1985).





RODRIGUES, Valéria. (Org.) João Herrmann Neto: ensaio biográfico e seleção de textos, documentos e discursos. Brasília: Edições Câmara, 2012.

Sinopse: Apresenta as contribuições do ex-Deputado João Herrmann Neto no âmbito do Congresso Nacional. Inclui a sua biografia, atuação política e seus discursos mais significativos.









GUTEMBERG, Luiz. (Org.) Ulysses Guimarães. Brasília: Edições Câmara, 2012.

Sinopse: Traz a biografia e seleção de discursos do deputado e ex-presidente da Câmara dos Deputados, Ulysses Guimarães. Onze vezes eleito deputado federal, Ulysses Guimarães foi um político em tempo integral, mas nunca se distraiu de preocupações intelectuais, como demonstram a seleção de discursos e o texto biográfico desta obra organizada pelo jornalista Luiz Gutemberg. A maioria dos pronunciamentos de Ulysses Guimarães foi realizada na tribuna do Congresso, honrando uma de suas mais caras autoapresentações: "Sou do gênero parlamentar; espécie, deputado".





ADOLFO, Mário. (Org.) Arthur Virgílio Filho. Brasília: Edições Câmara, 2011.

Sinopse: O livro traça o perfil parlamentar do senador Artur Virgílio Filho, de autoria do jornalista Mário Adolfo, diretor de redação do jornal Em Tempo. Com 374 páginas, o livro traz um ensaio biográfico sobre Arthur Virgílio Filho, além dos principais discursos proferidos por ele durante os mandatos na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Arthur Virgílio Filho foi deputado da Assembleia Constituinte do Amazonas pelo Partido Social Democrático (PSD) e pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), elegeu-se deputado federal em 1958 e senador em 1962. Com a extinção dos partidos políticos, pelo Ato Institucional nº 2, e com a implantação do bipartidarismo, o então parlamentar filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Uma de suas principais atuações como deputado foi pela criação da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Durante a ditadura militar, destacou-se na defesa do processo democrático e da justiça social. Cassado em 1969, pelo Ato Institucional nº 5, teve seus direitos políticos suspensos por dez anos, até a anistia em 1979.


SILVA, Marconi Oliveira da. O peru indutivista: temas de filosofia. Recife: Ed. Universitária UFPE, 2014.

Sinopse: Partindo da anedota contada pelo filósofo Russell, O Peru Indutivista traz doze ensaios escritos por Marconi Oliveira da Silva, professor-doutor aposentado de Comunicação Social da UFPE. Autor de diversos livros, seu discurso entra em contato com os textos de filósofos e suas teorias, buscando as origens de algumas correntes do pensamento contemporâneo. Assim, o autor foge das ideias tão massificadas presentes na sociedade em que vivemos.







NUTALL, Simon J. European foreign policy. New York: Oxford University Press, 2000.

Sinopse: This study traces the development of the European Union's foreign policy making from the old governmental co-operation (EPC) to the common foreign and security policy introduced by the Maastricht Treaty. It is the first time the process had been explained from a comprehensive historical and political viewpoint. The impact of the fall of communism as well as the Gulf War and the early stages of the conflict in Yugoslavia are analyzed in detail. The personal roles played by Mitterrand, Kohl, and Bush are also vividly described.






PATTERSON, James T. Grand expectations: the United States, 1945-1974. New York: Oxford University Press, 1996.

Sinopse: Beginning in 1945, America rocketed through a quarter-century of extraordinary economic growth, experiencing an amazing boom that soared to unimaginable heights in the 1960s. At one point, in the late 1940s, American workers produced 57 percent of the planet s steel, 62 percent of the oil, and 80 percent of the automobiles. The U.S. then had three-fourths of the world s gold supplies. It was a boom that produced a national euphoria, a buoyant time of grand expectations and an unprecedented faith in our government, in our leaders, and in the American dream--an optimistic spirit which would be shaken by events in the 60s and 70s, the civil rights movement, and particularly by the Vietnam War. In Grand Expectations, James T. Patterson has written readable and balanced work that weaves the major political, cultural, and economic events of the period into a superb portrait of America from 1945 through Watergate. He shows how this upbeat, can-do mood spurred grander and grander expectations as the era progressed. But by Nixon s resignation, we find a national mood in stark contrast to the grand expectations of ten years earlier, one in which faith in our leaders and in the attainability of the American dream was becoming shaken. Grand Expectations is part of The Oxford History of the United Statesseries, a multi-volume history of our nation that blends social,political, economic, cultural, diplomatic, and military history intocoherent narrative.


MENDONÇA, Leandro Climaco. Nas margens: experiências de suburbanos com periodismo no Rio de Janeiro, 1880-1920. Niterói: Editora da UFF, 2014.

Sinopse: Através de uma investigação histórica ampla e cuidadosa sobre as pequenas e, muitas vezes, efêmeras folhas publicadas nas margens das ferrovias que cortam a cidade e dos meios hegemônicos de comunicação, o autor realizou um criativo exercício de análise para superar as dificuldades de lidar com testemunhos dispersos e fragmentados e reconstruir a intensidade das experiências dos moradores dos subúrbios com o jornalismo, entre meados do século XIX e as primeiras décadas do século XX. Acompanhando as razões alegadas por cada jornalista ou diretor/proprietário para criar um jornal ou revista, o autor esmiuçou tensões e alianças entre diferentes experiências e práticas jornalísticas, dentro e fora dos subúrbios, e suas articulações com outras redes de comunicação social na cidade em meio ao silêncio ensurdecedor dos seus contemporâneos.


MOTA, Lúcio Tadeu. (Org.) Redução jesuítica de Santo Inácio. Maringá: EDUEM, 2010.

Sinopse: O livro trata da história da ocupação humana na região do rio Paranapanema, onde foi implantada a Redução Jesuítica de Santo Inácio. Apresenta as diversas pesquisas arqueológicas ali implementadas e registra a organização do acervo do material arqueológico existente na prefeitura local proveniente da coleção deixada por um antigo morador.








GONÇALVES, Williams. O realismo da fraternidade Brasil-Portugal: do Tratado de Amizade ao caso Delgado. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2003.

Sinopse: Neste livro, o autor evita o lugar comum que consiste em apresentar as relações entre Portugal e o Brasil como determinadas exclusivamente pelos laços culturais e afectivos que unem os dois povos. Ancorado em sólida pesquisa documental, procura interpretar essas intensas relações bilaterais sob o ponto de vista político, económico e estratégico, num momento crucial da história da política externa comum dos dois países: a segunda metade dos anos 50.







NABAIS, Nuno. A evidência da possibilidade: a questão modal na fenomenologia de Husserl. Lisboa: Relógio D'Agua, 1998.

Sinopse: A teoria fenomenológica da evidência depende da explicação recíproca da possibilidade do fenômeno e do fenômeno da possibilidade. Segundo Husserl, descrever aquilo que aparece à consciência como um fenômeno evidente, isto é, um aparecer completo não apenas daquilo que aparece mas do critério de verdade do aparecer, implica também descrever a condição de possibilidade do aparecer. Só há evidência, só há uma verdade sem resto, se na atualidade do fenômeno se manifestar a própria possibilidade da sua manifestação. Esta tese é profundamente paradoxal. Ela faz da possibilidade do fenômeno algo que também é fenômeno, algo que aparece enquanto possibilidade do aparecer. Mas, apesar de paradoxal, esse é o mais importante corolário da condição descritiva da fenomenologia. A verdade só se deixa pensar no esclarecimento do vínculo entre os conceitos de evidência e de possibilidade.


BRUBAKER, Rogers. Citizenship and nationhood in France and Germany. Cambridge: Harvard University Press, c1992.

Sinopse: The difference between French and German definitions of citizenship is instructive - and, for millions of immigrants from North Africa, Turkey, and Eastern Europe, decisive. Rogers Brubaker explores this difference - between the territorial basis of the French citizenry and the German emphasis on blood descent - and shows how it translates into rights and restrictions for millions of would-be French and German citizens.







BIONDI, Luigi. Classe e nação: trabalhadores e socialistas italianos em São Paulo, 1890-1920. Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

Sinopse: Ao reconstruir as formas de organização dos trabalhadores italianos em São Paulo entre 1890 e 1920, este livro adota um olhar transnacional para focalizar as experiências e trajetórias dos trabalhadores imigrados, em particular dos militantes socialistas italianos. Analisando os vários movimentos que caracterizaram a atividade desses trabalhadores em São Paulo, procura discutir suas identidades de classe e nacionais, bem como sua atuação multifacetada nas sociedades de socorro mútuo, nos sindicatos, nas associações de lazer e culturais, nas lojas maçônicas e círculos políticos de diferentes tendências, nas greves e festas. Integrando diversos tipos de organização, aqueles homens e mulheres aparecem nestas páginas de um modo novo, às vezes surpreendente, que amplia as perspectivas de análise da história do movimento operário no Brasil.


FRIDMAN, Luiz Carlos. (Org.) Política e cultura: século XXI, v.2. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

Sinopse: Política e cultura: século XXI, v.2 é fruto do segundo ano das atividades do ciclo "Vozes do pensamento político contemporâneo" na Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. O projeto visou aproximar a representação parlamentar com os diversos campos do saber contemporâneo, especialmente aqueles referidos às questões sociais, políticas, econômicas e culturais.








DAYRELL, Juarez. (Org.) Juventudes contemporâneas: um mosaico de possibilidades. Belo Horizonte: Ed. PUC-Minas, 2011.

Sinopse: A obra busca compreender a complexidade das juventudes brasileiras na contemporaneidade, para além dos marcadores etários. As juventudes são tomadas como uma categoria social transversalizada pelas categorias de gênero, de classe social, de etnia e de geração, dentre outras variáveis. Outro ponto que possibilita o diálogo entre os diversos autores é a consideração de que os processos de subjetivação dos jovens se desenvolvem em contextos sócio-históricos nos quais são sujeitos ativos capazes de transformar esses contextos e, ao mesmo tempo, transformarem-se a si mesmos.



RODRIGUES, Denise dos Santos. (Org.) Cidadania, movimentos sociais e religião: abordagens contemporâneas. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

Sinopse: Destaca a temática das identidades religiosas, relacionando-as a um panorama que engloba as diferentes classes sociais e suas representações, as formas de organização e mobilização social no campo e na cidade e a atuação das políticas públicas em áreas como a segurança e a saúde. Os ensaios partem de pesquisas e fatos históricos e mostram-se atuais, apresentando tópicos como as tendências da relação entre o jovem e a religião, a tríade favela-pacificação-religião, a ideologia político-religiosa nos movimentos sociais no Brasil, a atuação política da Igreja Católica durante a ditadura e a criminalização do espiritismo na Primeira República, entre outros.


MOURA, Carlos André Silva de. (Org.) Religião, cultura e política no Brasil: perspectivas históricas, v.1. Campinas: IFCH / UNICAMP, 2011.

Sinopse: O livro analisa as afinidades culturais entre as religiões, religiosidades e a política no Brasil. A obra é composta por trabalhos sobre os vários momentos da História, destacando-se o poder da Igreja Católica, as perseguições aos cultos afros, a militância política dos espíritas, as afinidades dos evangélicos e o regime civil-militar no Brasil, a relação do Integralismo com a Igreja Católica, dentre outras temáticas.







MARQUES, Adílio Jorge. Breve história do pensamento filosófico de Saint Martin e Jacob Boehme. Rio de Janeiro: Multifoco, 2010.

Sinopse: Provavelmente nenhum pensador influenciou tanto a teosofia dos iluminados e dos românticos quanto Jacob Boehme, o "Filósofo de Gorlitz”. Louis Claude de Saint Martin, sobre o qual trata a primeira parte deste livro, traduziu as obras de Jacob Boehme para o francês e as fez repercutir nos ambientes cultos alemães e franceses. Neste livro busca-se trazer à luz alguns dos temas legados à posteridade por Saint Martin e seus seguidores, com aspectos históricos e filosóficos.






CHARTIER, Roger. Au bord de la falaise: l´histoire entre certitudes et inquiétude. Paris: Albin Michel, c1998.

Sinopse: Entre science et fiction, l'histoire chemine "au bord de la falaise". Selon quels critères peut-elle être tenue pour une reconstruction valide de la réalité passée, sachant que le respect des règles traditionnelles n'est plus une garantie suffisante? Convaincu que la fameuse "crise" de l'histoire constitue non pas une impasse, mais un appel pressant à la refondation, Roger Chartier éclaire, dans un dialogue constant avec les autres sciences humaines, et par sa relecture des œuvres de Michel de Certeau, Michel Foucault ou Louis Marin, l'intention de vérité qui traverse le propos des historiens. Depuis la première édition de ce livre en 1998, de nouvelles questions ont surgi, qui obligent à reformuler nos certitudes et inquiétudes. Dans une postface inédite, R. Chartier s'interroge sur l'actuelle compétition entre histoire, mémoire et fiction qui, toutes trois, revendiquent la capacité à représenter le passé. Mais une certitude s'impose : les historiens ont une tâche et une responsabilité propres, celle de comprendre et donner à comprendre l'articulation des différentes temporalités qui font que le présent est ce qu'il est, à la fois héritage et rupture, inertie et invention.


TERRA, Paulo Cruz. Cidadania e trabalhadores: cocheiros e carroceiros no Rio de Janeiro (1870-1906). Rio de Janeiro: Arquivo geral, 2013.

Sinopse: Este livro tem como objeto as formas de organização e mobilização da categoria dos cocheiros e carroceiros no Rio de Janeiro, entre 1870 e 1906. Nesse período, o setor de transporte transformou-se substancialmente com a introdução das companhias de carris, sendo que estas acarretaram mudanças nas relações de trabalho. Ao investigar os cocheiros e carroceiros, o autor analisa o papel dos trabalhadores no processo de formação da cidadania no Brasil. Alguns aspectos do exercício e da luta pela ampliação dos direitos também são abordados, como: os requerimentos enviados ao governo municipal ou central; as associações, tanto mutualistas quanto sindicais; além de algumas greves realizadas pela categoria.



ALEGRE, Pablo. (Org.) Las izquierdas latinoamericanas: de la oposición al gobierno. Buenos Aires: CLACSO: Ediciones CICCUS, 2010.

Sinopse: Este libro contiene los resultados de las investigaciones desarrolladas por un conjunto de jóvenes cientístas sociales procedentes de diversos países de América Latina en el marco de dos concursos organizados por el Programa Regional de Becas de CLACSO: uno acerca de las características, desafíos, dilemas y políticas de los nuevos gobiernos progresistas de la región; y otro sobre la experiencia de partidos y movimientos constituidos en alternativas políticas en el marco de las crisis de las estructuras clásicas de representación y mediación. Los artículos delinean las genealogías de partidos y movimientos políticos a los que designan como de izquierda o de centroizquierda en algunos casos, y como progresistas en otros; describen trayectorias desde la oposición al poder y las transformaciones experimentadas en el proceso; presentan señas de identidad, poniendo énfasis alternativamente en las características individuales y en los parecidos de familia; describen conflictos, dilemas y desafíos pasados, presentes y futuros; y examinan algunas de las políticas implementadas desde la llegada al gobierno. Los trabajos que integran este libro proponen tantas respuestas como nuevos interrogantes; exponen tantas certezas como dudas. De más está decir que aquí no se agota el debate. Un libro siempre es, a fin de cuentas, nada más y nada menos que un comienzo.


GLEIZER, Marcos André. Metafísica e conhecimento: ensaios sobre Descartes e Espinosa. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

Sinopse: Uma análise sobre conceitos de pensadores seminais do racionalismo moderno. Metafísica e conhecimento – ensaios sobre Descartes e Espinosa, de Marcos André Gleizer, publicado pela Editora da Uerj, remete a teorias que revolucionaram a filosofia por destacarem a importância de fundamentar a verdade pelo rigor da razão.
O livro reúne dez ensaios que resultam de pesquisas desenvolvidas por Gleizer durante os últimos vinte anos. O objetivo não é determinar fatores históricos envolvidos na gênese do pensamento de Descartes e Espinosa, mas esclarecer as estruturas conceituais.
Os capítulos enfocam diversos temas da teoria do conhecimento e da metafísica, investigando teses e problemas epistemológicos formulados por Descartes e Espinosa, em um processo que também se mostra interessante por explicitar a diferença entre os dois autores. O resultado certamente estimulará não só a uma reflexão atual sobre teorias do racionalismo moderno, mas também a uma leitura mais aprofundada dos grandes clássicos da história da filosofia.


GALVES, Marcelo Cheche; BEZERRA, Nielson Rosa (Org.). Pontos, contrapontos não desvendados: os vários tecidos sociais de um Brasil oitocentista. São Luís: Café e Lápis, 2011.

Sinopse: O livro é uma coletânea de artigos de professores pesquisadores, de vários estados, que participaram do II Simpósio Maranhão Oitocentista, ocorrido no ano passado. A publicação foi organizada pelos professores José Henrique Borralho, Marcelo Cheche Galves e Nielso Bezerra.




BARRY, Brion. Culture and Euality: an Egalitarian Critique of Multiculturalism. Cambridge: Harvard University Press, 2001.

Sinopse: a Defenders of multiculturalism are called to task by the esteemed political philosopher Brian Barry in this critique of the "politics of difference". Barry argues that multiculturalist policies do not advance the values of liberty and equality but foster strident nationalism by focusing on what divides people at the expense of what unites them...a Audrey Stratham, Scotland on Sunday a Brian Barry, in [his] recent and controversial work on multiculturalism ... argues that contemporary multicultural practice, which stresses the rights and separateness of ethnic minority and other communities within nation states, harms those governments that are most committed to the provision of greater social justice -- the central plank of new Labour.a John Lloyd, New Statesman a A liberal, Robert Frost wrote, is someone who cana t take his own side in an argument.


MELLO, Gláucia Buratto Rodrigues de. Yurupari: o dono das flautas sagradas dos povos do Rio Negro, mitologia e simbolismo. Belém: Paka-Tatu, 2013.


Sinopse: O livro “Yurupari e o complexo das flautas sagradas dos povos do Rio Negro: mitologia e simbologia” da antropóloga Glaucia Buratto Rodrigues de Mello é resultado de seu estágio de pós-doutoramento no Programa de Pós-Graduação em Artes da UFPA, vinculada ao projeto “Música e mito no clã Desana Guahari Diputiro Porã, Am” do Grupo de Pesquisa Música e Identidade na Amazônia – GPMIA e oportunizado pelo Programa Nacional de Pós-Doutorado – PNPD/CAPES. O livro oportuniza reflexões a partir das versões desana e baniwa dos mitos em torno do complexo das flautas sagradas da região do Rio Negro a partir de publicações da Coleção Narradores Indígenas do Rio Negro – FOIRN/ISA. A autora privilegia um olhar acerca das questões simbólicas que permeiam os mitos e sua práxis ritual, trazendo contribuições para as áreas da antropologia e etnomusicologia, bem como para a etnologia indígena da região do Alto Rio Negro.




ESPINHEIRORA, Gey. Metodologia e prática do trabalho em comunidade. Salvador: EDUFBA, 2008.

Sinopse: Convoca o leitor à reflexão para o aprendizado ou aperfeiçoamento do fazer com consciência e competência, obedecendo ao cânone do senso comum: “quem sabe faz, quem não sabe ensina”. Funda-se na metodologia para, além da técnica instrumental, despertar a sensibilidade à moda de Válery, “a alma, o olho, a mão”: a mão guiada pelo olho e este pela inspiração da alma. Discute os conceitos de comunidade, projetos e ação social, metodologia, sociologia do trabalho, integração social.




FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier; FUENTES, Juan Francisco (Org.). Diccionario político y social del siglo XIX español. Madrid: Alianza Editorial, 2002.

Sinopse: Este Diccionario político y social del siglo XIX español, formado por más de un centenar de términos y fruto de una investigación colectiva de varios años, recoge lo esencial de un vocabulario sociopolítico que en ese momento se estaba gestando y que en buena medida es todavía el nuestro. Voces como «liberalismo», «democracia», «nación», «clase obrera», «partido», «constitución» o «capitalismo», algunas de ellas creadas en el siglo xix, cobran vida y sentido en estas páginas gracias al estudio de los mejores especialistas en la materia. Como si de una biografía se tratara, cada entrada muestra la trayectoria histórica que, a lo largo del siglo, recorrió cada uno de estos conceptos, muchos de los cuales nacieron con la Revolución liberal para expresar ‹y para construir polémicamente‹ una nueva realidad sociopolítica en rápida transformación. Aunque en su mayor parte se trata de un vocabulario común al mundo occidental, los matices semánticos de tales términos, según su uso en el debate político, contribuyen a esclarecer el modelo hispano de acceso a la modernidad.



O'SHEA, Stephen. A heresia perfeita. Rio de Janeiro: Record, 2005. 

Sinopse: Poetas e trovadores declamando em campos de batalha e bosques povoam nosso imaginário sobre o sul da França medieval. Enquanto o século XII é revelado por meio de canções sobre amores, prazeres e adultérios, o século XIII, segundo Stephen O’Shea, revela uma expressiva virada para a violência e intolerância. A HERESIA PERFEITA mostra a cruzada da Igreja Católica Romana contra os cátaros, também conhecidos como albigenses, um grupo de cristãos heréticos cujos ideais ameaçavam a Igreja e o sistema feudal.



ÁLVAREZ ACOSTA, María Elena (Org.). África subsahariana: sistema capitalista y relaciones internacionales. Buenos Aires: CLACSO, 2011.

Sinopse: El libro es el resultado de un esfuerzo colectivo, donde han participado estudiosos del acontecer de África Subsahariana. La idea tuvo su punto de partida en el curso que se impartió en el aula virtual de CLACSO (2007 y 2008), bajo el título: “África Subsahariana: subdesarrollo, conflictos y migraciones”. Como resultado de ese curso, la profesora que lo ofreció y un grupo de estudiantes que participaron, a los que se sumaron otros especialistas, hoy tenemos el placer de presentarle este texto, bajo el título: África Subsahariana: sistema capitalista y relaciones internacionales. A pesar de la importancia del estudio del acontecer socioeconómico de África Subsahariana para comprender la inserción periférica y dependiente de esta región del mundo en el sistema capitalista mundial y poder tener una visión más integral del sur, en las Universidades de Latinoamérica ha disminuido la presencia de la enseñanza de la historia y de la situación actual de los países que integran dicha región.


OLIVEIRA, Eduardo Chagas (Org.). Problemas de fenomenologia & hermenêutica. Feira de Santana: UEFS, 2002.

Sinopse: A presente preleção tem por tarefa apresentar e elaborar os problemas fundamentais da fenomenologia. Em algumas passagens, ela também procura se aproximar de uma solução desses problemas. Com esta preleção Heidegger retoma e desenvolve a temática central da terceira seção da primeira parte de Ser e tempo: a resposta à pergunta ontológico-fundamental diretriz para a analítica do ser-aí, a pergunta acerca do sentido de ser em geral, por meio da identificação do "tempo" como horizonte de toda compreensão de ser.



REIS, Fernando Guimarães. Por uma Academia renovada: formação do Diplomata brasileiro. Brasília, DF: FUNAG, 2013.

Sinopse: A academia a que se refere o título desse livro é o Instituto Rio Branco (IRBr) do Ministério das Relações Exteriores. É uma instituição quase septuagenária, que acumulou prestígio e respeito, dentro e fora do país. Isso não significa que se deva dormir sobre os louros do êxito adquirido. Depois de analisar a formação de figuras representativas da diplomacia brasileira - com ênfase no Barão do Rio Branco - o livro recorre à filosofia da educação, com vistas a aplicá-la a nossa Academia. Formula, ao final, um esboço de proposta para a continuada renovação do IRBr, patrimônio nacional.




CORNELL, Drucilla. The philosophy of the limit. New York: Routledge, 1992.

Sinopse: In The Philosophy of the Limit Drucilla Cornell examines the relationship of deconstruction to questions of ethics, justice and legal interpretation. She argues that renaming deconstruction "the philosophy of the limit" will allow us to be more precise about what deconstruction actually is philosophically and hence to articulate more clearly its significance for law. Cornell's focus on the importance of the limit and the centrality of the gender hierarchy allows her to offer a view of jurisprudence different from both the critical social theory and analytic jurisprudence.




SARDENBERG, Ronaldo Mota. O Brasil e as Nações Unidas. Brasília: FUNAG, 2013.


Sinopse: Em breves palavras, apresentar-se-ão neste livro o significado das Nações Unidas no cenário internacional e o modo pelo qual o Brasil atua no âmbito dessa Organização. O Livro esta estruturado da seguinte forma: Na primeira parte, discutem-se o sentido das Nações Unidas(ONU) como organização internacional e seu papel na ordem mundial do pós-guerra fria, após o colapso da União Soviética(URSS) em 1991. Na segunda parte, propõe-se comparar a liga das Nações e a ONU. As diferenças e a evolução histórica de uma para outra são o ponto principal do texto. Na terceira parte, é apresentada uma visão sintética sobre os seis órgãos principais da ONU e as funções que desempenham na política internacional.



VAN DEN BERG, Axel. The immanent Utopia: from Marxism on the state to the state of Marxism. Princeton, N.J.: Princeton University Press, c1988.

Sinopse:  The spectacular growth of Marxist literature on politics and the state in capitalist society has been widely hailed as cumulative proof of Marxism's success in producing an effective theory of the political superstructure. More generally, it has been seen as confirmation of the health and vigor of Marxist theory. Axel van den Berg raises serious questions about both claims. Through comprehensive analysis of Marxist thought on bourgeois politics and the state, from that produced by Marx himself to the present, van den Berg radically challenges the viability of a distinctly Marxist theory of the state and of recent Marxist theorizing in general. In an exhaustive review of the literature, van den Berg shows that neo-Marxist theories are, for the most part, not empirically testable.


STEVENSON, William. Um homem chamado Intrépido. Rio de Janeiro: Record, c1976.

Sinopse: Intrépido é um inglês que ajudou a combater os alemães na Segunda Guerra Mundial longe dos holofotes. Ajudando a criar a CIA e utilizando a espionagem para combater os alemães.







LIMA, Jorge da Cunha (Org.). Franco Montoro. Brasília: Edições Câmara, 2009.

Sinopse: Apresenta a vida pública, discursos, debates históricos, e os projetos de lei apresentados pelo perfilado durante os mandatos de deputado federal e senador.





ECHART MUÑOZ, Enara. Movimientos sociales y relaciones internacionales: la irrupción de un nuevo actor. Madrid: Catarata: Instituto Universitario de Desarrollo y Cooperación, c2008.


Sinopse: En un sistema internacional que ha sido monopolizado por los actores estatales y sometido, por tanto, al juego de sus intereses, la aparición de los movimientos sociales con actividades mas allá de las fronteras nacionales es un elemento cuando menos innovador. Por eso las obras más tradicionales en el estudio de las Relaciones Internacionales los han ignorado, excluido o marginado. Su espontaneidad, su heterogeneidad, su ruptura con el orden establecido, su compromiso con las llamadas causas perdidas, su vinculación a las demandas de una población que no tiene casi ninguna otra forma de expresión las excluye de la ortodoxia dominante. Hoy su escenificación es innegable en buena parte del planeta, pero siguen planteándose muchos interrogantes con respecto a su naturaleza, características y su grado de influencia o poder.


TÉRCIO, Jason. Rubens Paiva. Brasília: Edições Câmara, 2013.

Sinopse: Esta publicação, composta de ensaio biográfico, discursos, cronologia, fotografias e documentos sobre a trajetória pessoal e política de Rubens Paiva, permite ao leitor conhecer fatos da crise política que culminou no golpe de Estado de 31 de março de 1964.





GANDÁSEGUI HIJO, Marco A.; CASTILLO FERNÁNDEZ, Dídimo (Org.). Estados Unidos: la crisis sistémica y las nuevas condiciones de legitimación. Buenos Aires: CLACSO: Siglo Veintiuno, 2010.


Sinopse: Esta obra de nutre de 20 capítulos -sus autores son reconocidos investigadores de Argentina, Brasil, Colombia, Chile, Cuba, México, Panamá, Puerto Rico y Estados Unidos-, divididos en los tres grandes ejes que la articulan: Crisis mundial o crisis del capitalismo; Crisis de hegemonía y decadencia interna en Estados Unidos; Nueva geopolítica de Estados Unidos, escenarios para América Latina.






BASSANI, Paulo. Trabalhadores rurais: resistência e descoberta. Londrina: Eduel, 2006.

Sinopse: Este livro pretende ampliar o debate em torno dos movimentos sociais, no Brasil e na América Latina, que emergem após os regimes autoritários no processo de construção da democracia.







GAVENTA, John; TANDON, Rajesh (Ed.). Globalizing citizens: new dynamics of inclusion and exclusion. London; New York: Zed Books, 2010.

Sinopse:  Globalization has given rise to new meanings of citizenship. Just as they are tied together by global production, trade and finance, citizens in every nation are linked by the institutions of global governance, bringing new dynamics of inclusion and exclusion. For some, globalization provides a sense of solidarity that inspires them to join transnational movements to claim rights from global authorities, for others, globalization has meant greater exposure to the power of global corporations, bureaucracies and scientific experts, thus adding new layers of exclusion to already fragile meanings of citizenship.




COLCHETE, Eliane. A formação da filosofia contemporânea. Rio de Janeiro: Litteris, 2014.

Sinopse: O livro traz uma interpretação da história da Filosofia desde o seu começo na Grécia Antiga, até chegar aos dias atuais, mostrando que todos os momentos e movimentos do pensamento filosófico são importantes para entender a Filosofia Contemporânea, a qual trabalha com a multiplicidade teórica, oferecendo uma gama variada de instigantes aportes teóricos, que favorecem práticas sociais libertadoras, visando a real democratização do pensamento e da cultura planetária.




BOMENY, Helena. Paraíso tropical: a ideologia do civismo na TVE do Maranhão. Rio de Janeiro: Achiamé, 1981.

Sinopse: O autoritarismo foi certamente o problema que mais desafiou os cientistas polítricos brasileiros nos últimos quinze anos. Muito se pensou, debateu, escreveu e publicou sobre o assunto - sobre suas causa, características, e condições de persistência. E muito se trabalhou, cada um à sua maneira, pela sua superação. O estudo de Helena Bomeny é parte integrante desse esforço coletivo: apresentado originalmente como tese de mestrado ao Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro.



SÁ, Maria Elisa Noronha de. Civilização e barbárie: a construção da idéia de nação: Brasil e Argentina. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.


Sinopse: Uma análise comparativa, no campo da história intelectual, da ideia de nação nos escritos do brasileiro Visconde do Uruguai e do argentino Domingo Faustino Sarmiento, que desempenharam importantes funções políticas e marcaram a história dos respectivos países no século XIX. Ambos elegeram o par civilização/barbárie como eixo central da representação de nação, a qual deveria se constituir associando-se à “civilização”, identificada com a cidade, para vencer a “barbárie” que predomina no “vazio” do sertão e do pampa. 




NABAIS, Nuno. A evidência da possibilidade: a questão modal na fenomenologia de Husserl. Lisboa: Relógio D'Agua, 1998.

Sinopse: A teoria fenomenológica da evidência depende da explicação recíproca da possibilidade do fenômeno e do fenômeno da possibilidade. Segundo Husserl, descrever aquilo que aparece à consciência como um fenómeno evidente, isto é, um aparecer completo não apenas daquilo que aparece mas do critério de verdade do aparecer, implica também descrever a condição de possibilidade do aparecer. Só há evidência, só há uma verdade sem resto, se na actualidade do fenómeno se manifestar a própria possibilidade da sua manifestação. Esta tese é profundamente paradoxal. Ela faz da possibilidade do fenômeno algo que também é fenómeno, algo que aparece enquanto possibilidade do aparecer. Mas, apesar de paradoxal, esse é o mais importante corolário da condição descritiva da fenomenologia. A verdade só se deixa pensar no esclarecimento do vínculo entre os conceitos de evidência e de possibilidade.




SMITH, Jim B. A última missão: a história secreta da batalha final da Segunda Guerra Mundial. Rio de Janeiro: IMAGO, 2003.

Sinopse: Um relato da missão americana ,final de bombardeio da Segunda Guerra Mundial e de como essa missão evitou um golpe militar que manteria o Japão em guerra, e possivelmente levando os americanos a lançarem uma terceira bomba atômica.




LEITE, Ilka Boaventura (Org.). Laudos periciais antropológicos em debate. Florianópolis: ABA/NUER, 2005.

Sinopse: Este livro é fruto de um debate iniciado há quase duas décadas, desde a promulgação da Constituição de 1988,sobre o papel dos antropólogos na elaboração de laudos periciais. As reflexões sobre laudos, no campo antropológico, se iniciaram em torno de uma demanda de especialistas antropólogos para demarcação de terras indígenas, de estudos sobre impactos ambientais em projetos de desenvolvimento e questões territoriais junto aos remanescentes de comunidades de quilombos.


ARAUJO, Rodrigo Cardoso Soares de. Pasquins: submundo da imprensa na corte imperial 1880-1883. Rio de Janeiro: Multifoco, 2012.

Sinopse: A experiência de longos anos tem demonstrado que as boas intenções, ilustração e honradez não são os principais requisitos da primeira autoridade policial desta cidade; os chefes enérgicos e corajosos são os que têm deixado nome lembrado.





DELEUZE, Gilles. Empirisme et subjectivité: essai sur la nature humaine selon Hume. 6.éd. Paris: Presses Universitaires de France, 1998.

Sinopse: Montre comment Hume définit l'empirisme non seulement par l'origine sensible des idées, mais aussi autour des problèmes des relations, des cas et des illusions. Ainsi la croyance pratique est-elle substituée au savoir, et naturalisée par une entreprise athée.





SERPA, Marcelo. Eleições espetaculares: como Hugo Chavéz conquistou a Venezuela. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2013.

Sinopse: Aborda a história de um país, da sua construção democrática e da sua conquista pelo seu mais recente líder, Hugo Chávez, há mais de uma década vencendo as eleições e referendos venezuelanos. Investiga a relativização da importância do discurso político nos processos eleitorais contemporâneos. E examina a espetacularização das eleições latino-americanas.




BULCÃO, Marly; REIS, Nilo Henrique Neves dos (Org.). Bachelard: razão e imaginação. Feira de Santana, BA: UEFS/NEF,  2005.

Sinopse: O livro apresenta a profunda relação entre a obra e a vida de Bachelard, destacando as rupturas e os instantes de seu pensamento na cultura filosófica. As autoras explicitam os confrontos do pensador com seus contemporâneos e a pertinência de sua epistemologia ao "novo espírito científico" que marca o mundo moderno. O livro apresenta a profunda relação entre a obra e a vida de Bachelard, destacando as rupturas e os instantes de seu pensamento na cultura filosófica.






SHINN, Terry. Controvérsias sobre a ciência: por uma sociologia transversalista da atividade científica. São Paulo: Associação Filosófica Scientia Studia: Ed. 34, 2008.

Sinopse: Este livro apresenta uma introdução às intensas controvérsias acerca da definição da ciência, sua organização, seu funcionamento e seus vínculos com a sociedade global. O pano de fundo é constituído por duas correntes sociológicas que se enfrentam no curso do século XX, e que levam à chamada "guerra das ciências". A primeira corrente considera a ciência como autônoma, fundada sobre um modo de conhecimento singular: ela explica sua organização e funcionamento internos, mas evita analisar o conteúdo da ciência. A segunda, surgida no final dos anos 1970, desvela a ciência no processo de sua feitura, mas nega-lhe qualquer especificidade: para ela, a ciência não se diferencia das outras atividades socialmente constituídas.




BERGER, Peter L. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 35.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

Sinopse: Aborda o tema da sociologia do conhecimento, campo aqui redefinido como o "conhecimento em geral" (senso comum). A sociedade pode apresentar-se ao indivíduo como uma realidade objetiva (institucionalização ou legitimação), ou também como realidade subjetiva (interiorização ou identificação).





RUST, Leandro Duarte. A reforma papal (1050-1150): trajetórias e críticas de uma história. Cuiabá: EdUFMT, 2013.

Sinopse: O livro apresenta um exercício historiográfico que, para além, de abordar um dos temas fundamentais da política da civilização cristã ocidental -A Reforma Papal-, permite refletir sobre a construção da história e, por meio da narrativa, acompanhar a saga desse conceito no qual se assenta, ainda hoje nosso imaginário, em relação ao poder.


 
BURAWOY, Michael (Ed.). Facing an unequal world: challenges for a global sociology, v. 1: Introduction, Latin America and Africa. Taipei: Institute of Sociology, Academia Sinica: Council of National Associations of the International Sociological Association, Academia Sinica, 2010.

Sinopse: Consist of papers originally presented at a conference of National (Sociological) Associations, March 23-25, 2009 in Taipei. It was sponsored by the International Sociological Association and hosted by the Taiwanese Sociological Association and the Institute of Sociology, Academia Sinica, one of the leading centers for scientific research in Asia. The papers address the obstacles to forging a global community of sociologists, obstacles that include inequalities, dominations and dependencies within as well as between nations. The Conference discussed new directions for sociology that might address those obstacles and meet the challenge of a global sociology. The conference papers are arranged into three volumes, divided according to region: Volume I, Latin America and Africa; Volume II, Asia; Volume III, Europe.



BURAWOY, Michael (Ed.). Facing an unequal world: challenges for a global sociology, v. 2: Asia. Taipei: Institute of Sociology, Academia Sinica: Council of National Associations of the International Sociological Association, Academia Sinica, 2010.

Sinopse: Consist of papers originally presented at a conference of National (Sociological) Associations, March 23-25, 2009 in Taipei. It was sponsored by the International Sociological Association and hosted by the Taiwanese Sociological Association and the Institute of Sociology, Academia Sinica, one of the leading centers for scientific research in Asia. The papers address the obstacles to forging a global community of sociologists, obstacles that include inequalities, dominations and dependencies within as well as between nations. The Conference discussed new directions for sociology that might address those obstacles and meet the challenge of a global sociology. The conference papers are arranged into three volumes, divided according to region: Volume I, Latin America and Africa; Volume II, Asia; Volume III, Europe.



BURAWOY, Michael (Ed.). Facing an unequal world: challenges for a global sociology, v. 3: Europe and concluding reflections. Taipei: Institute of Sociology, Academia Sinica: Council of National Associations of the International Sociological Association, Academia Sinica, 2010.

Sinopse: Consist of papers originally presented at a conference of National (Sociological) Associations, March 23-25, 2009 in Taipei. It was sponsored by the International Sociological Association and hosted by the Taiwanese Sociological Association and the Institute of Sociology, Academia Sinica, one of the leading centers for scientific research in Asia. The papers address the obstacles to forging a global community of sociologists, obstacles that include inequalities, dominations and dependencies within as well as between nations. The Conference discussed new directions for sociology that might address those obstacles and meet the challenge of a global sociology. The conference papers are arranged into three volumes, divided according to region: Volume I, Latin America and Africa; Volume II, Asia; Volume III, Europe.




BUARQUE, Cristovam. A revolução na esquerda e a invenção do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

Sinopse: O Brasil vive um apartheid social que mantém 60 milhões de pessoas alijadas do consumo, excluídas da economia e, na prática, da cidadania. Com base nessa constatação, Cristovam Buarque propõe uma reforma na esquerda, uma revolução nos objetivos, nos métodos, nas estratégias, na própria lógica dos partidos; uma reforma que poderá levar à invenção - ou à reinvenção - do Brasil.






PRIORI, Angelo. O levante dos posseiros: a revolta camponesa de Porecatu e a ação do Partido Comunista Brasileiro no campo. Maringá: EDUEM, 2011.

Sinopse: O levante dos posseiros analisa a revolta camponesa de Porecatu, movimento social de resistência, articulado por camponeses em defesa da posse da terra, na região Norte do Estado do Paraná, nos anos 1940 e 1950. Esse movimento tomou corpo e forma a partir da intervenção de militantes e dirigentes do Partido Comunista Brasileiro (PCB), que através de uma ampla rede de solidariedade (fornecimento de armas, alimentos, roupas, remédios e dinheiro) conseguiram organizar a luta armada por um período superior a dois anos. O estudo foi realizado tendo como base os documentos e relatórios produzidos pela Delegacia de Ordem Política e Social do Paraná (DOPS/PR), pelo Partido Comunista Brasileiro, pelo Fórum da Comarca de Porecatu e por uma ampla gama de reportagens sobre o episódio, publicadas em jornais e revistas da época.


GALVÃO JUNIOR, João Carlos. Sobre a exceção humana: carta a Lacan, Jung, Schmitt... São Paulo: LiberArs, 2012.


Sinopse: Neste trabalho teórico de desconstrução se conjuga seguramente com uma perspectiva genealógica, de forma que é a genealogia da soberania que está aqui também em pauta. No que tange a isso, é a referência à Nietzsche que delineia as trilhas desta investigação, na sua incidência diferencial sobre os discursos teóricos de Foucault, Benjamin e Derrida, na medida que a articulação dos registros da vida e do poder seriam a condição de possibilidade para que a desconstrução da soberania se cônjuge com a genealogia desta.




POPPER, Karl R. Textos escolhidos. Rio de Janeiro: Contraponto, Ed. PUC-Rio, 2010.

Sinopse: As ciências naturais passaram por grandes transformações no século XX, desde a física no início do século até as ciências biológicas mais contemporaneamente. Essas transformações levantam importantes questões sobre a estrutura da realidade, a natureza do conhecimento, a concepção de método e a validade das teorias científicas. A filosofia da ciência, também conhecida como epistemologia, tem sido uma das áreas centrais da filosofia na medida em que discute precisamente essas questões, refletindo sobre o sentido e o impacto dessas transformações na ciência e mostrando como elas nos levaram a rever algumas das crenças mais tradicionais no campo do conhecimento científico e da metodologia das ciências.




WELLMER, Albrecht. The persistence of modernity: essays on aesthetics, ethics, and postmodernism. Cambridge, Mass.: MIT Press, 2013.

Sinopse: The Persistence of Modernity presents four essays, drawn from works by one of Germany's foremost philosophers, that go to the heart of a number of contemporary issues: Adorno's aesthetics, the nature of a postmodern ethics, and the persistence of modernity in the so-called postmodern age.Albrecht Wellmer defends the general thesis that modernity contains its own critique and that what has been called postmodernism is in fact a further articulation of that critique.



MIALHE, Jorge Luís. Cidadãos de dois mundos: o engenho central e a imigração francesa na região de Piracicaba. Piracicaba, SP: Biscalchin, 2012.

Sinopse: Escrito originalmente como tese de doutorado em História Social defendida na USP em 1997 e agora publicado graças ao Fundo de Apoio à Cultura da SEMAC, a obra pretende oferecer, como contribuição à historiografia, o exemplo de um núcleo de imigrantes franceses ligados ao investimento de capitais nas quatro primeiras décadas do século XX.